«

»

mar 15 2012

Porque machos beta existem?

por Whiskey’s Place

Biólogos evolucionistas e sedutólogos como Neil Strauss e Mistery não param de falar sobre os machos alfa. De como e porque as mulheres gostam deles., seu papel  na sociedade, como seu papel é necessário para defender a sociedade (ver Lee Harris, “Civilization and It’s Enemies.”) Se você acreditar em tudo isso, não há razão para que esse tal “macho beta” existisse. Mas então, porque eles existem?

Nós sabemos muito bem como esse “macho beta” é. Um homem “nerd”, geralmente sem muito traquejo social que é focado mais em como as coisas funcionam do que na dominância social e na liderança. Porque tal tipo de homem existe, se elas preferem os machos alfa, aquele que é forte fisicamente e socialmente dominante? A evolução deveria ter tirado eles da jogada. Já que parece que tais traços são herdados, seu tamanho e sua capacidade de dominância social.

O segredo é que humanos são diferentes de todos os outros tipos de animais. Nós usamos ferramentas. E não são daquelas rudimentares usadas por pássaros e macacos. mas ferramentas que são cada vez mais melhoradas com o tempo. Nenhum outro animal tem a capacidade de moldar uma pedra até ela se tornar algo perfurante ou cortante para poder fazer lanças e facas. Nos dando a capacidade de ter “dentes mortíferos” de 30 cm de comprimento, que ainda podem estar envenenados. Nenhum outro animal produz zarabatanas com dardos envenenados, arco e flecha, uma miríade de armaduras, facas de metal, lanças, machados, marretas e por aí vai. Isto sem contar armas de fogo, que como dizia aquele velho ditado: “Deus criou os homens. Samuel Colt os igualou.”

Os humanos não são apenas animais sociais, mas sim animais sociais que usam ferramentas que ficam cada dia mais complexas e efetivas, para poder domar o ambiente ao redor. Para caçar, domesticar outros animais,  construir casas, a capacidade de fazer comida de praticamente qualquer coisa que seja minimamente nutritiva (cereais moídos são muito melhor digeridos, e praticamente todas as pessoas do mundo tem capacidade de moê-las). Ferramentas, que não apenas servem para extrair o máximo possível do ambiente ao seu redor, mas para derrubar qualquer um que queira matar ele ou seus companheiros, dominam a sociedade humana. Não é a toa que homens que fazem ferramentas são tão prevalentes.

Sem mencionar que ferramentas são muito bons equalizadores em qualquer disputa física, como demonstrado em “The Alpha Male, the Beta, and Pitcairn Island, or Watch Your Back“. Uma pessoa com uma ferramenta melhor e mais mortal irá vencer. Um homem armado de uma faca pode derrotar mais facilmente um homem apenas armado com seus punhos, um homem com uma espada pode derrotar um apenas armado de faca, alguém com uma arma pode derrotar alguém com uma espada. Em cada caso, a ferramenta proporcionou seu usuário a matar seu oponente a distâncias cada vez maiores. Os homens mais perigosos do Velho Oeste não eram os brutamontes, mas aqueles que treinavam com seus revólveres praticamente todos os dias e mantinham elas em bom estado. A habilidade de praticar obsessivamente, muitas vezes sozinho, é um dos símbolos do “macho beta”. Mesmo os samurais japoneses foram derrubados por melhores ferramentas, quando a Restauração Meiji promoveu uma “ocidentalização” do Japão. O Japão aprendeu com a chegada da esquadra negra do Comodoro Perry que neglicenciar o aperfeiçoamento das ferramentas para não ameaçar a ordem social dominada pelos machos alfa (ou seja, impedir que os camponeses machos beta  pudessem atirar nos samurais à distância) tinha um alto preço: ter o país a mercê dos usuários de ferramentas avançadas da América.

E é por isto que há tantos machos beta, porque o sucesso numa sociedade depende da capacidade de usar os recursos ao seu redor da melhor maneira possível. E isto requer ferramentas cada vez melhores, o que requer inventores cada vez mais habilidosos. Ferramentas não aparecem por mágica, alguém tem que criá-las e aperfeiçoá-las.

A vantagem imensa do Ocidente sobre as outras civilizações, durante o período que vai dos anos 1000 até por volta dos anos 1500, é devido a grande valorização dos homens que criavam ferramentas. Enquanto a China foi pioneira no uso da impressão, papel moeda, armas de fogo,  foguetes, navegação por bússola e muito mais, tais ferramentas acabaram não servindo pra muita coisa. Por causa que tais inventores eram eunucos na sua maioria, que não podiam passar para seus filhos este conhecimento e assim minando o desenvolvimento dessas ferramentas nas próximas gerações. Não há nada que se compare no Oriente que se compare a família Beretta. Uma família tradicional no ramo de fabricação de armas desde o século XV. E armas que sempre melhoram a cada geração.

Muito da vantagem Ocidental, o nosso “segredo” é impedir que os machos alfa dominem totalmente. Ao contrário do Oriente, há restrições para que os reis tenham seus haréns. Claro que eles tinham suas concubinas, mas eram sempre poucas e em segredo. A poligamia é tanto ilegal e considerada um pecado pela Igreja. Machos alfa aristocráticos sempre terão a sua disposição as melhores fêmeas, mas terá mulheres o suficiente para os homens das classes sociais mais baixas, um mercador ou negociante habilidoso terá mais sucesso com elas do que um soldado valente, porém pobre. Não importa o quão masculino ele possa ser. Mesmo os homens mais sem graça que passam horas em suas bancadas e laboratórios podiam ser bem recompensados por estarem criando… melhores ferramentas.

Agora, é claro,  com uma sociedade que precisa de cada vez mais de ferramentas complexas, nós temos um conflito direto com as sociedades que rejeitaram as ferramentas e aqueles que as criam, exceto pelo uso das ferramentas já existentes no Ocidente. As nações muçulmanas praticamente não tem nenhum prêmio Nobel em Química, Biologia, ou Física.  Essas nações não tem centros de de aprendizado científico ou técnico. Eles não produzem ferramentas de ponta, o máximo que eles conseguem é copiar a tecnologia da bomba atômica que já existe a mais de 60 anos. Em 2000, as exportações não relativas ao petróleo no mundo árabe eram equivalentes ao da Finlândia, que tem uma população de 5 milhões de habitantes (mas é o lar da Nokia).

Neste conflito, as duas culturas (Ocidente e Islã)  tem uma abordagem diferente. O Ocidente investe em armamentos cada vez mais modernos e precisos: UAV’s, satélites, interceptação eletrônica de comunicação, análise avançada de dados, análise de DNA, programas de reconhecimento facial, equipamentos que localizam bombas e atiradores escondidos. Enquanto isso, o Islã aposta tudo no sacrifício de seus homens, os mandando para ataques suicidas contra o Ocidente.

O Islã pode “vencer”? O dia dos machos beta estão contados? É possível. Uma mudança social perturbadora é o desdém que se tem hoje pelas ferramentas por aqueles que as criam. Grande parte da elite moderna trata a natureza como uma nova deusa, e a tecnologia e seus criadores como o pedado original. AS mulheres acham as características do macho alfa mais atraentes, enquanto as qualidades “nerd” repelentes. Não mais confinados aos aristocratas e suas concubinas, o “bad boy” em todas as classes sociais é que as atrai, e assim temos taxas de casamento cada vez menores e uma epidemia  de mães solteiras em todo o Ocidente. Apenas tendo benefícios de curto prazo em mente e não tendo nenhum desejo pelo seguro investimento a longo prazo que é o casamento, o aficionado em criar ferramentas, o macho beta, está perdendo terreno para o macho alfa no Ocidente.

O que faz com que a aposta tradicional do Ocidente na tecnologia e a crença que “não importa o que acontecer, nós temos a metralhadora Maxim. E eles, nada.” como o poeta Hillaire Belloc escreveu, cada vez mais vacilante. Ferramentas não se criam sozinhas. Um grande números de criadores de ferramentas dedicados e motivados são necessários. No momento atual, a pergunta que fica é por quanto tempo o Ocidente terá inventores que criarão sistemas e ferramentas que criam as vantagens decisivas.

fonte: http://whiskeys-place.blogspot.com/2008/06/why-beta-male-exists.html

27 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. augusto

    mas ha um paradoxo nesse texto ai, se é o beta que proporciona a evolução do homem não é ele que é o alfa? vide que o significado de macho alfa seria homem primário, ou seja o que está a frente dos demais homens.

    1. Barãozin

      Nope. Alfa é só o que manda. Ele não é uma espécie de “deus criador” ou super homem.

      Vcs tem uma mania de endeusar alfa q vou te contar…

  2. Fernando

    Excelente análise,esse blog contém posts extremamente esclarecedores.
    Agora o que eu acho é que as mulheres com sua atração aos piores homens da sociedade vai acabar fazendo a humanidade retroceder na idade da pedra,pois mulher nenhuma sente atração por homens inteligentes a não ser que sejam ricos,Steve Jobs é um exemplo disso que ajudou na evolução da tecnologia e ficou bem sucedido financeiramente e foi isso que atraiu mulheres e ainda o permitiu ter 4 filhos,ou seja o homem nerd ainda tem a capacidade de utilizar a inteligência a seu favor,no entanto o que ocorre atualmente é que o feminismo também esta tomando espaço dos homens inteligentes capazes de contribuir na evolução da humanidade quando permite que somente mulheres consigam ter acesso as universidades e reduza o número de homens com curso superior,as mulheres como já está bem comprovado não tem nenhum interesse em contribuir com a evolução da humanidade ao contrário preferem viver uma vida de prostituição e entram na faculdade apenas para ter uma vida de orgias.
    Eu acredito que o feminismo fará com que sociedades extremamente machistas como as muçulmanas por exemplo dominem aos poucos sociedade em que permitiram que o feminismo tomasse de conta que é o que ocorre hoje com a Europa e em breve com todo o mundo ocidental,ai voltaremos para uma nova idade média,mas invés de ser dominada pelo catolicismo como ocorreu nos séculos V e XV será o Islamismo a religião dominante da nova idade média do futuro.

  3. revouker

    “…e não tendo nenhum desejo pelo seguro investimento a longo prazo que é o casamento…” tem coisa errada ai casamento ser bom investimento nos dias de hoje?

    1. Barãozin

      Antigamente até era.

  4. Ace

    E o que seria o Tony Stark ? Creio que um macho Alpha Beta Gama Delta . . . Omega.

    1. Fernando

      Tony Stark só existe na ficção e não na vida real.

  5. sergiovisk

    Texto muito bom!

  6. Dúvida

    Tem como um Beta se tornar um Alfa com o desenvolvimento pessoal e financeiro? Pois eu já ví dizer que ser alfa ou beta é uma questão genética e biológica e que homens mais dominantes tem amígdalas cerebrais mais desenvolvidas que os homens comuns. Então, tem como um Beta se tornar um Alfa com o desenvolvimento pessoal e financeiro? Ou Beta será sempre Beta, sendo isso uma questão genética e biológica?

    1. Barãozin

      Pode se tornar um, digamos, “alfa social”. Vai ter seu destaque na sociedade sim, comerá umas interesseiras gatinhas e se tiver a real na mente dificilmente seria passado pra trás. Aqueles advogados e médicos do passado msm eram bons exemplos de “alfas sociais”.

      Agora ser o que eu chamo de “alfa primário”, aquele q atrai mulher pelo q ele é msm, só genético msm. A não ser q exista alguma forma de reprogramação mental tão poderosa q transforme o cara num sociopata.

      1. Dúvida

        “Alfas sociais” como o Neymar? É verdade. Se o Neymar fosse um mediano, seria invisível pra mulherada, não seria mais do que um miguxinho assexuado.

        Mas sobre essa questão do desenvolvimento pessoal, e o cara se tornar um “alfa social”. Eu conheço caras que estudaram, ralaram, adquiriram, conquistaram, ascenderam, hoje têm carro, um bom apartamento, e mesmo assim continuam sendo invisíveis aos olhos da mulherada. Quando conseguem alguém, acabam se tornando CSP de balzacas rodadas ou de mães solteiras [facepalm]. Então, por que existe cara que não consegue nem ser “alfa social” (ao contrário, sao “betas ricos”), mesmo com o desenvolvimento pessoal?

        1. Barãozin

          Sim, o Neymar é um excelente exemplo. Talvez até não seria um invisível pq ele é td descolado e acho até q viraria um cafa pobre comedor de medianas, mas duvido mt q conseguiria chegar perto das tops q chega hj.

          É como falei, se ele tiver a real na mente ou pelo menos já for naturalmente esperto, vai comer bastante sim. Agora só carro e dinheiro não faz milagre. Se ele não souber usar o q tem ao seu favor vai ficar na mesma. E com o agravante q ainda será mt vulnerável a primeira interesseira q chegar nele. Vai achar q ela o valoriza pelo q ele é…

          Então, no fim pode-se dizer q até nisso a genética influi. Se o cara não tiver um mínimo de “esperteza” natural, vai é levar ferro não importa se está montado na grana.

          1. Dúvida

            Sim, pq tem cara que mesmo com o desenvolvimento pessoal, continua sendo INVISÍVEL aos olhos das mulheres?

          2. Barãozin

            Pq não sabe usá-lo ao seu favor. Ou pq no ambiente q ele vive tem caras mais destacados q ele.

  7. Cruel

    Você certamente percebeu que em nenhum outro lugar a homossexualidade é mais aceita pelo grande público do que na Internet, e que o grupo mais estridente em sua defesa é o de nerds socialmente marginalizados, que ocupam a internet porque sentem-se confortáveis (e bem vindos) em nenhum outro lugar. Tentarei explicar a razão disso. Minha teoria é de que machos beta são geralmente mais receptivos a pensamentos homossexuais e baboseiras de “teoria de gênero” porque os betas, sendo seguidores pacíficos [N.T.: passividade e pensamento de rebanho], são mais propensos a se verem como a “mulher” em qualquer relacionamento – mesmo que não possuam atração por homens vêem a si mesmos como o parceiro subordinado.Isso explica muitos fetiches e preferências nerds, por exemplo a forma como ficção nerd idolatra mulheres poderosas (homens com seios) mesmo apesar de a realidade dar muito poucos exemplos de mulheres poderosas, e certamente não no sentido de fisicamente poderoso (as mulheres mesmas não fantasiam em ter força física).

    Esse fetiche é produzido pela regressão infantil que o nerd passa durante ou próximo à adolescência, e ele raramente amadurece mais do que isso.Machos beta contemplam símbolos de força feminina e assertividade porque:a) eles se vêem como meio-mulher e estas fantasias lhes fazem sentir-se poderosos [N.T.: transferência], e;b) uma mulher forte pode lhes proteger tanto quanto sua mãe lhe protegia.Obviamente isso é quando sua passividade sexual se torna aparente e mesmo que eles não são exacerbadamente homossexuais eles percebem que eles mesmo nunca desenvolveram uma “identidade de gênero” tradicional (são fracotes capados). Às vezes eles super-compensam por indulgirem-se em fantasias de que são poderosos (jogando videogames, retraindo-se da realidade), mas como sabemos a fantasia nunca se aproxima da realidade e eles agonizam de ódio de homens de fato poderosos.

    Olhe para seu herói, Barry Obama, um clássico conciliador cuja base é mães solteiras e minorias (crianças) e cuja promessa é nunca afirmar-se como uma verdadeira autoridade masculina, mas em lugar disso desmantelar a autoridade masculina e substituir isso por empatia e proteção feminina. Devido a isso suas manobras políticas, como reclamar que a Fox News é injusta e acusar os Republicanos de ficar lhe dizendo “não” o tempo todo, são estratégias dos fracos que procuram constranger via manipulação aqueles que são naturalmente mais agressivos.(A tradicional tendenciosidade da imprensa sempre foi uma forma oblíqua disso, comparada à oposição política exaltada que expõe alguém ao ataque – algo que gera pânico ao macho beta.).

    Porque machos beta são especialmente inseguros em sua flácida masculinidade, eles gravitam em direção a expressões caricatas de poder, mas isso é quase sempre uma forma passiva, castrada de poder masculino que visa repelir agressão vigorosa e confiante de homens “maus”. Isso denota uma evidente crise de identidade sexual, já que os medos e ciúmes do macho beta giram em torno de outros homens, e sua própria inclinação é ao feminino, devido ao seu senso de conforto em papéis passivos, efeminados. (As forças do “bem” na ficção nerd nunca parecem ativamente engajarem-se no mundo, apenas repelem ataques não-provocados). [N.T.: apesar de o Batman ter a fama de homossexual, Superman é uma boa ilustração desta questão – sua vida se resume a apenas ficar reagindo ao mal, enquanto que ele retrai-se o restante do tempo na zona de conforto de jornalista medíocre, e personalidade passiva, desprovida de agência – de desejos que ele persegue]

    Em realidade não existe uma divisão clara entre “bem” e “mal”, mas o nerd se esforça para impor esta divisão em sua visão política. Por causa de sua identificação com homossexuais suas preferências políticas raramente são conservadoras (o que de qualquer forma o obrigaria a defender uma ordem estabelecida por homens mais fortes e agressivos), mas eles podem de qualquer forma ser de esquerda ou de direita sem muita mudança em sua postura. Sua mais pronunciada tendência é de demonizar oponentes e ostracizar de seu grupo qualquer um que ameaça seu frágil ego – seguindo as táticas que fazem as mulheres um tanto improducentes no local de trabalho, não orientando-se em torno de metas mas sim em estabelecer hierarquia interpessoal apropriada.Disso tudo vem a afeição do nerd pela homossexualidade, ao menos conceitualmente; há até uma explicação parcial aqui por algumas dessas obsessões políticas e culturais. [N.T.: por minorias, direitos de animais, fracos e oprimidos em geral].

    O nerd é um homófilo – em contraste com o falso-conceito de “homófobo”, que foi inventada para estigmatizar o desgosto que as pessoas têm pela atividade. Como as feministas dos anos 70 que em teoria queriam ser lésbicas, o nerd contumaz não irá se indulgir em sua homofilia (apesar de alguém poder pressentir que ele está pronto para ser empurrado nessa direção) a menos é claro que ele seja britânico[N.T.: entre os americanos os britânicos tem fama de serem homossexuais enrustidos. Algo parecido com portugueses que tem fama de serem burros entre os brasileiros]. O estilo beta na política é geralmente proibitivo e controlador (“casamento gay” por exemplo é mais sobre proibir sentimentos anti-homossexuais do que promover o que qualquer um pode ver como a prática fársica de gay se casando e formando pseudo-famílias).

    A boa notícia é que política beta não vai sobreviver por muito tempo, devido a sua predileção pela fraqueza e pelo falso consenso, o que leva a programas políticos insustentáveis e enfraquecem as instituições a um ponto de colapso e então seu controle desmorona. [N.T.: betas/nerds são obcecados com proibições e controle social, e também com caros programas de subsídios sociais e assistenciais, de pesado custo para os governos, como se vê nos excessivos gastos europeus que já estão trazendo colapso social]Não ajudando a situação para o nerd existe sua falta de fecundidade, tanto literal quanto figurativa – o beta favorece uma sociedade protecionista, e não uma produtiva.Meu palpite é de que haverá um ponto de mudança – em que a influência social paradoxal do nerd está criando uma reação de desprezo tão forte que sua queda virá muito rápido. Mas no momento isto é baseado apenas em intuição e achismo.

    Traduzido de http://www.mypostingcareer.com/forums/index.php?/topic/69-the-nerd-sex/

    http://www.reflexoesmasculinas.com.br/2011/11/o-sexo-nerd.html

    1. Zeta

      hehehe, como se os adeptos do fio-terra tivessem algo de “Alpha”

  8. Antonio

    Sinceramente… Não se deve abusar dos conceitos da psicologia evolucionária.

    O macho alfa é o macho de maior status. Se ele é um macho violento (mais do que os outros) ou se é um polígamo, depende da espécie, e ficar dividindo os homens em estereótipos de “alfa” e “beta” de forma inflexível, e ficar associando más qualidades ao alfa(não nesse texto exatamente, mas em muitos outros) só tras malefícios. Primeiro porque capacidade de liderança e traquejo social são coisas boas e devem ser incentivadas, e não demonizadas como uma característica do “alfa” malvado. E não são poucos os que conseguem reunir ambas as qualidades: sociabilidade e entendimento “de como as coisas funcionam”.

    Mais do que isso, os grandes gênios que melhoram a vida das pessoas (ainda em vida) tendem a ter uma personalidade dominante. Isso porque gênios pensam, conforme o clichê, ” a frente de seu tempo”. As outras pessoas vão apresentar resistência às novam idéias. A não ser que ele tenha uma personalidade cativante e saiba persuadir, a tendencia que é que as idéias dele sejam esquecidas. Isso não é só minha opnião, mas a de um dos maiores psicólogos dos século passado, Raymond Cattel, que dizia que pessoas dominantes apesar de terem um desempenho inferior às outras no ensino basico, se davam melhor que as outras no ensino superior.

    Enfim, quero dizem que ambas as qualidades, traquejo social (habilidade de liderança e etc) e habilidade de entender “como as coisas funcionam” são muito bem vindas.

    1. Barãozin

      Nem todo o alfa é violento, mas todo homem q domina violentamente os outros é um alfa. Obviamente a dominância pode se dar por vias pacíficas, mas é de conhecimento geral que o uso da violência é um dos meios mais rápidos e eficazes para conseguir dominar algo (mas não raro tem efeitos colaterais a longo prazo). E que o uso da violência (que nem precisa ser física) é o meio mais usado para obter tal dominância. Poucos são os alfas que se destacam por suas boas qualidades naturais, infelizmente. Podem até ser que no início muitos sejam boas pessoas, mas com o poder que tem em mãos geralmente se corrompem. Claro, isso não significa que um “beta” é um ser imaculado que na mesma situação sempre agiria com justiça e sabedoria. É provável que poderia agir pior.

      Grandes gênios em boa parte das vezes são desajustados e conhecidos por sua “esquisitice”. Tesla e Newton são 2 desses exemplos, pra ficar em 2 famosos. Claro que havia grandes gênios que tinham traquejo social (von Neumann e Einstein, pra ficar em 2 mais recentes), mas boa parte deles eram homens reclusos, que vivam para suas pesquisas e eram bem o esteriótipo do “nerd”, no mínimo. Sem falar daqueles que aparentavam ter algum distúrbio psiquiátrico. Bem longe de ser o “popular”. Obviamente, não os critico por essa “esquisitice”.

      E geralmente as grandes descobertas são um conjunto de pequenas descobertas que vieram antes, que se juntam até algum inteligente o suficiente consiga juntar aquilo tudo e dar um sentido prático pra coisa. Eu acredito que nem tenha uma grande descoberta totalmente original. Mas é claro, isso não diminui o valor de nenhuma das grandes descobertas.

      No mais, é bom ter alguém que discorda com educação e civilidade. Geralmente as “discordâncias” que tem aqui são pedradas ao estilo “vc é viado, frustrado, pega ninguém bla bla bla” e nem se dão ao trabalho de ler o texto…

      1. Antonio

        Talvez o motivo de discórdia seja que você defina o que é um alfa de forma diferente de mim. Para mim alfa é função de status e poder. Talvez você associe o titulo de alfa a homens que naturalmente tem características que os fariam dominar em sociedades primitivas. Dificilmente alguém conseguiria status com violência real, hoje no ocidente. Uma excessão seriam traficantes que precisam intimidar rivais. Mesmo assim seu status fica delimitado à favela.
        Quem tem mais status são atletas, atores e músicos (que são tão violêntos quanto o resto das pessoas). Quem tem mais poder são políticos e banqueiros e outras classes similares.

        Mais do que isso, nem todo aquele que domina pela violência é um alfa. Nesse próprio site há um texto falando que Anders Breivik é um beta. Obviamente o domínio dele foi temporário e de curtíssimo prazo inclusive. Mas toda vez que alguém aponta uma arma para outra pessoas e a força a algo como ladrões e sequestradores o fazem, aquele está exercendo dominio sobre esse. Eu não classificaria ladrões como alfa, poque eles tem baixo status (tem excessões, mulheres que gostam desses caras e etc), aliás só pelo fato do indivíduo ser chamado de “marginal” já indica que ele não tem um bom status.
        Outro exemplo seria Marcelo Dourado, que alguns chamam de “alfa”. De fato, eu não conheço a biografia dele, mas me parace que antes de participar do programa ele não era do tipo “status elevado” e nem era um “pegador”. Nesse caso ele seria um beta.

        Sobre gênios, eu até concordo que haja uma correlação significativa entre genialidade e insociabilidade. Mas o que eu quis dizes com “gênios que ajudam outra pessoas em vida”, foi que a dominância (que eu esqueci de explicar, me perdoe, me refiro à dominância definida tecnicamente pela psicologia, não é a agressividade, e tem mais a ver com indenpendencia e vontade fazer outras pessoas seguirem suas idéias, que uma característica tipicamente masculina) e o traquejo social ajudam a pessoa ser reconhecida em vida e não ter seus trabalhos esquecidos. Você deu excelentes exemplos. Newton atrasou a publicação de sua obra máxima, e só a publicou por insistência de conhecidos, e ele o fez por medo da crítica. Imagina se por timidez, por medo de pressão social ele não publicasse o maior trabalho de física de todos os tempos?
        E Tesla, poxa, Tesla morreu pobre e alguns de seus inventos só o foram creditados depois da morte dele. Ele poderia ter lucrado milhões com um pouco mais de traquejo.

        Um possível grande problema do ocidente e Japão e que os homens estão menos másculos. Há indícios que que a produção média de espermatozóides caiu drásticamente nas últimas décadas. Há estudos, embora não conclusivos de uma diminuição da produção de testosterona também. Há estudos que mostram uma relação entre pais efeminados e filhos com problemas de saúde. É muito arriscado ficar associando características fisiológicas com outra psicológicas, mas como hipótese, ressalto, homens fisiologicamente menos masculos poderiam ser menos dominantes, menos ambiciosos, mais “mansos” e aceitariam uma situação desfavorável sem tomar providências. Aliás tomar providências para corrigir situações injustas é o que precisamos, não?

      2. Cruel

        O problema é q conceito de Alfa foi distorcido pela sociedade moderna. Como disse o Navarre no Fórum do Búfalo:

        “O Alfa na natureza é um lider. Pare ser um Alfa do grupo deve-se ser extraordinário. O Alfa lidera outros arriscando-se na linha de frete. Ele põe sua própria integrinidade em risco para que outros o sigam por exemplo.
        O arquétipo do herói é a representação idealizada desse homem Alfa.

        Infelizmente, a nossa sociedade humana distorceu o sentido do Alfa. A sociedade moderna manipulou o conceito em proveito da criação de um sistema que cria insatisfação eterna para manter o consumo.
        Alfa= come todas, pegador, fodão, garanhão, etc…

        Ligue a TV e veja quem são os atuais “garanhões”. São homens fúteis, inúteis e bonitinhos, atores globais.
        Esses são os exemplos de Alfas que os infelizes Betas seguem hoje em dia.

        O outro lado altruísta do Alfa foi totalmente excluído.
        Como conseguência, os heróis exemplos para a sociedade não mais existem. A decadência se instala.”

        http://forum.bufalo.info/showthread.php?tid=1047&pid=15485#pid15485

      3. Leandro

        Acho q esta questão de ser nerd, gênio criador ñ questão de ser Alfa ou Beta. Como eu falei naquele post sobre a testosterona, os grandes gênios da História da Humanidade kagavam e andavam pra mulher. Até pq se “beta” fosse sinônimo de inteligência e genialidade, 80% dos homens seriam assim. O q vemos é q a maioria dos betas são manginas e existem só pra inflar o ego das mulheres e serem os futuros provedores.

        Na minha opinião, os grandes gênios inventores não eram nem Alfa, nem Beta. Eles eram verdadeiros Machos ZETAS, eles eram “ghost” pois kagavam e andavam pra mulher e pra sexo. Eles seguiam o seu próprio caminho. Eles viviam em função do progresso da ciência. Viviam para inventar, inovar.

  9. Carlos - RS

    Não existe “democracia” sexual, é natural que alguns / poucos homens tenham acesso a maioria das / todas mulheres.

    Alguns betas um dia podem se tornar alfas e alguns alfas podem virar betas (digo isso na seleção natural, excluindo o fator dinheiro).

    1. Barãozin

      Sim, mas como bem dito no artigo, antigamente havia um certo controle (pelo menos nas sociedades ocidentais). O cara ricão podia até ter suas 5 amantes, mas ele não ia mexer com a mulher do comerciante, pois sabia q além disso manchar sua reputação, ele podia morrer por ter “ferido a honra” de outro homem. Não era um sistema “democrático”, mas funcionava muito bem, mantinha a sociedade em ordem e promovia uma boa variedade genética (mais homens tendo filhos: maior variedade genética).

      Hoje estamos vendo o declínio maciço disto.

  10. Rodrigo

    Interessante a análise. Apesar da maneira simplista e estereotipada que os islamicos foram retratados.

    Em suma:
    – Uma sociedade dominada por machos alfa não evolui intelectualmente.
    – Uma sociedade dominada por machos beta não se reproduz o suficiente.

    Mas chegaremos num equilibrio.

    1. Barãozin

      Não diria q se reproduzem o suficiente. Afinal eles são a maioria. E se hoje estamos em 7 bilhões, significa q os betas trabalharam bastante!

      Só lembrar também que até 30/40 anos atrás a grande parte das crianças eram de pais betas. Só hj q os tais “alfas” estão retomando o domínio e provavelmente criarão haréns dignos de sheiks.

      1. Rodrigo Cardoso

        Sim, é verdade, mas digo isso sobre os tempos recentes mesmo.

        Veja que entre as nações consideradas mais feministas (como varios paises da europa, nova zelandia, etc) e, consequentemente com menos “homens dominantes”, a taxa de natalidade cai a cada ano, inclusive chagando a ser negativa.
        Por isso disse isso sobre a reprodução. Acredito q tenha a ver com isso, menor “dominancia”, independente do rotulo de alfa ou beta.

        1. Bruno L. Rocha

          Você esqueceu de ver que esses países, como Alemanha, Dinamarca, Suécia, tem um poder totalmente esquerdista, voltado ao multiculturalismo e ao feminismo em mais alto grau. Isso explica porque na suécia, os suecos estão mais a fim de se casarem com mulheres estrangeiras tailandesas, do que as feministas, ato que fez com que as feministas logo sabotasse essa salvação do homens betas, criando leis para acabar com a emigração das tailandesas, isso, sem falar e demonizar essas mulheres em seus programas de tv, por serem estrangeiras, onde são estigmatizadas, estereotipadas como prostitutas. Na Suécia, sabemos que o casamento com tais serpentes, significa castração, estupro moral, humilhação e falência financeiras para tais homens.
          Lembre-se também que o controle de natalidade só “pegou” na Europa, enquanto o resto do mundo metia feito macacos bonobos e tinham filhos às pencas.
          Os betas sempre souberam se virar muito bem, mas o feminismo transformou as mulheres boas, que antes eram a maioria, em vadias declaradas e hipócritas. Onde qualquer força que o beta tente mover, qualquer plano para minimizar, é atacado e destruído pelo movimento comunista, usando o feminismo e essa estupidez de multiculturalismo para acabar com a liberdade de escolha dos betas, tornando-os meros oberadores das mudanças medonhas do novo mundo, enquanto ainda são alienados, emburrecidos, até chegarem no ponto de se tornarem um simples gado sem vontade própria.
          Quando se fala em feminismo, lembre-se que acima dele, há o comunismo internacional. Se o feminismo perder massa, eles criaram outra estupidez para controlar a massa mundial, seja com gayzismo, verdeanismo ou outra merda que coloque a integridade moral e intelectual humana em 3.672º lugar.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: