«

»

out 17 2012

O comunismo num terninho rosa

Não deixe de ouvir a Décima terceira edição do Jornal da Real!

por Carey Roberts

Inspirada numa figura de papel maché que protestantes usaram na praça Tiananmen em 1989, a estátua de bronze de 3 metros é modesta sob qualquer ponto de vista. Estas palavras estão gravadas em sua base: “Em memória das 100 milhões de vítimas do comunismo e para aqueles que amam a liberdade.”

Em 2007, 400 pessoas se reuniram em Washington DC para participar de um ato em memória das vítimas dos regimes comunistas realizado no Memorial das Vítimas do Comunismo. Os palestrantes lamentaram por aqueles mortos pelas mãos de Stalin, Mao e Pol Pot. E também alertaram sobre a ameaça do fascismo islâmico.

Mas pouco se disse sobre o claro e presente risco do comunismo em si.

Poucos tem o costume de visitar o site do Partido Comunista Americano. Mas se você o fizer – www.cpusa.org – verá no canto superior o familiar símbolo da foice e martelo que simboliza a união entre camponeses e trabalhadores que lutaram na Revolução Russa de 1917.

Mas olhe com bastante atenção, porque o símbolo tradicional do comunismo foi alterado. Agora ele apresenta uma engrenagem, e os elementos do símbolos foram arranajados de forma a se parecer – não tenha dúvidas disto! – com o símbolo do movimento feminista. É possível que a ideologia de libertação de gêneros está enraizada nos manifestos de Karl Marx e nas táticas de Vladimir Lenin?

Continue olhando, e você verá que a plataforma do partido comunista americano defende: “entre as formas de opressão que a mulher experimente temos os ataques aos seus direitos reprodutivos; falta de creches de qualidade e a um preço justo; desigualdades nos serviços de casa e de criação dos filhos; assédio sexual no serviço; e violência doméstica e sexual.” [http://cpusa.org/party-program/]

Agora vamos fazer uma visita ao site da Organização Nacional para as Mulheres, a NOW [www.now.org], e vamos comparar suas propostas:

Direitos reprodutivos? Sim.

Creches e criação de filhos? Ok.

Assédio Sexual? Sim, é claro.

Violência doméstica? Óbvio!

Consegue detectar alguma diferença entre o que propõe o Partido Comunista americano e a NOW? Eu pelo menos não.

Procure um pouco mais e você lerá que o “Comitê de ações políticas da NOW orgulhosamente apoia a senadora Hillary Rodham Clinton.

Agora procure no Google as propostas de Hillary Clinton e as do Partido Comunista americano. Será que é apenas uma coincidência que o Partido Comunista, a NOW e Hillary Clinton estão todos de mãos dadas?

É claro que isso não surpreenderia quem já acompanha a carreira de Hillary Clinton.

O livro de Carl Bernstein, “A Woman in Charge“, nos revela que assim que terminou a eleição de 1992, Hillary se reuniou com seu conselheiro Dick Morris para discutir seu papel no governo de seu marido. Procuradora Geral? Conselheira chefe de política doméstica? Ou algum outro cargo semelhante na Casa Branca?

No fim, Hillary decidiu que nenhum desses cargos satisfaria seus talentos ou ambições. Nada menos que a co-presidência era o seu desejo.

Nesta posição ela apontou o nome de Norma Cantu para chefiar a divisão de direitos civis do governo no Departamento de Educação. Cantu, é claro, foi a arquiteta da medida de inspiração socialista chamada “Title IX”, quotas que impunham a participação feminina em esportes universitários, eventualmente levando ao fim de mais de 2000 times esportivos masculinos.

Anos depois Hillary escreveria “It Takes a Village“, revelando sua admiração pelas políticas sociais da França onde “mais de 90% das crianças francesas com idade entre 3 e 5 anos tinham acessos a creches gratuitas ou muito baratas.”

E também temos o antigo patrocínio de Hillary às leis de Equidade Salarial, que é baseada na totalmente falida idéia soviética de impor salários iguais ao aumentar artificialmente o salário das mulheres, além dos níveis que foram determinados pelo mercado.

Durante uma palestra em 2007 feita em New Hampshire, Clinton disse que é hora de trocar a “sociedade de proprietários” da administração Bush – que ela ridicularizou sendo a sociedade do “cada um por si” – por uma baseada em prosperidade compartilhada. Será que alguém aí ouviu ecoar o famoso ditado de Marx, “de cada um segundo sua capacidade, a cada um segundo a sua necessidade”?

E se quer mais uma prova das visões totalitárias de Clinton, ela fez uma promessa em 2004 durante um evento de arrecadação de fundos em São Franciso “Nós vamos tomar as coisas de você em nome do bem comum.”

E como o comunismo levou ao extermínio de mais de 100 milhões de vidas em todo o mundo? Simples – através de sua jornada fanática para impor uma sociedade sem gêneros ou classes sociais, que acaba pisando nos direitos individuais, resultando em um poder estatal intrusivo e por fim repressivo.

E é por isto que temos que temer pessoas como Hillary Clinton.

fonte: http://www.renewamerica.com/columns/roberts/070619

4 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. UM BARBARO

    Pessoal é sério isso! O comunismo matou 100 milhões de vidas humanas e isto falando por baixo.
    Somente sob Stalin foram 65 milhões de vidas. Alguns falam em 70 milhões.
    Sobre Hitler, que não se enganem,Hitler era esquerdista, Nazista significa: Nacional SOCIALISTA;Somente ele foi responsável por uns 25 milhões de mortos. Um adolescente juvenil comparado com Stálin.

    O campeão de atrocidades aconteceu sob o regime de Mao tse tung que foram totalizados em cerca de uns 75 milhões de mortos. Então a conta não bate. Foram mais de 100 milhões com certeza.

    Mortos pela fome, desnutrição, a bala… E essa a herança do “paraíso” deixado por Lênin,Marx, Gramsci, Solanas…

  2. Don Corleone

    Quando você acha que as feministas talibãs chegaram ao ponto máximo da paranoia elas se superam. Suas mentes insanas arquitetam desculpas mirabolantes para culpar os homens e o famoso “patriarcado”. Se uma menina mostra os seios na webcam é culpa dos homens (ué, mas não são as feminazis que pregam a liberação sexual até para crianças?) se uma mulher sai de bunda de fora e recebe assédios e cantadas a culpa é dos homens por não segurar seu instinto animalesco (elas podem usar sua sexualidade no mais alto grau que não tem problema, além do que elas na verdade não aceitam cantadas de um cara comum, se é um cara de poder tá liberado), se uma mulher sai protestando pelada ela é uma mulher que está batalhando por algo justo (se os homens saírem pelados são tarados e estupradores em potencial, além de trogloditas que só pensam em sexo) ou seja, as feministas talibãs querem carta branca para suas vigarices e os homens que se ferrem. Espertinhas, mas a máscara tá caindo.

  3. sergiovisk

    Irônico é que os países que viveram realmente o comunismo/socialismo estão fugindo dele DESESPERADAMENTE. O marxismo e comunismo deixaram a Russia e o Leste Europeu em Frangalhos. Só agora eles estão se reestruturando depois de 20 anos de CAOS. E pasmem, tudo que foi “combatido” pelo regime comunista está agora sendo abraçado pela sociedade russa, justamente porque a alternativa marxista NÃO DÁ CERTO. Não é discurso ideólogico, é pragmatismo puro e simples.

    Vejam o que esses paises (principalmente a Russia, estão favorecendo).

    – Familia e Valores Familiares
    – Incentivo/proteçao à Religião, Religiosidade e espiritualidade. (http://www.brazil.mid.ru/relig.html)
    – Incentivo ao trabalho produtivo
    – Negação ao multiculturalismo europeu. O imigrante tem que se adaptar a cultura Russa e não o contrario.
    – Soberania dos Estados
    – Boicote total à movimentos gayzistas/feminazistas/anarquistas

    http://portuguese.ruvr.ru/

    Quem não aprende com a história está fadado a repeti-la. A Rússia e seus países satélites aprenderam isso a duras penas. O ocidente vai trilhar um caminho que a Russia seguiu e NÃO DEU CERTO.

    A Russia percebeu que comunismo é uma ideologia suicída para a sociedade e teve que retornar ao que REALMENTE FUNCIONA.

    Acho que vou começar a aprender Russo…

  4. piloto

    parece um ciclo na humanidade.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: