«

»

dez 09 2013

O pico do feminismo foi nos anos 90

* traduzido por Mike, da Equipe Búfalo de Tradução

por W. F. Price, The-Spearhead.com

Baseado em observação pessoal, há muito tempo tenho achado que o feminismo foi mais potente durante os anos 90. Pode ser o caso, pelo
menos de acordo com o gráfico do Google.

O blog Audacious Egipone postou um gráfico mostrando qual a probabilidade da palavra ‘feminismo’ ter sido mostrada em
artigos durante os anos. Ela começa a decolar nos anos 70, tem os seus picos no meio dos anos 90, e agora está em rápido declínio.

 fem chart

Audacious Egipone pergunta:

‘Quanto disso é devido a realização de diferenças biológicas e quanto é devido as preocupações femininas serem substituídas pela
preocupação da classe de ‘vitimismo’, como negros e gays que estão mais acima na pirâmide do vitimismo?’

Eu não estou certo de que nenhum daqueles fatores são tão importantes; Eu suspeito que o crescimento do feminismo reflete o crescimento de uma determinada demografia que investiu pesado no movimento. O pico do feminismo coincide com o pico da mulher na força de trabalho, que ocorreu no final dos anos 90. Era uma ideologia que capacitava as mulheres que nasceram entre 1945 e 1964, e que queriam participar da grande expansão econômica que durou até cerca dos anos 2000.

Hoje em dia, para a mulher jovem, isso tem uma utilidade limitada. Mulheres jovens, em geral, são mais pobres do que suas mães. Elas estão enfrentando dificuldades para obter apoio dos homens, deixando as trabalharem sozinhas. O feminismo tem pouco ou nada para oferecer a elas, e pode até ser um ponto negativo.

Há muito tempo penso que a opinião política das pessoas são dirigidas primeiramente pelo egoísmo. Em Seattle, por exemplo, uma esmagadora parte das pessoas votam nos Democratas, e eu tenho plena certeza que eles fazem isso porque Seattle é uma cidade que grande parte da população é empregada. Em outras palavras, é uma cidade universitária, com a universidade de Washington sendo a maior empregadora. Indo de volta ao começo dos anos 80, quando o setor privado ainda era bastante robusto em Seattle, o voto era muito mais dividido entre Democratas e Republicanos.

 Como as condições mudam, pessoas ajustam as suas ideologias para que ela reflita melhor os seus interesses pessoais. Mulheres com aproximadamente 40 anos, não são mais feministas vencedoras, e estão começando a se ver como perdedoras: mães solteiras cheias de filhos, mulheres lutando com a dívida do empréstimo da faculdade, mulheres jovens em sub empregos, trabalhos com baixos salários, e que servem apenas para ser usadas como parceiras de sexo casual (prostitutas grátis, na verdade) pelos homens que tem pavor de serem escravizados pela lei da família feminista.

Mulheres jovens sabem, bem no fundo, que o feminismo não está lhes fazendo nenhum favor. É por isso que o feminismo está em declínio
acentuado. Tornou-se um movimento disfuncional não só para homens e crianças, mas para a maioria das mulheres também.

fonte: http://www.the-spearhead.com/2013/11/20/feminism-peaked-in-1990s/

5 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Charlton H. Hauer

    Eu já vejo diferente. O pico do feminismo é hoje. E amanhã teremos um novo pico, e assim por diante. Foi nos anos 2000 que vimos no Brasil as leis mais nazifeministas serem aprovadas, e a década de 10, sem dúvida, será a década dos maiores privilégios femininos, onde essas leis serão extrapoladas, e onde mais homens perderão sua autonomia, suas liberdades, seus recursos, etc. O feminismo é uma revolução perpétua, e é de natureza de tal besta permanecer em movimento, a não ser que uma força dinâmica externa seja formada e freie tal besta.

  2. Anjo_Censurado

    Essa é pra você MAGNO!
    Hoje foi o dia das reportagens de matar qualquer um de desgosto. O que dizer disso:

    Homem se mata após mulher fazer compras demais na China
    Por Redação Yahoo! Brasil | Yahoo Notícias – 8 horas atrás

    Um homem se jogou da sacada de um shopping na China após sua namorada afirmar que eles visitariam mais uma loja de roupas no local. Tao Hsiao, de 38 anos, teve um ataque de fúria, pulou e morreu na sequência.
    Testemunhas oculares do fato afirmam que puderam ouvir que ele não podia mais carregar sacolas, enquanto a namorada insistia para eles visitarem uma loja com boas promoções de sapato.

    “Ele afirmava que a namorada já tinha mais sapatos do que podia calçar em toda a vida e ela começou a xingá-lo para depois iniciarem uma decisão bem acalorada”, afirmou uma testemunha ao Daily Mail.

    De acordo com os funcionários do shopping o corpo de Tao foi removido rapidamente. Um dos responsáveis pela administração do local afirmou que “o fato é muito triste, mas nessa época do ano muitas pessoas se estressam demais”.

    A namorada não teve seu nome revelado e não falou à imprensa.

  3. Sinval Carvalho

    a avon tem bilhoes de motivos para fazer está pesquisa mentirosa

  4. magno andre

    Verdade ,nem todas sao assim ta! so as que sao heteros e bonitas! Todas que conheci ,disse eu trabalho e nao preciso de $$$$ de homens! (Aiii estorou meu cartao!paga a balada hoje mo…,Vc tem carro? E que com este salto e produzida de busaooo nao da mo…, Poxa gastei tanto no salao (ser mulher custa caro ne!) No minimo e dever seu pagar o Motel mo…., e tc…)Qualquer Homem que ja saiu com algumas mulheres, sabem a diferença entre discurso feminino e realidade.rs

  5. Anjo_Censurado

    Texto retirado do portal Bonde/Folha de Londrina

    06/12/2013 — 11h38
    Machismo: brasileiros ainda esperam que mulheres sejam ‘Amélias’
    Pesquisa mostra que alguns conceitos que já eram considerados ultrapassados continuam presentes na vida de milhares de brasileiras
    Quando o assunto é comportamento masculino as aparências enganam. Isso porque, embora pareçam
    mais descolados e liberais, os homens brasileiros continuam machistas como sempre – COMO ASSIM TODO HOMEM É MACHISTA? GENERALIZANDO!. Essa foi a principal conclusão de uma pesquisa realizada e apresentada nesta semana pelo Instituto Avon, sobre as “Percepções dos homens sobre a violência doméstica contra a mulher”. A pesquisa abordou o tema: machismo em diversas questões porque esse comportamento representa um tipo de violência.
    O estudo mostra que alguns conceitos que já eram considerados ultrapassados continuam presentes na
    vida de milhares de brasileiras. Alguns dados são tão surpreendentes (e revoltantes) que nos faz concluir
    que sim, no Brasil também existe o Talibã! – NOSSA! FOI UMA FEMINISTA QUE ESCREVEU??ADORARIA VER UMA PESQUISA AO CONTRÁRIO, SE IA SAIR QUE MULHER TA PIOR QUE SANGUESSUGA E CARRAPATO EM NOSSAS VEIAS.
    A principal conclusão da pesquisa é que muitos homens ainda esperam que a mulher assuma o papel de
    ‘Amélia’ na casa e na relação, devendo ser prestativa, submissa e reservada (só faltam querer determinar o uso da burca!)- DE NOVO!. Confira os principais dados do levantamento:

    Dominadores
    85% dos homens consideram inaceitável que a mulher fique bêbada; – E MULHER ACEITA HOMEM BEBADO? SE ACEITA É TROUXA!
    69% não querem que a mulher saia com amigos (as) sem o marido; AHH VA!
    46% não gostam que mulheres usem roupas justas e decotadas. – AHH VÁ²

    Tarefas domésticas
    43% acham que quem deve cuidar da casa é a mulher; MAS E OS OUTROS 57%?
    89% dos entrevistados consideram inaceitável que a mulher não mantenha a casa em ordem; AQUI NÃO DISSE SE ELA COLABORA OU NÃO!?

    Sexualidade
    47% deles concordam que o homem precisa mais de sexo do que a mulher. – É MENTIRA BIOLOGICAMENTE FALANDO? FALTA AINDA 53%! É PESQUISA BIOLOGICA OU ACHISMO?
    48% deles não concorda que a mulher deva buscar a Delegacia de Mulher caso o homem a obrigue a
    fazer sexo sem vontade. DOU UM POUCO O BRACO A TORCER! MAS E OS 52% RESTANTE?

    Violência doméstica
    Sobre a violência propriamente dita, os números também não são alarmantes. O estudo revelou, por
    exemplo, que 16% dos entrevistados já foram violentos com suas companheiras – ELAS COM SUAS AGRESSOES DISFARÇADAS NAO CONTA NEH, atual ou ex; 56%deles já cometerem algum tipo de agressão com a companheira, entre eles, xingamentos (53%) E ELAS NADA NEH, empurrões (19%) e tapas (8%) AGRESSOR É NA CADEIA, HOMEM OU MULHER!. Além disso, 35% disseram desconhecer a lei Maria da Penha.
    A pesquisa lembra ainda que a cada 4 minutos uma mulher é vítima de agressão no Brasil e até 70%
    delas sofrem violência ao longo da vida E AS AGRESSOES VELADAS QUE OS HOMENS SOFREM ENTRAM ONDE???. (Com informações do Terra)

    Como bonus uns comentários sensatos!!
    Valéria Lelinha Heckler
    O que estraga a vida em sociedade é essa maldita divisão de gêneros (homens fazem isso, mulheres fazem aquilo, isso é coisa de homem, isso é coisa de mulher). O que deve existir sempre é o respeito de ambos. Sou a favor das divisões de tarefas dentro e fora de casa, mas sempre, o que deve prevalecer é o respeito ao próximo, seja homem ou mulher…

    Marcos Vinicius
    Acessei a pesquisa na íntegra, está disponível no site da Avon (Instituto Avon). Não há método algum, não é científico. As pessoas adoram divulgar esse tipo de bobagem (a mídia também)…, é igual as pesquisas do “Mapa da Violência”, presente até em artigos científicos: em números absolutos, a pesquisa do Mapa da Violência indica que quem mais sofre violência doméstica é o homem (dado bastante escondido). É aquela velha história: “Estatística é a arte de nunca ter que dizer que você está errado “, dessa forma, os ignorantes divulgam que quem mais sofre violência – com base no referido estudo do Mapa da Violência – é a mulher! rss
    Fico com dó de pesquisadores como Simone Alvim: querem realmente pesquisar a violência sem sexismo e feminismo, contudo, são rechaçados pela ciência “café com leite” que domina esses estudos sempre tendendo ao feminismo.
    A Avon como empresa quer conquistar um novo nicho: feministas. É por isso que faz esse tipo de “pesquisa”…., enfim, acredita quem quer e pesquisa quem quer também.

    Maria Bruna · Professor na empresa SEED – Paraná – SIM É MULHER E PROFESSORA AINDA!UHRUU
    Eu quero saber os outros índices desta mesma pesquisa.
    Se 47% dos homens acham que são mais desejantes do que as mulheres, e os outros 53% pensam o que?

    E se 70% das mulheres sofrem agressão ao longo da vida, seria agressão de outros homens? De seus pais? Pessoas da rua? De OUTRAS MULHERES?

    Qual homem irá aceitar que amigOs saiam com sua mulher? E qual mulher aceitará amigAs dos homens?

    “No Brasil existe o Talibã”, quem escreveu isto o que sabe sobre o regime Talibã?

    Porque ninguém fala coisa alguma da violência sofrida pelos homens por outras mulheres e homens, dos trabalhos insalubres que precisam cumprir, da expectativa feminina de que o homem deve bancar a maior parte das despesas domésticas e pessoais de suas mulheres e filhos, da forma como são excluídos do convívio de seus filhos em processos de divórcio mal analisados, da maneira como os mesmos são obrigados a viver distantes de seus filhos quando são pequenos e suas esposas ficam de licença para cuidar das crianças sozinhas? Se queremos homens tão participativos de suas famílias, ajudantes no lar, atentos quanto a educação da prole e mais presentes quando solicitados, porque os isolam tanto?

    Só me parece mais uma pesquisa furada de revistas como a Nova, Claudia e afins (usando dados de amigas e parentes aleatórias) retificando uma cultura de vitimismo com argumentos falaciosos, distantes de qualquer análise qualitativa e aprofundada sobre nossa realidade cultural. Não podemos aceitar uma pesquisa que só observa um único gênero e busca teorizar de forma esculhambada a realidade.

    André Mattos
    43 % acham que quem deve cuidar da casa é a mulher ?

    Espere ai, se fosse ao contrario

    43 % acham que quem deve cuidar da casa é o homem.

    Elas poderiam alegar machismo também, justificando que os homens acham as mulheres incompetentes para cuidar de casa. Essa pesquisa é uma piada. Ou ela acha que é machismo 57 % dos homem querem cuidar da casa ?

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: