«

»

jan 09 2013

A miopia feminista em relação a violência indiana

protestosindiapor Hans Laven, do The-Spearhead.com

O terrível caso na Índia, onde uma jovem estudante de 23 anos foi estuprada e morta, levou a uma comoção mundial exigindo por mais proteção para a mulher. A estudante foi enganada a entrar num ônibus, que na verdade ela dirigido por um bando de bêbados que a espancaram com uma barra de ferro, tiraram suas roupas, a estupraram e depois a jogaram nua na rua, por fim tentando  atropelá-la, aparentemente para se certificarem que ela tinha morrido. Ela acabou morrendo no hospital alguns dias depois devidos aos seus ferimentos.

A violência cometida por estes criminosos é asquerosa e desumana. Mesmo que os custos e a segurança da pena de morte são coisas a ser debatidas, pessoalmente eu não tenho nenhuma objeção para que um ou mais desses criminosos recebam a pena capital se for provado sem sombra de dúvidas que eles se envolveram com esta monstruosidade de forma ativa. Eu tenho certeza que muita gente do movimento pelo direito dos homens concordam com os protestos feito por indianos pedindo por mais justiça e que tal ato de violência seja investigado e os criminosos punidos. Eu também acredito que a maioria concorda que a polícia e o sistema de justiça indianos merecem as severas críticas que estão recebendo e sejam responsabilizados caso eles façam vista grossa nesse caso, não dando o peso e a atenção que um crime desta magnitude merece.

Um aspecto incrível deste episódio depravado é a apatia demonstrada por todos pelo namorado da vítima. Muitos artigos na mídia praticamente o ignoram ou nos informam sua recuperação e estado de saúde. A mídia vez ou outra fala um pouco dele, mas somente para saber se ele está bem o suficiente para dar sua opinião sobre os protestos contra a polícia e sua atuação no caso.  Por causa destas parcas notícias que foram dadas dele, acabamos descobrindo que tal homem também foi preso no ônibus, espancado com a barra de ferro, teve suas roupas arrancadas, foi jogado nu do ônibus em movimento e também quase foi atropelado pelo mesmo ônibus. Ele ficou inconsciente, e então recuperou a consciência e conseguiu salvar sua namorada de ser atropelada do ônibus que eles tinham sido jogados. Ele foi forçado a assistir ou pelo menos ter ciência que sua namorada estava sendo estuprada e espancada, o que sem dúvidas causará traumas e danos psicológicos irreparáveis. Mas quem liga? Ninguém está nem aí para ele.

Os protestantes e a mídia mostra a sua misandria apenas focando na vítima feminina desta barbaridade e ignorando totalmente a vítima masculina. Um crime hediondo foi cometido contra um homem e uma mulher por um bando de bêbados. Alguns artigos até mencionam que ele foi agredido, mas seu status de vítima e bem estar são totalmente ignorados. O foco exclusivo na gravidade do crime se dá apenas porque se desrespeitou o direito da mulher.

Tal miopia feminista é muito mais do que um mero desvio de caráter. O que muitos pedem são ações que dificilmente diminuirão a violência, enquanto desrespeitam princípios fundamentais de justiça, igualdade e coesão social. As protestantes feministas e a mídia demandam tratamento especial para as mulheres nos processos da lei indiana, que a polícia assuma automaticamente suas denúncias como verdadeiras (sem nem checar os fatos primeiro), uma justiça “rápida” para aqueles acusados de violência contra a mulher, e penas mais severas – incluindo aí pena de morte – para aqueles criminosos que atacaram uma mulher. Parece familiar? O governo da Índia parece que está planejando assumir alguma dessas medidas. Muitos países ocidentais, como a Nova Zelândia, adotaram medidas similares que resultaram em pouca ou nenhuma segurança para a mulher, mas o aumento maciço da injustiça contra o homem e a degradação de seu status no geral, associado com a erosão familiar, coesão social e um aumento sério no comportamento anti social de muitos jovens do sexo masculino. Bem, o que mais queriam? Se tratamos o homem como indesejáveis, de forma discriminatória e os desrespeitamos enquanto os exploramos financeiramente e fisicamente, o que nossos jovens irão querer em nossa sociedade?

Na maioria dos países já existem leis contra a violência sexual e já aplicam penas severas nesses casos. Se as autoridades não aplicam tais leis de forma apropriada então são eles que devem ser responsabilizados. Encorajar padrões diferentes de justiça, mais desigualdade de gêneros e aumentar a violência estatal contra o homem só irá fazer com que a violência aumente. Ignorar ou tolerar a violência que a mulher pratica contra o homem apenas fará que uma sociedade violenta se perpetue. Para reduzir a violência será necessário encorajar a não violência e o respeito para todos os humanos, sejam eles homens ou mulheres, demonstrar compreensão e piedade não importando o gênero e identificar e apontar os reais fatores que aumentem o risco de comportamentos violentos. Provavelmente tais fatores incluirão o abuso de alcool e outras drogas, baixa capacidade de resolver conflitos, uma vida estressante, erosão social, a redução nos cuidados e na segurança de pessoas com problemas mentais, privação de sexo e relacionamentos saudáveis para homens de baixo status na sociedade, leis familiares injustas e a perda da família. Os modelos do “poder e controle patriarcal” e do “homem mau, mulher bom” nos levaram a um buraco, fazendo que os países ocidentas e agora o restante do mundo ignorassem as reais causas da violência e procurassem por falsas medidas que ironicamente só fazem aumentar atitudes violentas e irresponsáveis.

fonte: http://www.the-spearhead.com/2013/01/07/feminist-myopia-concerning-indian-violence/

24 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Jose Pereira

    Estou CHOCADO! Eu já vi notícias dela em na TV e em sites com o Yahoo e nem sabia que ela tinha um namorado, muito menos que ele estava presente e foi agredido também. Também notei isso na matança de PMs em São Paulo em 2012. Morrem muitos PMs, acho já eram mais de 10. Quando morreu a primeira policial mulher só a morte dela teve mais atenção da mídia do que de todos os outros PMs juntos. Que a mídia gosta de fazer é sensacionismo para dar audiência eu concordo, só que esse sensacionismo é feito seguindo parâmetros misândricos e sexistas

    1. Barãozin

      Todo o ano dezenas de PMs morrem e a mídia mal dá um A.

      Deixe umas 10 pms morrerem num ano para ver se não teremos reportagem disso…

  2. Rafael

    O que acontece na Índia, assim como no Brasil em escala muito menor, foi o seguinte. Desde o governo de Indira Gandhi nos anos 80, buscou-se na Índia solapar-se costumes religiosos e étnicos forçando uma legislação mais “igualitária” em relação ao mercado de trabalho, ao direito penal e à transformação do sistema institucional lá vigente na formação de aparelhos estatais exclusivamente ligados à violência a mulher. Muitas das leis trabalhistas na Índia ferem o princípio de igualdade entre homens e mulheres no ingresso ao mercado de trabalho, visando favorecer arbitrariamente o segundo gênero. É bem verdade que a Índia é um país onde há uma forte presença da religião e de castas que impedem o ingresso de grande parte das mulheres ao mercado de trabalho e à educação. Mas, afinal de contas, é uma cultura que é respeitada há muitos séculos e nunca foi contestada! Mulheres desde então nunca reclamaram com essa condição e eram plenamente felizes. Com a vinda do multiculturalismo ocidental e a sua ânsia pelo igualitarismo de gêneros, surgiu na Índia um choque abrupto entre os valores tradicionais de uma imensa parte da população e os de uma classe dirigente que visiona catequizar e doutrinar seu povo mediante as diretrizes impostas pelos seus mestres europeus e americanos. Para piorar a situação, a crise social na Índia manteve-se (ex: miséria, desemprego, políticas públicas escassas para a população carente, IDH baixo…) e a situação relativa dos homens pobres em relação às mulheres piorou drasticamente. Nesse cenário de crise social (não se enganem quanto ao crescimento econômico da Índia, ele marginaliza uma imensa maioria da sua população) o ressentimento masculino aumentou e o reacionarismo acendeu-se como uma chama odiosa e destrutiva de napalm. Homens das periferias começaram a adentrar na criminalidade, o fundamentalismo religioso familiar aumentou vertiginosamente com seus famigerados crimes de honra e o número de estupros aumentou nos últimos 10 anos absurdamente em Nova Délhi, transformando-se na capital mundial do estupro. Nada disso era comum da Índia há décadas atrás. Vale-se perguntar o porquê dessa transformação da Índia num país tão violento em relação as suas mulheres e isso tem a ver basicamente com a imposição violenta e autoritária de leis desiguais baseadas numa tentativa do Estado de reformular a desigualdade de gêneros. Essa visão atende apenas à ideologia radical copiada pela elite dirigente cosmopolita da Índia do mundo ocidental; que não deveria ser parâmetro para uma sociedade religiosa e tradicional como a indiana.

    1. Barãozin

      Lembrando também que durante a Guerra Fria a India vivia sob forte influência soviética, o que só fez entornar o caldo de vez.

  3. Light

    Eu realmente não saberia da existência do crime contra o namorada da jovem, porém vamos convir que a mídia é sensacionalista e tenta focar o caso no ponto que dá mais audiência. Querer que se dê a mesma atenção ao namorado( que também é vítima) que se dá a jovem é um pouco forçado. Acho errado o fato de não terem noticiado o namorado dela como vítima sim, mas o caso dela foi mais grave, teve o intestino posto fora do corpo por uma barra de ferro inserida via anal.

    1. Barãozin

      O problema é quando querem fazer proselitismo político, como nesse caso…

      1. Light

        Desculpe minha ignorância Barão, mas o que significa proselitismo?

          1. Light

            Obrigado pela ajuda. Realmente você tá certo Barão, porque pode-se perceber que eles estão usando a notícia pra promover o feminazismo. Mesmo assim continuo achando que parte da atenção dada a mulher no caso do estrupo é pelo fato de ser mais sensacionalista. Vivendo e aprendendo.

          2. Barãozin

            Sim, sem dúvida. Casos grotescos como esse são um prato cheio pra mídia.

            Mas é como falei, se fosse o contrário, o cara barbarizado e a mulher sobrevivendo a agressão, dificilmente teríamos essa comoção toda. Talvez ainda continuaria se focar as coisas na mulher. O cara foi só uma “fatalidade”, se fosse o contrário.

  4. Anderson Garcev

    Se não fosse o canal do búfalo eu nem imaginaria que o tal namorado existia, a mídia deu a entender que os homens da índia são uns ogros, e que a moça entrou num ônibus normal, coletivo, e como os homens de lá são uns animais “como todos”, estupraram cruelmente a moça (estupraram cruelmente, como se todo estrupo não fosse cruel….)

    1. korvo0franklin

      putz,eu também não kra…rs
      nem sabia q o kra tinha sido espancado e tal. sei que uns caras cometeram um crime e devem pagar por isso…ponto final. agora leis especiais para as mulheres por causa disso? ah vai se foder!
      não sei como as coisas são na india,mas me parece que não há tantos estupros por lá.ao menos não ouço falar muito…acho q é o feminismo atacando por lá,já q a marcha das vadias ,me parece,foi um fiasco.
      de qualquer jeito não ligo a minima.
      acho q o mestre nessahan estava certo,não devemos ir contra elas,mas simplesmente mostrar o caminho do…penhasco rsrsrs

  5. Rooster

    Estamos todos chocados com a violência do crime, mas também chocados com o desprezo da mídia por um verdadeiro herói. O namorado, engenheiro de 28 anos, lutou desarmado contra 6 ou mais homens, na tentativa de salvar a moça. Espancado, ainda suplicou que a deixassem, pediu ajuda aos transeuntes, que não lhe deram atenção, salvou a namorada do atropelamento, ficou dias internado, e agora é simplesmente esquecido.
    Nas palavras dele:
    – “O que posso dizer? A crueldade que eu vi não deveria ser vista nunca mais. Tentei lutar contra os homens, depois supliquei várias vezes que a deixassem”
    – “Eu não consigo nem descrever o que sinto quando penso em tudo. Eu tremo de dor”
    FONTE: http://www.portugues.rfi.fr/mundo/20130105-namorado-de-vitima-de-estupro-relata-indiferenca-de-testemunhas

    1. Barãozin

      E tem gente que acha certo o cara ser ignorado…

  6. Brasileiro

    Meus caros, em relação ao caso de estupro coletivo e espancamento do parceiro da jovem na Índia, vale mais a pena ver a própria mídia indiana, justamente por ela ser a que recebe mais diretamente os reflexos da história toda. Foi o que fiz em relação a esse caso. Vendo diretamente do país onde ocorreu a coisa toda, notaremos que se está dando atenção ao namorado da vítima desde o dia em que ele falou no canal Zee News (infelizmente não encontrei versões legendadas da entrevista), algo que ele diz ter sido de sua espontânea vontade, ainda mais que estão ameaçando o canal de processo, baseado em uma lei sobre divulgação de nomes de vítimas (que, por aquilo que li, permite que as vítimas ou os familiares autorizem a divulgação do nome). Já há proposta de que ele ganhe medalha de bravura.
    Também devemos lembrar que inclusive se está duvidando que o sexto integrante do grupo, um menor, seja mesmo menor, a ponto de terem solicitado exame de idade óssea para saber se ele tem mesmo menos de 18 anos, idade legal local. Sim, essa história pode até gerar mudanças na maioridade indiana, que pode cair para 16.

    Obviamente que houve feministas locais que quiseram aproveitar o trágico episódio para tentar passar adiante suas medidas anti-homem, mas é bom que olhemos fotos dos protestos. Ainda que a mídia ocidental esteja tentando fazer passar a impressão de ser algo conclamado pelas feministas em um país supostamente patriarcal e todo aquele blablablá que conhecemos, note-se em uma simples passada nas fotos da Reuters o tanto de homens que está nos protestos. Se eles são tão assim estupradores, por que estariam em protestos contra o estupro? Também dá para notar um sentimento na população tanto contra quem quer que descambe para a violência como também quem der uma olhada na hashtag #Delhigangrape notará que há quem proteste contra os que querem capitalizar politicamente em cima da coisa.
    O principal de tudo nessa história é notar a diferença de clima dentro da Índia, em que há revolta geral contra o episódio (ainda que haja tentativas de capitalizar politicamente em cima e fotos mostrarem que alguns dos slogans são de Marcha das Vadias) e estão se lembrando do cara que tentou livrar a moça do estupro (vale lembrar que pelas agressões sofridas ele ficou grogue por duas semanas e só cinco dias atrás é que falou a respeito). Logo, reitero a recomendação de olharmos principalmente a mídia indiana por esta reproduzir com mais fidelidade os episódios decorrentes do ocorrido.

    1. Barãozin

      Muito obrigado pelas informações.

  7. Tenchin

    O homem nem foi citado na mídia brasileira de forma importante e na verdade acredito que nem foi. Não esquece que uma mulher também pode ter filhos homens e esse homem pode uma dia sofrer agressões sejam de outros homens ou até de uma mulher. Quando isso acontece é o único caso em que uma feminista se coloca no lugar de um homem que é quando ela se coloca no lugar de seu filho

  8. andre-desbravador

    a cada dia que passa o feminismo vem ganhando terreno e a mulé moderna com sua vagina de ouro ta cagando e mijando na boca do homem, e para piorar mais a nossa situação esses malucos cometem esse crime ai que tomou proporções mundiais, e ainda para apimentar mais temos os manginas, a coisa ta ficando feia….

  9. Leo Philalethes

    O homem no ocidente não vale mais nada, resultado do ginocentrismo (ler o blog Sexo Privilegiado) levado ao extremo. Como o ocidente nos trata:

    Quando o homem está bem é porque é opressor, sua boa situação é fruto do jugo sobre as mulheres.

    Quando está mal é porque é um incompetente que não sabe administrar a própria vida. Ou simplesmente: “Foda-se, são apenas homens!”

    Quando faz algo de errado: “Tinha que ser homem!”

    Quando faz algo de bom: “Não fez mais que sua obrigação!”

  10. Don Corleone

    Pois eu nem sabia que o namorado também tinha sido espancado. A mídia feminazi ignorou quase que completamente esse fato, Mas vejam que as feminazis conseguiram inverter a lógica de tal forma que quando uma mulher insinua ou faz violência contra um homem ninguém mais se espanta. Outro dia, uma sirigaita postou no facebook uma foto em que uma mulher aponta uma arma para o homem e grita perguntando porque ele comentou a foto de outra mulher. Imaginem se fosse o contrário.

    1. Isabel

      Ninguém lembrou do namorado porque não estupraram ele nem enfiaram uma barra de ferro dentro dele. Sugiro que vocês leiam este link para mudar esta postura porque vocês são feministas sem saber: http://papodehomem.com.br/feminismo/

      1. Barãozin

        Primeiro q feminista é minha caceta de headfone. E “papodehomem” não é porra nenhuma pra definir termos. Lixos humanos como eles não merecem consideração. Não sou um supremacista nojento que quer q se crie leis para foder apenas um gênero (ver Lei Maria da Penha q geralmente assume q o homem é o agressor, o q não é verdade)

        Segundo que nem mencionam o cara. Tudo bem, o crime contra a namorada do cara foi mais grave. Mas msm assim temos um crime duplo. Porque não citar a outra vítima? Porque não comentar?

        Terceiro é, quem garante que não estupraram o cara também? Ora, pra que iam a roupa do cara? Simplesmente enchiam ele de porrada enquanto se fazia a barbaridade com a mulher. A não ser q os caras curtem ver um homem pelado enquanto estão estuprando, não é difícil imaginar q estupraram (ou tentaram estuprar) o cara também. Sem mais informações, q MÍDIA IGNORA, não dá pra saber direito.

        E se fosse o cara a ser estourado todo e a namorada ter sido agredida mas ter sobrevivido, e a mídia nem citar a namorada, seria certo?

        E saia com este lixo feminazista daqui. Meu blog não se suja com esta merda.

      2. Don Corleone

        Porque será que as mulheres em geral e especialmente feministas se opõe tanto que homens defendam seus direitos? o feminismo não é luta por direitos iguais como apregoam as feministas? o fato de estuprarem e espancarem a mulher é motivo para que o namorado seja esquecido? uma coisa não invalida a outra minhas caras feminazis. Esse tipo de revolta com nós prova mais uma vez o que o feminismo é: um movimento que busca apenas privilégios das mulheres às custas do aviltamento e esquecimento dos homens. Se você, Isabel, fosse coerente, viria aqui e concordaria que o namorado que foi quase morto mereceria também ser lembrado. Mas não, vocês defendem intransigentemente a posição das mulheres e qualquer posição a favor dos homens é taxado por machismo. Depois, vocês ainda se queixam quando alguém ainda faz oposição ao feminismo. Ou vocês agem decentemente ou a oposição vai cada vez aumentar.

      3. Renato.

        Isabel,vai se ferrar! os dois fora capturados por esses depravados,o namorado conseguiu escapar mas não antes de ter sido espancado e de ter “sido quase despido”,mas pra que despi-lo também?

        A menina infelizmente sofreu o que sofreu na mão desses bárbaros nojentos,muito deprimente e revoltante.

        Homens são estuprados na africa sabia disso?? e a mídia caga e anda,ninguém publica ou comenta nada.
        Estupro é estupro,e deveria te a mesmo tratamento pela imprensa mas não tem.
        Homens são estuprados em cadeias pelo mundo a fora e ninguém liga,fazem “até piadinhas”,imagina se fossem com as mulheres?

        E feminista é a puta que o pariu,esse “papo de homem” é um site mangina de merda.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: