«

»

ago 03 2012

A prisão da amigdala: mulheres, auto-conhecimento e Sarah Jessica Parker

Não deixem de ouvir a Décima edição do Jornal da Real!

traduzido por Durga, do Fórum do Búfalo

por Rookh Kshatriya

É algo comum nos Estudos Masculinos falar que mulheres no geral sofrem de uma incrível falta de autoconsciência. É por isto que elas se iludem pensando que seu apelo sexual é irrelevante para o seu status. Elas realmente acreditam que elas aparecem em filmes ou ganham promoções imerecidas por causa de suas habilidades inatas ou talento. Vamos ser francos, se Angelina Jolie ou Cheryl Cole fossem duas velhotas gordinhas de 55 anos  elas apareceriam em filmes ou na tv? A resposta é evidente.

É claro, este padrão complexo da auto ilusão feminina trabalha em diversos níveis. Mesmo sabendo por dentro que sua única moeda de troca no jogo da vida é seu apelo sexual, mulheres desenvolvem múltiplas camadas de de auto ilusão para disfarçar a sua perda ou falta dela. Na verdade, o feminismo em si é meramente outra manifestação deste disfarce, que pretende que o “sucesso” feminino é devido a outros fatores além do poder sexual que elas tem sobre os homens (intelecto, criatividade, etc). Entretanto, uma rápida análise nos rostos femininos na mídia nos mostra que apenas as mais jovens e atraentes tem vez, completamente refutando tal “sucesso”. De forma significativa, quando uma mulher atinge seus 28 anos seu status sexual começa a decair rapidamente e uma nova estratégia de sobrevivência surge – “sou amiga de todos!”, “Sou a mãe terra!”, “Sou feminista!”, “Faço jóias com lacres de latinhas de refrigerante!”.

É claro, tais disfarces desesperados são mentiras e auto enganações. Isto pode ser comprovado pelo fato que mulheres jovens e atraentes NUNCA assumem tais disfarces, dado que seu sex appeal aos machos mais poderosos  quase elimina a necessidade de usar tais artifícios. A questão mais profunda se apresenta: PORQUE elas se iludem tanto? A resposta pode residir em sua estrutura cerebral. Vamos dar uma olhada no cérebro, especialmente numa parte dele chamada amigdala:

No cérebro feminino, a amigdala – uma pequena parte do sistema límbico associada as respostas instintivas aos acontecimentos – é relativamente menor em relação ao cortéx. Nas matriarquias pan-anglo saxãs, isto é visto como benéfico, dado que tais nações puritanas e desnaturadas temem o “instinto” – assim como temem a virilidade, a sexualidade e a masculinidade em si. O largamente aceito fato que a média de QI masculina é um pouco maior que a feminina instantaneamente refuta qualquer tentativa de dizer que uma amigdala maior compromete a função intelectual.

Na verdade, a minúscula amigdala feminina tem vários efeitos perniciosos – enfraquecimento da resposta sexual, uma baixa individualidade e uma maior flexibilidade de manipulação social. Ou seja, isto faz com que a mulher seja menos “ligada” que o homem – e infinitamente mais passível ao auto engano.

Em seu clássico texto “The Great Sex Divide” (NT: “O Grande Racha Sexual”, numa tradução livre), o professor Glenn Wilson cita evidênicas interessantes que mulheres se esforçam mais em testes quando estão sendo observadas, enquanto não é notada diferença em homens nas mesmas condições. Resumindo, o homem saudável é um agente autônomo e livre, enquanto a mulher é sempre presa às espectativas sociais. E nós vemos esta diferença refletida em todo o canto – todos os grandes desbravadores e inovadores em qualquer esfera de conhecimento são homens – parcialmente porque homens dominam ambos os extremos do intelecto (NT: ou seja, existem mais gênios e loucos homens do que mulheres), isto principalmente porque a maior amigdala masculina libera mais o homem de convenções limitantes (isto é o que os PUAs chamam de “comportamento alfa”. Se alguém te perguntar, uma amigdala maior = macho alfa).

A “amigdala anã” feminina também explica o porque mulheres são tão mente fechada e inexoravelmente atraídas à figuras e instituições autoritárias, como o feminismo (é notável perceber que homens menos masculinos também tem tendências conformistas semelhantes). Não há Picassos, Isaac Newtons ou Bobby Fischers femininos porque a pequena amigdala feminina impede que a mulher se liberte das convenções mundanas.

Por causa que a mulher é deficiente em auto orientação, elas são mais propícias a aceitarem uma simples opinião como um fato imutável – ou seja, elas tem baixa capacidade de autopercepção. Isto fica bem claro quando olhamos para mulheres jovens – meras idiotas que repetem sem pensar qualquer porcaria que a mídia joga em cima delas. Mesmo quando elas atingem a “maioridade”, sua atenção se foca no lixo narcisista e ilusório que revistas de celebridades, novelas, seriados e programinhas femininos da moda. Tais itens tem sucesso em apresentar contos de fada como se fossem reais porque mulheres – com baixa auto orientação e alienadas de seus instintos – simplesmente não conseguem “ter idéia” da realidade. O fato médico bem atestado que a maioria das mulheres que dizem que ejaculam na verdade estão apenas sofrendo de incontinência urinária sublinha esta tendência trágica – mulheres nem mesmo conseguem atestar a verdade de seus próprios corpos, quanto menos jogadas complexas de mídia.

A auto ilusão feminina fica bem engraçada quando uma mulher vê fotos de uma cantora ou atriz envelhecida. Elas invariavelmente falam coisas como:

“Ela está tão linda quando ela tinha 18!”

“Ela está tão gata como nunca!”

É claro, a mulher que recebe tais elogios é uma velhota, vivendo remotas memórias de seu passado jovem e atraente. Brigitte Bardot é um exemplo perfeito. Se não fosse sua beleza esplendorosa, ela simplesmente jamais apareceria na mídia – na verdade, alguém tão repulsivo provavelmente seria banido da vida pública, ponto. Entretanto, fotos recentes mostrando sua aparência caquética sempre extrair aquele coro “oh! ela ainda é tão linda!” de muitas mulheres, numa negação absurda dos fatos.

É hora de ser direto. Com o filme “Sex and the City”, vemos o mesmo processo em ação. Mulheres anglo americanas se enganarão achando que homens normais e saudáveis acham mulheres como Sarah Jessica Parker – uma balzaca velha e irritante – como símbolos de beleza, mesmo com todas as evidências provando o contrário. Armado com o conhecimento das razões da amígdala, nós sabemos agora porque tais fantasias ridículas persistem.

fonte: http://kshatriya-anglobitch.blogspot.com.br/2010/04/amygdala-prison-why-women-lack-self.html

10 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Manoel

    Amigo,a foto da Brigite velhinha foi de uma crueldade sem limites.

  2. 1.2.3

    muito bom

  3. JV

    Bom pra caralho!

  4. Perseu

    * * *

    Barão, eu fui banido injustamente pelo Arlindo. Tentei resolver por bem, mas o Arlindo não quer. Vou ter que resolver por outros meios e isso pode prejudicar o Fórum também. Ele tem até segunda de noite. Tenho cópia do tópico.

    * * *

    1. Barãozin

      Cara, se vc tá pensando em “prejudicar o fórum” só pq tomou um ban, realmente vc tá errado.

      Isso já mostrou teu caráter. Não negociamos com terroristas.

  5. Marcos Frederico Andreoli

    Elas sabem muito bem o apelo sexual que tem e como isso ajuda a ganhar a vida mais fácil. Alias o feminazismo todo leva em consideração que “homem não vive sem mulher” e usa disso para fazer todo tipo de reclamação porque sabem que não serão rejeitadas.
    Tem mulher que conseguiu sucesso mesmo sendo feia (existe mulher com taleto, porque não), mas vejam como logo passaram por várias cirurgias e salões de beleza para ficarem bonitas porque sabe que assim ninguém poderá questionar seu talento. Veja até o caso da Geyse Arruda (essa sim é totalmente sem talento!), milhares de plásticas e maquiagens para não perder a fama.

    Sinto muito mas os ingênuos somos nós, os homens, que não vemos que isso no final das contas dá o mesmo resultado (status, fama e fortuna) do que se matar (até literalmente em atividades de grandes riscos) para conseguir uma habilidade útil. Ingenuidade nossa achar que elas não usam isso ao seu favor e ficamos inventando até explicações científicas para isso.

    Mulheres não são crianças, elas sabem muito bem o que fazem. Não vamos inventar “desculpas” para elas, isso ai o feminismo já faz.

  6. Renato

    “Sex and the City” é uma viagem na maionese absurda,e o pior é que muitas mulheres realmente acreditam que isso é verdade,e quando percebem que não é “culpam os homens por essa fantasia não ser real”
    Pode isso?

  7. Abigail Pereira

    Olha, fofo, essa pra mim é nova, mas a grande explicação pras mentiras das meninas, pros outros e pra si mesmas, é que os homens, com raras exceções são uns frouxos escravos de buceta, e a mulher tem a droga que é o vício dos homens. Não dá pra acreditar que as mulheres acreditam mesmo no que as feministas ou elas mesmas dizem, mas se elas fingem que acreditam, existem homens que acreditam de verdade. Mas aí que está o problema, na cambada de paspalhos que chamam qualquer gorda de linda ou qualquer lésbica sem educação e segundo grau incompleto de bem resolvida. Sem isso, elas seriam bem melhores e a questão da amígdala não faria tantas zinhas imbecis como vemos por aí. Afinal, o cérebro da mulher também é menor que o do homem, nem por isso a mulher tem que ser mais burra, pode até fazer Matemática e se formar pelos próprios méritos.
    Beijos desta mocinha ateia, anarquista e contra a castidade.
    Abigail

    1. Barãozin

      Hamster da racionalização em ação.

      A explicação principal da mentira não é a mulher. É o ‘homi burro” que acredita na mentira…

      Qdo for presidente do Brasil usarei o hamster como gerador principal de energia do Brasil. Os problemas energéticos da nação estarão resolvidos por uns 50 anos, acho…

  8. Tenchin

    Muito bom artigo Barão! Parabéns!

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: