«

»

mar 09 2012

Jece Valadão – Patrono do masculinismo brasileiro?

Senhores, estava vendo alguns vídeos no youtube, e este três do Jece Valadão me chamaram muito a atenção. Peço para que os vejam atentamente:

Neste primeiro vídeo (datado de 1979), Jece já demonstra alguns dos males do feminismo no homem e arremata com uma frase antológica:

“Em defesa da própria mulher: sou cafajeste, sou macho, graças a deus.”

Agora, mais um vídeo:

Mesmo com a reportagem em tom de chacota, mais uma vez Jece mostra como o feminismo afeta a sociedade e propõe a criação de um movimento para contrabalancear isto.

E agora o último, mais para descontrair, mostra como Jece já tinha uma “visão além do alcance” ao atestar que as mulheres “emancipadas” do feminismo não passariam de presa fácil para cafajestes desapegados como ele, o que acontece hoje em dia (só peço pra tolerarem o papo feminazi chato dessas gralhas por um momento, o trecho com o Jece está mais pro fim):

Vendo esses 3 vídeos, me veio algo em mente: seria o Jece Valadão o patrono do masculinismo brasileiro? Interessante notar que ele, um homem que se beneficiaria e muito com os males do feminismo (mulheres ainda mais fáceis, como ele mesmo notou) já botava a boca no trombone e mostrava como os homens acabariam ficando cada dia mais fracos por causa disso. Realmente, algo a se pensar…

OBS: Este artigo é só para demonstrar que alguns pontos de vista de Jece Valadão são parecidos com os nossos, isto não significando que temos alguma ligação com ele ou a família dele.

12 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Samuel

    meu pai sempre falou e pedia pra mim ver o filme OS CAFAJESTES, ele gostava muito do jece valadão, começem a olhar mais a respeito, porra, icone e ponto.

    1. Barãozin

      Os cafajestes é um filme meio “esquisito”. Vi esses dias.

      Tem umas cenas boas mas eu o achei mt enrolão. Fica perdendo tempo demais com algumas cenas q tem nada a ver. Mas tem umas cenas bem legais.

  2. Fudoshin

    Li o post do Cruel e achei bem interessante. Vc tem bastante conhecimento de causa e sabe sintetizar a realidade muito bem. Concordo com quase tudo que vc disse sobre a sociedade, promiscuidade, “amor livre”, vadias, etc. E tb já sabia disso tudo e para onde essa humanidade está caminhando, infelizmente.
    Sofro igual, por não me enquadrar nesse modelo de falso homem imposto à nós. A todo momento tento reunir forças para não cair nesse mundo de Maia(Matrix). Realmente não é fãcil. Mas temos q lutar, força!
    Barão me corrige se eu estiver errado pois posso ter encarado o Movimento de uma maneira diferente. Pelo q vejo o objetivo do movimento masculinista brasileiro e movimento da Real é resgatar o verdadeiro homem legitimo, o honrado, ético, lógico, forte físico e mental, seguro de si, fiel, protetor, justo, virtuoso, o q não se curva perante a arrogância, hipocrisia, injustiça, que não se ilude com as vadias, manginas, misóginas, homosexuais, e todo tipo de pervesões etc. Mas para isso devemos ter primeiro o conhecimento da podridão em q nós(homens e mulheres) estamos, para depois resgatarmos esses valores adormecidos na consciência de cada um. Isso nos está sendo dado agora por esse maravilhoso canal e muitos outros. As mulheres infelizmente fizeram como sempre, em vez de criar um movimento o qual as valorizassem mais, se degeneraram ainda mais, por um processo de aprendizagem mais simples de todos, imitação, o q é natural, como num post q li aqui, no qual se fala das brincadeiras de infâncias onde os homens brincavam e as mulheres copiavam. Elas agiram instintivamente. Mas nós homens legítimos somos diferentes estamos tendo uma oportunidade única de ver nós(homens e mulheres) como somos no interior do subconsciente. E olharmos para dentre e ver toda a podridão em q estamos e sairmos desse lodo. E como sempre qdo sairmos vitoriosos, as mulheres vão olhar para nós e vão pensar o q nós fizemos? Pq nos tornamos pior q os homens? Se sentirão envergonhadas. E novamente elas vão nos copiar. A História se repete.
    Por favor meus amigos, se mantenham firmes, vejo aqui homens de honra, fortes, sinceros em sua busca, homens honrados, de condutas retas, reto sentir, reto falar, vestir, agir etc. Não falo dessas virtudes no sentido de fraqueza já que a grande mídia as associas como isso ou como defeitos. È claro q todos nós tb temos defeitos(EGO) que a mídia deturpa como valores do homem moderno. Há uma completa inversão de valores hoje. Senão não estaríamos aqui.
    Vejo q estamos na fase do conhecimento, do estudo, entendimento dos processos interno de cada um(homens e mulheres, e vice-versa). Mas me parece q falta algo aos movimentos, uma posição para qual lado polarizaremos se o das virtudes ou dos defeitos(em contraposição aos 7 pecados existe as 7 virtudes). Falta a nos respondermos muitas perguntas. E tenho certeza q muitas mulheres esperam isso.

  3. Cruel

    Agora q eu encontrei este artigo.

    Patrono do masculinismo brasileiro? Perrdão, mas este cara falou bobagens.

    Em primeiro lugar, a liberação feminina ñ foi obra do feminazismo (na verdade, nem para isso, as feminazi serviram), foi devido aos homens, com a invenção da pílula, como deixou bem claro o Angry Harry em:
    http://www.angryharry.com/esTheSexualLiberationofWomen.htm
    (para quem ñ sabe inglês, é só traduzir no Google, no entanto, o Administrador deste site poderia traduzir este artigo, pois a tradução do Google ñ é boa para quem ñ sabe dominar o inglês).

    Em segundo lugar, como o Barão disse, esta liberçaão sexual é boa e divertida só para quem sabe jogar, ou seja, para os alfas, os cafas, os malandros, estes vivem em verdadeiros haréns; enquanto os betas, os nerds, os tímidos, estão fora deste jogo, vivem numa vida monástica ou vivem manginando e inflando o ego das vadias em troca de nada. Para se adaptar a nova situação, só se o cara se tornar um alfa dominante ou um cafa.

    1. Barãozin

      Foi em certa parte obra delas sim.

      A repetição exaustiva do q “elas podem tudo” e que “o corpo é delas e foda-se” contribui sobremaneira para essa “liberação” sexual delas.

      E eu falo mais dele ja ter exposto q o homem seria enfraquecido pelo feminazismo, o q é verdade.

      1. Cruel

        Vc ñ leu o artigo do Angry Harry. No artigo, ele fála q “liberação sexual” das mulheres é graças à pílula. No artigo, ele diz que a pílula era mal vista pela mulheres, elas se recusavam a usar, e as que usavam, ainda eram mal faladas pelas amigas e pela própria mãe, e a pílula era vista com relutância, pois era defendida pelas feminazi, e elas ñ queriam se associar a um grupo de mulheres hostis, sem feminilidade. Então, ñ foram as feminazi que conseguiram encorajar as mulheres a usar a pílula para “libertar-se sexualmente”, foram os próprios homens que convenceram as mulheres a usar a pílula por causa de sua própria liberdade sexual. Leia este trecho do artigo:

        http://www.angryharry.com/esTheSexualLiberationofWomen.htm

        “The pill was an absolute godsend to the actively sexual male.

        And to say that women quickly saw the pill as some sort of ‘liberating’ medical technology is to distort the truth completely. If anything, they saw the pill as giving their male partners the license to fool around with other females without having to risk any consequences – particularly the one of being found out!

        Ask any man who was sexually active at the time which gender was more keen to use the pill, and you will soon discover that it was men, rather than women, who were MUCH more enthusiastic for the pill to be used.

        In most cases, women had to be pressurised by their men into going on the pill. It was not something that women were eager to do. Indeed, for many of the earlier years, finding a young woman who was actually on the pill was tantamount to winning the lottery.

        And, “Is she on the pill? Is she on the pill?” was just about the very first question that young men would want to know about your new girlfriend.

        Most women, however, were simply too ‘ashamed’ to use the pill. They saw its use as a ‘sign of promiscuity’ – and so did many others. They were likely to be called ‘sluts’ by their very own mothers and their girlfriends if they were discovered to be ‘on the pill’, and men often, therefore, had a hard time convincing their female partners that the pill was, in fact, a ‘good idea’.

        And those women who eventually grew brave enough to use the pill often hid the fact that they did.

        Another reason that ordinary women remained reluctant to use the pill was because it was being so heavily advocated by feminists!

        The last thing that most women in the early 70s wanted to do was to associate themselves in any way with a group of hostile unfeminine unattractive women who squawked and shrieked and poured nothing but venom upon their menfolk.

        It certainly wasn’t women or feminists who succeeded in encouraging women to use the pill to liberate themselves sexually. It was men who eventually persuaded their women to use the pill for the sake of their own sexual freedom.

        Of course it was.

        It has always been the case that men make up the gender wanting lots more sex, and it is women who tend to restrain it.

        As the years went by, the pill became more and more acceptable to women.

        It was also true that those women who were known to be on the pill were a lot more sought after by men. This is not surprising, for the same is true today. Women, therefore, began to go on the pill in order to make themselves more ‘available’ and, hence, more attractive.

        I find it astonishing that feminists have, for so long, been able to get away with the lie that, somehow, they were the ones who led the way forward when it came to liberating women sexually. Nothing could be further from the truth. If anything, feminists actually retarded the sexual liberation of women because most women simply did not want to be seen to be like them.

        Feminists repelled them.

        And the vast majority of women, like the men, saw the ‘new’ feminists as unattractive, cold, hostile and emotionally ‘genderless’.

        Younger women today have been indoctrinated with the untruths that they were sexually liberated by feminists. The truth is that men sexually liberated themselves when they created and manufactured the pill, and, in doing so, they liberated those very women with whom they wanted to have sex.”

        1. Barãozin

          Mas achar q SÓ isso foi responsável é um erro. A pílula foi apenas UM dos responsáveis. Nada tem apenas uma causa.

  4. Perseu

    Sim, o Valadão fez algumas afirmações interessantes. Mas ele bancava o papel de “machista ignorante e sem caráter”, reforçando o estereótipo de que “homem não presta, a não ser que seja homossexual” [e das mulheres como “eternas vítimas inocentes”].

    Um sujeito hedonista e imediatista não me representa. O masculisno é um movimento para resgatar a dignidade do homem, o que inclui “martelar” que possuímos capacidade intelectual e de caráter. E para jogar a real de que as mulheres, em vez de “sempre vítimas”, também podem ser ignorantes e de má índole e que muitas de fato são.

  5. Carlos - RS

    Este é o lado bom do “feminismo”, mas convenhamos algumas décadas atrás ter que esperar até o “casamento” para transar deveria ser um “martírio”.

    Viva ao feminismo, viva ao sexo casual \o/

    1. Barãozin

      Nada é perfeito. A vida é feita de sacrifícios.

      De um lado, sacrificamos umas trepadas para termos uma sociedade estável e famílias em sua maioria saudáveis e funcionais. Por outro, temos sexo a rodo (se souber como jogar e como as coisas são) mas por outro temos a queda da sociedade. Bem, eu preferiria sacrificar algum sexo e ter estabilidade, mas como infelizmente não tenho como influir na corrente do tempo… é se adaptar a nova situação msm.

      1. Cruel

        Barão, por falar nisso, no POST comentando sobre os herbs jsaponeses (ñ vamos discutir sobre isso), vc falou q prefere muito mais o “Pragakham way of life“. Há alguma coisa errada no “Pragakham way of life”, e o Pragakham deixa bem claro, na sua exposição:

        “Não perco meu tempo com mulher mudança, pelo contrario quero que elas fiquem cada dia pior, mais vadias, mais vagabundas, e mais interesseiras, teatrais, do que tudo, mulher de hoje nao escolhe parceiro pra ser pai, escolhe o parceiro pra pagar diversão, material, e vadialismo, como não me encaixo nisso, quero que fiquei mais piores do que são pois elas nos acostumaram, assim e vem nos exigir merda ,cada dia me torno pior, e desconfortavel neste mundo vaginante, quem acredita em mulher mudança, e um dos piores cegos, e como no texto falam, ao mesmo tempo escumugam vadias, e ao mesmo tempo querem uma mulher certa pro resto da vida , isso se encontra com o tempo aquela que vai lhe dar sexo do bom e garantido, pois amor quem te dar e pai e mãe, homen e mulher são 2 inimigos que conseguem viver extremamente bem em um ambiente fisico, vejo altos homens viver no mundo da putaria, e ao mesmo tempo condenando as vadias por serem vadias, e vivem no mundo da putaria achando que vai achar alguma mulher mudança, e dificil entender o propio julgador que nao consegue encontrar o propio caminho , pois devemos saber exatamente qual chão pisar, e qual rumo seguir, não adianta eu sair de uma merda, e exigir bosta vivendo na merda , o mais breve recurso que temos e aceitar a verdade, pois muitos sabem e não querem ver, quero cada dia que mulheres se tornem mais vadias e promiscuas, facilitando meu serviço e minhas buscas , perder tempo com isso , não mais pois tenho muita coisa mais importante pra fazer , e desenvolver, pois nenhuma vadia vai me dar conforto , cama, comida e roupa lavada, mesmo se existisse não queria , porque viver escravo na divida com mulher e vender a alma ao diabo , e vender a alma ao diabo e a mesma coisa do homem submisso a mulher, quem passa pelo inferno não volta mais, a não ser aquele que vende a alma ao diabo sempre, se voce quer a mulher execessão pra que perde tempo no mundo , tentando vadiar e dificil entender .”
        http://forum.bufalo.info/showthread.php?tid=670

        Este é o “Pragakham way of life”: o típico “guerreiro” q ñ almeja mudança, ou melhor, almeja sim… para PIOR: ele quer q as mulheres se tornem mais vadias e promíscuas do q estão hoje, q a promiscuidade realmente tome conta, ou seja, ele quer q o sonho do Engels de acabar com a família monogâmica seja realizado e a instituição do “amor livre” (uma expressão bem bonita para se referir à promiscuidade generalizada, sem restrições sexuais). O q tem a dizer sobre isso, Barão?

        1. Barãozin

          Tenho a dizer q cada um faz o q bem entender da sua vida se isso não interferir na vida do outro.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: