«

»

nov 02 2012

Sobrevivendo ao sistema legal

por Roberto, do fórum Mundo Realista

Pode-se interpretar a lei em favor de qualquer das partes. Poucos os casos onde há apenas uma solução. Havendo liberdade para decidir de um jeito ou de outro, o fator predominante para o raciocínio do magistrado é sempre de ordem emocional. Em relação à guarda dos filhos e ao direito a alimentos, se ambas as partes apresentarem argumentos convincentes, o magistrado primeiro pensará em quem ele quer que seja vencedor da ação e só depois confeccionará a sentença, fundamentando-a nesse sentido.

Em termos de apelo emocional, a mulher quase sempre vence. Biologicamente, a mulher tem aparência mais frágil e maior habilidade em sensibilizar as outras pessoas. Socialmente, o magistrado quase sempre é uma balzaquiana ou um mangina. A mulher será sempre balzaquiana porque dificilmente se chega à magistratura antes dos 25 anos. Ou seja, a decadência da mulher já começou. Considerando que toda magistrada é uma carreirista dedicada, boa parte delas não tem filhos, são mães solteiras ou mal casadas. É muito difícil ver uma juíza que seja boa mãe, seja casada com um macho de alta hierarquia e não se estresse com a carreira. Em relação aos homens, o concurso da magistratura exige muito estudo. É muito difícil para um homem conciliar a racionalidade com o desenvolvimento emocional, pois os homens que passam nesses concursos geralmente têm uma vida social pobre ou “leite com pera”. Os bons juízes do sexo masculino são uma minoria de alfas que decidiram pela carreira ou homens que decidiram não se casar.

O direito a alimentos é o que mais prejudica o homem. Mesmo que o homem se case no regime de separação total de bens, isso não afasta o direito a alimentos. Isso porque o direito a alimentos é um direito fundamental, é questão de ordem pública. E em razão disso, havendo casamento ou união estável, sempre será devido. Como as mulheres só aceitam homens que ganhem mais dinheiro que elas, é geralmente a mulher quem precisa de alimentos. Há também a questão do mal uso dos alimentos. É difícil uma mulher que administre os alimentos apenas para as necessidades básicas. Geralmente gastam em salão de beleza, cosméticos, antidepressivos, etc.

Para mudar o sistema jurídico misândrico em que vivemos, duas medidas são essenciais:

1ª Medida: relationship strike em mulheres carreiristas. Relationship strike é a recusa de qualquer compromisso ou relacionamento duradouro. O homem sem dúvidas deve aproveitar o interesse da mulher carreirista e comê-la se ele assim desejar, mas não deve criar qualquer vínculo com ela ou com as pessoas do círculo social dela. Isso porque a carreirista não presta para formar família. O pior tipo de carreirista é a que se formar em Direito, pois ela conhece a lei e não hesitará em abusar dela para extorquir o máximo de dinheiro possível do homem.

2ª Medida: competitividade no mercado de trabalho. Quando leio sobre os países estrangeiros, percebo que há uma relevante quantidade de homens evitando o casamento, fato que vem acompanhado de um crescimento significativo da indústria farmacêutica. Se por um lado a 1ª medida foi eficaz, mesmo não sendo a intenção direta de muitos desses homens, uma vez que a maioria simplesmente agiu por instinto e não de forma organizada, a 2ª medida acontece apenas para um pequeno grupo de homens.

É necessário cortar o compromisso com as carreiristas e ao mesmo tempo competir no mercado de trabalho. Assim, os homens cresceriam no poder de barganha e na profissão, e as mulheres encolheriam nesses aspectos. Encolheria por causa da idade que lhes tira a beleza e da competição no mercado de trabalho que lhes tira o exército de manginas que fazem boa parte do trabalho para as mesmas.

Há também uma 3ª medida, que é a de orientar homens a se defenderem dos abusos legais. A defesa começa antes do litígio. É guardar as provas de todas as compras que foram feitas exclusivamente no nome dele e pagas exclusivamente com o dinheiro dele. É ter condições de gravar e registrar todas as ameaças verbais ou escritas. É exigir do advogado todos os contra-argumentos possíveis para se rebater as teses misândricas. E por aí vai.

Percebo que ainda existe muita descrença quanto à gravidade das armadilhas da lei. Isso se deve ao fato de muitos ainda não terem sofrido sanções legais. O problema é que a matrix jurídica é diferente da afetiva. Nos relacionamentos, você pode falhar, sofrer e dar a volta por cima, recuperando-se totalmente. Na justiça é diferente. Errou uma vez, fodeu-se para o resto da vida. Não tem brecha pra testar as águas e se adaptando com o decorrer do tempo, como é o caso dos relacionamentos. A situação é tão grave, mas tão grave, que mesmo que você seja perfeito e nunca erre, ainda sim pode ser condenado por uma falsa acusação de crime. Condenado sem nunca ter feito um erro na vida.

O que não dá é para depender da boa vontade da mulher, do promotor ou do magistrado. É preciso vencer nos argumentos, vencer nos relacionamentos e vencer no mercado de trabalho.

fonte: http://mundorealista.com/forum/viewtopic.php?f=14&t=7370&p=158611#p158459

7 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Punisher

    Interessante como esse chororô se repete cada vez com mais frequência: “os homens fogem de relacionamentos porque são imaturos e inseguros”. TODAS as circunstâncias de um relacionamento, seja um namoro, uma união estável ou um casamento, conspiram contra os homens. O maior exemplo é essa merda de “paternidade afetiva”. Tudo serve como pretexto para arrancar dinheiro do cara ao fim do relacionamento, até mesmo o filho de outro homem, MESMO QUE ESSE HOMEM, O PAI BIOLÓGICO, JÁ PAGUE PENSÃO! Elas queriam o quê, ora porra?! Que os homens se dirigissem bovinamente para o abatedouro, felizes da vida por correrem o enorme risco de serem espoliados meramente pelo rancor de sua “companheira”? Que ficassem tranquilos, vendo sua vida financeira na corda bamba das emoções femininas?! Cabe ainda lembrar da famigerada “pensão gravídica”. Nunca se esqueçam dela! Pra quem não sabe, a mulher que engravidar sem saber quem é o pai, pode levianamente acusar qualquer zé ruela que se atreveu a mandar um sms “romantiquinho” ou um e-mail apaixonado, fazendo com que ele pague pensão durante a gravidez. Isso porque o juiz pode determinar o pagamento sem qualquer prova de paternidade, meramente com base em “indícios de relacionamento”.

  2. Don Corleone

    O sistema jurídico é o ponto de maior discriminação dos homens. Nós somos considerados como meros reprodutores e pagadores de contas. Mas eis que esses dias fiquei ouvi da boca de uma mulher aquilo as feministas talibãs negam a todo custo, essa mulher me disse que por ser separada e ter um filho não consegue entrar em um relacionamento sério, os homens não aceitam compromisso com mulheres com filhos. Mas é lógico que não aceitam. Quem é que vai assumir um compromisso que não durará (quando menos se espera a mulher “enjoa” do homem e salta do barco) e ainda correr o risco de ter que repartir os bens que comprou na constância do casamento e ainda por cima, o supra-sumo do privilégio da mulher, ter o homem que pagar pensão por causa da “paternidade sócio-afetiva”. É pra acabar com o homem, é querer deixá-lo na ruína. Depois elas vem com aquele velho, batido discurso de que os homens não querem compromisso porque são infantis e blá blá blá, aquela merda toda. Quiseram tantos privilégios, tantas mordomias, que estão afastando os homens. Os homens estão acordando meus caros. Lembro do general japonês que disse para seus companheiros depois que o Japão bombardeou Pearl Harbor: nós estamos despertando um gigante. É isso que estou vendo nas ruas. As feministas talibãs e as mulheres em geral cavaram sua própria cova e eu serei o primeiro a colocar uma pá de terra em cima de seus caixões.

  3. BetoGunner

    Falaram tudo,não tem sentido casar-se hoje em dia,a não ser que vc tenha uma vontade imensa de dar as coisas que vc conquistou com seu trabalho pra sua mulher e ficar sem ela e metade das suas coisas.

  4. Paulo Ricardo

    “Há também uma 3ª medida, que é a de orientar homens a se defenderem dos abusos legais. A defesa começa antes do litígio. É guardar as provas de todas as compras que foram feitas exclusivamente no nome dele e pagas exclusivamente com o dinheiro dele. É ter condições de gravar e registrar todas as ameaças verbais ou escritas. É exigir do advogado todos os contra-argumentos possíveis para se rebater as teses misândricas. E por aí vai.”

    Ora, se pra se proteger dentro de um casamento precisa estar sempre atento pra produzir provas em sua defesa contra a mulher, então pra que se casar???

    A ideia original do casamento é um homem e uma mulher unirem suas forças para construir um lar e familia harmonicos e hoje o que vemos é duas pessoas com aliança no dedo em uma imbecil guerra de sexos, onde o homem recebe toda a carga pesada do relacionamento, isso é vantagem?

    O casamento para o homem hoje em dia é como você investir um milhão de dolares por mês com riscos maiores que a bolsa de Atenas e receber em troca um real de juros. O desgaste emocional que o cara gasta pra não se ferrar dentro de sua casa não compensa se casar, então eu pergunto: Qual é o beneficio para os homens se casarem hoje em dia?

    1. andre-desbravador

      o homem a longo prazo, tem a vida a seu favor, ja ao a contrario da mulé que s eutiliza de sua beleza fisica, para s e dar bem, mas essa beleza tem prazo d e validade e começa a apodrecer apos os 30.

  5. Renato

    É o que vivo dizendo : NÃO SE CASEM,não sejam dependentes de buceta,estudem,guardem dinheiro,invistam dinheiro,tenha seu apartamento/casa,cuide de sua saúde,da sua aparência.

    E o sexo? é consequência disso tudo que relatei acima,e não existe diferença entre a mulher normal e a prostituta,tanto a prostituta como a mulher normal buscam o melhor para elas,se vendem e dão para quem for conveniente para elas,a única diferença é que a prostituta é mais acessível e geralmente mais barata.

    1. andre-desbravador

      exatamente….

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: