Como as Mulheres Conseguiram Seus Contraceptivos

O Texto a seguir foi traduzido por Pensador Selvagem do site “sheddingoftheego.com”.
O link para o texto original em inglês: http://sheddingoftheego.com/2015/06/18/how-women-got-their-contraceptives/

Um hangout ocorreu entre eu e Aaron Hamlin, M.P.H., Diretor Executivo da Iniciativa Masculina de Contracepção e David Sokal, MD, Presidente do Conselho da Iniciativa Masculina de Contracepção e, no final do hangout, os dois senhores me deram um panorama breve, mas bem completo sobre o processo pelo qual as mulheres finalmente obtiveram acesso a contracepção através da pílula feminina. A discussão levou-me a várias realidades que acredito serem importantes para os homens considerarem em nossa busca de alcançar as mesmas liberdades reprodutivas que as mulheres. Você pode assistir ao hangout no meu canal do YouTube.

É possível ver o estudo deles como uma resposta a algo que eu disse no final de nossa discussão; assumi incorretamente e afirmei que as mulheres, em massa, haviam pedido com sucesso ao governo dos Estados Unidos um financiamento para pesquisas sobre controle de natalidade feminino. Esse não era realmente o caso, embora as mulheres tivessem efetivamente solicitado o governo dos Estados Unidos e os Institutos Nacionais de Saúde (NIH); tanto o governo dos EUA quanto o NIH resistiram às mulheres, que lideram esses esforços, por décadas.

Desde o início da história, mulheres e homens querem poder decidir quando e se devem ter um filho, e têm procurado métodos contraceptivos, seja através de uma injeção contraceptiva, de pílula ou implante contraceptivo. Os contraceptivos têm sido usados ​​de uma forma ou de outra por milhares de anos ao longo da história da humanidade e até da pré-história. No início do século XX, a ideia de contracepção oral na medicina convencional havia morrido. Não era para ser revivido até o fim da metade do século. A mulher que fez isso acontecer foi Margaret Sanger (Riddle, 1992). Nas décadas de 1940 e 1950, Margaret Sanger acompanhou de perto as pesquisas científicas sobre controle de natalidade e financiou parte delas, ao mesmo tempo em que o grupo feminista fundado, a Planned Parenthood Federation of America, fez do apoio à nova tecnologia de controle de natalidade um foco importante de seus esforços. O ponto de virada ocorreu, no entanto, quando uma abonada mulher chamada Katharine McCormick dedicou seu apoio financeiro à pesquisa para produzir um contraceptivo oral (Chesler, 1992). McCormick era herdeira da fortuna da International Harvester (Wikipedia.org).

Antes de entrar em contato com Aaron e David para participar do hangout, fiz uma pequena pesquisa sobre o desejo da pílula masculina na man-o-sphere\androsfera e, especificamente, por que, atualmente, os homens ainda não têm nada mais avançado do que preservativos para evitar gravidezes indesejadas, que são obviamente não confiáveis, ​​e vasectomias, que geralmente são irreversíveis. Muitos dos comentários que encontrei na man-o-sphere\androsfera especularam que não possuímos essa inovação mais básica devido ao lobby de feministas ou às ações de governos que, por algum motivo inexplicável, desejavam manter os homens em um estado semi-primitivo de escravidão reprodutiva. O que eu também percebi foi uma corrente de desamparo entre os homens, esperamos que outra pessoa faça o trabalho por nós e nos entregue um controle de natalidade seguro e confiável, à maneira de Prometeu, que teria roubado fogo dos deuses e revelou aos homens.

Esperamos décadas para as empresas farmacêuticas perceberem o tamanho da reprimida demanda por contraceptivos masculinos confiáveis ​​e começarem a desenvolver drogas automaticamente. Esperamos que eles vejam os lucros obtidos com a venda de contraceptivos para mulheres e esperamos que isso leve diretamente a ensaios clínicos para equivalentes masculinos. Senhores, as coisas não funcionam assim, geralmente isto funciona no mercado livre, mas nem sempre, e contraceptivos, seja para homens ou mulheres, parecem ser uma área de estudo em que nem grandes empresas farmacêuticas multinacionais ou governos iniciarão voluntariamente as pesquisas, apesar do lucro considerável ​​a ser potencialmente obtidos. As razões para isso estão além do escopo deste post.

No campo do contraceptivo masculino, nossas respostas não virão de governos ou grandes empresas farmacêuticas. Se realmente desejamos uma pílula masculina, como as mulheres, devemos nos mobilizar, financiar ensaios e até mesmo participar deles. Se existirem versões ricas de filantropos como Katharine Dexter McCormick, eles devem ser abordados e sua ajuda deve ser pedida.

Outro fato interessante que Aaron e David mencionaram foi que, até o momento, haviam enfrentado muito pouca resistência em seus esforços para desenvolver e conduzir testes de contraceptivos masculinos. A pouca resistência que eles enfrentaram em sua tentativa de desenvolver uma pílula masculina não provém, como eu assumi incorretamente, de feministas à esquerda do espectro político, mas sim dos tradicionalistas cristãos à direita, que se preocupam com o fato de os homens, armados com a capacidade de decidir quando e com quem criamos a vida, caírem em libertinagem e rapidamente abandonarem o ídolo querido dos conservadores cristãos, a família nuclear. Eu me intriguei com esse medo expresso pela direita tradicionalista, de que os homens, ao experimentarem as liberdades inerentes à pílula masculina, dificilmente se reproduzirão nas taxas vistas hoje. Veja bem, o medo deles carrega um reconhecimento tácito de que a maioria dos homens, se for dada a opção, não iniciará famílias, ou pelo menos se absterá de fazê-la de acordo com o cronograma de suas parceiras — desculpe, senhoritas, seria o fim da armadilha matrimonial e da paternal. O tradicionalista entende que os homens estão em grande desvantagem devido ao fato de as mulheres terem contraceptivos confiáveis, e estão bastante confortáveis em manter os homens em um estado tecnológico atrasado para ajudar a defender o conceito enfraquecido dos valores familiares tradicionalistas, mostrando ainda que o tradicionalista certamente não são aliados dos homens.

A liberdade reprodutiva deve se tornar um dos principais objetivos dos homens MGTOW? Essa é uma pergunta que cada MGTOW terá que responder por conta própria. Mas vale a pena notar que as mulheres não alcançaram a liberdade reprodutiva até que priorizassem essa tal liberdade, até encontrarem dinheiro para conduzir pesquisas e entenderem especificamente que as inovações tecnológicas liberariam seu gênero tanto quanto as leis. As soluções para as queixas dos MGTOW’s não serão encontradas nos salões do congresso, nas urnas, na abolição do divórcio sem culpa ou na mudança de opinião das mulheres hipergâmicas, mas sim nos laboratórios de pesquisadores e clínicos pouco conhecidos que, se bem-sucedidos, libertarão os homens do medo de gravidezes indesejadas e darão aos homens todo o poder necessário para escolher quando e se iniciaremos famílias.

A Iniciativa de Contracepção Masculina está lançando uma campanha de financiamento coletivo para os testes clínicos em humanos para um novo contraceptivo masculino. Gostaria de encorajá-lo a se envolver seguindo este link. https://www.indiegogo.com/projects/male-contraception-it-s-time/x/288320#/story

Juntos, podemos apenas criar o tipo de futuro do qual gostaríamos de fazer parte.

CS MGTOW

youtube.com/c/CSMGTOW
google.com/+CSMGTOW

Referências

1. Riddle, John M. (1992). Contracepção e aborto: do mundo antigo ao renascimento. Cambridge, MA: Harvard University Press.

2. Chesler, Ellen. (1992). Mulher de bravura: Margaret Sanger e o movimento de controle de natalidade na América. Nova York: Simon e Schuster.

3. Uma história dos métodos de controle de natalidade. Federação de Planejamento Familiar da América. http://www.plannedparenthood.org/files/2613/9611/6275/History_of_BC_Methods.pdf

1 comentário

    • feminismo lixo em 05/02/2020 às 20:16
    • Responder

    O assunto tratado aqui neste post não tem nada a ver com MGTOW, na verdade, isto é bem uma temática do próprio pessoal da REAL… pois MGTOW não está preocupado em transar com mulheres sem ter o risco de engravidar… nós, MGTOWs, não queremos relacionamento com mulheres, queremos seguir o nosso próprio caminho!!! Quando um MGTOW tiver algum contato com uma mulher, será apenas uma transa rápida, sem nenhum vínculo… ou seja: sem chances de não ter uma camisinha! Ou então, transando com uma garota de programa… mais uma vez COM CAMISINHA!
    No restante, MGTOW é celibatário ou tem boneca sexual ou faz masturbação, ponto final!
    Esta história de “… ter o poder de controlar a reprodução…” tem a ver com o pessoal da REAL, nada a ver com MGTOWs!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: