«

»

jul 11 2012

O Blues do provedor

por Carey Roberts

Nossa sociedade celebra as escolhas para as mulheres. Mas quando o assunto é sustentar a casa, é o homem que não tem escolhas.

Num artigo na revista Newsweek (“Ela trabalha, ele não”, do dia 12 de maio de 2003) nos conta a história de Greg e Jennie Wetterman de Dallas. Por anos, Greg prosperou na indústria da internet. Durante aquela época, Jennie viva na moleza: “No verão de 2011, eu ficava na piscina o dia inteiro. Eu fazia mergulho, paraquedismo. Devo ter lido uns 30 livros naquele verão.”

Então a crise estourou, e Greg ficou sem emprego. Então Jennie aceitou um emprego de administradora na Old Navy, e Greg ficou em casa tomando conta das crianças. E para a felicidade de Greg, ele começou a explorar seu sonho de fazer filmes. Mesmo sem a certeza de ter um retorno financeiro, ele se sentia realizado.

Mas Jennie via isso de forma diferente: “Eu queria que todos fizessem a sua parte.” Traduzindo: ela queria que Greg desistisse de fazer seus filmes e voltasse a ser o provedor da casa novamente.

Aparentemente Jennie esqueceu de suas tardes tomando limonada ao sol enquanto Greg tinha que garantir o ganha pão.

A história de Greg e Jennie expõe uma grande desigualdade nas famílias americanas: maridos que tem o dever de ser o provedor, enquanto suas esposas se sentem no direito de exercer a escolha de ser uma mãe de meio período, entrar numa carreira, ou seguir seus sonhos.

A carga de ser o provedor da casa exaure o espírito, a saúde e muitas vezes as vidas dos homens.

A Secretaria de Estatísticas do Trabalho lançou um relatório listando as profissões mais letais nos Estados Unidos. Lenhadores, pescadores, metalúrgicos e telhadistas estão entre os serviços mais perigosos. E como era de se esperar, 99% dos trabalhadores em tais empregos são homens.

Assista um filme como “The Perfect Storm”, e você rapidamente perceberá que tais homens rústicos não trabalham nisto porque gostam de viver pelo mundo. Eles fazem isto porque o pagamento é bom, e eles precisam sustentar suas famílias. Fale a eles sobre “opções auto realizantes de carreira”, e eles te olharão como se você fosse louco.

Eu conheci muitos homens que perderam seus emprego, mas nunca vi uma esposa se oferecer para aliviar a carga dele e ser a provedora da casa,. Muito pelo contrário, a expectativa silenciosa é “Querido, você precisa achar outro bom emprego o quanto antes.”

Na verdade, eu conheco alguns caras que foram demitidos e ofereceram tal oportunidade a suas esposas: “Querida, eu tomo conta das crianças e da casa, e você se responsabiliza pelo sustento da casa.”

Engraçado que nenhuma delas topou.

E conheci muitas mulheres que se cansaram da corrida de ratos e resolveram se aposentar mais cedo. Mas eu nunca vi um homem que se deu a este luxo.

Então, como provedores primários, homens trabalham longas horas e por mais anos, e aceita serviços que são mais perigosos e menos interessantes. Eles fazem isto porque eles sabem que é o seu dever ganhar dinheiro. E eles fazem isto sem reclamar, pois assim seus filhos e sua esposa ficarão mais confortáveis.

A ironia suprema, é claro, é quando as feministas radicais pegam o senso comum que mulheres ganham menos que os seus maridos provedores. E então eles transformam isto numa reclamação que mulheres são vítimas de “preconceito” e ganham menos.

Algum dia, alguém irá explodir a casca dos motivos sinistros do feminismo radical.

fonte: http://mensnewsdaily.com/archive/r/roberts/03/roberts102903.htm

5 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Abigail Pereira

    Oi, fofinho, estou passando aqui só pra avisar que traduzi o texto para o espanhol. Eu prometi isto faz tempo e estava devendo.
    http://avezdoshomens2.wordpress.com/2012/07/20/el-blues-de-el-cabeza-de-familia/
    Copiei também esta tradução para o português no nosso A Vez dos Homens que Prestam.
    Sou ateia, anarquista e galinha, mas amo os homens de caráter e odeio a patifaria feminina. Beijos.
    Abigail

    1. Barãozin

      Ok.

  2. DuleniroPE

    Esse é um belo exemplo daquele ditado: Pimenta no cu dos outros é refresco.

    1. Hugo Leonardo

      Com certeza, meu amigo… Mulher só quer mastigadinho na boquinha, mas ralar que só o cassete pra ganhar o sustento, nananina… Chegam a ser mais machistas que nós!

  3. andre- desbravador

    la vai eu com minha filosofia de vida….
    puta que pariu quais a s vantagens do c asamento para o homem?
    alguem pode me dizer….
    escravismo no trabalho
    ma qualidade d e vida, pois o infeliz não vai ter tempo e nem motivação para investir em exercicios
    ma qualidade no sexo, pois a vadia da esposa santa quando abrir as pernas te olhara com aquela cara d e bunda azeda se sentindo obrigada a dar a sua xavasca arrombada
    a vida do casadão é preto e branca
    agora vem o melhor da historia, vc fica o dia inteiro ouvindo a merda do chefe na sua cabeça e quando tu chega em casa extressado ao maximo la vai ta a sua donzelinha te esperando com seus inferninhos emocionais
    é claro que não termina por aqui…..
    mas vou parar se não a galera vai querer arrumar a sua donzela e com um buque d e flores ira lhe pedir em casório.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: