«

»

jun 20 2012

A natureza repetitiva da linguagem intimidatória

por Antifeministtech, do The-Spearhead.com

Tempos atrás escrevi um post intitulado “Facilitando a linguagem intimidatória” (em inglês), que entre outras coisas discutia sobre um caso particular do uso de táticas de intimidação. Recebi este resposta neste artigo:

“Eu sinto muito que sua mãe não o amou. Espero que procure ajuda.”

Eu estava escrevendo sobre a linguagem intimidatória e como contra argumentam? Usando mais linguagem intimidatória. E isto não é algo incomum. O blog Exposing Feminism, que mantém uma cópia do Catálogo das Táticas de intimidação contra homens (NT: clique aqui para ler em português, traduzido pelo Canal) recebeu uma resposta similar para o catálogo de uma mulher que usa ainda mais táticas de intimidação.

Isto nos diz algo importante sobre a linguagem intimidatória. Ela é repetitiva. Enquanto o usuário da linguagem intimidatória pode tentar justificar o uso desta linguagem argumentando que o comportamento da vítima é “vergonhoso”, o fato é que a linguagem intimidatória não pode ser usada para falar sobre seu comportamento atual. O usuário da linguagem intimidatória fica repetindo a mesma coisa de novo e de novo usando outras palavras, ignorando o fato que já foi exposto que ele está ignorando os fatos. Isto significa que o usuário da linguagem intimidatória está criando um espantalho e não está combatendo as idéias do oponente.

O Catálogo das Táticas de intimidação contra homens existe por causa da mesmice da linguagem intimidatória. Nos dizem a mesma coisa milhares de vezes. Você tem pau pequeno. Você é frustrado. Você me dá medo. Você é covarde. Você não amadurece. Você é viado. Você precisa de ajuda. Vira homem. Etc. Claro que é usadas palavras diferentes, mas qualquer linguagem intimidatória está falando a mesma coisa. Há milhares de formas de se dizer “você não é maduro”, mas todas elas levam a um mesmo lugar.

O que podemos aprender com isto é que não devemos temer as táticas intimidatórias. Ela nunca descreverá nossas ações ou comportamento. O uso da linguagem intimidatória significa por definição que seu oponente não tem mais nenhum argumento contra nós. Se ele tivesse um, ele estaria usando ele ao invés da linguagem intimidatória. A linguagem intimidatória é o refúgio daqueles que querem calar o debate legítimo e os homens que querem trazer a luz perguntas e preocupações pertinentes.

fonte: http://www.the-spearhead.com/2010/07/21/the-repetitive-nature-of-shaming-language/

9 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Renato

    Oi Barão,aqui vai mais um notícia para você colocar no seu jornal:
    http://celebridades.uol.com.br/noticias/redacao/2012/06/20/halle-berry-e-condenada-a-pagar-us-20-mil-mensais-de-pensao-alimenticia-diz-site.htm

    O mundo vai acabar…

    1. Barãozin

      2012 no ar rs

      Se bem q eu separei uma notícia mais interessante…

  2. Renato

    É por causa disso que “discutir a relação” não sobre discutir nada.Discutir a relação significa aporrinhar o cara até ele “fazer e ser” do jeito que ela quer,e freqüentemente elas usam esses argumentos intimidatórios para rebaixar o cara e deixa-lo mal por “discordar da princesa da buceta de ouro”……

    Eu discuti com uma feministinha e ela usou esses argumentos para tentar desviar o foco,dava risadas histéricas,debochava e eu fiquei ali firme,rebati tudo e disse “que essa conversinha fiada não colava comigo…” ela continuou e continuou,no fim ela saiu andando nervosa e todo rindo dela e me dando razão….ahahahahaha foi tão bom…hehe

  3. Júlio

    Quando alguém querer te intimidar com estas “idiotices” diga o seguinte: “Não adianta falar assim, não irei mudar minha postura em relação a isso”.

  4. Vlad Tepes

    Uma dica muito valiosa.
    Feministas em um debate chega a hora em que elas não tem mais argumentos lógicos para defender o que defendem dentro de um movimento misândriaco. Por conta disso acabam tendo que opitar pela linguagem intimidatória ou suposições.
    Bando de imbecis (feminazistas)…

  5. a oportunista

    Bom, chavões da linguagem intimidatória não necessáriamente tem que estar relacionados a “falta de argumentos”, podem aparecer para que o impacto evite que uma discussão chata, monótona e desgastante se arraste para lugar nenhum,pelo menos já utilizei várias vezes com este fim, sendo que de uma forma ou de outra com discussão ou com chavão alguém terá que ceder pelo outro. As velhas repetições da linguagem intimidatória, só realmente são efetivas em homens com predominância de traços de personalidade dependente.

    1. Barãozin

      Geralmente são por falta de argumentos. Principalmente em debates com feministas. Já vi tanto disto…

      1. a estorvada

        Debates feministas contam com “verdades absolutas”, como alguém que se sente ameaçado,no fechar das contas todo mundo tem o direito de ser e fazer o que quiser, levando em consideração a responsabilidade social sobre os que convivem próximos, sem a imposição de comportamentos educacionalmente padronizados para cada sexo. Só passo por aqui para dar espaço ás realidades expostas que infelizmente ainda influenciam uma minoria, não tenho intenção de debate ou questionamento.

        1. Barãozin

          Só queria saber o pq de tanta ameaça… só se for do bicho papão, do saci..

          Mas ok.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: