«

»

jun 05 2013

A religião e a moral como moderadores da conduta humana

bem-mal* traduzido por Durga, do Fórum do Búfalo

* comentário original de um artigo do The-Spearhead

É precisamente por isso (NT: no caso, seria a verdadeira devoção que não poucas mulheres tem em relação ao terrorista Dzhokhar Tsarnaev, assunto que foi tratado por mim neste artigo, e também por criminosos em geral) que aquela frase  “não adore falsos ídolos” é um grande conselho.

Eu não sou cristão, antes que alguém comece a citar a Bíblia para mim de novo, mas eu posso ver claramente que quando uma cultura trocou a adoração de imagens divinas e, portanto, perfeitas, como por  exemplo deuses, santos, anjos, etc, e foi ao invés disso adorar as  criaturas humanas que são, portanto, imperfeitas. Como por exemplo as celebridades, os ricos, os símbolos sexuais do sexo  oposto. A partir daí que tudo desgringolou.

Parte dos planos da engenharia social implantada a mais de 50 anos e ainda em vigor consiste em  sucatear a religião, idealizar e adorar o sexo, os relacionamentos e as pessoas sexualmente atraentes na medida em que somos encorajados a ver estas coisas como quase místicas, transcendentais. A principal mensagem que ouvimos de novo e de novo e de novo é que “mulher sexy + homem sexy + sexo ardente =  felicidade infinita.”

Não há mais qualquer ênfase em aspirar algo maior do que os instintos mais básicos. O ser humano como uma criatura espiritual com ideais mais elevados foi extinto. Somos ensinados a encontrar o nosso significado e propósito maior através de outros seres humanos, igualmente imperfeitos e falhos,  e isso não funciona.

A crítica que fazemos aos desejos sombrios das mulheres é real. Mas, há de se reconhecer que os homens têm desejos moralmente questionáveis ​​também. As mulheres podem ser atraídas por homens violentos porque a violência pode representar o poder, e os homens podem ser atraídos por meninas de 15 anos de idade porque a juventude conota fertilidade. Essas são coisas moralmente impressionantes? Não. Mas elas são apenas um fato da vida, que fazem todo o sentido do ponto de vista evolutivo.

O fato de a natureza humana muitas vezes poder ser vil e amoral é realmente irrelevante. É dado muito crédito à nossa “natureza” quando se trata de sexo. Então, nós somos atraídos por pessoas inadequadas, e daí? Mas isso não significa que não podemos fazer alguma coisa sobre isso. O ponto central da evolução da civilização e da inteligência humana é que as pessoas possam controlar e canalizar os seus impulsos naturais de uma forma que seja mais benéfica para si próprios e principalmente para suas famílias, sociedade e cultura. Isso representa o que a maioria das culturas chama de moralidade. Viver uma vida moral é e sempre foi reconhecido como uma luta dura – se fosse fácil, todas as grandes religiões não teriam passado tanto tempo tentando controlá-la e aplicá-la.

Isso nos trás ao cerne vital da situação em que estamos agora, a nossa cultura tornou-se moralmente louca. Deixamos de impor limites morais sobre o comportamento de todos, especificamente seu comportamento sexual, pois isso seria “opressor” e “intolerante”. Em vez disso, devemos praticar e pregar o “sexo seguro” – o que basicamente significa que você pode se comportar  imoralmente e da forma como quiser, desde que seja estéril e higiênico.

Ninguém quer aceitar que existe uma dimensão importante a um comportamento sexual acima e além das implicações físicas. Ninguém quer enfrentar a noção de que fazer apenas o que você gosta sexualmente não está bem e é profundamente destrutivo, mesmo se você não tem sífilis ou uma criança indesejada seja gerada no processo.

Todo mundo tem medo de afirmar: “Você não deve fazer isso, porque isso é errado.” É por isso que essa liberdade sexual desenfreada não deveria existir, não por causa da gravidez não planejada, não por causa de doenças, mas porque é errado, e por ser um bilhete de primeira classe para uma cultura insana.

Outros sugerem que os homens costumavam idealizar as mulheres para compromisso que pudessem se motivar a trabalhar duro para sustentar a família. Isto é absolutamente errado. Homens se comprometiam com mulheres de famílias decentes porque isso era amplamente reconhecido e era entendido como sendo a coisa certa a fazer, a coisa moral a fazer. Esta é a mesma razão das mulheres comprometidas. Além disso, ambos os sexos tinham que demonstrar as habilidades e aplicações práticas para ser um bom esposo – ter um trabalho e meios para sustentar uma família, se você fosse um homem, e as habilidades domésticas se você fosse uma mulher. Ambas as partes tinham de ser consideradas de “bom caráter” pela família do outro. As pessoas não podiam se casar, simplesmente porque eles achavam que o outro era “sexy” ou porque eles estavam “apaixonados”, como é agora. Eles tinham que provar o seu valor.

Alguém poderia honestamente achar que os homens no passado nunca discutiam com suas esposas, nunca ficavam irritados com elas, nunca cobiçaram alguém, mesmo depois de décadas de casamento e várias crianças? É claro que eles fizeram. Maridos e esposas não idealizam o outro, já que tal idealização é muito mais uma invenção moderna, necessária depois de terem desfeito a religião e o papel de Deus. Qualquer texto antigo, seja ele religioso, filosófico ou de outro campo do conhecimento humano elucidam vez ou outra as imperfeições da humanidade e as formas imperfeitas em que os sexos se relacionam. O objetivo era encontrar os mecanismos que funcionem melhor nessa conjectura.

Como eu disse, a questão não é o quão “naturais” que os homens ou mulheres podem ou não ser. O ponto é a sociedade como um todo definir padrões morais e esperar que as pessoas aderirão a eles, com penalidades se não o fizerem. Temos desistido de fixar quaisquer padrões morais, por isso desistimos de ter uma cultura viável baseada em relações saudáveis ​​entre os sexos.

fonte: http://www.the-spearhead.com/2013/04/30/girls-cant-get-enough-of-dzhokhar/#comment-185604

9 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. THIAGO ROSA

    Tentei compartilhar no facebook mas não foi possível ele indica como SPAM!

  2. Isabella

    O mais engraçado disso tudo é que, enquanto promovem o desfalecimento dos valores objetivos da sociedade, suas famílias e seus pares econômicos são extremamente tradicionais, vide clãs como os Rockefeller e os Rothschild.

    1. Observador

      Rockfeller e Rothchilds sao hebreus assim como como o Bloomberg dono da MTV. Direitos humanos, anestia internacional, feminismo, uso de drogas, etc… foi tudo promovido por pessoas desta religiao. A Anestia Internacional por exemplo (organizacao judaida como as outras já citadas) nao operam em Israel para pedir anistia aos terroristas palestinos (que por mim sao a mesma praga dos terroristas judeus). Ou seja fazem nos outros países aexatamente o que nao fazem no país deles.

      Esse blog é ótimo, mas nao mostra realmente quem está destruindo a sociedade.

      1. Isabella

        bla bla bla conspiração judaica…

  3. Don Corleone

    A vereadora Michele Collins PP (CE), disse ser contra o casamento gay e que a mulher deve ser submissa ao homem. Adivinhem quem foram os principais que destilaram o verbo contra ela? as mulheres? não, meus caros, foram os homens. Então o negócio é o seguinte: quem sustenta essa merda toda são os próprios homens e nós estamos pagando o pato por causa desses eunucos modernetes.

    1. Barãozin

      “O homem é o lobo do homem.” – Thomas Hobbes, filósofo inglês

    2. andre

      o manginismo é que sustenta tudo, s e hoje a mulé fode pra caraio, tem filhos com cafas, e não ta nem ae é porque ela sabe que sempre ira ter em sua vida um manginão pronto pra salva-la.

  4. Punisher

    “Deixamos de impor limites morais sobre o comportamento de todos, especificamente seu comportamento sexual, pois isso seria “opressor” e “intolerante”. Em vez disso, devemos praticar e pregar o “sexo seguro” – o que basicamente significa que você pode se comportar imoralmente e da forma como quiser, desde que seja estéril e higiênico”.

    Na hora me lembrei das campanhas governamentais pregando o uso da camisinha em época de carnaval. Pelo teor delas, ficava a impressão de que as pessoas poderiam até praticar zoofilia no meio da rua, desde que usassem preservativo.

    Texto definitivo sobre a importância dos limites e freios morais.

  5. Piemonte

    A religião,juntamente com a família,são os pilares que sustentam a moral de uma sociedade.É por isso que os engenheiros sociais(incluindo esquerdistas,globalistas,etc…) travam uma guerra contra essas duas instituições.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: