«

»

out 03 2012

Uma análise do seriado “Boss”

por Antifeministtech.info

Ano passado estreou no canal Starz, um canal a cabo americano, um seriado chamado Boss. Ele é estrelado por Kelsey Grammer como Tom Kaine, o prefeito impiedoso de Chicago que tenta manter o poder enquanto luta contra uma doença neurológica. A corrupta máquina política de Chicago é mostrada de forma detalhada.

Se você sempre imaginou sobre os tipos de mulheres que não vêem problema em seus homens as trairem com outras mulheres, este seriado nos dá um interessante estudo de caso. Mesmo sendo ficção, o instinto hipergâmico da mulher que não vê nada demais em ver seu marido comendo outras mulheres é bem representado. Tais mulheres são casadas com políticos municipais e estaduais muito poderosos.

Há alguns exemplos que nos mostram como as mulheres em Boss não se importam que seus homens estão transando com outras mulheres. A mulher do prefeito descobre que seu marido está indo a um neurologista e pergunta para ele o porque disto. Ela não sabe ainda da doença neurológica dele. O prefeito ainda não quer que sua mulher saiba ssobre a doença, então ele responde “Desde quando você se importa com o que eu faço?” E fica por aí (até ela descobrir que ele está doente) já que ela realmente não se importa que ele saia comendo outras mulheres por aí. Na verdade, o prefeito já está a tanto tempo fazendo isto que parece que ele já tem um filho ilegítimo que já tem uns 20 anos. Sendo o prefeito de Chicago, todos sabem que ele é casado e todas essas mulheres que ele comeu  sabem disto. Nenhuma das mulheres com que ele se envolveu ou sua própria esposa parecem se importar com isso.

Temos outro personagem, o tesoureiro estadual de Illinois, que está se candidatando a governador e também se envolve com outras mulheres. Ele é casado, mas já transou com diversas mulheres, desde uma esposa de um conselheiro da cidade de Chicago e até mesmo recebeu sexo oral de uma funcionária de campanha gorda (parecida com a Monica Lewinsky). Já que ele é uma figura proeminente no estado, todas as mulheres com as quais ele se envolvem sabem que ele é casado. E ele continua a transar com sua esposa também. Nós até vemos isto num dos episódios. Este homem era parte de um plano para que ele abandonasse a disputa do cargo de governador para que ele pudesse derrubar o prefeito. O prefeito descobre isto e contrata um detetive particular para seguir o tesoureiro e tirar algumas fotos dele com outras mulheres. As fotos tiradas são dele com a esposa do conselheiro municipal. As fotos são enviadas ao conselheiro e a esposa do tesoureiro. A esposa ficou nervosa com seu marido quando viu as fotos, mas não porque ela foi traída. Ela diz explicitamente que não liga que ele coma outras mulheres. Ela está com raiva porque isto pode ter prejudicado sua futura carreira política.

Alguns episódios depois as fotos são jogadas na imprensa. Ela fica muito nervosa com seu marido e diz a ele não vir para casa. Ela também se recusa a participar de uma conferência onde ele pede desculpas. Porque isso já que sabemos que ela não liga em ser traída? Temos duas coisas acontecendo aqui. Primeiro é a vergonha e humilhação. Ela não está nem aí se o seu marido transa com outras, mas ela se preocupa que a imagem que ela projeta de ser a mãe e esposa perfeita seja arranhada. Segundo, é porque agora seus filhos sabem o que aconteceu, já que todo mundo sabe disto agora. Ela diz explicitamente que não queria dizer aos seus filhos que ela, uma boa esposa, não liga que seu marido transe com outras mulheres (mesmo que na realidade ela não se importa que ele faça isto).

Aprendemos algumas coisas com este seriado. Se você quer ter fazer sexo com várias mulheres e não ter a sua namorada/esposa enchendo o saco por isto, você precisa ser rico e/ou poderoso, ou pelo menos aparentar ser, senão ela irá direcionar seus instintos hipergâmicos contra você. Você também precisa manter suas puladas de cerca longe dos olhos do público, porque mesmo se ela não se importa com o que você faz, ela se importa com a imagem dela sendo arranhada. (“Público” neste caso pode ser tanto a família dela descobrindo o caso, a não ser que você seja uma figura pública. Afinal um jornal não quer saber com quem você está transando.) Ela irá se importar se você destruir a imagem que ela quer projetar. Se você é casado e tem filhos, ela irá se importar se os filhos souberem o que você faz. Esta é a diferença entre o prefeito e o tesoureiro estadual. O prefeito faz o que lhe dá na telha sem sua mulher se importar porque ele mantém suas puladas de cerca longe dos olhos do público. O tesoureiro, por sua vez, falhou nisto.

fonte: http://www.antifeministtech.info/2012/09/boss/

5 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Ricardo

    A mais pura verdade. No meu primeiro relacionamento, minha namorada me disse com todas as letras “não me importo que você coma outras, só faça da maneira certa”. Mas eu era muito babaquinha pra me aproveitar da situação e perceber que muito provavelmente ela me botava belos chifres, só que “da maneira certa”.

    1. Samuel

      Meu caro, isto poderia ser um verde também. Testando você.
      Já tive estas indiretas também em alguns relacionamentos que tive. Não sei você, mas eu sempre fui meio ” tô nem aí ” e trocava de mulher sempre que me dava vontade. E mulher sempre testa o cara com quem está, quer conhecer a malícia dele e saber até onde ele iria. Se ela sente em você a capacidade de trair sem culpa ou trocar de mulher se lhe for conveniente, ela terá de ser mais astutas em suas estratégias de dominação sobre você. Por exemplo, se ela pretende lhe negar sexo por algum motivo qualquer, sabendo das tuas convicções, ela para e pensa.

  2. C.J

    Eu já vi algo assim num conto daquele cara de comedias da vida privada. Agora, cuidado pra não levar ao pé da letra que o que acontece nos seriados é o que acontece na vida real.

  3. andre-desbravador

    seja vc mangina ou realista, ja s abemos que os destacados podem tudo diferente do beta mediano comum, que só tem o direito d e se matar em seu trabalho para ser um provedor politicamente correto.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: