[Pragakham] O que aprendi com a Matrix

por Pragakham 

Com a libertação da matrix (NE: matrix é o mito do amor romântico) aprendi a enfiar em uma mulher com mais agressividade. Para que ela sinta o dobro de dor no ânus, pra uma vaca aprender o que se faz com nobres sentimentos. Aprendi a tirar mais água dos olhos de uma mulher, quando a mesma está sentido dor vaginal quando a estou enrrabando. Continue lendo

O sumário do ódio

por John The Other

Abaixo, vai um resumo das coisas que estão acontecendo nos EUA e em outras partes do Ocidente que precisam de uma ação mais ativa por parte do movimento masculinista. Os assuntos expostos abaixos já são discutidos com mais detalhes em outros locais. Neste artigo, eles são dispostos em uma lista, consolidada de uma forma prática para se poder ter uma melhor idéia do problema. Continue lendo

O Sexo dos vampiros e a violência – True Blood e a bolha da hipergamia feminina – Final

Caso não leu a 1ª parte, clique aqui.

por Whiskey’s Place 

Mas é claro, casamento hoje é só para os“donos de casa”, machos beta tão assexuados que fazem o serviço doméstico (mulher na verdade não quer que homem faça isto, para elas só basta que eles sejam dominantes e sexys) ao ponto que fazem suas esposas perderem todo o desejo sexual por eles. Hoje Lizzie viveria como Samantha de “Sex and The City” e provavelmente ela nem seria mais racional, faria suas aulinhas de pilates e aplicaria botox e teria uma “fabulosa” quantidade de amigays. E muitas memórias.

O gênio que as mulheres realmente querem, quando os tempos são bons e quando elas podem expressar isto, já está fora da garrafa. Um homem necessita apenas imitar o comportamento dos machos alfa de Crepúsculo, de Buffy, de True Blood, da série de Anita Blake, de Dexter, de qualquer seriado onde a mocinha evita contato com “caras legais” (que não são machos o suficiente pra elas) e prefere o mais ameaçador e desejado pelas outras, o macho alfa. Continue lendo

O Sexo dos vampiros e a violência – True Blood e a bolha da hipergamia feminina – Parte 1

por Whiskey’s Place 

Recentemente, um articulista do blog Pop Matters registrou sua reação contra a extrema violência e ao sexo explícito que a série da HBO “True Blood”, um seriado assisitdo aparentemente por mulheres e gays. O blogueiro até acha a cena em que se combina sexo e violência extrema (onde o vampiro “herói” que é desejado pela audiência feminina faz umas coisas bem grotescas) misógina. O engraçado é que as mulheres que comentaram o artigo não viram nada demais ali, achando tudo muito “artístico” e bacana. [O que mostra bem a moralidade feminina na era da Hipergamia: para um macho alfa, tudo é permitido] Mas, assim como o momento em que Steve Sailer observou, uma mera casa de 46 mts² em Compton foi vendida por 340 mil dólares é o sinal da bolha imobiliária, esta cena de True Blood mostra bem o imenso valor que a dominância de um macho alfa tem numa mulher, que excluí todo o resto, pode estar marcando até onde vai o valor masculino no mercado da Hipergamia. Isto não pode ser o começo da bolha. Mas  como Roissy notou, isto pode ser o início do fim da Hipergamia. Em outras palavras, provavelmente os machos Alfa não tem mais para onde se expandir. Continue lendo

Caras que nem ele são perigosos…

Amigos solteiros de homens casados (e as esposas que os odeiam)

por Ken Knight

Já toquei neste assunto antes, mas gostaria de expandir um pouco mais isto. Sim, todo mundo sabe que os amigos (especialmente os solteiros) de um homem recentemente casado são dispensados por ele assim que a esposinha começa a pressionar seu marido a aceitar logo suas correntes (obrigações com a casa/aceitar as vontades da esposa) e agir de acordo. Amigos solteiros dele são vistos como “sabotadores” por uma esposa insegura porque, falando francamente, o amigo solteiro é como um escravo fujão trazendo as boas novas da liberdade! (parafraseando o comediante Bill Maher). Para botar mais fogo no assunto, digo ainda que a liberdade de seu amigo solteiro pode fazer com que ele repense em tudo o que ele perdeu se casando, com excessão daqueles presunçosos, aqueles que pensam que estão melhores casados do que aqueles que estão solteiros e sem obrigações com ninguém, porque eles fizeram “aquilo que se espera de um homem”, meu amigo Davis que se auto intitula “um imbecil que está ficando farto” porque ele se casou 2 vezes em 10 anos e acabou falindo para poder provar isto. Arrogância pode causar cegueira! Continue lendo

[Pragakham] Sobre o casamento atual

por Pragakham

Achar mulher é igual cerveja em buteco, tá espalhada aos milhares. Difícil é achar uma que quer ser uma mulher honrada, que quer cumprir com o papel de mulher.

Primeiro ela passa o mel na sua boca, fica redondinha com a buceta coçando. Depois, ela começa a se interessar pelo seus bens materiais, vasculhando sua vida, vendo se você tem carro, bens, imóveis. Ai ela coloca aquela saia justinha, passa aquele perfume fedorento da avon, e começa a desviar a vadiagem pro seu lado. Nisso, você de bililiu durim, já acha “vou comer!” e ela começa a encher o saco todo dia com coisas mentirosas, tipo te amo, te gosto, te meto sei lá. Nisso ela já pensa “vou mandar um boneco nas costas deste pijamão!” Ela já pensa em pensão, divisão de bens. Ai a mamãe pilantra dela já fala “filhinha, pega esse homem pra você, porque ele tem grana!” Continue lendo

Grande parte dos casos de violência doméstica são recíprocos

Quando o assunto é violência doméstica, ninguém quer ouvir a verdade

por Barbara Kay, do National Post

publicado em: 27 de fevereiro de 2008

Em um mundo justo, a britânica Erin Pizzey, que fundou o primeiro abrigo para mulheres vítimas de violência doméstica em 1971, seria uma especialista respeitada quando o assunto é violência doméstica. Mas no mundo real, infelizmente, só o nome Pizzey causa nojo por sua heresias politicamente incorretas.

O crime dela? Sendo uma humanista, ela desafiou o dogma das feministas radicais que colonizaram seus abrigos e a praticamente a expulsaram a ponta pés. O mantra ideológico destas feministas, ainda muito vivo, impõe que somente os homens são os culpados em casos de violência doméstica, enquanto mulheres são meras vítimas indefesas que podem até reagir, mas apenas em defesa própria. Mas Pizzey sabia, tanto por experiência própria (seus pais que faziam parte da alta sociedade eram mutualmente agressivos, com a mãe de Erin chegando a agredi-la) quanto pelos relatos que as mulheres que ela abrigava contava, a grande maioria dos casos de violência doméstica são recíprocos. Continue lendo

Falsa acusação de estupro destruiu a vida de um britânico

Um homem que foi acusado falsamente de ter estuprado sua ex-namorada afirma que levará anos para reconstruir sua vida. 

Woodhead acusou Joseph de estupro quando ele terminou um relacionamento que já durava 18 meses com ela

Paul Joseph diz que Kate Woodhead, 31 anos, que foi presa por 3 anos, o deixou sem nada quando ela o acusou de tê-la estuprado em sua casa, no Surrey.

Ele perdeu seu emprego como consultor de TI, sua casa e sua coleção de carros.

“Para mim, é como se alguém tivesse sua casa incendiada com tudo que é dele dentro dela. É praticamente o que aconteceu comigo.”, diz ele. Continue lendo

EastEnders – A novela favorita das britânicas, saiba porque – Final

Caso não leu a 1ª parte, clique aqui.

(Obs: só relembrando antes que algum idiota pergunte, NÃO, EU SOU TOTALMENTE CONTRÁRIO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, TANTO CONTRA HOMENS OU MULHERES. Mas não é porque você é contra algo que você não pode tocar no assunto ou tentar analisá-lo sob outra ótica)

por Angry Harry 

Agora , gostaria de colocar algumas notícias que irão ajudar a compreender melhor o que quis dizer no artigo anterior. Continue lendo

EastEnders – A novela favorita das britânicas – parte 1

Artigo bem interessante escrito por Angry Harry que toca num ponto bem delicado: será que muitas destas mulheres que apanham e sofrem abusos diversos de seus parceiros monstruosos na verdade não estão CURTINDO isto de alguma maneira, num desejo masoquista doentio? O articulista faz um interessantíssimo paralelo com as novelas britânicas, onde as com mais audiência feminina são justamente aquelas que tem como um dos temas centrais o abuso contra a mulher (realidade não tão diferente assim da brasileira…). Tirem suas conclusões…

(Obs: antes que algum idiota pergunte: NÃO, SOU TOTALMENTE CONTRÁRIO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, TANTO CONTRA HOMENS OU MULHERES. Mas não é porque você é contra algo que você não pode tocar no assunto ou tentar analisá-lo sob outra ótica, principalmente se você nota uma estranha tendência acontecendo.)

por Angry Harry 

O que segue, segundo o arquivo de seriados da BBC, é uma amostra do que aconteceu durante os dois EPISÓDIOS DE NATAL da novela britânica EastEnders:

Kat achou Kelly, mas era tarde demais. Zoe fugiu. Roxy bateu em Kelly para descobrir para onde Zoe tinha fugido. Kelly conta para Kat onde Zoe foi.

Roxy encontra Zoe e a agarra. Enquanto ela a arrasta para o seu carro, Kat chega em tempo com Anthony. Ela dá uma cabeçada em Roxy e salva Zoe!

Trevor enfia o rosto de Mo no prato que ela comia. Ele joga o prato no chão , e joga a sua esposa em cima dele, fazendo com que ela coma o peru.

Trevor para com as agressões e pede desculpas. O rosto dela está cheio de molho mas ela o perdoa. Ela garante que ele será um ótimo pai algum dia.

Trevor descobre sobre que Mo tomava pílulas contraceptivas. Ele fica furioso e a espanca. Enquanto isto, Pat acha o relógio de Roy com Jane.

É isso aí, amigos. É assim que a BBC espalha boas vibrações durante o natal. Continue lendo

%d blogueiros gostam disto: