Quer privilégios? Então pegue!

por Paul Elam

Eu juro por tudo que é sagrado que a próxima vez que eu ouvir alguma idiota falando pela milésima vez sobre o “privilégio do homem”, eu irei achar alguma coisa que dê para quebrar, pegarei os cacos e os esfregarei no peito só para a dor fazer minha mente se focar em outra coisa que não seja esta tremenda estupidez. Igual a Martin Sheen, caído em uma poça de sangue, todo doidão no chão de algum hotel barato de Saigon.

Isto é melhor do que ter que ouvir tal idiotice mais uma vez.

Senhoras, já que tantas de vocês insistem em considerar os homens como um grupo monolítico quando trabalha contra nós, assim como vocês se consideram um grupo quando isto serve para vocês ganharem vantagens, permita-me então honrar este tal posto de “privilegiado”. Acredite em mim, eu gostaria de conversar com cada uma de vocês como indivíduos, mas como vocês querem assim… então que assim seja.

Acho que vocês não sabem direito que privilégios são esses. Quando era novo e sem dinheiro, eu atrasei o pagamento da minha conta de luz. Eu mostrei as minhas bolas para a companhia de energia, mas mesmo assim eles cortaram a luz. Talvez elas não eram grandes o suficiente, já que eu sou um ativista e tal, mas isso nem me valeu um tempinho a mais para pagar a conta. Eu, o tal “privilegiado”, não tenho privilégios. Vai entender.

Assim, já que insiste tanto em ver tanto esse privilégio que nunca tive, acho que posso ajudá-las.

Se você quer tanto os meus “privilégios”, são mais do que bem vindas em pegá-los. Tudo que tem que fazer é pagar o preço por isto.

E o preço é esquisito. Você pode achar que nós pagamos por este privilégio tanto com um pote de ouro que ganhamos quando nascemos, ou com os espólios do patriarcado que cada homem ganha quando chega numa certa idade. Mas estão erradas.

Para entender como é que são as coisas, deixe-me sugerir um pequeno exercício que ajudará vocês a entenderem como pagamos por tanto poder assim. Fique em frente a um espelho. Faça contato visual com você mesma e pretenda que está conversando com outra pessoa; um estranho que está prestes a ganhar os seus privilégios. Olhe para si mesma de uma forma bem séria e fale do fundo do seu coração o seguinte:

“Agora você é uma privilegiada! Isto significa que você é um pedaço de merda imprestável e descartável, que será usado a bel prazer por mulheres e homens mais poderosos que você. Seus sentimentos, pensamentos, ações e até mesmo a sua vida não há valor algum fora do escopo que os outros decidirem. Isto é o valor do seu privilégio. Agora cale a boca e pague.”

Há outros custos é claro, e acredito que já dá para ter uma idéia de quais são eles. Aqui vai um resumo deles, com ênfase na palavra “resumo”.

Quando temos uma guerra, as mulheres, quase que exclusivamente, é que farão a matança e morrerão. Se tem alguém que deverá ser recrutado e mandado à força pro combate, é a mulher privilegiada que terá esta honra.

E caso você retorne vivo da guerra, prepare-se para os poderes que te usaram te descartem como uma camisinha usada. Seu corpo e alma mutilados serão sua única companhia nas ruas, onde você poderá viver, atormentado por todos os horrores que seu privilégio te fez passar.

Alguns homens servirão com você no exército, mas para eles será algo mais parecido com um acampamento de férias. Esforços serão feitos para protegê-los dos horrores da guerra, com isto significando que eles representarão apenas 2% de todas as mortes e vítimas de mutilação que as mulheres privilegiadas tem que passar. Aproveite o passeio, todo poderoso!

E não se esqueça. Quando você faz parte de uma classe privilegiada você tem que pagar por tudo. Seu privilégio vem com o direito de trabalhar em barcos pesqueiros, em caminhões, em linhas de energia, em prédios em chamas e nas profundezas da terra procurando por carvão e outras coisas que as pessoas achem útil. Tais coisas até podem te pagar bem para manter seu privilégio. Mas lembre-se, você não pode manter essa grana. Você tem que gastá-la com os outros; outros que sabem que a sua obrigação é cuidar deles e sabem que isto não é mais do que a sua obrigação. E se você falhar nisso ou desapontá-los, ou não parecer tão bem hoje quanto você estava ontem, eles podem muito bem se livrar de você e fazer com que o Estado pegue seu dinheiro e dê para eles. Quanto privilégio, não?

Pode esperar também que os homens que pegam o seu dinheiro e gastam com eles mesmos ficarão ressentidos disto. Eles então pegarão o que você dá a eles e ficarão reclamando eternamente que você ganha mais. Mas lembre-se, como membro da classe privilegiada você tem o direito de permanecer calado. Quero dizer, até que você pode reclamar. É o seu direito como membro da classe privilegiada fazer isto. Mas se prepare para que o mundo mande você calar a boca e crescer. O privilégio deles espera que eles se mantenham calados perante a injustiça e a adversidade. Engraçado como são as coisas, não é?

Quando um navio afunda, ou outra catástrofe acontece, você tem duas escolhas. Seja uma mulher de verdade e morra, ou arrisque sua vida salvando sua pele  e tenha que aturar o mundo inteiro te chamando de covarde por não ter morrido de bom grado. Há também uma terceira opção, morra no desastre para que um homem possa viver, ou tenha outra mulher te fazendo um buraco no peito com uma arma tentando te impedir de que você se salve.

Sabe como é, o privilégio é algo engraçado. Divirta-se usá-lo para mudar as regras, mas não tenha muita pressa. Todo o poder tem uma forma de apoiar o seu status quo.

E aqui vai um pequeno aviso; outro que deve ser lembrado acima do simples mandamento “cale a boca e produza” que guiará sua vida pelo resto da vida. Você poderá chegar a um ponto da vida que, por alguma razão, você para para olhar a sua vida e nota que você não é tão privilegiado assim.

É como notar que o rei está nu, isto irá lhe atingir no dia em que você decidir não ser mais oferecer seu casaco para uma mulher; quando todo mundo olhará para você com aquela cara estranha. Ou talvez você não se sinta tão privilegiado assim quando o Estado resolver pegar sua grana para dar a um homem que você nem conviva mais para ele poder cuidar dos filhos que você nem tem mais o direito de ver mesmo, ou somente para ele poder adquirir aquelas bebidas caras, enquanto você fica aí bebendo essas porcarias baratas.

Não importa quando acontecer, você percebe que tal privilégio não era da forma que você imaginava; na verdade ele vai parecer mais uma âncora te segurando do que o timão de um grande navio que todos falam que você comanda. Este é o exato momento em que você deve se lembrar de calar a boca e aceitar isso na boa.

Você deve aprender a ficar quieto. Não falar para ninguém, nem mesmo para si. Você deve aprender a ver o fogo, poeira, o mar revolto, a morte e o sacrifício como as armadilhas do poder que todo mundo ao seu redor pensa que você tem. E você tem que se preparar para ficar cheio de vergonha sobre ter este poder, mesmo se o mundo viva te mastigando e te cuspindo, enquanto se prepara para fazer o mesmo com a sua filha.

Se você resolver falar o que você acabou de ver, isto irá acabar com o seu privilégio, e o mundo inteiro o odiará por isto, mas penso que as vezes o ódio não é uma palavra suficiente para descrever tal sentimento.

Eles te chamarão de um monte de coisas, muitas coisas que machucam para tentar te deixar para baixo; para te humilhar por ter fugido do seu privilégio. Eles te colocarão numa lista de pessoas odiosas, dedicarão sites e blogs para mostrá-lo como lixo humano. Eles até mesmo tentarão botar a polícia e o governo contra você. Eles pedirão pelo seu extermínio.

É claro que eles te odeiam de qualquer forma, mesmo se você ficar quieto. Eles se ressentirão do seus privilégios e o atacarão por isto, mas ironicamente se você escolhe abandoná-lo e até passar o privilégio a eles, o ódio ficará ainda mais forte. Desculpe, sou apenas um homem e não posso explicar porque as coisas são assim. Está acima de mim isso. Mas é assim que são as coisas.

Então é isto, garotas. Você quer o meu privilégio, é todo seu. Eu  graciosamente passaria ele para você agora. Eu apenas estou aguardando que você aceite os pré requisitos de descartabilidade e total falta de amor próprio. Eu estou esperando que você seja mulher o suficiente para realizar tal tarefa, então largue essa porra de maquiagem e se prepare para sangrar, para o bem de todos e para ter a minha aprovação. Na verdade, eu o faço ter mais privilégios por me servir.

Eu, como um judeu de saco cheio de ser chamado de escolhido, estou completamente pronto para qualquer um, especialmente você, ser o escolhido da vez.

Pessoalmente, já tive todo o privilégio que podia aturar.

fonte: http://www.avoiceformen.com/women/you-want-privilege-you-got-it/

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: