«

»

mar 21 2014

Definindo o feminismo, parte 2 – definindo a si própria

teologia da libertaçãopor Society of Phineas

Resumidamente, esta série de posts que definirão de forma mais específica o feminismo (parte 2 em diante) será mais focado em pegar trechos do livro The Feminist Gospel. Eu pegarei resumos que compilei do livro de ideias básicas onde eu pude identificar facilmente coisas que acontecem na igreja moderna, junto a comentários meus sobre tais ideias. Meus comentários estarão em vermelho. O livro em si é muito mais detalhado tanto da vertente secular quanto religiosa do feminismo, e se você puder lê-lo, seria uma boa.

Tendo descrito que havia dois campos do feminismo que tinham objetivos finais idênticos, este artigo descreverá o primeiro maior princípio do feminismo no qual estes dois campos tem em comum. Esta seria a afirmação que cada mulher tem o direito de se definir nos termos de sua própria existência sem se importar com padrões sociais, morais ou religiosos. Seguir apenas este princípio já é suficiente para fazer uma pessoa feminista. Assim sendo, tal princípio sozinho causou incontáveis danos tanto na sociedade quanto na igreja. Em minhas viagens, a melhor definição deste princípio que eu já vi foi escrito por uma mulher no Christianforums.com:

Ser uma mulher é como eu defino isto por mim mesma e é INCRÍVEL ser uma mulher!

Feminismo secular

As feministas da década de 1960 postularam que sua percebida inabilidade de se definirem representou uma falta de autonomia e portanto uma inabilidade de transcender e desenvolver a si mesma. (1) Elas depois estabeleceram que o mundo é “definido e diferenciado, com referência ao homem e não a ela”. (2) Elas acreditavam que para atingir esta igualdade e a libertação como elas assim definiam, era preciso destruir a superioridade masculina e se recusar a assumir papéis tradicionais de gênero. (3) Estes papéis eram identificados com ser “mãe, esposa e amorosa” (3), presa a “cozinha, igreja e as crianças”. (1) Isto foi reforçado por todas as formas de socialismo que retiraram a mulher de suas famílias para favorecer sua libertação. (3) O ideal feminista era aquele que o Estado “assumia as responsabilidades pelas funções maternais que impediam a mulher e restringiam sua participação na força de trabalho.” (3) Eles tinham a União Soviética como representação da possibilidade de atingir tais objetivos numa sociedade organizada. (3) Eles também tinham a independência econômica e profissional como chave para atingir a igualdade com o homem. (4)

No feminismo secular, podemos ver na mulher a vontade de se formar e de ter uma carreira acima de ter uma família. E também podemos ver a inerente hostilidade que a maioria das feministas tem contra o homem, e contra mulheres que decidiram se dedicar a família. E também é evidente que as raízes que o feminismo tem no socialismo e no marxismo. No mundo feminista, o divórcio livre é uma das ferramentas para remover a sua percebida opressão.

As raízes do feminismo Religioso

Tendo definido a expressão deste princípio na sociedade secular, é hora de mudar nossa atenção na forma que tal princípio é expresso no campo religioso. Se olharmos para a história em 1960, os eventos descritos acima tem paralelos nos eventos ocorridos na igreja. Veremos desde o começo que as queixas das mulheres dentro da igreja (algumas válidas, mas a maioria não) nasceram da admistração e da criação das igrejas feitas e mantidas por homens. Isto significa que a causa fundamental do feminismo dentro da igreja é que a igreja do homem ficou acima da igreja criada por Cristo. (por isto que o termo “igreja moderna” ou “igrejismo” sempre aparece junto da palavra “feminismo” quando eu comento sobre o feminismo nas igrejas.)

Nas décadas de 1950 e 1960, as feministas religiosas começaram a vocalizar seu descontentamento com o tratamento diferente que elas recebiam dentro do Catolicismo. (5) Isto foi pelo fato que a “mulher não participava nas tradicionalmente aceitas atividades de ensino, pregação, administração e evangelismo”. (5) O fato que a mulher não era permitida se ordenar padre também se tornou uma reclamação, já que desde a divisão do clero e dos leigos fomentado pelo “igrejismo” criou a percepção que o pastorado ou o “ministério” era uma ocupação profissional. (6) Dado o tempo e a influência da marcha secular das feministas, outras denominações começaram a adotar as observações do Dr. William Douglas, que escreveu (6):

Tanto o Judaísmo e o Cristianismo incorporaram a atitude dominante do patriarcado e a cultura de suas origens, e tenderam a manter a crendice cultural sobre a “impureza” e “perversão” feminina. Embora a Igreja acredita na figura de um “novo Adão”, através da qual as consequências da Queda seriam postas de lado, também lentamente começou a ser aceito a possibilidade de uma “nova Eva”, livre da influência da serpente.

Tais coisas, junto com a influência do feminismo secular, fez com que as feministas religiosas chegassem a conclusão que “a mulher deveria ser permitida a fazer qualquer coisa que o homem faz, e da mesma forma e com o mesmo status do homem” dentro das igrejas. (7) Isto foi feito pela exigência da ordenação da mulher no sacerdócio e pela destruição dos papéis tradicionais dentro do casamento. (8)

Obviamente, isto foi feito dentro dos limites do “igrejismo” e sem se importar com Deus ou com as Escrituras.

Justificando o feminismo

Como era requerido pelas tradições do homem, as feministas usaram as Escrituras para tentar se justificar ao invés de se conformarem com o que estava nas Escrituras. Elas consideravam que a análise histórica da mulher como era representada pelas primeiras figuras do igrejismo eram defeituosas, defendiam que a Bíblia apoiava todo o valor e a igualdade da mulher e apontavam que as normas sociais das épocas bíblicas não deveriam influenciar as práticas da igreja moderna. (8) Elas defendiam que não havia base para diferenças entre os papéis de gênero e “concluíram que não havia base para barrar a mulher de ser ordenada no sacerdócio ou seguir papéis estruturados no casamento” (8). Elas estabeleceram que se a mulher foi criada a imagem e semelhança de Deus exatamente como o homem foi, então a mulher era igual ao homem e era tão capaz quanto ele para exercer a autoridade. (9) Elas afirmavam que o velho estado das coisas era o resultado de terem ignorado passagens bíblicas que apoiavam a igualdade da mulher e distorcer outras que serviam a interesses mesquinhos (9).

Basicamente, esta é a definição do igualitarismo.

O crescente envolvimento da mulher na teologia como resultado de sua ordenação trouxe várias mudanças, que serviram para diferenciar e dar mais importância a mulher. Tal linha de pensamento foi posta a frente por Valerie Saiving Goldstein, que dizia que a identidade sexual do teólogo influenciava em sua interpretação da Bíblia (10). Em outras palavras, as visões de um teólogo eram considerados não representativos para a mulher e, portanto, não vinculativo sobre as mulheres. (11) Ela também procurou redefinir os principais pecados do homem e da mulher. Ela dizia que para o homem o seu principal pecado era o orgulho e sua graça era o amor sacrificial. Para a mulher, ela dizia o exato oposto, que o principal pecado da mulher era ter muito amor sacrificial e pouco orgulho em si mesmas (ou ter baixa auto estima). (10)

O Secularismo entra na Religião

O livro de Mary Daly, “The Church and the Second Sex”, marcou a entrada dos princípios seculares mencionados no terceiro parágrafo dentro do igrejismo (12), assim como foi algo muito prejudicial e influente para a Igreja. Ela acusava as igrejas com os mesmos argumentos usados pelas feministas seculares. Ela estabeleceu que as igrejas foram responsáveis pelo estado da mulher na sociedade ao apoiar os movimentos da sociedade contra a mulher (13), e por encorajar a passividade na mulher ao distraí-las da situação corrente com promessas de uma vida após a morte (14). Ela também acusou as igrejas de ensinarem que a mulher era inferior (14), assim como controlar sexualmente a mulher moldando seu corpo como algo pecaminoso (15). Daly notou o duplo padrão da moralidade sexual que existia, onde o homem não sofria consequências por sua promiscuidade, enquanto a mulher recebia punições severas (15). Daly também defendia como as feministas seculares faziam que a mulher era oprimida por “ter que perpetuar a família e manter o matrimônio intacto” (15). Essas formas de opressão foram identificadas com a oposição das igrejas ao aborto e aos métodos contraceptivos (15).

Podemos facilmente colocar o divórcio frívolo nesta categoria também, já que ele foi promovido como causa principal das feministas seculares e aceito de pronto pela maioria das igrejas. O duplo padrão existe como descrito em outros locais por causa dos homens, mas também porque as mulheres permitem o homem ter este acesso. Enquanto eu concordo que esta é uma questão válida em que o nível de infidelidade não é aplicado uniformemente, jogar pela janela os padrões (tanto de Deus quanto das Escrituras) como Mary Daly sugere não é a resposta correta.

Teologicamente, Daly desafiou o entendimento da natureza de Deus, assim como a natureza da Bíblia em sua tentativa de harmonizar o feminismo e a religião (16, 17). Daly desafiou a afirmação que Deus é masculino (16), assim como os conceitos da onipotência divina, da imutabilidade e da providência (17). Ela também se opôs ao “Deus imutável”, que em face do homem era “desesperador e desamparado” (17). “Ela fundamentou que se os humanos se perguntariam porque eles deveriam comprometer-se a melhorar a sua condição ou tentar trazer a justiça social se tal Deus existisse.” (17) Daly acreditava que tal Deus prevenia a mulher de ver mudanças. (17) Ela também via as imagens de Deus como ciumento e vingativo como uma justificativa para a opressão patriarcal ao invés de serem as qualidades legítimas de Deus. (17)

Daly se coloca em oposição as Escrituras aqui, assim como redefinindo quem é Deus. A ideia contida no Evangelho é que o homem é “desesperado e desamparado” para mudar sua própria condição moral e precisa de um Salvador na pessoa de Jesus de Nazaré. E também, as qualidades que ela ataca são justamente aquelas que garantem nossa salvação, e nos permitem a ter fé e depender Dele. Um Deus que muda sempre é um Deus que não se pode confiar e não tem o valor necessária para ter almas em sua responsabilidade.

Com a Bíblia, Daly trouxe sua oposição ao “Deus imutável” a ela (17). Ela sustentou que uma visão estática das Escrituras não está aberta ao desenvolvimento ou a mudanças sociais, e afirmou que isto seria prejudicial a um desenvolvimento humano saudável (18). Daly sustenta que a Bíblia demonstra a miserável condição da mulher, e alega que isto pode ser dúbio para construir a ideia de uma “natureza feminina” ou de “um plano divino para a mulher” dos textos bíblicos (18) A solução de Daly para isto seria descartar esta estática visão de mundo e considerar a revelação divina como um evento dinâmico que responde as mudanças na cultura e refletem a experiência contemporânea. (18) Daly acredita que a mulher tem o mesmo direito de ditar a teologia quanto São Paulo Apóstolo fez em seus tempos. (18)

Esta é a declaração que que foi adotada em muita das igrejas de hoje, que afirma que as Escrituras são conselhos, e não mandamentos. Isto é a fonte principal de grande parte da filosofia moderna que se baseia mais nas experiências, pensamentos e interpretações da sociedade no geral pelo menos igualmente ou até mais do que se basear nas escrituras. Isto dá passe livre para as pessoas escolherem trechos da Escritura que mais as agradam e seguir apenas a elas. Um(a) verdadeiro(a) discípulo(a) de Cristo se submete de corpo e alma aos ensinamentos de Jesus. A pessoa salva em Jesus segue a Deus. A pessoa perdida no mundo e na carne segue o que é certo na sua cabeça. Sem sombra de dúvida, a aceitação da teologia de Mary Daly nas grandes igrejas foi uma das coisas mais destrutivas que aconteceram no último século.

A Libertação da Mulher

O pensamento feminista dentro das igrejas eventualmente levou eles a verem uma necessidade de mudança total na teologia corrente. (19) Eles se concentraram em duplicar a obra do autor peruano Gustavo Gutierrez,  “A Theology of Liberation”, que via o trabalho da Igreja e a mensagem cristã como criadora da liberdade em meio a opressão. (20) Isto envolvia a destruição dos sistemas econômicos e políticos opressores e todas as diferenças entre pobres e ricos seriam abolidas. (20) Isto deveria ser feito por cristãos através da ação política e social. Os téologos da libertação acreditam que o socialismo constitui o mais alto valor da vida, e não concordar com isto seria reduzir a mensagem do evangelho a nada. (21)

As feministas adotaram tal ideologia para elas. Elas acreditavam que a discriminação sexual era a raiz de todas as formas de opressão, e assim libertando a mulher acabaria com a pobreza, a discriminação racial, a destruição da natureza e as guerras (22). Elas argumentavam que isto iria trazer uma nova era de paz mundial e o início de uma nova humanidade. (22) A imagem e o objetivo de sua teologia está retratada em Romanos 8: 22-23: (22)

Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora.

E não só ela, mas nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, também gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo. (Romanos 8:22-23)

A teologia da libertação escolheu definir a libertação e a liberdade como o objetivo final da Bíblia, e isto é apresentado como uma teologia para a libertação da mulher quando o assunto é o feminismo. (23) O problema vem nas definições de libertação e liberdade (23). Isto é deixado para as pessoas definirem seu sentido, e não para as Escrituras, mas foi designada que toda interpretação bíblica precisa se alinhar com a sua visão para a libertação das mulheres. (23) Eles também sustentam que a Bíblia apoia a ação política e social com objetivo de promover a libertação da mulher. (23)

A teologia da libertação rasga completamente o Evangelho e o substitui por outro objetivo. A aplicação das Escrituras que eles se baseiam é totalmente falha (ele fala com o estado entre aceitar Cristo e ser glorificado n’Ele – toda a sessão relevante está em Romanos 8:18-30). A redenção e a libertação que nós precisamos de Cristo é sobre o pecado e a decadência deste mundo, NÃO sobre nada relacionado a este mundo ou deste mundo.

Resumindo, o feminismo representa a libertação de cada mulher da autoridade de qualquer um, seja esta autoridade justa ou não. Isto inclui a remoção das feministas religiosas da autoridade de Deus. Ao removerem a si mesmas da autoridade divina, ela também se remove de fé diante de Deus. Tal pessoa jamais se salvará (já que a salvação implica em baixar sua guarda ou não hostilizar a Deus e a Seus planos).

(1) The Feminist Gospel por Mary Kassian pg 18 (2) ibid pg 16. (3) ibid pg 19.
(4) ibid pg 20. (5) ibid pg 25. (6) ibid pg 26. (7) ibid pg 27. (8) ibid pg 28.
(9) ibid pg 30. (10) ibid pg 32. (11) ibid pg 33. (12) ibid pg 35. (13) ibid pg 36.
(14) ibid pg 37. (15) ibid pg 38. (16) ibid pg 39. (17) ibid pg 40. (18) ibid pg 41.
(19) ibid pg 51. (20) ibid pg 52. (21) ibid pg 53. (22) ibid pg 54. (23) ibid pg 58.

fonte: http://societyofphineas.wordpress.com/2012/06/28/defining-feminism-part-2-defining-herself/

4 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Lindalva Cordeiro

    O correto era proibir as mulheres de frequentar ou fazer qualquer trabalho nas igrejas, lugar de mulher é cuidando de casa, lavando, passando e cozinhando, cuidando dos filhos. E os homens fazendo tudo nas Igrejas e orando por elas nos templos, enquanto elas ficam em casa fazendo a jantal

  2. ROCKY MARCIANO

    O que se pode esperar de mulheres no “poder”?

    : “―Deus irá mudar. Nós mulheres… iremos mudar tanto o mundo que ele não terá mais
    espaço “Naomi Goldenberg, Mudança de deuses: Feminismo e o fim das religiões
    tradicionais (Citado no começo de From Father God to Mother Earth)”.

    Eu me recuso a visitar, congregar ou assistir, qualquer culto em que mulheres tenham posições de liderança. Se é esse o destino do cristianismo, Se derrepente o papel tradicional dos homens quanto a religião é assistir mulheres como “bispas” Pastoras, Apóstolas, cardeais… prefiro o islã, enquanto ainda não está infectado com esse nojento feminismo.

  3. ROCKY

    Feministas querem brincar de Deus? Acham que deus deveria ser Fêmea? Acha que diante de Deus é certo ELAS exercerem autoridade sobre Homens? Que ELAS é que deveriam participar do conclave, ser eleitas PAPIZA, ou sei lá como se fala…

    Fôda-se!

    Quero mais é que elas continuem com essas idéias loucas envelheçam e MORRAM.
    Quando elas estiverem NO INFERNO, queimando, gemendo, gritando, sufocando, sendo comido por vermes que não podem morrer, atormentadas pelo capeta, por toda eternidade….Aí quero ver onde elas vão clamar por :”ai! direitos iguais! Liberdade das mulheres! Nós mulheres somos poderosas!”

    Vão todas as feministas de merda sentar no colo do capeta!

  4. Luiz Alberto da Silva Lima

    No Brasil, as Igrejas Evangélicas também estão contaminadas pelo feminismo. Um exemplo é a “pastora” Sarah Sheeva, “ex-vadia” que hoje faz palestras pelo país inteiro ensinando as mulheres a serem “princesas”. Era só o que faltava!!!

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: