Parabéns aos MRAs canadenses

mra* Cortei a continuação do artigo anterior porque esta notícia me chamou bastante a atenção. Tempos interessantes estão vindo para a América do Norte, não acham?

por W. F. Price, do The-Spearhead.com

O vídeo que estou postando abaixo mostra claramente porque eu quero distância do ativismo público – eu realmente não tolero a maioria dos “ativistas”. Desde os meus tempos de garoto em Seattle eu peguei um verdadeiro nojo deles. Sejam eles ativistas pró Sandinistas da igreja local (A Igreja Católica de Seattle era radical desse jeito no começo da década de 1980), esquerdistas esquisitos com suas milhões de causas vestidos como hippies, os vulgares participantes das paradas gays que aconteciam aonde eu morava ou, mais recentemente, os anarquistas violentos que saem quebrando tudo e espalhando lixo durante suas manifestações na minha cidade, tudo isso me deixou extremamente enojado. As feministas que aparecem no vídeo abaixo são praticamente a mesma coisa.

Eu não quero ser como essas pessoas. Afinal, “ativismo” para mim sempre significou isso. Mas talvez há uma forma diferente – uma que cria um contraste, e que ofereça as pessoas um ponto de vista alternativo. Os MRAs (NT: ativistas pelos direitos dos homens, em inglês) estão se afiliando a vários grupos, incluindo aí o A Voice for Men, o CAFE, entre outros, e parecem que estão redefinindo o ativismo público de uma forma positiva. Ao invés de sair por aí gritando como loucos, brandindo armas,  xingando e vandalizando as coisas, eles conduzem suas manifestações de maneira graciosa, e documentam os resultados. Esta última característica parece estar funcionando muito bem; alguns de seus vídeos já receberam milhares de visualizações no Youtube. Isto é impressionante, especialmente se for levar em consideração que eles estão conseguindo fazer que as feministas se passem por meras imbecis histéricas.

Aqui temos um vídeo que o grupo CAFE fez mostrando as atividades feministas, mostrando como elas agem:

E há muito mais daonde isso veio. Um vídeo, que já tem mais de 200 mil visualizações, mostra uma feminista gritando sem parar “cale a boca!” para um grupo de MRAs. ela estava tentando ler um pronunciamento de mentiras sobre como as feministas não querem negar aos pais o direito da custódia aos filhos, e sempre que um MRA discordava das declarações ela simplesmente gritava “cala a boca!”

A atitude desmedida de merecimento que tais feministas demonstram é tão óbvia que qualquer pessoa razoável veria claramente que elas representam o pior tipo de supremacismo existente.

É excelente esta iniciativa do pessoal do CAFE participar destes eventos. O pessoal do AFVM também estão se saindo muito bem, e o mais importante, fazem questão de gravarem tudo em vídeo.

Eu posso não concordar com tudo que os MRAs propõem, mas isso seria querer demais, e o progresso não vem sem alguma discordância e competição ideológica. Entretanto, qualquer um que combata as feministas – e de forma efetiva – tem o meu apoio. Eu realmente estou muito contente que o MRA finalmente adotou a postura de mostrar que o feminismo é um movimento de ódio que deve ser erradicado ao invés de apenas se acomodarem.

fonte: http://www.the-spearhead.com/2013/04/09/gotta-hand-it-to-the-canadian-mras/

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: