«

»

jan 29 2013

A eugenia feminista

por Carey Roberts

A quase um século atrás, um cabo austríaco se inspirou pela visão de criar uma raça suprema. Assim que ele se auto proclamou “führer”, Adolf Hitler fez tudo para garantir a ascendência de alemães biologicamente “valiosos”. De 1934 a 1937 o regime nazista esterilizou por volta de 400 mil pessoas que eles consideravam fisicamente e mentalmente incapazes.

Para silenciar seus críticos, Hitler justificou seu programa de extermínio invocando a disciplina científica da eugenia, uma palavra derivada do grego para “bem nascido”.

Do outro lado do Atlântico, Margaret Sanger foi outra defensora deste movimento emergente. Como membro da “Eugenic Societies” tanto nos EUA quanto na Inglaterra, Sanger escreveu “Woman and the New Race“, em que ela propagava sua visão utópica, porém não convencional (www.eugenics-watch.com/roots/chap06.html)

Baseado no seu desprezo para o sexo feminino, Sanger escreveu em 1920, “as mulheres foram, devido a sua habilidade reprodutiva, as fundadoras e perpetuadoras das tiranias da Terra… Se ela tivesse planejado deliberadamente para atingir esse total trágico de miséria humana, ela dificilmente poderia ter feito de forma melhor.

Em seu “Plan for Peace” de 1932, Sanger leva a sua análise a uma conclusão lógica. Ela defende a necessidade de “aplicar uma política rígida e severa de esterilização e segregação para aqueles setores da população dos quais sua descendência está manchada” e também “dar a alguns gupos disgênicos de nossa população sua escolha entre ser segregada ou ser esterilizada.” Sanger tempos depois explicou que um desses “grupos disgênicos” incluíam os negros americanos.

O legado de Margaret Sanger está vivo até hoje. Como sabemos, Sanger fundou a “Planned Parenthood Foundation of America”, que depois evoluiu para a “International Planned Parenthood Federation” em 1952. (NT: Ultimamente o Padre Paulo Ricardo vem dando palestras sobre este assunto. Recomendo que baixem estas palestras pelo site. São muito esclarecedoras.)

E então em 1979, a China implementa sua famigerada Política de Filho Único, que logo depois evoluiu para esterlizações forçadas, abortos sob coerção e infanticídios. Em 2001, uma pesquisa revelou que autoridades do governo da província de Guangdong tinham uma quota de 20 mil abortos forçados.

Mas se um casal só é permitido a ter um filho, muitos acabarão confrontados com uma difícil escolha. A maioria das famílias vivem em condições precárias, onde a refeição do dia seguinte nem sempre é garantida. Um garoto pode ser mandado para o trabalho nos campos e tendem a ficar aptos ao trabalho mais cedo do que as meninas. E em muitas sociedades, os pais quando envelhecem tendem a depender do filho homem para viver.

O ultrassom se tornou a tecnologia que permitiu aos casais fazerem tal decisão. Um ultrassom portátil pode ser comprado por apenas alguns milhares de dólares. E um aborto pode ser realizado a baixo custo.

Isto rapidamente se transformou num fenômeno que os doutores indianos chamam de “abortos de cafeteria” – termine sua gravidez e então se sente na cafeteria mais próxima para tomar um cappucino.

Joseph D’Agostino apelidou este crescimento do aborto seletivo como o “O Triumfo Feminista: exterminar meninas.” Os especialistas não concordam com a conta total, mas um artigo publicado no jornal médico Lancet estima o número de meninas abortadas, boa parte delas na China e Índia, já está na casa dos 100 milhões. Somente na China, a UNICEF estima que há apenas 832 meninas para cada 1000 meninos.

As feministas tem uma compulsão em impor mudanças radicais na sociedade e quando as coisas dão errado, jogam a culpa de seu fiasco no machismo. O problema do aborto seletivo não é uma excessão a esta regra.

Nessas últimas décadas, os defensores do aborto promoveram uma campanha determinada para facilitar o acesso ao aborto pelo mundo. É claro que eles nunca admitem a possibilidade que sua cruzada letal tenha algo a ver com o atual desequilíbrio populacional.

Ao contrário, as feministas rebatem a culpa, falando de forma sombria de uma “diferença intransponível de poder entre os gêneros”. Esta mentira convenientemente ignora o fato que na Índia grande parte dos médicos que lucram por volta de 100 milhões por ano com a indústria do aborto seletivo são mulheres.

E como pode ser uma demonstração de “privilégio masculino” privar tantos asiáticos de ter chances de arrumar uma esposa?

Os aparelhos de ultrassom foram popularizados em meados da década de 1980. Vinte anos depois, nós temos uma geração de homens em sua adolescência e começo da vida adulta que não podem arrumar uma parceira. Isto é o prenúncio de um desastre demográfico. Na Índia ocidental, moças do Nepal e Bangladesh são importadas – por um preço, é claro – para tentar ajustar a disparidade entre os sexos.

Então qual é a solução para a epidemia do infanticídio feminino? Leis que banam a pratica estão se mostrando inúteis. Forçar que os médicos preencham documentos extras para realizar o procedimento, como está fazendo na Índia, está se mostrando inútil. E postar cartazes alertando sobre isto em clínicas de ultrassom simplesmente não serve para nada.

Então o que podemos fazer para freiar esta futura bomba populacional que assolará o mundo no século XXI? Pelo menos para mim, há apenas uma única e óbvia cura para este experimento eugênico moderno, uma solução que deve ter uma boa chance de funcionar: banir os abortos.

fonte: http://www.renewamerica.com/columns/roberts/070306

8 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Lindalva Cordeiro Lopes

    Sou contra o aborto em quaisquer circunstâncias, e esses abortos seletivos na Índia e na China demonstram o quanto a figura da mulher é menosprezada, só que pagarão caro por isso, já estão pagando. Perceberão que sem mulheres não há futuro.

  2. Marcus Valerio XR

    Interessante texto, embora após começar muito bem, acabe abruptamente.

    Sou uma das pessoas que mais insiste, há mais de década, na relação entre o abortismo e o infanticídio seletivo, e que a campanha abortista tem muito menos a ver com direitos reprodutivos e emancipação feminina do que com uma luta simbólica suicida contra toda a humanidade.

    http://xr.pro.br/ENSAIOS/Aborto-Repensado.html

    Mas bem que poderiam ter acrescentado que até Margaret Sanger era contra o aborto, não importando a fase da gestação, visto que acreditava que, uma vez concebida, uma vida não deveria ser tirada. Por isso mesmo insistia tanto na contracepção.

    Curiosamente, foi só após sua morte, e após os contraceptivos terem atingido um nível de eficiência, baixo custo e popularização sem precedentes na história, que a campanha pró aborto emergiu com força total.

    Marcus Valerio XR
    xr.pro.br
    evo.bio.br

  3. piloto

    sou totalmente contra o aborto.

  4. José Lucas

    eu sou um daqueles caras que demorou pra cair na real, pago 4 extorsões alimentícias, e sou expropriado dia após dia, graças as leis de transferência de renda forçada vigentes em nosso país.Por isso eu digo; pelo menos nos países onde há leis de divórcio anti-homem e onde vigora a extorsão alimentícia, o aborto deve ser incentivado e legalizado, pois para cada criança morta é um pai a menos sendo extorquido e sem acesso aos filhos. É isso Barão. Esse é meu primeiro comentário aqui no site, mas o acompanho há meses. Parabéns pelas postagens sempre interessantes e esclarecedoras.

    1. Barãozin

      Somos contra o aborto.

      Há métodos contraceptivos q são largamente difundidos e baratos, como a camisinha. Não é necessário tirar vidas humanas por causa de descuido de caras q “se esqueceram” de encapar a rola pq tavam doidos demais pra trepar.

      1. José Lucas

        Pior que você tem razão!!! Depois não adianta chorar…. encape antes pra não se arrepender pra sempre!!!

        1. rapaz

          Cara,é só não vacilar,pelo visto então tu tem 4 filhos,crie-os de forma honrada e ensine-os a não cometer a mesma burrada que você;

  5. piloto

    no mundo todo vem aumentando a aceitaçao pelo aborto,mas de forma hipocrita as mesmas pessoas (mulheres, todas sao feministas em niveis diferentes quanto mais feia pior, e manginas, esse e o tipo de homem que nao e macho) sao totalmente contra a prostituiçao. parece ter alguma correlaçao.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: