«

»

ago 13 2012

Porque homens de verdade não perguntam o caminho… ou lêem manuais de instrução

Sem jornal essa semana, senhores. Tou ocupado pacas…

por Spartacus, the Goat – para o The-Spearhead.com

Neste mundo moderno todos os nossos confortos já foram garantidos.. Todos os desafios cumpridos. Essencialmente. (Apenas temos que conquistar nossa própria natureza humana e nosso eu interior. O maior desafio que podemos enfrentar, talvez… Isto é assunto para outro artigo.)

Depois de milhões de anos de evolução, um verdadeiro homem ainda anseia por desafios, pela sensação da caçada e o contato com o sangue quente em suas mãos. Ele deseja ser levado aos seus limites por algo que ele realmente acredita e em conceitos dos quais ele tem uma fé genuina. Ele quer se sentir ameaçado as vezes e sentir a vitória de ter superado tal adversidade.

Mas vamos ser sinceros, há quase nada que possa satisfazer o homem das cavernas moderno que anseiam por tais sentimentos. Enquanto as mulheres se satisfazem com um armário cheio de salto altos e com uns 10000 amigos no Facebook, o homem quer algo mais… Não podemos nos sentar atrás de uma mesa dia após dia sem perder nossas mentes. Homens não foram feitos para trabalharem em escritórios. Nós precisamos de vagar por aí e usar nossos corpos como os animais fazem.

Pegue aquela famosa reclamação que as mulheres fazem que homens não gostam de pedir informações, ou ler o manual de instrução antes de mexer em algo.

Sabe porque não gostamos disto? Porque não há graça alguma nisto. Nada que desafie nosso caçador interno que ainda reside em nós. Onde está a emoção de encontrar o seu destino, se o processo é uma conclusão precipitada? Onde esta a emoção de montar algo se você não pôs nenhum esforço naquilo?

Não seria mais divertido apenas tentar achar o caminho sozinho? Tentando acha-lo usando a orientação pelo Sol ou pelas estrelas? Ou usando um compasso?  Não é mais divertido as vezes somente pegar uma ferramenta e tentar montar aquilo só para ver como é que aquilo funciona? Tentar colocar as coisas juntas, para o homem, é algo gratificante quando ele vê no final que conseguiu descobrir a função de cada uma das peças, juntou elas e botou o aparelho para funcionar. Móveis pré montados são algo brilhante para as mulheres. Para o homem, não passa de uma série de amarras que previne que o nosso homens das cavernas interior de atingir sua realização. Muito obrigado, móveis pré montados. (Eu tenho um monte de chaves sextavadas por causa disto. Eu acredito que tais chaves já superam em número a quantidade de habitantes que temos na Terra… assunto para outro artigo…)

Caso contrário, seguir instruções e perguntar qual o caminho correto só fazem as coisas ficarem ainda mais chatas. Para nosso homem das cavernas interior, estamos dentro de uma jaula dourada que diz que nos protege mas é opressiva como qualquer outra jaula.

Veja os animais enjaulados. Eles vivem mais e mais saudáveis que aqueles que vivem na natureza, mas em seus corações eles desejam a liberdade.

Pense nos leões, tigres e ursos. Nos cavalos e nos elefantes. Ou até mesmo naquele passarinho… Porque o passarinho canta? Uma das razões é porque ele quer dar o fora daquela gaiola!

De outra forma, sem liberdade, o animal enjaulado começam a ter comportamentos estranhos. O cavalo corrói as cercas que o prede. O cachorro vive se lambendo. A onça fica andando pela jaula até que suas patas comecem a sangrar… E mesmo assim ele persiste. Aquele passarinho adorável logo se tornará um passarinho muito nervoso.

Eu acho que o grande problema gerado pela Revolução Industrial (e imagino que muitos homens pensam assim) é que ela matou a necessidade de se criar as coisas com suas mãos. Todo maldito parafuso é igual (o que é algo fantástico de muitas formas, não se engane.) Tudo faz parte de uma linha de montagem, uma engrenagem na máquina. Tudo está aos pés do homem. Não há desafio, ameaças e por fim não há satisfação no atual mercado de trabalho para o homem.

Assim muito de nossos produtos já nascem mortos. Há quase nenhuma criatividade na sociedade consumista industrial. são tudo pequenas tolices de pouco ou nenhum valor nutritivo para a alma… tudo sem graça e que não consegue sustentar alguém se este alguém ainda tem estômago pra consumir tal coisa. Então, a vida moderna é um saco… qual é o ponto de trabalhar duro diariamente se no fim do dia, ele ainda continua insatisfeito?

Alguém deveria se contentar apenas em ficar em frente a tv e se afogar com uma dose de gin que tem uma essência insípida de cravo? Que tipo de vida é esta? Me parece algo Orwelliano…

Que tipo de comportamentos estranhos acontecem ao homem numa situação destas? Vício em drogas, alcoolismo, promiscuidade sexual excessiva, gula exagerada, obsessão por dinheiro, ou poder, ou guerra??? Suícidio? Homicídio? Violência? Uma completa falta de inspiração e entusiasmo que chega ao ponto de induzir péssimos hábitos e que resulta em uma morte lenta, horrível e dolorosa? Uma morte sem glória? Uma preguiça espiritual que é mais destrutiva que para um homem do que uma pira funerária?

Porque culpamos o homem por tais comportamentos quando é a “civilização” a culpada por isto? Deixe que o animal enjaulado seja livre.

Eu não posso expressar tal sentimento que tenho de expressar meu animal interior pelo menos um pouquinho?

Ou tenho que ser forçado a mijar sentado, para agradar o outro para quem esta gaiola dourada foi destinado em primeiro lugar? … para poder agradar ELA?  Não podemos simplesmente mijar em pé como sempre fazemos? Não podemos expressar nossa natureza animalesca dentro de nós que continua a existir depois de milhões de anos de evolução, tirando os últimos 10000 anos de “civilização”?

Você impediria seu cachorro de abanar o rabo? O que aconteceria com isto?

Provavelmente iriamos criar um cachorro muito infeliz. Onde está a justiça nisto?

fonte: http://www.the-spearhead.com/2012/06/21/the-romance-of-masculinity-or-why-real-men-dont-ask-for-directions-or-read-instructions-manuals/

4 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Luiz Carlos

    Homens modernos: O sujeito quando é trabalhador todo fudido, rala o dia todo para se manter vivo nessa sociedade materialista. Depois consegue uma graduação melhor em sua vida, ou consegue passar em um concurso, então o que era deserto para ele, começa a brotar esperanças….até suas atividades sexual que antes sequer existia era tudo deserto, hoje se concretiza pelo simples fatos do sujeito ter conseguido subir um degrau na escada da vida. Hoje ele consegue uma namorada e futuro casamento etal. Após isso se torna um ciclo, ele mantém sempre um provedor à mais na sociedade hipócrita…no final desse enlace matrimonial tudo perfeito, ele apenas receberá uma migalha sequer de sexo dado pela sua patroa, e quando não a recebe, pois motivo de ” Cu Doce ” prevalecer durante todo ensaio matrimonial de sua vida. Pois assim se repete o grande ciclo social perante todos homens modernos dessas civilizações avançada. Por isso que programas como ” Largados e Pelados ” fazem tanto sucesso.. pois muitos desses homens modernos que já conquistaram seu espaço debaixo do sol na sociedade, ainda sente a necessidade de se sentirem “VIVOS NATIVOS ” a necessidade biológica selvagem que existem dentro de cada homem.

  2. Athos

    Perfeito resume todos os motivos da insatisfaçao da vida do homem atual. muito bom parabens

  3. andre- desbravador

    é como eu sempre digo o homem é o unico macho d a natureza que é domado, vc ja é programado para casar se matar de trabalhar para s er um provedor e pronto essa é a vida mediocre do homem moderno, deixar o isntinto da liberdade em prol de determinados costumes impostos pela sociedade que não impoe a liberdade individual do homem em primeiro lugar

  4. JV

    Texto perfeito. Tem nem o que acrescentar nem falar. Perfeito mesmo.

    O sucesso do UFC é isso. Ver o estado animalesco do homem em ação, por isso os homens ficam tão vidrados nisso quanto mulher em novela (que pra elas é uma masturbação emocional) o UFC pra nós chego a dizer que é a mesma coisa.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: