«

»

ago 15 2013

As mulheres nunca são responsáveis por suas escolhas de trabalho?

* traduzido por Durga, do Fórum do Búfalo

por Angry Harry

Untitled 1

Milhares de trabalhadores de meio período receberam seus direitos de pensão vencidos em uma decisão do tribunal europeu, o que deverá custar às empresas britânicas até £ 17 bilhões.”

… Porque muitas trabalhadoras de meio período são mulheres, os empregadores que excluíram esse pessoal de seus regimes de pensões foram considerados culpados de discriminação sexual sob a legislação europeia. ” The Independent (05/2000)

A maioria dos 60 mil trabalhadores de meio período que serão beneficiados com esta decisão são professores, agentes de saúde, funcionários do governo local e pessoal do setor bancário. Eles serão autorizados a estender suas reivindicações de volta a 1976!

Agora, mudando a lei para que ela se aplique retroativamente, e punir as pessoas que respeitam a lei tal como se apresentava antes, não é normalmente considerado aceitável. É um forte princípio de direito – e da justiça – que os governos não possam simplesmente fazer novas leis e punir as pessoas como se elas tivesse violado tal lei – quando não poderiam ter feito porque não existiam!

E isso não deve ser tolerado.

Imagine que o governo decida que o limite máximo de velocidade do Reino Unido para carros deve ser de 60 km, e que o limite de 70 km tinha sido “errado” nos últimos 20 anos. Será que consideraremos certo que todos os que tinham excedido 60 km nos últimos 20 anos devem ser punidos com uma multa para cada ocorrência de ter feito isso? Claro que não. Seria uma corrupção completa de qualquer noção razoável de justiça fazer uma coisa dessas.

Quando se trata de beneficiar grupos de mulheres, no entanto, a corrupção de noções decentes de justiça tornou-se a norma.

Não vamos fingir que esta decisão europeia justifica-se porque, de alguma forma, ela ajuda os pobres e necessitados. Isso não acontece. Aqui está uma citação do The Guardian.

A União Nacional de Professores, disse que um professor típico com 25 anos de serviço que trabalhava em meio período por 12 anos daquele tempo, aposentando-se com um salário de £ 24,000, que [como o dos resultados desta decisão europeia] receberá £ 1.800 por ano adicional de pensão e um extra de  £ 5.400 de montante fixo. ” The Guardian.

A decisão europeia não é com base na necessidade ou no alívio da pobreza, ela é puramente baseada em noções politicamente corretas feministas de influência sobre o que constitui uma discriminação sexual. Assim, se a lei de alguma forma parece desvantagem de um grupo de pessoas, bem, tudo bem, mas se, dentro deste grupo, há mais mulheres do que homens, então não está tudo bem.

Os homens, no entanto, pode estar em desvantagem em todos os momentos. E as leis de discriminação sexual não se aplicam a ele.

Olhe para as reformas prisionais, alterações do direito penal, políticas de condenação. Estas afetam mais homens do que mulheres, e elas são muitas vezes extremamente desvantajosas para os homens em questão. Mas você já ouviu gritos clamando discriminação em razão de que essas coisas afetam mais os homens do que as mulheres negativamente?

E sobre divórcios sem culpa? Tendo em conta que estes são iniciados principalmente por mulheres, não são estes discriminação sexual contra os homens?

E sobre as leis relacionadas com a guarda dos filhos? Estas não afetam negativamente mais os homens do que as mulheres? Não são estas, portanto, leis discriminatórias de sexo?

E sobre as maneiras pelas quais as políticas discriminatórias sexuais têm os homens em desvantagem quando se trata de sua saúde (homens morrem cinco anos mais cedo do que as mulheres) a sua educação (meninos não são bem atendidos, como as meninas no sistema educacional) e sua aposentadoria (ver abaixo).

Não vamos fazer vista grossa sobre isso. Leis de discriminação sexual não tem nada a ver com igualdade. Elas discriminam os homens em favor das mulheres, em todos os níveis e em todas as esferas da vida, em todas as frentes, e elas removem qualquer responsabilidade que as mulheres tenham por suas próprias ações.

Os homens são responsáveis ​​por tudo o que eles fazem, mas as mulheres devem ser tratadas como cidadãs superiores que têm direito a privilégios e benefícios por causa apenas de seu gênero.

Elas devem ser tratadas como filhinhas mimadas – mimadas constantemente no que diz respeito aos seus desejos – com a justiça e os sistemas jurídicos totalmente corrompidos e rebaixados para ajudá-las a ter sucesso com suas pretensões egoístas e suas demandas, sem o mérito necessário, e também absolvidas de ter que assumir a responsabilidade por suas ações ou mesmo pela falta delas.

Não é minha culpa. Não é minha responsabilidade.” Estes são os gritos das mulheres de hoje.

Quando elas matam os seus filhos ou os seus parceiros, elas em sua maioria não são responsabilizadas.

Quando tem filhos – algo sobre o qual elas têm controle em 100% do processo – os homens têm de partilhar a sua responsabilidade, mesmo que tenham sido enganados na gravidez e até mesmo se eles estiverem abaixo da idade de consentimento no momento.

Quando há violência doméstica no lar, a culpa não é delas.

Quando elas alegam abuso ou agressão de um homem, não é necessária prova real perante a lei que entra em ação. Elas podem permanecer anônimas e elas estão protegidas de interrogatório completo e adequado no tribunal.

Quando o casamento vai por água abaixo, elas são susceptíveis na obtenção da casa e dos filhos, mesmo se o colapso foi causado exclusivamente por suas próprias ações, ou mesmo que seja simplesmente o resultado de seus próprios caprichos.

E, neste caso particular, tendo colhido todos os benefícios do emprego de meio período que escolheu livremente para ocupar, a lei já determinou que elas devem ser retroativamente compensadas.

Mas as mulheres que aceitaram o trabalho a de meio período sabiam o que seus contratos implicavam. Ninguém as forçou a assinar os contratos. Ninguém as forçou a aceitar os empregos.

Em muitos casos, a essas trabalhadores foram pagas as taxas horárias mais elevadas, precisamente porque seus trabalhos eram apenas a tempo parcial. E muitas mulheres tomaram esses postos de trabalho por causa dos horários flexíveis que vinham com eles. Muitos homens teriam gostado de ter tido esses postos de trabalho, mas não podiam, porque eles precisavam sustentar suas famílias. Eles precisavam de ter pensões e de trabalhar em tempo integral.

Os fundos de pensão de funcionários a tempo integral que trabalham para empresas, e não para o governo, também estão sendo apanhados pelos governantes. Eles serão espremidos, a fim de pagar por esta magnífica esmola. E assim, as pensões de todos os funcionários em tempo integral terão que ser reduzidas.

Empresas vão ter que pagar o equivalente a multas enormes, como se tivessem violado leis contra todos.

Além disso, de acordo com Ruth Lea, do Instituto de Administração, as complicações para as empresas envolvidas no retrocesso através de duas décadas de histórias de emprego, a fim de calcular e classificar os pagamentos vai custar uma fortuna ainda maior.

E por que as corporações e o governo vão entregar o pagamento de retroativos aos trabalhadores de meio período, ao invés de todos os outros?

Não é porque há algo de especial nos trabalhadores a de meio período, mas apenas porque eles são na sua maioria mulheres.

Esta é a base para a decisão do tribunal europeu.

Leve em conta também o recente caso dos fonoaudiólogos que ganharam grandes indenizações em razão de discriminação sexual. Aqui está no The Independent:

O serviço de saúde irá pagar a 351 fonoaudiólogos 12 milhões de libras para resolver um dos casos mais longos de discriminação sexual na história legal.

… Pagamentos de até £ 70.000 cada um serão feitos em salários atrasados ​​para as fonoaudiólogas do sexo feminino, que lutaram por 15 anos pela igualdade com as profissões dominadas por homens da psicologia clínica e farmácia.

… Os gerentes seniores do SNS já reconheceram que o acordo poderia custar milhões a mais em serviços que o salário das terapeutas mais experientes. O status dos maiores especialistas será aumentado para coincidir com outros profissionais de saúde, permitindo-lhes dobrar os seus ganhos de £ 60.000 por ano. ” The Independent.

Essas fonoaudiólogas simplesmente retiraram do serviço público de saúde milhões de libras.

Ninguém se oporia a pessoas que estão sendo pagas a mesma taxa para um trabalho equivalente. Isso não é argumento. Basta notar que, se a terapia da fala tinha sido uma profissão dominada por homens, ou mesmo se ela continha um número igual de homens e mulheres, então as leis de discriminação sexual não teriam sido aplicadas.

Isso não é ridículo?

Ninguém forçou as mulheres a entrarem nesta profissão.

Então, as mulheres agora nem são mais responsáveis por suas decisões de carreira e para os caminhos que elas escolhem para tomar? Será que não têm vontade própria? Devemos sempre compensar as mulheres que cometem “erros financeiros de julgamento” por escolher os trabalhos mais fáceis e mais flexíveis? Devemos sempre atender aos gritos de “discriminação sexual injusta” onde as mulheres escolhem reunir-se, e tudo o que elas escolhem fazer? E devemos, mais uma vez corromper nosso sistema de justiça, neste caso, através da aplicação de leis, retrospectivamente, a fim de apaziguar o lobby feminista egoísta?

Dê uma olhada novamente em algum dos problemas acima mencionados. Você já ouviu falar dos tribunais europeus que as leis sobre essas questões são “sexualmente discriminatórias”?

Não, jamais.

Agora veja isto:

Reino Unido – Dois pensionistas perderam o direito de protestar contra uma demissão sem justa causa e redundância salarial… Sob o “Employment Rights Act” de 1996, ohmens e mulheres acima de 65 anos não tem o direito de reclamar de demissões por justa causa ou redundância salarial. O sr. Rutherford e o sr.  Bentley argumentam que isto viola as leis européias de tratamento igualitário entre os sexos contra o homem. Isto porque O NÚMERO DE HOMENS QUE TRABALHAM ACIMA DOS 65 ANOS É O DOBRO DO NÚMERO DAS MULHERES, ENTÃO OS HOMENS SÃO MAIS PROPENSOS A SEREM AFETADOS PELOS LIMITES DE IDADE QUE A LEI IMPÕE. (The Telegraph – link fora do ar)

E eles perderam.

Ou seja, como disse acima, quando é o homem que compõe a maioria dos prejudicados, o tão falado “tratamento igualitário” da lei não conta.

O que é ainda mais revoltante sobre isso tudo é que se fosse o contrário, tendo mais mulheres do que homens trabalhando acima dos 65 anos, a corte provavelmente teria dado ganho de causa para elas.

Mas já que o maior prejudicado é o homem então a corte não vê necessidade de decidir em favor deles.

Mas talvez o aspecto mais asqueroso de tudo isso é a forma acintosa que tal medida foi vendida à população nos últimos 30 anos.

Quando o povo ouve sobre as leis que serão criadas para combater “discriminações” contra gênero sexual eles penam “muito bem, isto me parece ser uma boa ideia. Afinal, é injusto discriminar alguém só por causa de seu gênero sexual.”

Mas o que eles não percebem, entretanto, é que na maioria das vezes tais leis são especificamente feitas para discriminar o homem.

Assim sendo, elas não combatem a discriminação. E nem deveriam ser chamadas de “anti-discriminatórias”.

Elas são, na prática, leis anti-homem – dando a grupos, organizações e políticos o direito de discriminar o homem.

fonte: http://www.angryharry.com/esAreWomennotResponsiblefortheirworkchoices.htm?note

3 comentários

  1. Don Corleone

    Mais uma prova de que elas querem privilégios mas na hora de bancar sua parte elas não gostam nem um um pouco: http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/apesar-do-feminismo-mulheres-ainda-esperam-que-homens-paguem-a-conta-durante-um-encontro-romantico

  2. Victor_AC

    Ótimo post Barão

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: