«

»

maio 02 2014

Além do Marriage Strike: Entrando na Era da Consciência Pós-Casamento

run forresttraduzido por Durga, da Equipe Búfalo de Tradução

Por Zed, para o The-Spearhead.com

Eu inicio este ensaio, sabendo que há um conhecido MRA que vai me atacar por ter a audácia de dizer o que estou prestes a dizer. Muita gente parece muito presa a esse termo “greve de casamento” e está apostando nele para produzir a mudança social do tipo que deseja ver.

No entanto, ser atacado, insultado e xingado por me atrever a dar voz às ideias que vão na contramão da sabedoria convencional social é algo que eu tive que amadurecer bastante nas últimas quatro décadas, mais ou menos.

Embora a ideia de uma greve de casamento seja um slogan bonito, eu acho que há vários problemas importantes, tanto como uma metáfora para o que está acontecendo culturalmente e como uma estratégia. O primeiro e maior problema para o lado MRA da questão é que isso implica que as mudanças nos padrões de casamento que estamos vendo hoje são temporárias, e que mais cedo ou mais tarde todos esses chamados “grevistas casamento” irão “voltar ao trabalho”. Eu não acho que seja verdade, e que as mudanças no comportamento de massa são permanentes e apenas o começo de uma grande mudança de nível cultural no comportamento reflete a mudança de valores ao longo dos últimos 50 anos.

Em uma clássica situação de greve há uma variedade de estratégias para quebrar a união e acabar com a greve. Eles podem contratar capangas (Cavaleiros Brancos) para entrar e quebrar as cabeças dos grevistas. Eles podem encontrar manginas para fazer os trabalhos que os grevistas não estão fazendo. Ou eles podem encenar um bloqueio e se recusar a empregar grevistas na esperança de que eles possam privá-los em capitulação.

Esta última estratégia é a que as mulheres estão usando atualmente – alegando que são elas, e não os homens, que estão evitando casamento. Tudo isso convenientemente ignora o discurso das mulheres ao longo dos últimos 40 anos de que os homens eram “Peter Pans que não podiam selar um compromisso” e o fato de que não há  revistas sobre noivos enfeitando as prateleiras. Existe atualmente um “Projeto Marido” – uma atenção à candidata clássica que tem a data fixada e o casamento planejado e só precisa do pequeno detalhe de um noivo –  No “Projeto Esposa”, temos até uma mulher que pode se casar com ela mesma – com fotos completas em um vestido branco esvoaçante , um organizador de eventos de casamento, e um salão de banquetes para uma festa de casamento com 30 amigos – mas sem os homens envolvidos em tais artimanhas surreais. Toda vez que eu acho que as mulheres atingiram o pico absoluto de narcisismo, além de qual simplesmente não é possível ir, uma mulher aparece e prova que estou errado. A mulher com o bolo de casamento em tamanho real com sua própria imagem foi o ponto alto anterior, mas pelo menos ela tinha um noivo.

Toda a idéia de uma greve é que ela aceita o status quo como legítimo e como a única opção. Confrontadas com a queda da demanda por seus produtos, as mulheres norte-americanas recuaram no método consagrado pelo tempo de protecionismo – passando  para AIRC¹ , a Agência Internacional de Regulamentos do Casamento ato, usando seu gasto, mas ainda eficaz método de pintura de todos os homens como agressores. Imagine a condição financeira que a Firestone Tires teria hoje, se, em vez de abordar o problema da qualidade, eles se irritassem e dissessem: “Bem, nem todos os nossos pneus são assim. Nem todos te deixarão na mão e vão matar você ou sua família. Você apenas tem que encontrar os que não vão.”

Um dos maiores problemas com questões em discussão acaba por ser um problema religioso. Eu não quero dizer “religião” como em uma determinada religião como o cristianismo, o judaísmo, o islamismo ou (embora estejam relacionadas ) – mas “religioso”, no sentido que temos verdadeiros crentes e não-crentes . Muitos dos problemas com que lidamos se enquadram nesta categoria. Eis as palavras duas vezes comentadas no meu recente ensaio sobre a auto-confiança quando se trata de auto- defesa:

“Muitos proprietários de armas casuais têm uma devoção religiosa para com sua arma favorita e tentar explicar-lhes que a sua sabedoria convencional e crenças mais valiosas são muitas vezes errôneas geralmente causa mais problema do que resolve.”

Os “Crentes” acreditam, e eles a persistem na defesa dessa crença em face de evidências contrárias ou argumentos contra ela que distinguem uma crença religiosa de outros tipos de crenças. Há verdadeiros crentes e não crentes. O verdadeiro crente tem uma categoria-espelho – O crente verdadeiro – cuja fé de que o que os outros crentes acreditam que seja errado é tão forte como a fé deles próprios. Por exemplo, eu sou um crente verdadeiro contra todas as doutrinas do feminismo. Rejeito-o completamente, e a profundidade da minha fé é tão profunda quanto a da feminista mais comprometida.

Agora, o próximo bit vai envolver um pouco de manipulação hábil . Vou dar um exemplo de um crente verdadeiro para fazer um ponto – não quero atacá-lo ou expô-lo ridículo. Como EW diz em seu site – Comentar com honra.

Há um blog chamado “Rebelion University” (já gosto dele ), onde o blogueiro discute reflexões de outro blogueiro sobre o fenômeno de uma “greve de casamento”. Ele diz:

“Eu fui casado por 24 anos . Meu casamento quase acabou três vezes e teve sérias discordâncias em várias outras ocasiões. Eu não o caracterizo como um casamento feliz agora. Mas eu ainda estou convencido de que o casamento é uma excelente instituição que eu recomendo com entusiasmo. Um bom casamento contribui para a qualidade de vida de qualquer homem. Se meu casamento terminar mal amanhã eu não tenho nenhuma dúvida de que eu estaria procurando outro compromisso de casamento antes do tempo e esperando por um resultado melhor. “

Esta pessoa é um crente verdadeiro. Apesar de sua própria experiência pessoal, ele “ainda está convencido de que o casamento é uma excelente instituição que eu recomendo com entusiasmo.” E, se a sua excursão atual para a terra da felicidade conjugal “terminar mal amanhã eu não tenho nenhuma dúvida de que eu estaria procurando outro compromisso de casamento antes do tempo e esperando um resultado melhor”.

Deus o abençoe esse cara, Deus o ama. E eu quero dizer isso sinceramente, não é falsidade ou sarcasmo.

Tudo o que posso dizer é que eu, pessoalmente, e não escolho estratégias diferentes. Se em algum momento na minha experiência, o que eu tenho feito não funcionar , então ao invés de fazer a mesma coisa e esperar um resultado melhor, farei algo diferente.

Eu não acredito no casamento. Eu não acredito em casamento 2.0, e principalmente eu não acredito em meus compatriotas . Eu concordo bastante com o que diz  Mr. Price:  “Pare de procurar por uma esposa: Você não vai encontrar uma!”. A diferença entre ele e eu é que eu nunca realmente procurei por uma, porque eu nunca fui um verdadeiro crente no casamento. Provavelmente o ponto mais alto em favor dessa instituição que eu já alcançei foi “cético do casamento”. Eu vi um monte de casamentos horríveis enquanto eu estava crescendo, e eu assisti o casamento do meu irmão mais velho queimar antes de eu sair da escola. O casamento de minha irmã mais velha acabou alguns anos mais tarde . Como os filmes sobre segurança que eles usaram para nos mostrar na escola, com nomes como “Wheels of Tragedy”, que mostra acidentes de carro medonhos após direção imprudente, eu olhei para a carnificina de divórcios brutais que havia ao meu redor, e decidi não me envolver em comportamentos de alto risco.

Como resultado, eu tendo a não ser tão negativo para cada casamento ou as mulheres que, como os homens que já passaram pelo moedor de carne de tribunais de família, mas adoto uma postura “para mim não, obrigado”.

O velho e cansado argumento “nem todas as mulhers são assim” é desperdiçado em caras como eu – “Ainda há muitas boas mulheres por aí, você só precisa sair e encontrá-las.

Hum, desculpe, não, na verdade, eu não “preciso.” Há uma série de leis que exigem que eu faça as coisas – declarações de imposto de renda, pagar impostos, obter uma licença para dirigir, ter mais uma licença para cada veículo que pretendo dirigir em ruas públicas. Mas, não há leis que dizem que eu “tenho que” sair, caminhar através de todas as merdas durante o tempo que for preciso para encontrar a minha cara metade , ficar no pé de sua torre articulada gritando “Rapunzel, Rapunzel, jogue o seu cabelo”, fazer  sua corte, colocar meus bens a seus pés, e esperar com a respiração presa enquanto ela avalia o meu “merecimento”.

Como já foi observado, se as pessoas não se casam, não significa que elas não estão se comprometendo – pelo menos pelos poucos anos que leva para produzir um ou mais descendentes. Com o casamento indo por água abaixo e coabitação indo para cima, a resposta dos Cavaleiros Brancos será estender o que antes eram prerrogativas conjugais para as mulheres e as obrigações para os homens que coabitam . Esta é uma estratégia singularmente ruim para as mulheres, porque obriga o compromisso – força por terminar um relacionamento de uma maneira satisfatória antes que ela ganhe direitos legais sobre seus bens e seu trabalho .

Agora, os proprietários dos meios de (re) produção estão contando com o fato de que os homens precisam tanto de mulheres que só o que elas tem que fazer é esperar e os homens virão. E, eu acho que o termo “greve de casamento” se presta a esse tipo de pensamento. Afinal de contas, as expectativas do atacante são sobre se ele está tendo êxito ou não. Eventualmente, ele vai ficar sem comida, e o calor e as luzes serão cortados e ele vai ter que tomar tudo o que é oferecido ou morrer de fome.

Mas, e se ele não o faz? E se ele decide mudar-se para outro lugar onde a disponibilidade de trabalho e condições são melhores? E se ele foi frugal o suficiente para olhar para a sua situação fiscal e decidir que ele pode simplesmente se aposentar?

As mulheres e o casamento estão passando por um momento muito ruim agora. Do artigo de Bill, a forma como Noivazillas são retratadas, com a quantidade de hostilidade e violência expressa não apenas às mulheres, mas meninas, bem como, em relação a homens de todas as idades. “Os meninos são estúpidos, jogue pedras neles .”

Mas isso não é nada novo . Como eu disse, crescendo, eu vi um monte de casamentos horríveis . A mãe de um amigo meu foi referida como “a mulher mais malvada em 4 municípios”. Durante os últimos 15 anos de vida do pai do meu amigo, sua esposa pensou que ele fosse surdo, porque ele nunca reconhecia nada o que ela dizia. Todos nos 4 municípios sabiam que ele podia ouvir muito bem, e em 15 anos nenhuma pessoa disse a ela! Todo mundo sabia que a pessoa verdadeiramente tóxica ela era, mas seu marido ficou preso a ela, porque ele era um crente verdadeiro no matrimônio e continuou esperando por um resultado melhor.

Não surpreendentemente, meu amigo nunca se casou.

Fui convertido de “cético do casamento” para o “não- crente em casamento” acompanhado por uma série de experiências – incluindo uma com o meu médico . Mais de 30 anos atrás, quando eu estava em um dos meus exames anuais , ele me perguntou se eu era casado. Eu disse que não, que eu não era, e ele respondeu: “Todas as noites, e todas as manhãs, ponha-se de joelhos e agradeça a Deus por isso!!

Na época, ele estava passando por seu segundo divórcio horrível e estava mostrando grandes sinais de transtornos de ansiedade – tiques nervosos, pegando e puxando o cabelo (ele parecia um paciente terminal) e com um olhar de morte estampado no rosto.

Eu tenho um sorriso totalmente verdadeiro ao longo dos anos ao ser capaz de responder à pergunta “Por que você não se casou?” respondendo “por ordens do médico”.

Eu nunca realmente levei isso tudo literalmente, ou orei a Deus  em agradecimento duas vezes por dia, mas repetidas vezes ao longo dos anos eu tive MUITAS ocasiões para olhar para cima e dizer: “Obrigado, Deus, por eu não ser casado com uma mulher assim .” Uma delas é casada com um membro da minha família, então eu recebo uma dose regular de “sim, é isso exatamente o inferno que parece ser”. Um dos benefícios que ela pensa que ela recebe do casamento é o direito de usar a família de seu marido como uma  audiência forçada para ouvir suas queixas , principalmente sobre ele. Cerca de 30 anos atrás, quando eles se casaram , ela costumava me chamar para ter alguém para ouvi-la reclamar dele. E, a 1ª coisa que ela queria reclamar era que ele queria ter relações sexuais com ela. (50 tons de Mary Winker!) E  me fazer concordar com ela sobre o quão terrível isso era! Eu tive que aturar ela várias vezes para levantar alguns pontos –

1 . Esse é o negócio do casamento. Tenho certeza de que todas as manhãs às 5 da manhã, quando ele teve a rolar da cama e ir trabalhar para que pudesse sustentá-la e ela não tivesse que trabalhar,  havia algumas manhãs, nas quais ele não se sentia entusiasmado em fazê-lo. Mas, ele fazia isso porque esse foi o acordo que ele fez e ia viver com ele.

2.Que, como um homem, eu tinha muito mais simpatia pela posição dele do que a dela.

3. Que ela estava traindo o marido tão severamente como é possível trair alguém, não apenas espalhando detalhes sobre seu relacionamento marido/esposa, mas ela estava tentando isso com um membro de sua própria família e o sangue sempre será mais denso do que a água, e

4. Que eu não ia ouvir isso, e que cada vez que ela tentasse eu iria rasgar o verbo, portanto, que ela nunca mais trouxesse o assunto para mim de novo!

Quase 30 anos se passaram e eu ainda detesto essa mulher. Tenho certeza de que eu poderia tê-la perdoado ao longo dos anos se ela tivesse descoberto o erro de seus caminhos, remendado eles, e se arrependesse – mas ela nunca o fez. Trinta anos depois, ela ainda é o tipo de mulher que iria usar a família de seu marido como um público cativo – explorando completamente as graças sociais que temos e que ela não tem – para ouví-la reclamar sobre um membro da nossa família – se nós permitíssimos que ela o fizesse, o que não acontece.

E obrigado, Deus, por eu não ser casado com uma mulher assim!!

E, neste ponto , eu tenho que dizer: “Obrigado, feminismo.” Veja , na época que eu estava entrando nos anos mais vulneráveis ​​para um jovem, e possivelmente, ficaria preso em um casamento com uma mulher como a que acabo de descrever, as mulheres começaram a dizer-me que precisavam de mim mais do que um peixe precisava de uma bicicleta, e que o casamento era “opressão” para as mulheres. E, eu ouvia e acreditava nelas. E logo em seguida, comecei a organizar meu pensamento e minhas crenças para que eu pudesse fazer as mulheres em geral, e qualquer mulher em particular, igualmente irrelevantes para mim. Assim, quando eu ia encontrar uma mulher que mantinha uma placa na porta do quarto dela , que dissesse algo como “eu sou uma mulher de alta performance! Eu vou de zero a cadela em 0,2 segundos” ou “É tudo sobre mim, lide com isso!”, Eu poderia simplesmente dizer “Ok, te vejo por aí, tchau” (Exemplos reais que completaram o trabalho de me mudar para o campo de não-crente)

Então, agora eu estou mais do que nunca não-crente como é possível ser. Se eu encontrasse uma mulher amanhã, que fosse mais bonita que a Jennifer Anniston e Haley Barrry combinadas, cozinhasse melhor do que Julia Child, e soubesse mais posições sexuais que Xaviera Hollander, eu ainda teria uma voz em meu cérebro dizendo “Corra, Forrest, Corra!!”.

Então, eu, pessoalmente, não estou em uma “greve de casamento”, porque eu não tenho nenhuma intenção de “voltar ao trabalho” do casamento . Pessoalmente, eu entrei num estado de espírito em que eu não vejo o casamento como necessário, ou na maioria dos casos, até mesmo desejável. Era uma instituição muito útil no passado, mas foi completamente demolida pelas mulheres, cavaleiros brancos e manginas ao longo dos últimos 50 anos – assim como o entulho de muitas antigas mentiras citadas no testemunho mudo para as estruturas que já estavam lá . Eu estou completa e totalmente em um estado de consciência pós-casamento e minha única pergunta não é “quando?” Ou mesmo “se”, mas “o que vem a seguir.”

E , acredito que, em vez de estar preocupado com qualquer tipo de greve de casamento, e, particularmente, não acreditando que o que todas as mulheres têm a fazer é esperar que os homens  “voltem a trabalhar”, acho que os verdadeiros crentes no casamento precisam se preocupar é com a perda de fiéis. Uma vez que um homem deixa de acreditar no casamento e nas mulheres que são suas potenciais companheiras, não há absolutamente nada nesta cultura capaz de incentivá-lo a começar a acreditar novamente.

fonte: http://www.the-spearhead.com/2010/10/24/beyond-the-marriage-strike-entering-the-era-of-post-marriage-consciousness/

 

7 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Tenchin

    Até hoje, já nos meus 33 anos de idade, não vi um homem dizer pra mim que é feliz no casamento dele. Só vejo reclamações, lamúrias ou simplesmente uma isenção total do assunto quando o papo é sobre cosias boas da vida. Também quero ter filhos, mas como foi dito antes, essa é uma das grandes questões!

  2. mendigo

    sempre haverá casamento e manginas, agora eu sigo a reflexão dos colegas a e do canal, qual vantagem um cara da real ganha ao casar, comer a mesma mulher todos dias? isso é quando ela quiser dar pra vc, já que o marido é o ultimo homem da face da terra que a mulher sente tesão, vejo a solidão como falta de uma filosofia de vida, ou seja solidão por causa de mulher é coisa de manginão.

  3. Andirá

    Incrível a sabedoria deste cara. Realmente o casamento não costuma lá ser grandes coisas para o homem. O fato de ter alguém para comer “até que a morte nos separe” não significa absolutamente nada se tal “comida” não fizer bem à saúde do principal provedor do lar. Mulheres hoje são como Mclanches: só servem para tapear a fome (por sexo). Fora isso, dificilmente um homem levará vantagem em se comprometer com elas. Vejo isso no casamento dos meus irmãos, onde um vive discutindo com a mulher e a outra vive de aparências, já que chifrou o parceiro mas foi perdoada pelo mesmo (ainda tira fotos no face com ele o chamando de meu amor). É demais para mim essas coisas, viu?

  4. binho

    Muito bom texto! Faz a gente pensar em certos pontos que c já matutávamos, porém não tínhamos visto serem tão abertamente e claramente falados em um único raciocínio!

  5. Daniel Martinelli

    Não me convenceu em sair em busca da ‘lendária’ mulher-exeção para casar . Sigo solteiro até o fim . Casar por medo de solidão , pressão social ou por ‘ideologia’ , não é comigo não .

  6. marcelo

    Conheço muito cara que não quer casar acredito que esse numero aumente,porém nem todo movimento é 100% aceito,o casamento sempre irá existir.E tenho percebido muita gente apenas se juntando,que pode ser perigoso,mas vejo um aumento disso,ja que quase todos estao correndo de casamento no papel.Ainda acho dificil de acreditar pelo menos aqui no Brasil os homens de forma geral ,nao terem algo mais serio com uma mulher.La fora a situacao esta bem mais dificil,americano nao esta mais suportando as mulheres de la.Acredito que la esteja pior.Eu já nem me importo mais,estou solteiro,não vou dizer que nunca irei casar,pois sempre tive o desejo de ter filhos,que é o maior problema lidar com isso

    Desculpa os erros escrevo no ipad.Texto bem realista,continue traduzindo mais textos fodas.

    1. mario

      Oi no meu serviço, tem uma mulher 50 anos,que é casada, mas tem um cara que paga café da manhã amoço e janta quase todos os dias p ela. Acontece q as vezes os dois dão uma escapadinha, ele fala q não tem nada c ela, q é por amizade mesmo se for o maior magnão do mundo não vale pane 50 anos, o pior é o marido dela q sabe disso e não faz nada, os outros funcionários q o vê as vezes ele va i buscar ela fazem”muuuuuuuuuuuuuuu” p ele, eu preferia ser solteiro, a ter q passar por isso.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: