A guerra contra a ficção científica

por The-Spearhead.com 

A ficção científica é uma forma de ficção tradicionalmente masculina. Muito mais homens do que mulheres se interessam em ler e/ou assitir coisas relacionadas a ficção científica. Não há nada demais aí. Afinal, a ficção científica tradicionamente mostram homens fazendo coisas, inventando novas tecnologias, explorando novos mundos, fazendo novas descobertas científicas, terraformando planetas, etc. Muitos homens que trabalham na área da ciência, engenharia e tecnologia afirmam que a ficção científica (como a série original do Jornada nas Estrelas) foi o que motivou eles na infância a seguir carreira nestes campos. Continue lendo

Na era dos excessos, o sexo perde o encanto

A colunista Karen Krizanovich, que escreve no jornal Daily Mail, opina que o “sexo não é mais sexy“. De acordo com a articulista, que escrevia colunas sobre sexologia em jornais, a super exposição e a politização do sexo estão fazendo o ato ficar tedioso e sem graça. Continue lendo

Tenente Starbuck… Perdido na castração

por Dirk Benedict 

Era uma vez, numa terra distante chamada Hollywood (que agora virou apenas um “estado de espírito”), foi dado a um jovem ator um script e lhe foi perguntado se ele toparia dar vida a um personagem chamado Starbuck. Eu era o ator. O script era de uma série chamada “Battlestar Galactica”.

Felizmente, eu era novo, tinha uma imaginação fértil e glândulas supra renais fortes na época, porque trazer Starbuck à vida era fora de questão para a maioria dos executivos da área. Todas as caracterísitcas de personalidade que eu lutei para dar ao personagem receberam muita oposição. Um mulherengo charmoso? Os executivos detestaram. Um fumante inveterado de charutos (fumerello)? Os executivos odiaram. Um herói rebelde que via graça até nas piores situações? Os executivos odiaram. Toda essa resistência me convenceu que eu estava fazendo o certo. Continue lendo

Filme sobre assassino faz com que ele ganhe uma esposa

publicado dia 20/03/2006

De James Bone de Nova Iorque

O garanhão.

Justine Mirth começou a escrever para Tom Nissen na prisão depois de assistir a performance ganhadora do Oscar de melhor atriz de Hillary Swank, que interepretava uma das vítimas dele, a transformista Teena Brandon. Nissen estuprou e a matou depois de descobrir que ela estava se vestindo como um homem.

Miss Mirth, uma mãe solteira de 4 filhos de 32 anos que mora em Chicago, recebeu uma licensa matrimonial para se casar com Nissen na sala de espera da prisão, mesmo sem eles nunca terem se encontrado pessoalmente. “Parece estranho, mas nós temos laços amorosos muito fortes,” ela disse ao Times ontem. “Nós se entendemos,” ela diz. Nissen cumpre prisão perpétua sem direito à condicional. Continue lendo

Mulher: do antigo testamento até hoje, fugindo do seu propósito!

por Lady

“Disse mais o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea.”

Auxiliar = Ajudar, socorrer; servir de meio para; que ou o que presta assistência a outrem na realização de alguma atividade!. Que ou quem tem uma função secundária em alguma atividade.

Idôneo= Conveniente, próprio para alguma coisa; capaz de exercer atos civis e políticos; apto, capaz; adequado.

Auxiliadora e idônea, algo raro nos dias de hoje. Mas isso não é exclusividade dos dias atuais, desde os tempos da bíblia nós vemos exemplos de mulheres as quais a idoneidade passou longe. Em contra partida, há grandes exemplos de mulheres que através de sua sabedoria influenciaram o rumo da história. Continue lendo

Relato de Superação: Choi Sung-Bong

por Mandrake, do Fórum do Búfalo.

Choi Sung-Bong, um sul-coreano de 22 anos, foi abandonado no orfanato quando tinha 3 anos. Aos 5, fugiu porque apanhava. Viveu os 10 anos seguintes sozinho nas ruas, dormindo em escadas e banheiros públicos, vendendo bebidas e balas.

Ao se apresentar no Korea’s Got Talent, uma espécie de Ídolos coreano, Choi disse que sabe que não canta bem, mas gosta de cantar porque o faz se sentir feliz. Continue lendo

Ocidental tenta ser “gueisha” e falha miseravelmente devido a sua arrogância

A primeira gueixa ocidental a ser admitida no mundo fechado das lendárias anfitriãs japonesas sai dos treinos depois de acusada de levar descrédito ao movimento.

Por Julian Ryall, de Tóquio.

Fiona Grahan, com 47 anos e educada em Oxford, foi a única estrangeira em 400 anos a ser aceita como aprendiz de gueisha, mulheres cujas habilidades nas danças tradicionais japonesas, poesia e música são reverenciadas como parte da cultura nacional.

Mas agora, tendo passado por um treinamento rígido para entrar numa profissão que sempre foi considerada não adequada aos estrangeiros, ela saiu de sua organização profissional depois de brigas com outros membros.

Ms Graham, que escolheu o nome artístico “Sayuki (felicidade transparente, em japonês) depois de fazer sua estréia como gueisha em 2007, foi acusada de recusar a seguir os costumes, faltava em aulas obrigatórias de música e dança e perdia muito tempo fazendo auto promoção. Continue lendo

A primeira general do Exército Israelense comandará Brigada de Recursos Humanos

por The-Spearhead.com

Maj. Gen. Orna Barbivay

Ao contrário de todos aqueles mitos propagados sobre a igualdade de gêneros que ocorrem no exército isralelense, eles sempre tiveram sucesso em recusar as demandas feministas por mais igualdade em suas forças armadas tão bem quanto os demais exércitos ocidentais. Entretanto, como as feministas não conhecem limites, até os israelenses estavam começando a ficar incomodados com as demandas. Então, numa manobra que demonstra uma certa esperteza dos comandantes das Forças de Defesa Israel, eles decidiram criar um batalhão de Recursos Humanos, e promoveram uma mulher para general que liderará esta tropa de burocratas armados de papel e caneta. Continue lendo

Guia do Macho Zeta – A encruzilhada da Hipergamia

(Traduzido por Smith, usuário do Fórum do Búfalo)

por Paul Elam

No último artigo, abordei o conceito fundamental da hipergamia, a tendência natural das mulheres em reduzir os homens a um papel puramente utilitarista. para benefício próprio Eu também abordei a noção de que os homens têm a tendência natural de sustentar mulheres (e, portanto, disputam a atenção delas) o que acaba beneficiando a hipergamia feminina, muitas vezes resultando em homens contribuindo para que sejam usados.

Em suma, a forma como os homens competem por uma classificação mais elevada entre as mulheres, é colocando seu sangue, seu suor, seus bens, até mesmo seu corpo à disposição delas – não importa o quão caprichosas ou triviais elas possam ser.

O problema fundamental com esse arranjo é que a hipergamia não é guiada por nenhum conjunto que constranja os princípios éticos. É, de fato, tão completamente desprovido de uma bússola moral que uma das principais ferramentas no repertório hipergâmico da mulher é envergonhar homens que se sacrificam por elas – e rir baixinho deles enquanto isso. Continue lendo

O Guia do Macho Zeta – Hipergamia feminina

por Paul Elam

“Quando se é casado, é como se todas as manhãs você fosse se olhar no espelho e dizer: ‘Que se foda você. Que se foda seus sonhos, suas ambições e tudo o que for importante pra mim’. Agora é tudo para ela.” – Cris Rock

Em nossos esforços para tentar entender e mensurar o poder que as mulheres tem na sociedade, temos muita dificuldade em estudar sobre isso pelo fato que nossa cultura tem muita dificuldade em reconhecer que tal poder existe. Na verdade, todos negam que só por serem mulheres, elas podem tem muita força e poder, e não admitem que elas estão protegidas de inúmeras pressões sociais e culturais. Proteção que é ainda mais reforçada pela negação deste poder. Continue lendo

%d blogueiros gostam disto: