«

»

jan 17 2013

A hudna feminista

hudnapor Pro-male/Anti-feminist Tech, para o The-Spearhead.com

Quando o assunto é o direito dos homens, algo que sempre vamos ouvir é uma variação da frase “porque não declaramos uma trégua neste assunto?” ou “porque não podemos ter uma trégua na guerra dos sexos?”. A articulista Suzanne Venker até mesmo declarou uma “trégua” depois que lançou seu artigo sobre a “guerra ao homem”. Isto é uma forma de triangulação para fazer que nós nos calemos, mas há algo mais aí. É a Hudna Feminista.

A hudna é um termo islâmico para a trégua. A primeira hudna foi o Tratado de al-Hudaybiyya, uma trégua de 10 anos feita no ano 628 DC que terminaria com as hostilidades entre os seguidores de Maomé e a tribo árabe de Quraysh. Maomé e seus seguidores usaram esta trégua para se fortalecerem, e apenas 2 anos depois a trégua foi quebrada e por fim a tribo Quraysh foi derrotada. Há diferentes versões do que realmente aconteceu. Uns dizem que Maomé e seus seguidores não tinham a intenção de honrar o tratado e planejavam atacar assim que tivessem força o suficiente para derrotar a tribo Quraysh. Outros dizem que foi a tribo Quraysh que quebrou a trégua. Independente de qual versão esteja correta, a interpretação principal já nos descreve como o feminismo age.

A razão do porquê já começamos a ouvir sobre uma “trégua” de feministas e de outros é porque o feminismo está começando a enfrentar problemas sérios. Um número considerável de homens está começando a perceber o que é realmente o feminismo (e o comportamento feminino no geral) e seu modo de agir. Não poucos homens abaixo dos 30 anos, em particular, estão começando a despertar e se estão se enchendo disso tudo. Cada vez mais homens decidem se tornar verdadeiros fantasmas e ignorarem totalmente as mulheres. E aqueles que não decidem seguir uma linha tão radical estão evitando se casar. Muitos homens notaram que eles só querem trabalhar o suficiente para viver sem problemas, assim gerando menos dinheiro para os cofres públicos e para mulheres que precisam de apoio financeiro. Com o feminismo começando a descarrilhar, o que elas e outras supremacistas femininas fazem? Elas pedem por uma “trégua”, que na verdade é uma hudna. Assim elas podem se reagrupar, se fortalecer e assim gerar no homem um falso senso de segurança. Elas não tem a menor intenção de parar com suas campanhas contra o homem ou respeitar seus direitos.

Não há como existir uma trégua honesta com feministas e outros tipos de supremacistas femininos. Tudo não passa de uma grande hudna que só servirá para eles se fortalecerem e prosseguirem com o ataque ao homem de forma ainda mais cruel.

fonte: http://www.the-spearhead.com/2012/12/10/the-feminist-hudna/

18 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Jose

    Trégua? Que trégua? Elas têm o governo, a mídia, os meios de comunicação, etc. Elas estenderam seus tentáculos em todos os lugares possíveis. Hoje só se fala nos interesses delas e em mudanças nos homens. Não sei de que trégua elas estão falando. Nós temos uma mídia totalmente misândrica que sempre coloca o homem(vilão) como culpado de tudo no mundo e as mulheres como a salvação do mundo (heroínas) que são oprimidas pelos vilões. Falam em uma opressão exagerada que não existe mais e em uma mulher perfeita que nunca existiu. Não tem trégua nenhuma. Temos é que continuar a guerra e vencê-la, caso contrário estamos perdidos

    1. Hello Kitty

      Essa questão da trégua é visível. Quando vc está vulnerável elas não hesitam em pisar e humilhar. Sem nenhuma consideração ou piedade. Mas quando vc ganha poder na hora se fazem de coitadinhas tentando fazer o homem baixar a guarda.
      Lema: Nunca abaixe a GUARDA!

  2. Hello Kitty

    Para CNN o Japão e um país machista e de pervertidos
    por okardec, fonte Clickanimes, data 05 Abr 2010 (3 anos atrás) editar remover

    Depois das brigas entre Google e China, agora estamos prestes a ver outra polemica: CNN x Japão.

    O caso é que a CNN parece estar em uma cruzada contra industria de games do país, isso se dá pelo fato do Japão ser a maior fonte mundial de produtos digitais eróticos, mais específicos os games hentais (eroges).

    Ultimamente a rede de televisão anda dando foco no tema, com descrições como “O Japão é um país com uma cultura machista e reprimida por pervertidos, onde o governo opta olhar para o outro lado”, a ponto de contratar uma repórter formada na cultura popular japonesa para dar ênfase ao assunto e dar peso as criticas feministas do Japão, como sendo uma nação onde as mulheres vivem em escravidão como meros objetos sexuais.

    Entendendo os fatos.

    O Japão e mundialmente conhecido por sua cultura de animes e games do gênero hentai, a tal pondo que uma grande fatia da renda per capta nacional se baseia nesse mercado, empregando milhares de trabalhadores entre homens e mulheres.

    E extremamente fácil condenar o Japão ao vermos games como o famoso RapeLay, onde o tema e assediar mulheres nos vagões de um metro lotado. Mas a rede de TV esquece-se que 96% dos games do mesmo gênero contém uma historia que muitas vezes envolve romance e afinidade entre os personagens.

    O professor Kyle Cleveland, que atualmente ensina o curso “Juventude e subculturas desviantes no Japão”, na universidade de Tókio, explica que: “O Japão é uma sociedade patriarcal, e tem sido historicamente e continua até hoje”… “Não é nenhuma surpresa esta qualificação de machismo”… “Os empresários moralistas que estão examinando o Japão já tem uma historia feminista e tradição cultural que não pode ser simplesmente jogada sobre o Japão”.

    De acordo com o Fórum Econômico Mundial de 2009, no seu relatório sobre diferenças sexuais, o Japão se classificou em 101 de 134 países analisados, como um dos países com melhor taxa de diferença entre os grupos das mulheres em relação ao homem, considerando que é a segunda maior economia do mundo. Só que em contrapartida o Japão e o país com o maior índice homem/mulher sendo sete homens para cada mulher, podendo aumentar dependendo da região analisada dentro do país.

    Então o que temos são decisões de políticos que de certa forma são cegos a esta questão, pois em um território relativamente dominado pelos homens, foi criado um âmbito diferente de normas e regras políticas e morais, inclusive para os grupos femininos, que se integram com esta cultura diferenciada e leva os acontecimentos como normais do cotidiano. Sendo que criticas ocidentais e principalmente americanas com seu famoso senso de intrometer em questões políticas internacionais, não são vistas como fundamentais para o governo japonês.

    Mas as criticas estão se tornando cada vez maiores e o governo japonês já demonstra que esta incomodado com a pressão internacional. Mas o que incomoda não e o fato em si da forma que é visto a sexualidade no país, mas sim a maneira que o ocidente vê o tratamento desta questão pelos japoneses.

    “Outro problema é que o Japão tem maneiras de expressar a sexualidade que são praticamente indecifráveis para a sensibilidade ocidental, mas que são tão normais para eles que os japoneses não costumam compreender ou reconhecer as criticas que são feitas contra eles”, diz Cleveland.

    Cleveland acredita que o debate internacional e a pressão sobre o Japão para alterar sua legislação, tornando mais difícil que jogos com temática adulta serem comercializados e distribuídos. Mas ele acredita que o Japão não vai cumprir por razoes morais, mas sim porque “é politicamente conveniente”.

    “O que provoca as pessoas sobre este tema, e a distancia cultural que se tem entre Japão e outros países ocidentais, onde formas sinistras e/ou perversas ou simplesmente porque expressa a sexualidade de formas fora das normas ocidentais, pode se tornar uma polêmica. No Japão existem formas diferentes do que outras culturas, incluindo os Estados Unidos, que tem seus problemas próprios com gêneros bastantes evidentes”, diz Cleveland.

    O que nos intriga, e que a polemica está sendo feita por países como o Estados Unidos que é o maior fabricando de pornografia, com seus estúdios pornôs e milhares de atores reais que neles trabalham. Sendo que os materiais que eles estão atacando, são feitos a base de tinta e nunca foram distribuídos em seu território, e sobrepor sua cultura sobre uma outra, pode contribuir ainda mais com as crises nacionais entre estes países.

    http://www.gamevicio.com/i/noticias/42/42218-para-cnn-o-japao-e-um-pais-machista-e-de-pervertidos/

    Todos sabemos que a mídia americana está infestada pelo feminismo.
    Todos sabemos da enorme contribuição para a humanidade vinda daquela ilhota do sol nascente.
    Que os raios da verdade iluminem a terra…

    1. Hello Kitty

      A mídia feminista sempre insinua que a população no Japão está desaparecendo. Estranhamente por outro lado temos que o Japão é o 10ª país mais populoso do mundo e Tóquio a cidade mais populosa do mundo! Isso mostra como a mídia feminista gostaria que o Japão, um país com raizes patriarcais, desaparecesse do mapa… Eles são um mal exemplo no caminho da efeminação do planeta.

  3. Gustavo

    Puta mano, já tive o azar tbm de pegar paulistana, são fedidas p’ra caraio mesmo, tomam banho de perfume e tem mais xule q eu rs… desisti! mas foças estão por quase toda parte, a tática do sexo no banho é manjada, mas funciona rs vlw!!!

  4. Thiago

    1ª vez que comento aqui! Sou de uma cidade de interior (147m.h), mt religiosa e mt tradicional, minha experiência (sex) com mulheres começou somente ao 21 quando sai de casa e fui estudar na capital(SP)com uma prima separada, e devo confessar, encabulado, que foi traumática! Já conhecia os blogs, gostava princ. do Silvio antes da confusão, mas somente p’ra efeito de conhecimento; em minha cidade ‘machista’, garota que fica não casa (sim, vcs podem não acreditar nisso, mas é verdade, ainda existe salvação). O trauma se deu principalmente por costume: faculdade cheia de efeminados, emos e vadias fedidas, minha prima, mãe de 3 f. de cada pai, tendo dado o 2º p’ra minha família no interior (agora, meu brother) pois o pai sumiu, ñ preciso nemcomentar, nem os caras na minha city natal que trampam em fabric. fedem tanto, chulé, prefume sobre perfume e até calcinha no lixo (S/C) eu encontrei (e não é caso único, basta entrar nometrô)… fiquei assustado com a deteriorização das pessoas na capital, sem vida, vazias! Bom, estudei 2a. e me transferi ‘ra uma facu mais perto de casa, sim, voltei! (agora 23a) Minha concepção de mulheres? salvo uma região ou outra aqui, tamo fudido! não vai demorar pra contaminar todas, inclusive as daqui! casar? talvez qundo tiver lá pelos 35 procure uma de 19,20 rs ainda sou tradicional, princ. depois do que vi, e sexo agora, só no banho!!! (trauma total)… rsrs

  5. Don Corleone

    O feminismo não se debate, se combate. Não há diálogo com o feminismo, nem trégua, nem pausa, nem recuos. Elas tem o poder da mídia e do governo mas nós temos o poder de nossas ações. Com o bloqueio de mais homens deteremos essa ideologia nefasta.

  6. Franklin

    é interessante notar como o masculinismo é menor do que o feminismo,e mesmo assim já tá fazendo esse estrago! rsrs
    por isso “nossos inimigos” não são as feministas,e sim os próprios homens q as defendem….
    quanto mais homens enxergarem a atual situação,pior vai ficar para elas.
    barão,o jornal da real acabou?

    1. Barãozin

      Não acabou não, é mais por falta de tempo msm.

      Tou planejando voltar este mês.

    2. sergiovisk

      O masculinismo não faz estrago nenhum. Ele simplesmente aponta as incongruencias, maldades e consequencias do feminismo e do comportamento hipergamico das mulheres. Simplesmente mostra a realidade e as pessoas param de agir como zumbis.

      O feminismo está desmontando por conta de sua propria podridão.

    3. Jose

      O feminismo não teria alcançado a força que tem se não fossem os manginas de plantão. Eles são piores do que as feminazis, tenho nojo deles. Não acho que o masculinismo ou o antifeminismo esteja fazendo estrago Franklin, acho que elas temem que uma reação oposta ao movimento delas possa fazer estrago a qualquer hora. E eu só espero que o masculinismo um dia possa sair do anonimato para se tornar uma coisa mais abrangente. Por isso precisamos unir forças e conseguir aliados para que isso se concretize.

      1. INTERESSADO

        Não concordo. A mídia tem muito poder. Tanto no Brasil quanto no exterior. Antigamente era a só a Rede Porco. Porém ela decaiu muito e agora outras novas porcarias concorrentes surgiram com menos poder do que ela mas com os mesmos ideais e em maior número. E são bem mais escrachadas do que o plim plim. Isso sem falar no governo de PTralhas que gosta de atear fogo na sociedade, Seja com feminismo ou o “ismo” que for. O negócio deles é fazer zona. E pra falar a verdade, eu tenho um ciúme do caralho da gente aqui. De todo mundo mesmo. Mesmo sem conhecer ninguém pessoalmente. O anonimato é uma benção que só os homens podem sustentar. Em time que está ganhando não se mexe. Não sabemos o que nosso vizinho de porta vai pensar de nós caso a gente comece a fazer disso uma causa política ou queiramos aparecer. Vamos começar a ruir. Cada um de nós; grandes e pequenos; ricos e pobres, estáveis e instáveis, feios e pintosos. gordos ou sarados. E depois até mesmo os blogs. Para fazer algo de bom leva tempo e esforço. Mas para estragar é fácil demais. Já imaginaram se resolvem fazer uma novela com a gente? O tamanho da merda que vai dar? Ainda que seja só um episódio de Malhação? Vai virar uma zona generalizada. Regra nº 1: Você não fala do clube da luta! Regra n° 2 Você não fala do clube da luta! São três grandes erros na minha opinião: 1 – Fazer qualquer tipo de votação. 2- Meter dinheiro no meio. Cada um deve se dar bem sozinho. Claro se você vir um irmão seu da real precisando de alguma coisa ou dinheiro, tu vai lá e empresta, Como dois amigos leais com honra e que se respeitam. Porém fazer vaquinhas ou votações para angariar fundos seja lá para o que for, eu não acho certo. E o terceiro e pior erro: Atrair os holofotes da mídia. É bom saber que eles já estão se coçando pra enfiar o focinho deles no meio de blogs masculinistas em geral. Minha opinião pessoal.

  7. NEANDERTHAL

    O marriage strike está a toda nos EUA e parece que isso levará um caminho sem volta, ou seja, ou as mulheres mudam totalmente o seu comportamento para com os homens, o que no estado atual das coisas é totalmente impossível, (a mulhere não vai mudar seu jeito arrogante para com os homens) ou mais e mais homens escolherão não se casar, trabalhar apenas o suficiente para viver sem problemas.

    São homens que trocam relacionamento com mulheres por “video games” como num post passado. São homens que ao invés de se relacionar com mulheres preferem PG, o que é bem mais barato e mais “higiênico” que as ditas “moças de família”.

    Eu pessoalmente não tenho intenção nenhuma de casar embora as vezes faz falta um relacionamento. Mas a experiencia que tenho com amigos próximos que se casaram e hoje se fuderam totalmente, como ter que pagar pensão absurda sob o risco de não ir preso, um desses so ganha salário mínimo e 80% é para pagar a dita pensão. O outro levou uns belos cornos na cabeça de sua amada esposa, um outro tinha um supermercado e faliu, por conta das pensões absurdas que teve que pagar para sua ex. Um outro casou e em menos de 2 anos a quantidade de sexo que ele teve foi reduzida de todos os dias a uma vez a cada 6 meses, para no final a mulher fazer greve de sexo totalmente. Este perdeu a casa e todos os móveis no divórcio. Um outro amigo foi traído pelo melhor “amigo”; a mulher abriu as pernas para o “amigo” ele soube e se suicidou…

    Bem eu não sou suficiente burro para aprender com o exemplo desses meus colegas e entender que relacionamento sério hoje em dia é furada. As mulheres não vão mudar. Mas também eu não sou louco!

    1. Leo Philalethes

      Qual a sua idade NEANDERTHAL? Você e seus amigos também são da década de 80?

      Eu nasci em 1985 e uma coisa que sempre digo é que ainda é cedo para testemunhar o estrago que as mulheres farão nos homens da nossa geração. Mas esperem mais 15, 20 anos e verão a grande massa de homens falidos, deprimidos e até malucos por causa do casamento.

      1. Leo Philalethes

        Tenho um conhecido, que era meu amigo (até começar a me tachar de viado por causa das minhas ideias realistas acerca das mulheres), que casou recentemente, no segundo semestre de 2012.

        Tenho certeza que ele será meu primeiro conhecido a ser prejudicado, senão destruído, pelo divórcio. A mina está para terminar a faculdade e ele só tem o ensino médio com ensino técnico. A mina é cantora, ou seja, está sempre sob a atenção de outros machos. Ele uma vez dirigiu do RJ até MG só para falar com a garota, mas quando chegou lá, ela não olhou para a cara dele. Do nada, ela mudou de ideia e os dois começaram a namorar (decerto foi chutada por algum cafa!). E esse meu conhecido não tem estabilidade nos empregos, vive mudando.

        Acredito que o divórcio vai ocorrer quando a mulher se formar e começar a ganhar mais que ele, ou quando o mesmo ficar desempregado.

        1. Barãozin

          Verdadeira bomba relógio rs

        2. NEANDERTHAL

          Já tenho quase 35 anos Leo Philalethes, sou de 1978, mas peguei toda a era dos anos 80 inteira. Esses amigos que conhecí eram de minha idade na época e alguns mais novos do que eu. Já ví cada caso que daria arrepio,(como o suicídio que citei acima).

          Também nunca me casei e nem pretendo, pois como disse ja disse, o que tenho observado a respeito do comportamento feminino não me deixa muito motivado a “me ajuntar”, com alguma guria.

    2. Jack Saint

      NEANDERTHAL fica aqui um ditado que eu li em algum lugar que não me recordo, “Um homem inteligente aprende com seus próprios erros , um homem sábio aprende com os erros dos outros”.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: