«

»

maio 28 2013

Biologicamente ruim

misandric

Não deixem de ouvir décima Sétima Edição do Jornal da Real no ar, edição de 1 ano!

* Traduzido por Vasiliy Zaytsev, do Fórum do Búfalo

por John Hembling, do A Voice for Men

A guerra não declarada aos homens acabou de chegar no ódio, de novo. Desta vez, não é meramente o comportamento masculino e más atitudes que estão sob ataque, mas a biologia masculina é que é a raíz do mal.

Vejam só senhores, vocês não são apenas estúpidos, mal-orientados e culturalmente inferiores. Vocês são biologicamente falhos, pessoas inerentemente ruins. É isso que diz Margaret Wente, cuja formação em jornalismo e literatura inglesa a fazem uma “expert” em biologia humana e psicologia masculina (só que não).

O artigo recente de Wente no site de notícias canadense theglobeandmail.com denuncia a crescente disponibilidade de terapia de reposição de hormônios para homens de meia idade. Numa população de baby boomers envelhecidos – tratamentos paralelos para mulheres foram bastante promovidos por mais de uma década – mas obviamente, quando homens são o alvo demográfico para tratamentos a base de hormônios, é uma coisa muito muito ruim. Até porque, todo mundo sabe que testosterona é a fonte de toda ganância e violência no mundo.

Todo mundo sabe disso, com exceção daqueles que verdadeiramente a estudam. As conclusões de estudos verdadeiros sobre o impacto da testosterona no comportamento humano indicam que a “testosterona não faz as pessoas ficarem mais agressivas ou perigosas como muita gente acredita, mas na verdade encoraja a justiça.

No entanto, Margaret Wente não está deixando fatos inconvenientes ficarem no caminho de uma boa história. Num mundo de falsidade em que comumente se acredita, testosterona é o núcleo da identidade masculina. Isso significa que violência e agressão são os núcleos da masculinidade, pelo menos, de acordo com Wente, cuja seu diploma em literatura e jornalismo a fazem uma expert em psicologia comportamental.

Começando por um mito cultural, Wente constrói um caso para a inata inferioridade biológica do gênero cuja energia e criatividade têm alavancado a humanidade para a nossa moderna, limpa e bem alimentada civilização moderna.

Wente continua seu ataque contra a masculinidade com a suave declaração que a “testosterona está implícita nos problemas financeiros do mundo”. Como um assinante de várias newsletters financeiras, essa é nova para mim, mas eu não vou discutir que a masculinidade está implícita em todos os desastres financeiros do mundo com ideólogos que re-embalam preconceitos culturais sob o falso pretexto de poderem apoiar o ódio com dados. De acordo com nossa expert em problemas masculinos e econômicos:

Talvez você não tenha notado que nenhuma mulher estava envolvida com a imprudente especulação que levou à debacle de 2008“.

Sendo homem, e portanto, inferior – eu não notei que não havia nenhuma mulher nos setores bancários e de finanças, mas agora eu sei – é tudo por causa da testosterona.

Insatisfeita com sua própria expertise profissional em psicologia masculina e biologia sexual, Wente baseia-se num banco de investimentos para trazer o conhecimento que “Testosterona é a molécula que explica a exuberância irracional”. Garotas histéricas fãs de Justin Bieber claramente estão sofrendo de envenenamento por testosterona…

SENHOR, ALGUÉM OS AJUDE!

Wente conclui seu artigo com uma citação de um autor cavaleiro-branco de outro best seller a lá “mulheres são melhores que homens”. “Mulheres têm apenas 10% da testosterona que os homens têm. Mas elas provavelmente têm 210% do juízo.”

O que há de interessante nesse fraco artigo pseudo-científico é que ele foca quase que inteiramente na biologia para vilipendiar a identidade masculina. Não há nenhum “você homem malvado deve ser re-educado” – parafraseando outra feminazi do tipo “homens são malvados”.

O artigo de Wendy Zukerman na New Scientist sobre as raízes evolucionárias na violência doméstica é explícito em excluir a consideração de mulheres violentas. Zuckerman abre com algumas considerações razoáveis que seus pesquisadores na Universidade do Texas em Austin e Stockton College of New Jersey chegam a conclusões simplistas. No entanto, o próximo parágrafo nota o número de denúncias femininas de violência doméstica – um número grande sem comparação ou contexto.

Outro artigo no estilo homens-são-maus no Huffington Post pelo homem feminazi David Katz faz um desvio mais oblíquo porém igualmente vazio na biologia sobre a fonte do mal masculino. O artigo dele pode ser encontrado procurando por “The biological basis for behaving badly”. Uma pouco ousada aliteração por parte de Katz, porém a abordagem biológica para reinvindicar que “homem = ruim” tem um componente tático interessante. Dentro dos movimentos de direitos civis, reclamações de organizações racistas acerca de inferioridade biológica ou superioridade baseada na etnia estão entre as abordagens mais flagrantes para demonizar uma população, pois se a ideia ganha força, ela sugere uma solução biológica.

É assim que limpeza étnica se torna aceitável dentro de uma sociedade; a ideia de esterilização em massa, intervenção médica, internato ou extermínio é na verdade um ato misericordioso para o grupo-alvo. Ou simplesmente a classe-alvo é taxada de “não-humana” e então, são consideradas fora da consideração acerca dos direitos humanos.

Em 1996, Gregory H. Stanton preparou um documento para o US State Department chamado The 8 Stages of Genocide.

Na introdução do documento, Stanton diz:

“O genocídio é um processo que se desenvolve em oito estágios que são previsíveis porém não inexoráveis. Em cada estágio, medidas preventivas podem pará-lo. O processo não é linear. Logicamente, os últimos estágios precisam ser precedidos pelos primeiros estágios. Mas todos os estágios continuam a operar durante o processo.

Os estágios que Stanton identificou são: Classificação, Simbolização, Desumanização, Organização, Polarização, Preparação, Extermínio e Negação. Isso vai ao encontro da vilificação do homem como um produto da biologia natural – como tipificado por Wente e Katz, que sugerem que nossa cultura está no Estágio 3, que é Desumanização. Soluções biológicas para o “mal” da masculinidade podem ser especuladas, incluindo esterilização e rastreamento através de tecnologias RFID.

Nesse ponto, eu espero que meus leitores mais céticos pensem se eu não estou maluco, e esta é uma reação razoável. E é por isso que eu vou mencionar o fato de que o feminismo ideológico não é um movimento local ocorrendo nas nações ocidentais. Na Índia e na Indonésia, trens reservaram vagões só para mulheres, porém não existem os vagões só para homens. Se um homem entrar num desses vagões por engano, ele será humilhado e poderá ser linchado. Um homem foi atirado de um trem em movimento e machucou-se seriamente. Isso é inquestionavelmente um apartheid, exatamente o mesmo fenômeno que as organizações humanitárias internacionais lutaram contra por mais de uma década até a África do Sul banir a prática em 1994. Uma lei foi atualmente proposta onde esposas indianas seriam pagas pelo governo para bater em seus maridos com o pagamento dependendo da severidade da pancada.

Na Turquia, homens foram barrados de partidas de futebol. Em vez de haver protesto contra essa nova manifestação de apartheid, as organizações “humanitárias” estão comemorando. Se o argumento de que fãs violentos na maioria são homens é válido, então porque não parar com o abuso infantil impedindo as mães de cuidar de seus filhos?

Longe de fazer algo tão exagerado. As estatísticas mostrando mães como as principais perpetradoras de abuso infantil no estudo de 2008 do Departamento de Saúde e Serviços Humanos sobre maltrato de crianças foram removidas do site . O estudo de 2009 mostra os mesmos dados reclassificados identificando a relação da vítima com o agressor apenas como “pais”. Em outro lugar onde o estudo de 2009 mostra a relação da vítima com o agressor, ainda que a tabela indique “Pai” no topo da tabela, os dados mostram que as mães são as principais agressoras.

Perpetrator-relationship

Ainda assim, ninguém está reivindicando que as mães sejam banidas de seu contato com as crianças. Porque isso seria tão absurdo quando banir um homem de ir a um jogo de futebol baseado tão-somente em seu sexo.

Na Inglaterra, o Partido dos Trabalhadores faz uma convenção cuja á expressamente proibido aos homens frequentarem. Isso é inquestionavelmente apartheid. No Reino Unido, há uma proposta de mudança de lei que tornaria a prisão para os infratores do sexo feminino uma relíquia do passado, sendo substituída por ajuda no financiamento de habitação, educação e terapia. No Canada – assassinas quando condenadas são orientadas pela corte da província de Ontário a serem punidas sob penas mais leves. Quando mulheres são dadas como culpadas pelo tribunal, a elas lhes é reservada uma menor sentença por favor da corte, mas é estranho ver esse benefício sendo formalizado. Uma lei para as mulheres, outra lei para os homens. A palavra moderna privilégio tem origem na frase em latim: direito privado contra ou a favor de uma pessoa específica.

No catálogo de Stanton, que ele preparou em nome do Congresso dos EUA para ajudar na prevenção de assassinatos em massa em estados falidos, a etapa depois de Desumanização é a Organização. Dos documentos de Stanton: “o genocídio é sempre organizado, geralmente por parte do Estado“.

Onde nós estamos no programa de oito passos de Gregory Stanton? O autor mesmo disse que esses estágios não são estritamente regulares, e nós estamos também observando um fenômeno transcendendo fronteiras nacionais e regionais. Eu ainda sou doido?

Uma das dificuldades de se escrever sobre esse fenômeno é a tentação de comparação com a transformação social de um específico país europeu lá pela terceira e quarta décadas do século vinte. Eu diria que por mais que hajam semelhanças, a onda presente de descrédito da masculinidade está em um grupo diferente. Esse é um fenômeno mundial, não está ocorrendo numa região específica e relativamente isolada. Outra grande diferença é a cooperação e aderência à ideologia que despreza os homens precisa continuar a abranger a maioria dos homens para o apartheid continuar.

Rachaduras na fundação já estão aparecendo. A crescente aparição da retórica do movimento pelo direitos dos homens na mídia mainstream é uma dessas rachaduras. O marriage strike é outro notável sinal de que coisas estão mudando nas nações ocidentais e a surpreendente versão japonesa do macho zeta, os “soushoku danshi”, ou garotos comedores de grama.

A mídia ocidental pinta esses homens como se eles estivessem saindo das tradicionais expectativas por serem fracos, mas eu vejo de um modo diferente. Eles estão seguindo o próprio caminho, e não estão dando a mínima bola para a opinião dos outros. Isso soa como força para mim. Eles também estão se tornando o modelo dominante de masculinidade no Japão, com 60% dos homens entre 20 e 30 anos identificando como “comedores de grama”.

Isso é desastroso para economias que dependem da competição masculina por saúde, status e acesso à fêmeas. Isso pode – se continuar a crescer – levar ao colapso dessas nações. Se acontecer, o feminismo light, dependente de cavalheirismo, fundo estatal e aplicação da lei – vai colapsar junto.

A mídia ocidental continua a caracterizar a tendência de atualização dos homens de se desligar do tradicional papel de homem provedor como sendo um fracasso. O livro de Hymowitz “Child Man in the Promised Land” e o de Kimmel “Guyland” são exemplos primais de tentativa de induzir o comportamento descartável e de provedor no homem através do escárnio público.

Infelizmente, para Kimmel e Hymowitz, homens fugindo da corrida de ratos não são apenas competidores fracassados, são homens que avaliaram as opções disponíveis de masculinidade e selecionaram “nenhuma das anteriores”. Envergonhar com base na conformidade com um modelo de homem descartável não funciona em homens que se valorizam como seres humanos.

No Japão, os Comedores de Grama são indiferentes às tentativas de forçar o homem à conformidade com base na ridicularização e uma atitude mais saudável é difícil de contemplar. Isso é próximo ao que os budistas praticantes perseguem como um estado de graça – o desapego. No não-budista ocidente no entanto, uma crescente população adotando uma definição zeta de si mesmo seria consideravelmente menos tolerante ao esforço cada vez mais estridente para extrair dinheiro e à conformidade forçada. Eu acho que virão tempos interessantes.

fonte: http://www.avoiceformen.com/misandry/biologically-bad/

11 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. willian

    saiu na capa da veja: Filhos? Não Obrigada! as mulheres que estão recusando a maternidade fazem parte de uma revolução e estão mudando o Brasil e o mundo.

    eu não li ainda, mas vou ler essa merda depois.

  2. Piemonte

    “testosterona está implícita nos problemas financeiros do mundo”

    depois que li esse trecho percebi que o que se passa na cabeça dessa mulher é a mesma coisa que se passa pelo intestino grosso de qualquer pessoa

  3. Jhon

    kkkkk,olha que ironia Barao e galera, eu sou um exemplo de homem “Inferior”, estudei em escola publica, entrei em uma universidade publica, estudei feito loco pra isso, na época de escola, as vadias, que estudava comigo, vivia na farra, dando a buceta pros marginais a rodo. Minha situação agora, tenho meio proprio ap e carro de meio/alto padrao, um exelente emprego, digo com orgulhoso pq dei meu sangue pra chegar onde cheguei ,e nao é que um dia eu encontro uma dessas vadias na rua, com uma porrada de filhos, claro que fiquei sabendo pelos bons amigos de classes, que a maioria vive com a mãe, desempregadas e o pai cafa ninguém sabe do rastro, essas minas parecem o diabo em pessoa, como todos sabem beleza da mulher tem prazo de validade, olha ai barao o que testosterona fez comigo, kkkkk. Tenho inveja dessas minas de escola que encontrei, que por causa de pouca testosterona como, “só apenas 10%”,,estão na situação que descrevi acima, tudo isso pq “possuem 210% a mais de juízo”. Pô Barão tenho inveja dessa superioridade feminina, dessas garotas que encontrei. kkkkkkkk

    1. Barãozin

      Tou pensando em fazer a “Marcha do Orgulho Inferior” rs

    2. andre

      entaum cara tu batalhou pra caralho, agora o foda é ver essas vadias com seus catarrentos, serem adotadas pelo estado atraves do assistencialismo, nós temos a força nas pernas para ganhar nosso pão, elas tem a buceta no meio das pernas para conseguirem o que querem.

  4. Renato

    É fácil ela falar isso depois de séculos de civilização e inventividade promovida por nós,depois de tudo pronto ela agora quer “tomar conta”,dizer que não somos capazes , e pegar o barco andando e dizer que foi ela que construiu e alimentou.
    .
    Não é de hoje que esse papo de “testosterona” é a vilã está em vigor,no futuro qualquer comportamento considerado inapropriado será caso de “castração química” ou de um injeção que reduza nossa testosterona,mulheres no futuro serão mais agressivas e serão encorajadas a isso e nós seremos encorajados a não reagir,a “aturar”….
    .
    Qualquer comportamento contrário será visto como ruim,criminoso.
    Prostituição,pornografia serão banidas,darão um jeito.
    .
    Estamos caminhando para um futuro no mínimo tenebroso.

  5. BERNARDO

    Alguem aí já ouviu falar das pedras da Geórgia? Uma das premissas que pregava era que a humanidade não passasse nunca de 500.000.000 (quinhentos milhões) de pessoas. Senhores somos em 7 bilhões de pessoas. Elas anunciam profeticamente o exterminio de mais de 6 bilhões de vidas.
    O satanísta Albert Pike, Grão mestre da maçonaria, já falava no século XIX que a Nova Ordem Mundial só seria possível depois de 3 guerras mundiais, sendo que a última, que se iniciaria num conflito entre o estado de Israel (A época de Albert Pike, ainda inexistente) e a confederação Muçumana. Bem, já foram 2 grandes guerras e o estado de Israel já existe. E há um espírito de desvalorização do único elemento que é obrigado a dar a vida pelo estado, que é o Homem. Justamente para que “mulheres e criânças, de preferência que sejam meninas, se salvem”.

    Percebo esse tom de deboche, desvalorização de toda a figura masculina como uma preparação para algo ainda mais sinistro; Como ovelhas para o matadouro, o estado tem reservado para nós o exterminio, através da próxima guerra que se aproxima. Mas o homem não quer guerra, quer seguir seu caminho em paz, nesse mundo em que ele é ignorado pelas mulheres, mídia, família, previdência, sistema de saúde, governo,… o homem só que paz! Mas O Estado e o mundo quer guerra e precisa dos homens para lutar as suas guerras

    O futuro não é muito promissor para a maioria de nós homens!

  6. Sincero da real!!!

    kkkk ai meu deus do céu… que porra é essa? Essa mulher é louca dizer que testosterona está influenciando nos problemas financeiros no mundo… que isso…. kkkk

  7. Don Corleone

    Mas isso é muito bom. Tomara que os homens explodam com o papel de provedor e deixem as mulheres se virarem sozinhas. Vamos para a igualdade tanto para o bem quanto para o mal. Querem direitos? aguentem as responsabilidades. Queria comentar sobre a reportagem especial da Veja, que fala de mulheres independentes que resolverão dizer não a maternidade. Eu acho que isso não tem nada de independência, isso pra mim é o ódio ao casamento e aos filhos, comportamentos típicos de feministas ou de mulheres influenciadas pelo feminismo. O que vocês acham sobre isso?

    1. Barãozin

      Tou com essa matéria pra ler aqui ainda, mas pelo q eu vi por cima não gostei…

      1. Brasileiro

        Barão, além de ler essa matéria, seria bom que você visse estes 40 segundos de ódio cujo compartilhamento está ganhando popularidade nas redes sociais. O título é “But I’m a Nice Guy” (que poderíamos traduzir por “Mas eu sou um bom cidadão” e postado por um tal de Scott Benson. Segue a tradução da descrição:

        “Uma rápida tirinha editorial sobre a intersecção de autopiedade, senso de merecimento, estupro, territorialidade, misoginia e medo de mulher. Você vê isso em todos os cantos da internet na forma de ativistas dos direitos dos homens (dos quais há poucos não-misóginos que sejam razoáveis), homens seguindo seu próprio caminho, PUAs e caras gabando-se da pílula vermelha, porque “Matrix” é um bom filme. Procure por qualquer um desses se tiver estômago para tal. Esses são exemplos extremos, mas versões suavizadas dessas ideias estão em todos os lugares.
        Dando uma olhadinha nesses blogs e canais do YouTube, notei que além do básico chauvinismo patriarcal há esse profundo medo de mulheres – o que elas irão fazer comigo, como irão me rejeitar, como elas irão me usar, como elas estão mudando a sociedade de um modo que não me favorece, como elas estão transformando homens em algo de que não gosto, como elas estão se transformando em algo de que não gosto, que elas não irão me dar aquilo que quero e que elas não irão me dar o que penso ser meu por direito. Isso vai além do medo do feminismo – isso é o mais puro medo de mulheres. E isso, em uma citação de ventríloquo, leva a raiva e ódio. É triste.

        Sou um homem feminista. Penso que há sorvete o suficiente para todos, mas isso significa que os de nós que têm três bolas precisam desistir de uma ou duas (N. do T.: aqui estão apelando para o distributivismo obrigatório, com as bolas de sorvete sendo metáfora). “Matrix” também é um bom filme, mas nada em que você deva basear uma filosofia.

        ***FECHEI OS COMENTÁRIOS POR CAUSA DA INTERNET. VOCÊ SABE COMO É. QUE INFERNO, ALGUNS DOS COMENTARISTAS ATÉ PEDIRAM PARA QUE OS COMENTÁRIOS FOSSEM DESABILITADOS. SE VOCÊ QUISER FALAR COMIGO, MANDE-ME UMA MENSAGEM DO VIMEO.

        Respondi a algumas questões, direcionei algumas críticas e escrevi um monte sobre por que não batalharei a guerra dos comentários aqui. Por favor leia antes de ficar furioso. O resto de vocês que continue sendo incrível.

        http://bombsfall.tumblr.com/post/49106219582/some-concluding-thoughts-and-answers-to-questions

        E agora há uma camiseta. 25% dos lucros vão para a Planned Parenthood:

        http://bombsfall.tumblr.com/post/49780985457/feminazi-stole-my-ice-cream-shirts-available-now

        Como nota, é pura tática de intimidação com o agravante de vir de alguém do mesmo sexo que o nosso. Por que estou falando disso? Porque a repercussão disso, que foi publicado nos Estados Unidos no mês passado, começa agora a bater aqui no Brasil (imagino que tenham notado que as Marchas das Vadias tinham alguns cartazes que denotam terem sentido um pouco que seja dos efeitos da Real). Logo, quanto mais antecipado se estiver, mais fácil fica para cancelar o efeito que isso possa ter. Lá nos Estados Unidos o pessoal do A Voice for Men já desenvolveu o debate, o que significa que os brasileiros já podem partir de uma discussão mais estabelecida em vez de iniciar um do zero e serem pegos desprevenidos.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: