«

»

dez 10 2013

Todos vivemos dentro da História, só não percebemos…

jornada* traduzido por Durga, da Equipe Búfalo de Tradução

por Zed, para o The-Spearhead.com

Estes são tempos excitantes para o homem.

Eu sei que essa afirmação vai levar algumas pessoas a bufar e revirar os olhos e começar a pensar em todos os tipos de razões pelas quais isso seria simplesmente loucura. Há muita tristeza e desgraça sendo divulgadas sobre o homem nos dias de hoje – “O Declínio dos Homens”, “O Fim do Homem”, o cacarejar das galinhas repetindo que os homens são “obsoletos” porque algum cientista afirmou ser capaz de produzir esperma em laboratório. A maior parte vem da casca necrosada dos meios de comunicação. Mas muito disso vem dos próprios homens.

Eu não compro nada disso.

Eu vivi o que muitos dos colaboradores (e provavelmente a maioria dos leitores) vê como a história e só conhecem através da mesma maneira que eles sabem da Grécia Antiga, ou as guerras mundiais do século 20 – a partir de algo que leram ou alguém lhes disse. A década de 1960 pode não parecer tão remota como uma civilização antiga, mas a partir da perspectiva de um observador participante, posso dizer que muito do que foi dito e está sendo dito sobre a vida há 50 anos atrás é 99% mentira.

A vida dos homens na década de 1950 e antes disso não era nada sobre o muito mitificado “privilégio do poder masculino”, e as mulheres não passavam nem perto de serem “oprimidas”, como tem sido afirmado. A história é sempre revisionista, e a revisão é sempre feita pelo vencedor. Ao considerar a segunda metade do século 20, a ideologia feminista foi claramente a vencedora.

Mas, além da capacidade de ditar como as coisas são ditas, e quais coisas podem ser ditas e quais não podem, o que elas realmente “ganharam”? Eu acho que a verdadeira resposta acaba por ser “nada”, a não ser, talvez, o troféu de idiotas. Veja, a vida dos homens na maior parte da história tem sido não sobre “poder e privilégio”, mas sim sobre esmagar seus ossos e sua alma se consumindo em trabalho, em enormes responsabilidades e descartabilidade.

Houve muito burburinho na internet recentemente sobre a constatação de que a felicidade das mulheres tem realmente diminuído durante os últimos 40 anos, apesar de terem sido “vencedoras”, tornando-se “libertas” e buscando “ter tudo” – tanto em termos absolutos, quanto em relação aos homens. Ao mesmo tempo, a felicidade dos homens tem aumentado – tanto em termos absolutos quanto relativos às mulheres.

Agora, deixe- me dizer isso de novo, e realmente frisá-lo – os homens de hoje são mais felizes do que eram há 40 anos, e as mulheres são mais infelizes . Muitas pessoas têm analisado os comos e os porquês do que ao nível de tédio terminal, mas um simples fato se destaca – os homens de hoje, em média e  no total , são mais felizes do que seus pais e avós eram .

Por quê?

Bem, é realmente muito simples – a vida dos homens de hoje é simplesmente melhor do que as vidas de seus pais, avós e bisavós, e todos os homens na história que viveram e morreram antes deles. A vida para os homens, em geral, nunca foi melhor.

“O que?!?”  Você diz. “Como pode ser isso?!! Não é isso! As feministas me disseram!”

Um dos melhores poetas musicais da minha geração, Bruce Springsteen, resumiu muito bem o que a vida dos homens médios costumava ser não muito tempo atrás, na sua poderosa música, “The River”.

Eu venho descendo do vale

Onde senhor, quando você é jovem
Eles te trazem pra você fazer o mesmo que seu pai fez

A vida dos homens era incrivelmente limitada . Assim como o seu pai fez, era mais provável que você acabaria fazendo, e seu filho, e o filho dele. Para a classe mais culta e com acesso a faculdade, isso geralmente tomava a forma de algum tipo de negócio ou profissão mais elitizada. Para a classe trabalhadora, isso significava:

E então Maria engravidou

E, cara, foi tudo o que ela escreveu

E no meu 19º aniversário eu tenho certidão e uma paleto de casamento

Um homem de mais rico poderia casar com Sally, em vez de Maria, e ter um estágio no escritório de seu pai, em vez de um cartão de união matrimonial, mas ambas as classes de homens tiveram seu roteiro de vida entregue a eles no fim da adolescência. E era esperado que todas as classes de homens que passassem a maior parte de suas vidas de vigília trabalhando para alguém, a fim de viver de acordo com o papel protetor/provedor que foi designado à maioria dos homens, tendo como alternativa serem entidades não-sociais. Naqueles dias, os únicos papéis que eram dados aos homens com qualquer validade social a todos eram os de marido, pai e homem rico. Para que um único homem tivesse aceitação social em tudo, era melhor que ele fosse rico .

Bem, avancemos 50 anos na história e nós descobrimos que os homens têm muito mais liberdade e flexibilidade do que qualquer outro grupo de homens já teve na história do mundo. Eles agora podem optar por serem maridos e/ou pais, ou qualquer outra coisa, e a pressão social e estigma que era usado para forçar a grande maioria dos homens a um casamento precoce (e muitas vezes sepultura precoce) e o papel de uma besta de carga especializada criada com o propósito específico de carregar uma mulher e família emocionalmente e financeiramente dependente dele simplesmente não existe mais.

Certamente alguns homens podem querer continuar a escolher os papéis para suas vidas. E os luditas¹ sociais , que temem e resistem à mudança, podem querer tentar manter os homens presos  a esses papéis velhos. Mas, como os papéis das mulheres mudaram, o sistema que dava aos homens apenas um conjunto de opções mudou, quer as pessoas queiram ou não.

Os homens podem escolher ser maridos e pais. Ou não. Eles podem optar por ser viajantes, exploradores, estudiosos, ou jogar X-box. Ou não. Eles podem ser “donos-de-casa”, assumindo que eles possam encontrar uma esposa para sustentar a família e estar dispostos a lidar com o estigma social residual em direção a um homem que não vive de acordo com os papéis tradicionais. Mas, as mulheres têm aberto o caminho em quebrar esses papéis velhos e em seu lugar tiraram os homens de um mundo de oportunidades limitadas apenas pela sua própria imaginação.

Os desafios reais enfrentados pelos homens nos dias de hoje são os temas Novaseeker¹ e artigos recentemente escritos sobre definir valores masculinos pelos quais os homens se definem. Para os homens por muito tempo foi permitido que as mulheres nos definissem – positiva ou negativamente, dando-nos uma lista de coisas que elas não gostam em nós, ou exigindo que nós nos tornássemos mais como elas. Alguns homens se sentem confortáveis ​​em assumir homossexualidade, e vemos como as mulheres realmente acabam gostando mais deles uma vez que o fazem.

Mas, para o resto de nós, que nunca teve qualquer desejo de ser mulher, agora temos a oportunidade de definir completamente por nós mesmos que tipo de masculinidade vai nos servir, e aquela que amamos, nos próximos anos.

Nós, os homens de agora, estamos vivendo a história. Para a maioria de nós, parece apenas como nossas vidas. Mas, conforme o tempo passa, nossas vidas de hoje se tornarão contexto de amanhã. E, nossas escolhas de hoje irão moldar o mundo que nós e os nossos filhos viveremos amanhã.  E, em muito menos tempo do que eles podem imaginar, os jovens de hoje se tornarão a “velha geração” de amanhã e encontrão com surpresa que aqueles que vieram depois deles estão agora julgando-os com base no presente que eles criaram para essas próximas gerações .

Em vez de lamentar e olhar para trás, e maldizer os homens de antigamente por seus erros, o nosso futuro está na recuperação de nossa autenticidade, daqueles aspectos da cultura que se tornaram tóxicos. Precisamos fazer o que os homens mais jovens aqui já começaram a fazer e perceber que já não há valores sustentáveis ​​entregues a nós – como as gerações anteriores de homens fizeram – e que agora temos de criá-los. Podemos aproveitar o dia e tirar o melhor dos ideais passados ​​de masculinidade, recuperá-los a partir da desonra que caiu sobre eles, e ao mesmo tempo se livrar dos piores aspectos que têm sido a fonte de muito mais que desonra.

Mais do que em qualquer outro momento da história, temos a capacidade de definir não apenas nossos próprios presentes, mas o nosso futuro e os futuros daqueles que amamos.

Sim, é verdade, estes são tempos promissores para os homens.

Somos confrontados com oportunidades insuperáveis ​​.

 Referências:

1-      Novaseeker: Um site dedicado a hardware e entusiastas de jogos

2-O ludismo foi um movimento que ia contra a mecanização do trabalho proporcionado pelo advento da Revolução Industrial. Adaptado aos dias de hoje, o termo ludita (do inglês luddite) identifica toda pessoa que se opõe à industrialização intensa ou a novas tecnologias.

fonte: http://www.the-spearhead.com/2009/09/25/everyone-lives-through-history-we-just-dont-realize-it/

3 comentários

  1. andre

    um artigo para se refletir… e enriquecer sua filosofia de vida.

  2. vagner

    verdade a mulher ganhou seu espaço e tal.. mas ai você vai em uma loja por exemplo e e atendido por uma mulher..elas começam a ficar irritadas e te atende mal se você começa a fazer perguntas sobre o produto que você quer comprar, impressionante e engraçado, pois os homens que estão vendendo por exemplo chegam a ir na internet ou perguntar aos outros querendo saber mais sobre o produto para vender muito mais.. já as mulheres acham que você tem obrigação de comprar um produto a final e ela e não ele que esta te atendendo. simples assim..

    1. Julio Celio de Oliveira

      Eu sempre quis ser politicamente correto e minimizar as características subjetivas dos profissionais de qualquer área, valorizando e confiando na ética relacionada à atividade. Assim, não fazia distinção de gênero entre prestadores de serviço. Marcava consultas com médicos, dentistas, psiquiatras ou psicólogos, tratando de assuntos um tanto desconfortáveis, mas que um profissional ético deve saber lidar. O caso que descobri é que algumas coisas estão acima da ética e a pessoa não consegue desenvolver seu trabalho como deveria, simplesmente por ter suas convicções pessoais, inexoráveis do fato de serem de tal ou qual gênero.

      Agora sempre busco atendimento, procuro avaliar o que um homem ou mulher pode pensar em sentido genérico, e faço sim essa distinção, sem pudor. Mas acredito que há variações e não é preciso generalizar. Fiz uma compra de equipamentos de monitoramento. Na primeira loja fui atendido por uma moça com má vontade. Saí e entrei na próxima loja. Uma excelente vendedora me explicou tudo, desenvolveu a venda com excelente competência e objetividade e saí satisfeito, deixando um belo pagamento à vista, sem precisar pesquisar outras lojas.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: