«

»

jan 15 2013

Pobres mulheres, vítimas de seu próprio sucesso

carreiristapor Duncan Idaho

Oh pelos dias de limonada e margaridas

“As adolescentes de hoje não mais passam seu tempo deitadas no gramado fazendo arranjos com margaridas e flertando nos clubes de tênis bebendo limonada, elas hoje tem que acordar as 3 da manhã e ligando para suas mães a retirarem da sarjeta.

As mães não estão mais retirando seus aventais para tomar um drink antes do jantar às 6 da tarde, elas estão ocupadas demais lendo um email do serviço enquanto ajudam com a lição de casa, programam as férias na Grécia e faz compras online.”

Coitada, parece que os efeitos colaterais nefastos da liberação feminina está mordendo suas bundas flácidas com dentes pontudos.

Quem imaginaria que a mulher “liberando sua sexualidade” e invadindo o mercado de trabalho para competir com o homem resultaria em mulheres estressadas, ferradas e que só servem de “lanchinho” pra caras mais espertos?

“60 anos é muito tempo. as mulheres esqueceram como era restrita e previsível a vida de muitas delas na época. Agora tudo parece tão caótico e complicado e nós temos tantas escolhas que agora pensamos que as coisas pioraram. Estamos exaustas de fazer tudo, nós queremos aquela previsibilidade de novo.”

Querer essa “previsibilidade” na verdade significa querer não ter mais responsabilidades e stress de ter que pagar suas próprias contas de novo. Não se engane; as mulheres que defendem a volta dos tempos pré feministas raramente – se é que existe alguma assim – não estão afim de devotarem suas vidas a cuidar da casa e dos filhos. Elas querem apenas se livrar daquele maldito escritório e deixar todo o trabalho para seu escravo particular para então ficar sem fazer nada.

Ela também ousa apontar como era “restrita” a vida das mulheres naquela época. Ah meu deus; agora imaginem o quanto não era restrita a vida dos maridos delas, que se matavam de trabalhar em fábricas, indústrias e escritórios, dia após dia, após dia, após dia até cairem mortos? As donas de casa do passado talvez não estavam satisfeitas com suas funções em boa parte do tempo, mas muito menos a grande maioria dos homens da época também.

“As mulheres estão desistindo do trabalho, elas estão esquecendo o objetivo dele.”

Eu te digo qual é o objetivo de trabalhar: sobreviver!

Colocar um teto sobre a sua cabeça, comida na geladeira, poder comprar roupas para você e seus filhos. Mesmo depois de todo o “progresso” dentro do ambiente de trabalho (devido a programas cotistas de gênero do governo) as mulheres ainda acham que o serviço é algo opcional pra elas – e somente elas – e é por esta razão que elas acham que elas só devem trabalhar se tiver um “objetivo” para isto, como se isto fosse algo agradável e recompensante.

Eu e a grande maioria dos homens acham seu emprego algo “divertido”, e se há apenas um motivo em fazê-lo, é porque se não o fizermos – a não ser que ganhemos na loteria – teremos que viver na rua e passar fome. Mulheres, parecem, assumem por padrão que o homem tem que sustentá-la; não importando que seja o marido ou o Papai Estado e seus cidadãos amedrontados que são taxados até o último centavo para poder sustentar um exército de mães solteiras que só cresce a cada dia, já que os benefícios dados a vadias com seus bastardos continuam a serem oferecidos.

“As meninas já provaram que podem ser melhores na escola do que os meninos, porque elas tem que trabalhra se elas conseguirem um bom casamento?”

As meninas provaram que são melhores na escola já que agora, pelo menos aqui na Inglaterra, a grade curricular foi feita por mulheres e mexida até virar uma “papinha” (ou seja, o quão bem você consegue copiar um texto colorir em diagramas bonitinhos) do que provas de verdade (ou seja, aprender fatos e usá-las de forma adequada).

E ter um bom casamento? Boa sorte. As taxas de casamento na Inglaterra são as menores desde que o levantamento de dados começou. Parece que todos os Príncipes Encantados estão em greve de casamento.

“Os políticos raramente tem um consenso sobre isto. As mulheres membros do Partido Trabalhista sempre foram obcecadas em fazer suas irmãs trabalharem; alguns Conservadores ainda preferem que as que já são mães não façam isto.

O que nós queremos é o que a srta. Hunter Dunn nunca teve – o direito de escolha.”

Isto simplesmente é a junção de toda a arrogância e senso de merecimento feminino; elas querem ter o “direito de escolha” se querem ter que trabalhar ou não. Como se ter que trabalhar para viver fosse um passatempo que elas podem escolher ou não ter que fazer, e caso elas não gostem disso elas simplesmente vão embora sem fazer.

Enquanto isso, nós homens não temos escolha. Ou trabalha, ou morre. Ou ganhe na loteria ou se case com uma mulher rica, algo muito improvável de acontecer.

Não consigo pensar em algo tão assustadoramente egoísta, desagradável e estúpido que a mulher parece ter em mente que elas tem o direito de escolher se tem que trabalhar para se sustentar ou não, enquanto ao mesmo tempo elas assumem – isto quando não exigem – que nós homens não podemos ter escolha a não ser trabalhar para ter que sustentar a vasta porção da população feminina que decidiu não ter que trabalhar para viver.

Eu acredito que deveria ser o dever de cada homem garantir que a mulher não tenha opção de viver a não ser ter que trabalhar para se sustentar.

Vamos garantir que estas reclamonas, ingratas, e rancorosas mulheres modernas jamais tenham a lúxuria do tédio.

Aproveitem suas mesas cheias de relatórios a fazer, tarefas intermináveis e dores de cabeça causadas pelo stress, meninas. Qualquer reclamação sobre suas vidinhas miseráveis favor entrar em contato com as já mortas e enterradas odiadoras de homens que a suas mães seguiram de forma descontrolada – e estúpida – na década de 60 e 70.

fonte: http://eternalbachelor.blogspot.com.br/2008/04/poor-women-victims-of-their-own-success.html

24 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Rafaeli Alves.

    Ei , porque não tem a opção de compartilhar no facebook?

    1. Barãozin

      Porque o facebook bloqueou este blog no sistema deles.

  2. Sustentar mulher pra quê? o melhor é ter cuidado para não fazer filho e evitar mães solteiras para não precisar pagar por pensões absurdas. As mais perigosos são as que pagam de santas, e mulheres sabem enganar com maestria.

    Que trabalhem, meu sustento é apenas para mim.

  3. kyle

    tenho uma conhecida que foi estudiosa a vida inteira, já é independente mas quer ganhar mais. eu acho que ela vai conseguir, é bem estudiosa e esforçada. mas uma vez perguntei pra ela do motivo de sempre se separar dos namorados quando a coisa estava ficando mais séria, ela disse que não quer saber de casar, e acha a vida de donas de casa deprimente, ela quer é ganhar muito bem e viajar pelo mundo, não em todos os lugares, mas em alguns lugares específicos. bom, eu acho que ela vai conseguir e isso graças ao feminismo que deu as mulheres chance de escolher o que fazer da vida. o que vocês têm a me dizer com relação a isso?

    1. Barãozin

      Eu dou graças a deus! Mais uma q daqui uns anos vai comprar prozac, ração de gato e outros artigos de consumo de mulheres encalhadas, o q vai valorizar minha carteira de ações (q estou montando baseada nestes mercados) e me deixar mais rico! Diga a ela pra continuar assim por favor, tenho q ficar rico logo!

    2. Tenchin

      Concordo com o Barão. No entanto, acredito, pela experiência que tenho com mulheres feministas independentes, que ela esteja mentindo. Toda mulher espera um homem que esteja ao seu lado e lhe dê segurança. Sua amiga, parece estar no hall daquelas que tem muita exigência de qualificações para encontrar um homem e é aí que sua conta não fecha. Pois um dia, como já alertou o Barão, ela irá se ver sozinha e necessitando de um homem, isso levará a uma das duas coisas ou as duas: Ela irá se envolver sexualmente com outra mulher (já que homem pra ela é algo inferior, ou não presta etc…) e/ou vai ter um monte de gatos, para cobrir a necessidade do seu lado afetivo. Ela diz nas entrelinhas, que não precisa de homem, mas duvido se quando vai sair pra algum lugar não chame um amigo guarda-boceta para proteger ela enquanto passeia, isso se esse amigo não for você. E outra pergunta: O relacionamento termina por que ela não quer algo sério, ou por que os caras se cansam e metem o pé? Por que se ela “sempre se separa” dos namorados como você disse, é por que vive tentando, então será que ela quer mesmo viver independente e sozinha. A meu ver, pelas coisas que tenho estudado e observado nos últimos dois anos, uma mulher nunca quer ficar sozinha.

  4. Caio

    Pô, que mongo… Isso ai reflete uma visão calcada na realidade americana, que é bem diferente da brasileira. De qualquer forma, nesse texto o feminismo está de mero bode expiatório. Não… Ele não é o agente principal nessa construção distópica. Quando muito é um agente secundário e ainda assim, teria de se olhar os pesos de outros vetores nessa mudança de costumes.

    1. luca55ilvaSilva

      Amigo, você leu os comentários logo abaixo?? isso já está acontecendo aqui no brasil, em menor quantidade mas está, não, o feminismo não está de mero bode expiatório, ele é causa sim de tudo isso, quem pregava a independência financeira da mulher? O FEMINISMO, quem prega até hoje que a mulher ainda está em desvantagem e tem que superar o homem?? O FEMINISMO,, quem prega que o casamento e a família é uma opressão do patriarcado?? O FEMINISMO! quem prega a liberdade sexual feminina?? O FEMINISMO! agora com meus argumentos apresentados, me prove que não é o feminismo a causa!!

  5. Punisher

    Hoje tem muita juíza, promotora, procuradora federal e estadual com menos de 30 anos e bonitas, pois tem condições de cuidar da aparência. Agora a questão é que nenhuma dessas vai querer se envolver com um mero estudante de direito. Pega mal, né? O que as pessoas vão dizer? “Ah, não acredito que você, mulher vencedora, batalhadora e independente, está se envolvendo com um universitário! Ele só quer se aproveitar de você, sua boba!”. Agora a quantidade de promotores, juízes e etc que se CASAM com universitárias que conhecem nos estágios, não tá escrito.

    1. Renato

      Muito bem lembrado,mulher assim não quer sair com um estagiário,estudante ou qualquer trabalhador comum,trabalhador braçal então nem pensar.
      Mulher assim passa a vida amargurada,e quando casa desconta as suas frustrações nas costas do marido,por ele “não ser” o que ela sempre “sonhou”…….

      Então é melhor nem casar com um porra dessa..

  6. Renato.

    Oi barão,sei que não tem nada ver com o tópico,mas uma declaração dita me chamou a atenção nesse reality show de bosta da rede Bobo:
    .
    http://tvg.globo.com/bbb/bbb13/noticias/noticia/2013/01/anamara-sobre-yuri-esse-ai-nao-e-pra-casar-e-so-pra-fazer-filho.html

    Isso mostra bem como as mulheres separam bem o que é:

    *Homem para casar

    e

    *Homem para meter ou ter filho

    E não raras vezes eles engravidam de um,e casam com um tonto certinho que vai sustentar esperma alheio,acho isso uma das grandes sacanagens que a mulher comete com o cara.

    1. Barãozin

      Acho q nada resumiu aquela frase “o que você prefere ser? o provedor ou o reprodutor?” melhor do que isso aí.

      1. Renato

        Pior que é…

  7. Don Corleone

    Ha ha ha bem feito. Que se afundem no serviço. As mulheres conseguiram algo de bom para os homens: estão livrando-os do compromisso de sustentá-as. Agora eu posso dizer que não tenho obrigação de sustentar mulher nenhuma, afinal, toda mulher é tão competente como qualquer homem não é mesmo? Claro, devemos lembrar que mulher com dinheiro não sustenta homem, por isso devemos dar preferências para homens nos empregos e evitar comprar de mulheres nas lojas. Isso não é preconceito, é uma necessidade, porque todos sabem que o homem sem dinheiro não vale nada.

    1. Bastion

      Quem dera fosse assim Don. O papai Estado aperta um botãozinho e !ZAZ! você paga mais impostos para sustentar mulheres. Não se iluda, tudo o que mudou foi que TODOS os homens dividão a conta das mulheres agora, por meio do Estado, mas o dinheiro sairá do seu bolso de qualquer jeito. Por lá já é assim, o auxílio que eles dão a mães solteiras na Inglaterra (e França) chega 5 ou 6 salários mínimos daqui facilmente, além de casa, água, eletricidade, gás e educação privada pagos pelo Estado.
      Enquanto isso as raríssimas famílias honestas põem seus filhos em locais baratos e amargam o aperto da crise que a UE está passando, enquanto mães solteiras e demais famílias desajustadas nem sentem desconforto, considerando que quase a totalidade do seu sustento vem sem esforço.

      1. Don Corleone

        Sim, havia me esquecido desse detalhe: o Estado. Nesse caso, não só mães solteiras são beneficiadas, mas também cotistas nas universidades, salário para mulheres de presos, bolsa isso, bolsa aquilo, na verdade somos sangrados em impostos para sustentar uma casta de pessoas criadas pelo feminismo. O feminismo é o culpado do aumento de mães solteiras, jovens entrando no crime e nas drogas e toda sorte de desajustes imagináveis. Aqui no Brasil ainda não sei de salários pagos pras mães solteiras pelo Estado, mas não duvido que as feministas já não estejam com esse plano em mente.

      2. luca55ilvaSilva

        Eu só quero saber o que o papai estado vai fazer quando os homens desistirem de sustentar esse sistema ou simplesmente não aguentarem mais o preso da maquina estatal sobre as costas!! acho que a crise na Europa é um inicio disso!!

        1. Leão de Marte

          Quando isso acontecer, pode ter certeza, vai ser uma selvageria! E é bem provável que aconteça em breve.

  8. Jeremias

    Pequena correção: é “luxo do tédio” e não “luxúria”.

  9. Punisher

    Eu sempre disse algo parecido. As mulheres podem escolher serem donas de casa (só que agora com várias mordomias e exigências) ou podem brincar de carreiristas. Lembro como se fosse ontem um professor meu na faculdade que mandou uma real (na época eu não conhecia a real) e deixou as mulheres com cara de cachorro que caiu da mudança: “As mulheres fazem direito, e, ainda no estágio, podem se envolver com um promotor, com um juiz, ou mesmo com um advogado famoso e rico, e pronto! Sua vida profissional está garantida!”. E na minha turma aconteceu exatamente isso.

    E com a rapaziada? Quais as chances de um estudante de direito conseguir casar com promotoras ou juízas? Praticamente nenhuma.

    Enquanto isso, tenho colegas de trabalho que estão aqui praticamente para fazerem pose de “mulheres trabalhadoras e modernas”, pois são casadas com homens ricos, e caso elas percam seus cargos, pouco importa, não vão para a rua e nem se tornarão inadimplentes. Inclusive, uma delas constantemente manda as contas do cartão de crédito para o escritório do marido.

    E claro, como não podia deixar de ser, elas falam mal dos maridos. Como poderiam abdicar desse “esporte” da mulher moderna?

    1. Leo Philalethes

      Você já não é o primeiro que relata trabalhar com mulheres ingratas que crucificam os maridos/namorados (cornos) no ambiente de trabalho. Anos atrás, no Orkut, um usuário relatou a mesma coisa. Ele disse que trabalhava com mulheres cujos namorados faziam de tudo pelas mesmas, mas as ingratas debochavam dos mesmos e faziam pesadas críticas (além de traí-los).

      Casar é ser feito de trouxa, é conviver com um inimigo dissimulado.

      1. andre-desbravador

        realmente casar hoje em dia é a pior merda que um homem pode fazer, não foram os homens que afindou a familia tradicional e sim o feminismo retardado que pensa que o universo é movido em prol da vagina.

        1. vanderan

          Concordo plenamente

    2. Perseu

      “Quais as chances de um estudante de direito conseguir casar com promotoras ou juízas? Praticamente nenhuma.”

      De fato. Porém, de qualquer forma, poucos rapazes gostariam de casar com uma dessas balzaquianas. A maioria dos estudantes de direito preferem (ou deveriam preferir) se tornarem promotores ou juízes e se casar com uma estagiária.

      * * *

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: