«

»

maio 03 2012

A Quarta Onda do Feminismo

por Jack Donovan, do The-Spearhead.com

traduzido por Durga, do Fórum do Búfalo

Quando Cynthia Cockburn e Ann Oakley escreveram sobre o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres neste ano, elas decidiram ignorar a violência contra as mulheres. Em vez disso, elas criticaram a “cultura da masculinidade” e os homens, em geral, por perpetuar todas as formas de violência.

Feministas têm nutrido uma obsessão perversa com o que os homens pensam e fazem há décadas. Para elas o sucesso do programa feminista sempre foi completamente dependente do que a escritora bell hooks chamou de “a vontade de mudar.” A estratégia feminina sempre foi censurar e manipular os homens, até parar de fazer o que os homens querem fazer e começar a fazer o que as mulheres querem que eles façam. Homens dando às mulheres o que elas querem é tão natural como o salmão nadar rio acima. É doloroso assistir, mas quase todo mundo faz isso eventualmente.

Industrialização, controle de natalidade, globalização e uma mudança nas economias do Primeiro Mundo e de gestão de serviços permitiu às mulheres ultrapassarem os limites de idade e derrubar o equilíbrio entre os sexos.

As feministas da primeira onda marcharam pelos direitos de votar e de propriedade. Feministas amam fazer marchas, caminhadas e longas vigílias à luz de velas na praia. As feministas da Segunda Onda gritaram “eu sou mulher” e marcharam em busca de oportunidades de empregos mais excitantes e Gaia lhe deu direito de matar seus bebês. Feministas da Terceira Onda tiravam os terninhos de poliéster do passado, se vestindo em trapos e sendo lésbicas.

A Quarta Onda do feminismo, já em andamento, é um esforço feminino conjunto para controlar o comportamento do sexo masculino através de políticas públicas, enquanto empunha a ameaça de violência patrocinada pelo Estado.

Feministas há muito tempo sonhavam com um mundo de gênero neutro pacífico, de segurança, prazer e abundância. Durante anos, elas tinham a idéia de que homens e mulheres eram essencialmente os mesmos e que as idéias tradicionais sobre gênero eram tão “levemente relacionadas com o sexo como são as roupas, os costumes, e a forma de se vestir que uma sociedade em um dado período atribui a ambos os sexos. “ A cultura masculina patriarcal pode ser responsabilizada por todos os males do mundo, e os nossos antepassados eram todos bobocas pacifistas adoradores de deusas.

Agora que St. Margaret Mead² foi praticamente desacreditado, só maconheiros de cabelo rosa acreditam na pré-história pacífica, e a “ciência” mantém tradição de e validar o senso comum, a teoria de gênero feminista tem encalhar nas costas rochosas da realidade e perfurar o casco de seu navio de cruzeiro grande-Barbie-fodida.

Feministas precisaram mudar de direção para permanecer à tona, para que elas fossem admitindo lentamente que homens e mulheres são, de fato, diferentes. Feministas de hoje se gabam sobre as coisas as mulheres fazem melhor do que os homens. A irmandade intinerante da Nova Ordem Feminina está orgulhosa de que as mulheres têm os tipos de traços que os empregadores do século dizem que querem.

Cynthia Cockburn e Ann Oakley querem que você entenda que as mulheres são mais pacíficas do que os homens, e os homens são mais violentos que as mulheres.

Os homens nem sempre tem paciência para marchar a luz de velas, os homens são mais propensos a motim e pilhagem. Oakley e Cockburn observaram que 92% dos manifestantes no Reino Unido neste verão eram do sexo masculino, e todos os manifestantes acusados de crimes violentos eram do sexo masculino. Cockburn e sua colega, em seguida, informaram que os homens foram responsáveis por 87% das infrações rodoviárias e 81% dos delitos em alta velocidade. Citando estatísticas da prisão, elas sugeriram que se os homens não cometessem crimes levando a penas privativas de liberdade, sua nação poderia economizar cerca de 34 bilhões de libras esterlinas a cada ano.

Cockburn e Oakley concluiram com alguns comentários conflitantes sobre a testosterona e violência.

Primeiro, Cockburn e Oakley explicaram que, segundo a ciência, a testosterona está associada com desejo de poder, mas não necessariamente com violência.

Eu li os mesmos estudos e isso pode de fato ser verdadeiro. Elas não conseguiram resolver a progressão lógica de competição por status. Como já escrevi, a violência vale ouro, porque embora possa não ser a única maneira de resolver um determinado conflito, é uma forma definitiva para resolver um conflito. Violência acena para o final de um caminho de um objetivo.Você pode me vencer no jogo de damas 30 vezes seguidas, mas em algum lugar no meu intestino frustrado eu sei que se eu me levanto e atirar-lhe na cara, eu ganho. Game over. A violência é “a opção nuclear.”
Usar de violência não é apenas a opção de um criminoso ou “anti-social”. O uso da força contra criminosos é apenas a violência de muitos contra um, disfarçada pelo pretexto de “justiça”.

A esta mesma lógica gere os conflitos entre estado versus cidadão. Mesmo o regime mais suave deve carregar um grande porrete. Por exemplo, um prefeito gay liberal pode pedir alguns manifestantes delicadamente que eles parem com a manifestação, mas se eles se recusarem repetidamente, eventualmente, algum tipo de ação física, no entanto “não letal”, será necessária para restaurar a ordem. Da mesma forma, se as crianças estão indo fazer passeatas em avenidas públicas movimentadas, eventualmente, você tem que sair com o spray de pimenta e “negociar” de forma mais agressiva.

Pode haver mais ligações químicas entre a masculinidade e a violência, mas desde que Cockburn e Oakley estiveram dispostas a aceitar que a testosterona aumenta a competição por status, pode-se simplesmente dizer que:

A violência masculina é a continuação da competição por status por outros meios. (h / t Clausewitz)

Depois de dizer que a testosterona não têm que aumentar a violência, Cockburn e Oakley sugeriram formas que a testosterona masculina pode ser influenciada.

Aqui está toda a citação:

“Testosterona, o hormônio masculino, a “metáfora da masculinidade”, é retratado como se conduzisse os homens inexoravelmente para o comportamento agressivo. No entanto, estudos mostram que a testosterona está relacionada a busca pelo status, mas não diretamente para a agressão. Muitos outros fatores são influentes. Os níveis de testosterona são aumentados ou diminuídos em ambos os machos e as fêmeas por dieta, atividade e outras circunstâncias. A oportunidade de interagir com armas, por exemplo, parece que contribui para aumentar a testosterona, enquanto os níveis de testosterona dos homens cai quando eles estão envolvidos com o cuidado das crianças.

O caso que é estamos difundindo que certos traços masculinos e comportamentos são perigosos e caros, tanto para os indivíduos como para a sociedade. Eles são passíveis de mudança proposital. A cultura da masculinidade pode ser, e deve ser, abordada como uma questão política.”

Alguns pesquisadores acreditam que o nível de homem médio de testosterona despencou nos últimos 20 anos. De acordo com a Mayo Clinic, níveis normais de testosterona ajudam os homens a manter a densidade óssea saudável, distribuição de gordura, força muscular e de massa, produção de glóbulos vermelhos, desejo sexual e produção de esperma. A testosterona pode aumentar naturalmente através de treinamento com pesos, e enquanto a maioria dos homens experimentam um declínio gradual nos níveis de testosterona após a idade de trinta anos, as evidências sugerem que a musculação pode ajudar os homens podem manter seus níveis mais elevados por mais tempo e, possivelmente, evitar alguns dos efeitos negativos do envelhecimento. Os níveis de testosterona anormalmente baixos em homens estão associados com doença arterial coronariana, aterosclerose aórtica, síndrome metabólica, obesidade, diabetes e depressão.

Iniciativas políticas destinadas a pacificar os homens, diminuindo a testosterona masculina são um começo, uma suave alternativa à castração, com o mesmo efeito líquido. Homens terão menos desejo sexual, diminuição da contagem de esperma, e eles vão ser por vezes mais gordos, deprimidos e diabéticos.

O sonho brilhante feminista, de utopias de gênero neutro conduzirá inevitavelmente a bonobos e Bonos chunky Chaz³ jogando fora seus melodramas maníaco-depressivos em um círculo interminável de doença, esterilidade e desespero.

Tanto quanto eu posso dizer, já estamos a meio caminho.

É verdade que Cockburn e Oakley não declaram abertamente que a testosterona masculina deve ser reduzida por uma questão de política pública. Depois de abordar as diferenças sexuais e testosterona, Cockburn e camarada deslizaram de volta para a segurança do feminismo da Segunda e Terceira Onda e reciclaram a retórica tábula rasa sobre a mudança da “cultura da masculinidade”.

No entanto, se as feministas recomendarem, baseadas em políticas de mudanças culturais e comportamentais que levem a redução de testosterona, atingirão o mesmo fim nauseante: castrar.

A Quarta Onda Feminista é sobre exercer o poder, como o uma tentativa Estado-feminino de machos indefesos e mulheres obedientes de segunda classe. As feministas da década de 1970 fizeram argumentos moralistas e pediram justiça e igualdade, mas quando as mulheres chegaram ao poder a sua impaciência com a masculinidade e a realidade das diferenças de sexo era evidente.

As mudanças que Cockburn e Oakley parecem recomendar já foram feitas. O homem mediano no Reino Unido não está armado, e provavelmente nunca disparou uma arma. Na América, qualquer indício de interesse do sexo masculino na violência é desaprovado na sala de aula. Christina Hoff Sommers trouxe um institucionalizado viés anti-masculino na educação à atenção nacional mais de uma década atrás, mas pouco mudou. Homens que mostrar o que nos dias de Mark Twain* teria sido visto como um interesse normal na luta e combate são recomendados para aconselhamento ou sinalizadas como crianças-problema. Meninos com alta energia são rotineiramente diagnosticados com “ADHD**” e drogados. Aos 8 anos de idade, os meninos estão suspensos da escola por posse de armas de brinquedo de 4 polegadas feitas de bonecos de ação. A idade de 7 anos, foi recentemente acusado de assédio sexual por chutar um valentão no saco. Feministas profissionais como Cockburn e Oakley são pagas para assessorar as escolas e falar com os jovens sobre o sexismo e o assédio sexual. Universidades públicas e privadas executam campanhas como “Minha força não é para ferir”  e seminários. O Feminista Jackson Katz é pago para ensinar os Marines sobre a “masculinidade tóxica.”

Se os homens já têm muito mais baixos níveis de testosterona do que eles tinham algumas décadas atrás, e os homens ainda agem como homens, quanto mais de reciclagem cultural será necessário para as feministas de estarem satisfeitas?

Em função das diferenças óbvias e persistente entre os sexos, será que as feministas simplesmente desistirão de seu sonho de um mundo de gênero neutro, e trabalharão para uma harmonia cultural dos sexos em vez de uma artificialmente imposta “igualdade” de maçãs e laranjas?

Não é provável.

Se homens e mulheres são diferentes, o novo feminismo simplesmente conclui que os homens devem ser “corrigidos”.

Para as feministas, a resposta para qualquer problema com o feminismo é sempre mais feminismo.

1 Pode significar a flor que conhecemos aqui como amor-perfeito ou uma gíria para homossexual.
2 Feminazi.
3 – Aqui ou autor faz referencia a Chaz Bonos, um transexual, filha da cantora Cher.
*Famoso escritor americano ( 1835 a 1910)
** Attention deficit hyperactivity disorder.

fonte: http://www.the-spearhead.com/2011/12/11/fourth-wave-feminism/

Nota: não deixem de escutar o glorioso Jornal da Real desta semana! Link:

http://canal.bufalo.info/2012/04/terceiro-prototipo-do-jornal-da-real-no-ar/

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: