Transtorno de personalidade borderline – um doente ou somente um imbecil maluco?

Só um aviso aos usuários do Fórum do Búfalo, estamos tendo instabilidades no sistema, por isso o fórum está com uma grande lentidão. Eu realmente não sei exatamente o que ocorre, mas acredito que seja alguma instabilidade nos servidores. Acredito que até o fim da tarde tudo retorne ao normal, geralmente os responsáveis pelo host que o Fórum está hospedado são competentes em arrumar esses problemas.

Agora, ao artigo:

por Paul Elam 

Tenho sido um admirador de longa data dos poucos profissionais que trabalham com psiquiatria que decidem lidar com a verdade, ao invés de apenas ficar vendendo o mais palatável para as mulheres neste senso comum misândrico.

Andar no caminho certo é difícil em qualquer área. Na área que lida com a “saúde” mental que é dominada por feministas, é algo brutal. Eu sei, eu vivi tal vida por algumas décadas. Eu posso lhe dizer por experiência própria que os maiores bombardeios que sofri foi por não ter seguido a linha oficial que o partido nos deu.

Meu primeiro conflito sério foi sobre o alcoolismo, que eu era obrigado a ver como uma doença. Isto era complicado para mim, já que o alcoolismo não é uma doença. Eu não estou especulando sobre isso, ou vendo as coisas sob a minha “perspectiva”. Eu falo que isto é uma verdade irrefutável. Não há nenhuma evidência, nenhuma, que o alcoolismo é uma doença, exceto que foi considerada assim no ano do meu nascimento, em 1957, pela Associação Médica Americana, sem a mínima evidência científica que a suporte.

Isto foi puramente uma decisão política e financeira, que permitia que os médicos começassem a ter motivos para cobrarem alcoólatras pelo tratamento da “doença” deles, o que permitiu que alcoólatras inveterados fizessem o que eles sabem fazer de melhor… jogar a culpa de seus problemas em outras coisas ao invés deles mesmos.  No fundo, todo mundo saia ganhando com isto.

Outra área significativa de conflito que tive que passar no campo saúde mental foi em respeito a tal Transtorno de Personalidade Borderline (ou limítrofe), ou, como acho mais apropriado, “imbecil perigoso que deveria ser evitado como a peste”.

Peço um pouco de paciência enquanto abordo um pouco do básico aqui. Se tratando de problemas psicológicos, nós estamos lidando com um imenso e diverso leque de problemas e suas causas. Temos desordens que são puramente fisiológicas em sua origem, como a Síndrome Cerebral Orgânica, onde uma doença ou lesão prejudica as funções mentais. Esta síndrome tem um termo um pouco antiquado, e foi até removida do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais por causa do aumento das descobertas que apontam para uma causa orgânica (fisiológica) de muitos transtornos psicológicos.

Mas o importante aqui é que descobrimos que muitas vítimas de lesões ou doenças cerebrais tem pouco controle sobre seus pensamentos, e muitas vezes de suas ações. Esta capacidade lhes foi retirada devido os efeitos de um trauma cerebral ou alguma doença.

A esquizofrenia, uma condição devastadora que causa uma série de deficiências cognitivas, suspeita-se que em parte acontece por problemas fisiológicos. Assim como outros problemas orgânicos cerebrais, a vítima é completamente impotente contra seus sintomas e as vezes não tem controle sobre seu comportamento. É uma doença destruidora que literalmente aterroriza suas vítimas. Imagine você vendo agora demônios vindo da parede e te rasgando em pedaços, ou sua mente te dizendo que deus está falando através de seu cachorro, mandando você matar alguém.

Esquizofrênicos não escolhem ter estas alucinações e pensamentos bizarros e sem ajuda médica ou até mesmo legal, eles muitas vezes não tem controle sobre como eles responderão a tais estímulos. De forma parecida, a desordem bi-polar pode resultar em uma psicose aguda, fazendo com que a habilidade que m indivíduo tem de controlar suas ações ficarem no mínimo questionáveis.

Há mais exemplos de quando uma causa fisiológica é a raiz de problemas psicológicos ou comportamentais graves. A depressão é um bom exemplo. Ela pode ter uma miríade de causas físicas e pode resultar em sintomas físicos muito perigosos, como o alcoolismo, abuso no uso de drogas, violência e suicídio.

Mas a depressão é uma desordem, mesmo tendo algumas possíveis causas fisiológicas, que demandam um tratamento diferente de doenças como a esquizofrenia.

Uma pessoa, não importa o quão deprimido esteja, ainda é capaz de fazer escolhas racionais sobre suas ações. 

Vendo sob esta luz, eles são totalmente responsáveis por usarem ou não álcool ou drogas, serem violentos ou até mesmo se matarem. Podemos dar a eles remédios e psicoterapia, assim como prover outros serviços de apoio, mas no fim eles são totalmente responsáveis por cada ação que eles tomam. Mesmo com sua mente ficando turva por causa do problema, eles ainda são capazes de determinar a diferença entre o certo e o errado assim como entender as consequências de seus atos.

E isto nos trás a desordem de personalidade borderline. Este indivíduo, geralmente uma mulher (sim, isto já foi observado) é alguém no qual seu estado mental faz com que ela seja um perigo emocional, psicológico e até mesmo físico para as pessoas que se envolvem com ela, em particular os homens no qual elas tem algum tipo de relacionamento amoroso.

A desordem de personalidade borderline é diagnosticada quando alguns ou todos estes sintomas estão presentes: 

  • um longo histórico de emoções turbulentas ou instáveis, incluindo frequentes demonstrações de raiva inapropriada;
  • um padrão de impulsividade e relacionamentos caóticos, incluindo, mas não limitado, a impulsividade de gastar dinheiro, uso de drogas, relacionamentos sexuais, compulsão alimentar e furtos em lojas;
  • reação intolerante, muitas vezes hostil, de ficar sozinha;
  • repetidas crises e atos de auto mutilação, como cortar os pulsos ou abuso de medicamentos.

Existe um exame mais aprofundado dos comportamentos comuns de uma pessoa que sofre desta desordem, mas você provavelmente não irá achá-las detalhadas na literatura médica disponível. O que vem a seguir são traços comportamentais que observei em anos lidando com mulheres bordeline em ambientes clínicos e na vida real.

  • Uma facilidade para mentir e manipular, particularmente usando a simpatia e a adulação, mas também  para listar a ação de outras pessoas que ela possa utilizar para vantagem própria no futuro, com fins vingativos ou de retaliação;
  • uma propensão para inventar acusações de estupro, abuso sexual e violência doméstica;
  • uma capacidade praticamente infinita para praticar vinganças pelos menores, ou imagináveis, motivos;
  • um prazer sádico de causar danos injustificáveis contra os outros que são vistos por ela como inimigos, ou mesmo contra aqueles que ela considera que não as ama o “suficiente”;
  • a capacidade de justificar e racionalizar qualquer comportamento abusivo, não importa o quão extremo ou quão inocente é a vítima. Não seguem um norte moral;
  • a demanda incessante que os outros gostem dela, mesmo com ela causando destruição na vida de inocentes;
  • a visão distorcida que o abuso que elas infligem não é abuso, mas reclamar ou reagir contra este abuso é algo abusivo para elas.

E mais uma coisa que precisa ser incorporado em seu entendimento sobre a desordem borderline. Elas sabem exatamente o que estão fazendo. Não há nenhum fator orgânico ou deficiência em seu auto controle que provoque elas a fazerem isto.  Seus atos são intencionais e premeditados. Elas sabem muito bem a diferença entre o certo e o errado, o que é apropriado ou não, o que é verdade e o que é mentira, realidade e fantasia.

Elas frequentemente tem empregos e se envolvem em situações sociais em que seu comportamento destrutivo acabam rapidamente prejudicando elas. Geralmente demonstra uma capacidade admirável de auto controle e comportamento apropriado. Qualquer noção de que elas não conseguem controlar suas ações, o que você frequentemente escutará da boca de algum borderline ou de um médico inescrupuloso que lucram com esta condição ajudando elas a racionalizarem seu comportamento, são totalmente fraudulentos.

Elas sabem muito bem o que estão fazendo, e muitas vezes até gostam disso.

Elas sofrem com o caos interno e emoções instáveis? Certamente. Assim como os depressivos, os alcoólatras e aqueles que tem desordens de ansiedade ou outras mazelas. Só não podemos permitir que se dê um desconto a eles ou que machuquem os outros e a si mesmo. E nem devemos.

Dado o potencial absoluto de destruição que um borderline pode ter na vidas dos azarados que acabem cruzando seus caminhos, é muito importante o entendimento do prognóstico de sua condição.

Não há medicamento psicotrópico e nem terapias cognitivas que funcionem em um borderline. Resumindo, eles tem uma condição intratável com o que temos atualmente. Eles não podem ser ajudados tanto quanto eles devem ser isolados para poder ajudar os outros.

Há uma piada corrente entres os psiquiatras que lidam com a borderline. E sim, nós fazemos piadas sobre problemas sérios. É uma das maneiras de aliviar o stress de ter que lidar com estes casos. De qualquer forma, é uma piada curta e grossa:

Você não trata borderliners, você simplesmente os ignora.

E assim, num sentindo mais amplo, é o conselho indireto que se dá para qualquer pessoa que tem o azar de se encontrar na mira de um borderline.

Fique longe dele. 

Siga outro caminho. Não vá atrás. Não pague 200 dólares. Simplesmente caia fora; esqueça qualquer perda que sofreu em sua experiência e fique feliz de não ter perdido mais.

As famílias dos alcoólatras são orientadas a ignorá-los quando eles estão bebendo. É um bom conselho que ajuda o alcoólatra encarar o problema e que salva sua família de muitos problemas. Mas lidar com um borderline não é tão simples ou fácil como ir a encontros do AA e aprender a ter limites. Sua patologia é muito mais séria e perigosa do que isto.

Escute isto, e não esqueça. Eles não irão melhorar. Nunca. Não há nada que você possa fazer, nenhuma bondade que você possa fazer, nenhuma simpatia que você possa oferecer, nenhuma mãozinha amiga, nem a combinação de toda a sua experiência pessoal que você possa oferecer pode fazer com que um borderline seja nada além de uma tremenda dor de cabeça e um pesadelo em potencial que está só esperando a chance de destruir tudo o que você tem, por dentro e por fora.

Na verdade, se você se encontra num eterno dilema se deve ou não sair de um relacionamento com uma borderline, eu sugiro é que você vá procurar ajuda. Ao invés dela, talvez tenha uma chance de ajudar a você descobrir as causas que te fazem ficar ligado a uma vida cheia de abusos, caos e perigo.

Afinal, sempre haverá a pílula vermelha da verdade.

fonte: http://www.avoiceformen.com/women/borderline-personality-disorder-sick-or-just-crazy-asshole/

930 comentários

1 menção

Pular para o formulário de comentário

  1. Amei…. para vc que tbm ja foi vítima, entre e participe….. Deus livrou meu filho e eu do inferno, do verdadeiro circo dos horrores… nunca sofremos tantos abusos, desrespeito, insanidade, desamor, falsidades, agressões verbais, físicas e psicológicas, demências, frieza, manipulacoes, ameacas, fomos trocados por todo tipo de mulher da mais vulgar, promíscua, a que se diz “virtuosa”de cultos evangelicos, por drogas….. sao PARASITAS HUMANOS a procura desesperada por cuidadores, seres incapazes de amar, de uma ironia, um sarcasmo irreconhecível em seres humanos normais, pior que doente mental, pq fazem tudo de maneira consciente… isto eh, o próprio genitor do meu filho, pois pai nunca foi, o abandonou ainda na barriga, e depois mais umas 4 vezes até que coloquei um fim. Até religião, nome de Deus eles envolvem para se esconder, manipular, fingir, se vitimizar.Em Outubro de 2015 voltou e queria me atrair para suas garras novamente, mas foi surpreendido por uma notificação judicial envolvendo visita assistida ao meu filho. Relatei tudo, transtorno, comportamentos inadequados, desrespeito, tudo que foi feito diante do meu filho tbm. Com isso pegou ódio de mim, conheceu uma crente numa igreja e com dois meses marcou casamento e ainda querendo me humilhar em rede social que agora sim ele estava com uma mulher virtuosa. Cuidado com o border com quem se relaciona. Se desconhece, procure saber, pois ele acaba com tua vida. Corra…. ele te mata, sem ao menos lhe dar um tiro. Hoje dou meu testemunho por onde passo….. Deus foi Salvador do meu filho e meu.Pedi que nos livrasse, no outro dia me deu a resposta, tirou com a mão. Meu filho correu grandes riscos e ainda temo por ele, pois tem apenas 2 aninhos; devido a esta “justiça ” injusta que temos. Mas a de Deus, ninguém escapa. Penso que conviver com um maluco imbecil, depois que consegue-se se livrar eh como se livrar das drogas, de um vício.. um dia de cada vez. Difícil passar pela abstinência e leva tempo, dói, sente-se falta (falta de ser humilhada e desrespeitada, estranho não?!?!?! Doente não?!?!? ) mas só a distância total para não haver recaídas. Não está sendo fácil, mas estou conseguindo minha paz. Minha autoestima se foi, Penso q nunca mais arrumarem um companheiro, tão maltratada, desrespeitada, humilhada fui.

    1. EK, também passei por isso é doloroso ,mas me apego mais e mais a Deus eles elas não amam,a minha ex nos abandonou eu e meu filho de 7 anos para viver com um drogado usando todo tipo de drogas e passando fome. é bem triste! mas a convivencia é traumatica e deixa sequelas arrasam nossa auto estima e nos matam a humanidade . Mas Deus é senhor e tudo tem um porque de passarmos por esses abusos é a prova para se vencer da coodependencia

      1. Sim Nicolai, penso que é um dia de cada vez …. foi devastador …. o pior que agora meu filho fará 3 anos e começa a falar de pai, como mulher quero mais que ele fique mais longe possivel, e pelo perigo emocional que pode causar ao meu pequeno, mas dói perceber que meu filho nao esta compreendendo a situação. Mas estou na terapia e pedindo auxilio de como lidar com isso. Ele mesmo nao sofreu nenhuma coseqeuncia de tudo que nos fez, ao contrario, mudou tdo seu circulo de amigos, outra mulher…começou de zero …. porém, estamos aqui, na luta e sobrevivemos …. e estamos felizes… minha luta agora eh contra mim mesma e tentar me curar emocionalmente.

  2. [Reenviando, pois na primeira vez não foi.]

    Olá a todos e todas.

    Venho acompanhando este fórum em silêncio, sem nunca ter postado nada. Tem me dado um conforto ler repetidas vezes o texto do médico psiquiatra e os comentários de vocês. Obrigado por exporem suas histórias.

    Meu caso dura há muito tempo, então foram muitas, incontáveis situações. Vou tentar ser breve. E vou usar como amostra do todo o que aconteceu só no dia de hoje.

    Sou casado com a mulher que julgo ser border há uns 5 anos. Só que não moramos juntos atualmente. Eu às vezes durmo na casa dela, às vezes na casa dos meus pais, pois saí de lá por não suportar mais a manipulação, os jogos emocionais e a violência psicológica. Foi a forma que eu arranjei de manter as coisas minimamente em ordem provisoriamente, pois ela quer que voltemos. Uso isso como meio de barganha – é terrível, mas é o que tenho atualmente. Compomos renda juntos, então não posso tocar o divórcio por conta própria e nem alugar uma casa. Minha condição financeira de hoje em dia não permite. Pra ficar mais complicado, temos uma filha, que é a minha maior preocupação e a coisa mais importante da minha vida.

    Hoje íamos almoçar num restaurante. Quando chegamos ao estacionamento, minha esposa quis ver se havia algo no porta-malas do carro que vinha procurando há algum tempo e não encontrando. Ela achou um embrulho de presente vazio. Minha filha estava por perto. Ela então entregou o embrulho e falou, rindo de canto de boca, “feliz Natal!”. Minha filha pegou o papel vazio e ficou triste. Eu fiquei “p” da vida. Achei de uma crueldade sem tamanho. E protestei, dizendo “Ei! Não se faz isso, não! Ela tem 4 anos, que brincadeira besta!”

    Ela ficou com raiva e disse que eu estava me metendo na relação dela com a nossa filha. Que deveria cada um ficar “no seu quadrado”. Eu então retruquei, perguntando que sentido fazia estarmos juntos se era pra cada um ser independente do outro. Disse que ela agiu mal, que a brincadeira foi de extremo mau-gosto. Ela ficou ainda mais nervosa. Disse então que tinha perdido a fome e que eu podia ir almoçar com a nossa filha. (Até então eu tinha tomado todo o cuidado de não discutir na frente da pequena, que estava um pouco afastada.)

    Aí eu percebi que, mais uma vez, ela estava empurrando pra mim a responsabilidade pela criança. É algo frequente: ela simplesmente se ausenta. Disse que também não iria almoçar, pois tinha, de repente, perdido a fome. Aí eu disse pra irmos embora. Os três entramos no carro. A mulher no banco de trás, dessa vez, e não na frente. Sentou-se ao lado da cadeirinha da minha filha. E começou a me atacar:

    “Você é um homem! Tem que parar de ser ‘chiliquento’, parece um saco de palavras repetidas! Tem que aprender a me respeitar e respeitar meu espaço!”

    Eu já estava pra lá de nervoso, mas me limitei a falar: “Presta atenção no que diz!… Depois vai querer reverter e não vai dar!”

    Continuaram as ofensas.

    Até que eu falei “Ei!!! Não estamos sozinhos! Cuidado aí!!!” – brecando o carro (ninguém vinha atrás).

    Virei a cabeça pra olhar minha filha, ela estava toda encolhidinha e com carinha de triste. Pedi desculpa a ela, pedi à “mamãe” que pedisse também. Ela o fez. E em seguida me pediu pra levá-la a um shopping, onde, antes do transtorno, assistiríamos um filme.

    Eu fui, deixei-as lá, com o coração doído de tristeza. Abracei apertado minha filha antes de entregá-la à mãe. Pedi desculpa mais uma vez. Fiz um carinho nela.

    Véspera de Natal, galera. E garanto a vocês que não foi a primeira vez (e não será a última, havendo oportunidade). Tenho lutado com todas as forças pra mudar essa situação. Passar em outro concurso (sou servidor público) e tocar minha vida. E tentar pegar a guarda da minha filha. Tenho até medo do tipo de louco que essa doida poderia levar pra casa, em eu saindo definitivamente de lá.

    Isso é um pouco do que tenho passado. Obrigado.

    1. Olá Will, bom dia. Sabe cara, uma coisa que me ajudou e me ajuda muito é a psicanálise, e estou passando em um psicólogo indicado pelo CAPS. Ao que me parece eles indicam psicólogas(os) que (para alguns pacientes)não cobram um determinado valor fixo, terá um custo, mas o principal é que esse custo não seja uma preocupação à mais. Em 36 anos de vida nunca precisei desse tipo de coisa , mas posso falar com propriedade, que o psicólogo e o priquiatra me impediram de fazer uma loucura(várias vezes) . Sobre as border´s, conheço a habilidade que elas têm em usar as palavras certas no momento certo para pegar a gente aonde mais dói, por desespero, por terem aprendido assim, por terem a necessidade de manipular, por distúrbios químicos e fisiológicos no cérebro, não sei os reais motivos. Mas (para meu caso pelo menos) percebi que quanto menos emocional for a relação com a border melhor. Cara, cuide de você, para que você tenha forças e possa cuidar de sua filha que está em uma idade tão importante para a formação dela. Grande abraço à todos(as) . Um ótimo 2016!

      1. Valeu pela dica, Adalberto. Vou procurar saber.

        Desde o Natal aconteceram muitas coisas. Entre as quais eu chegar a ter pensado ser possível me relacionar com a provável border em questão de forma definitiva, superando os obstáculos como se fossem obstáculos quaisquer, de qualquer relacionamento. Uma falácia que vez por outra ela mesma usa pra me dissuadir, acompanhada da falsa promessa de que vai procurar terapia e da sugestão de que eu mesmo deveria fazer o mesmo – nos colocando em pé de igualdade.

        Cara… complicado. E tome joguinhos emocionais, manipulações, chiliques, ciclos intermináveis de confusão bombástica e calmaria. Só quero ajeitar a vida e sair dessa relação. Envelheci muito mais que deveria, por causa dela.

  3. Olá pessoal! como foram de festas? Sérgio como está, ta tudo bem? Aqui por enquanto tudo tranquilo, as festas foram calmas Graças a Deus! Estou me cuidando, consegui ganhar 1 kilo, legal né? Meu marido border está calmo, mas não está feliz! Isso tudo é tão triste! nunca estão satisfeitos com o que tem, estão sempre querendo mais. Bom passei para ver se estão todos bem.

      • noborderman em 01/05/2016 às 18:03
      • Responder

      Sim tudo na paz de Deus. Mas as histórias se repetem, parece que Deus pegou um papel carbono em inúmeras via e pimba! Eis-me aqui Senhor! Eu e todos desse canal. Oque temia está acontecendo, tentativas de reaproximação. De fato o ideal seria ir para bem longe. Mas tenho tentado lidar com esta situação sem forçar a barra. E por incrível que possa parecer, nas duas tentativas de reaproximação, que foram para atender pedido de socorro. Mesmo eu duvidando disto. Enfim…vou falar no plural: “Nos comportamos muito bem! Sem ressentimentos e também sem recaídas”. Contato frio e gélido. Fiz a minha de bom samaritano e a outra parte foi embora. Me sinto como um usuário de drogas com um prato cheio de farinha passando na minha frente. Mas o algoz não é o prato. Sou eu, eu que preciso me policiar. Até desacreditei que teria pernas pra suportar esse remember. Mas tirei de letra.
      Só por hoje 24 horas de serenidade. Tem uma amiga que já postou aqui nesse canal que recebe a indesejável visita do genitor do filho dela , todo ano ao longo de infinitos e estressantes 10 dias. Na fala dela são 10 dias no inferno e 355 na paz.

      Só que esses 10 dias ou 10 minutos, só nós sabemos o quão angustiantes são. Eu aumento os meus tremores de extremidade, fico ansioso, com sono instável, sem me alimentar direito, uma anedonia brava pra praticar exercícios físicos.

      Mas tudo passa, tudo passará. Nada aconteceu por acaso. Seja do meu ou do lado da outra pessoa. Se tratar eu sei que não refresca muita coisa, imagina uma border que trata de tudo menos assume a sua condição.

      Logo, portanto, todavia, contudo eu tenho que cuidar a pessoa mais importante deste mundo: EU.

      Bom 2016 pra todos e todas do canal. Inclusive vc amigo(a) borderline que de vez em quando passa por aqui. Ontem mesmo respondi aos comentários de uma moça que descreveu todos os seus sinais e sintomas de uma maneira muito elucidativa. Cheguei a questionar se seria realmente uma borderline? Porque é raríssimo border com consciência de seus atos, de modo especial os insanos.

      Enfim comentei sobre o post dela educadamente e civilizadamente, como as coisas precisam ser feitas.

      Algumas exceções nem os codependentes (EU), nem os no-borders ou tampouco os próprios borders, não se sintam ofendidos com alguns comentários. As vezes muitas pessoas estão tão angustiadas que acabam distribuindo psicotapas pra tudo que é lado.

      Como diz a minha amiga: “Parei de odiar. Basta pensar na tal dual porosidade, que o infeliz só usa o hemisfério do cérebro, cérebro esse com comprometimento de desenvolvimento, com áreas específicas diminuídas de acordo com pesquisas, o que corrobora para a vida do portador de TPB só encrecar mais ainda. A AIDS tem gente sobrevivendo muito tempo, se usar o coquetel e se cuidar.

      Não gosto da analogia devido ao preconceito que soa, é como dizer VADIA, aí parece que todas são. Ou VAGABUNDO, de novo generalizando.

      A analogia com o HIV+ é apenas no sentido figurativo, porque ainda não cura e sim tratamento.
      Tal como para o TPB, os raríssimos casos que aderem ao tratamento e tem condições para tal. Afinal eu acredito que seja muito caro ser border no Brasil em todos os aspectos.

      Eu sempre quando escrevo, ao final bate uma tristeza, uma angústia. Mas tenho que trabalhar isto comigo mesmo, na terapia, pra não carregar nos ombros a frustração, primeiro de amar a pessoa acometida por tal transtorno. E ainda nos dias atuais não acreditar que essa pessoa não possui a capacidade de amar de verdade.

      Um dos pontos que debati com a colega border aqui nesse canal. Pode até ser como ela escreveu, que eles na verdade NÃO SAIBAM AMAR. Ela afirma que já amou e pode afirmar isto.

      E como diz o velho ditado: “Gato escaldado tem medo de água fria” (s.i.c.). Eu tenho cá minhas ressalvas. Porque na pele e no concreto o que vivenciamos diariamente quando exposto ao ciclo do alvo da minha co-dependência é sempre a mesma coisa: 8 ou 80, preto ou branco, não existe meio termo. É pau é pedra…

      Parafraseando o poeta meu xará:

      “AMEI CERTO as pessoas erradas.
      AMEI ERRADO as pessoas certas.
      Nunca fui bom em amar e ser amado.
      Amor parece coisa de PROFISSIONAIS.
      E não para AMADORES como eu.”

      Poeta Sérgio Vaz.

      1. noborderman, sera que poderia contatar vc? atraves de-mail, facebook, ou algo do tipo?? gostaria muito de tirar algumas duvidas, nao sei o que faço!!! Mas Muito obrigado desde ja.

      • nobordeman em 02/04/2016 às 18:49
      • Responder

      Blz Marina. Fique em paz. Só por hoje estou tentando manter a serenidade. Abs bom 2016 pra ti e família. Vc. é guerreira, deve amar e muito. Sei o que passamos sinto isso na pele. Parece mimi de mangina, mas é a real. Não surtamos, muitos nesse espaço dizem que seria como cortar da própria carne. A nossa auto-mutilação é mental. Eles nos sugam. Não há amor que resista.

      1. Olá nobordeman, como vc está? eu estou caminhando, engordei mas 2 kilinhos e meditando muito. Espero que vc esteja bem.

          • noborderman em 03/09/2016 às 16:49
          • Responder

          Tudo em paz! Graças a Deus! Que bom que vc está tocando a sua vida! Boa Sorte! Fique bem hj e sempre! Só por hoje tentando manter a minha serenidade e sobriedade.

  4. Boa Noite!
    Entrei no fórum por indicação de uma amiga que se considera border..
    Conversamos muito ultimamente sobre tal diagnostico e sobre provável com uma pessoa que me relaciono ha 1 ano.
    O conheci ainda quando era casada, como um cliente (soa como prostituta, mas prestava serviços a ele).. Conheci sua ex mulher, minha interação maior era com ela. Eles se separam e ele se tornou um amigo próximo. Sempre muito envolvente em seus comentários e conversas que eram longas durante os atendimentos.

    Meu casamento estava falido.. 9 anos entre namoro e casamento com uma filha de 1 ano. Ele me deu a atenção que eu precisava.. Me envolveu com sua historia dura de vida, além dos conselhos práticos e sensatos sobre a vida num geral.

    Por iniciativa minha, saímos. Foi exclusivamente sexo por aproximadamente 6 meses.. Eu tinha um certo apego, mas sempre consegui controlar.. A relação pessoal era bem fria nos momentos “certos”, o sexo sempre excelente, quente, inigualável.. Quando se tratava de “nós” eramos bem práticos. Eu ja havia me separado,mas as coisas eram claras entre a gente. Não queríamos romance, apesar de sempre esperar pela próxima vez! Ele nunca escondeu ter outras relações (que não sei se eram todas reais), eu tinha, mas não vomitava isso para ele, como fez algumas vezes para ver se despertava algo em mim. Por mais que me incomodasse, a minha psicopatia em demostrar que não me importava era maior!!

    Tínhamos o mesmo terapeuta (por indicação dele, aliás), que sabia de toda a historia, mas não sabia que era ele. O dia que falei quem era, o terapeuta me disse que era para eu sair fora e me contou alguns fatos sobre o relacionamento anterior dele (ética???),mas segundo o terapeuta ele é um psicopata, não border..

    Ele é manipulador, sedutor, mentiroso, mas muito consciente das coisas que faz.

    Em julho ele me propôs uma relação mais seria, mas sem títulos.. Ate porque minha separação era recente (3 meses) e eu não queria me expor.. Não disse sim, mas nos víamos praticamente todo dia, finais de semana juntos.. Quanto mais nos envolvíamos e ele se apaixonava, tentando me envolver em sua teia (eu caindo ou não), mais ele me rechaçava nos momentos em que eu mais precisava..

    Eu estava com suspeita de um tumor hipofisário e tinha acabado de descobrir um problema cardiológico congênito que precisava de cirurgia.. Naquele momento eu só precisava de colo e o minimo de atenção, por mais racional que sempre fui e sabia que não era nada serio, eu estava fragilizada.. Liguei para ele numa noite chorando falando sobre as dificuldades familiares com o ex infantil, filha, negócios, saúde..(ele sempre soube de TUDO da minha vida) Eu não queria palavras.. EU QUERIA COLO! E ele simplesmente foi o mais grosso do mundo!! Nos meu momentos frágeis (não sou tanto), ele era o pior! Parecia sentir prazer em me ver sofrer.. Gosta de me ver bem, forte.. Não como uma pessoa normal.. Não sei definir bem esse tipo de relação.. Ele sabe usar o poder sedutor, a simpatia e o dinheiro para conquistar.. Só que eu tenho consciência disso (acho!) e não cedo sempre aos seus caprichos.

    Quando li sobre borderline.. ERA DESCRIÇÃO DELE!! Mas ficou uma duvida.. as pessoas que tem esse transtorno, expõe essas mazelas a quem teoricamente gostam? Pedem ajuda nessas fraquezas??

    Tivemos uma briga recente por motivos fúteis. Ele estava me ajudando no meu estabelecimento comercial, com um afazer paralelo. Ele começou a me provocar, me irritar ao extremo.. Coloquei ele e um funcionário dele aos berros para fora. Foi a primeira vez que de fato explodi.. As outras vezes foram brandas.. Ficamos quase 6 semanas sem nos ver, ate que ele começou a me procurar aos poucos, a me envolver devagar.. Eu estava decidida a não voltar atras!!! Sei o quanto me faz mal! O quanto me intoxica!! Mas no dia 24/12 ele veio aqui em casa com presentes (eu tb havia comprado para ele) e conversamos muito.. Foi ai que surgiu minha duvida sobre o MEU diagnostico border sobre ele. Ele se fragilizou, se expôs, falou dos transtornos, se humilhou! Disse que no dia da briga no meu trabalho, era o pior dele, que ele tinha consciência de que me irritaria e me levaria ate o limite, ate eu fazer o que fiz!! Pq??? Por que fez e por que me contou isso se expondo??? E eu pateticamente cai novamente (ou não tão pateticamente)..Ele está me tratando como namorada.. Dando satisfações de cada passo.. E eu ridiculamente me relacionando com outras pessoas por redes sociais e ate pessoalmente.. Quem é mais louco??? Temos muitas idiossincrasias.. Será border uma delas? Sou manipuladora ou dissimulada tb, mas fria.. acho.. Me sinto perdida nas minhas loucuras e nas dele.. Finjo tanto para mim e quanto para ele.. Me sinto perdida..

    1. Paula vc tem o que merece , olhe para sua vida é um homem atras de outro se não é border é vadia.

      1. Boa Tarde, Nicolai!
        Sempre que postamos algo em algum fórum, seja por desabafo ou para expressar opiniões, estamos a merce de julgamentos. Mas me surpreendi com a superficialidade de seu comentário pelo nível intelectual das explanações aqui postadas.
        Em tudo na vida devemos refletir e avaliar.. Essa traição a qual me referi foi a primeira e única em toda minha vida (traição pelo conceito social, de consumação do fato, traição sexual. Para mim, trair é muito mais que sexo.. mas esse não é o foco!)
        Quando disse que me relacionava virtual e fisicamente (releia!!), não disse de forma sexual. Eu me relaciono fisicamente com inúmeras pessoas – meus familiares, atendentes, funcionários – e virtualmente (com vc tb!! Acredita? rs) Você não??? Vive em um mundo isolado??? Sei que muitas vezes o impeto da raiva, da discordância, nos faz agir sem pensar.. Todos somos assim! Não se frustre!!
        Espero poder trocar experiencias construtivas , discutir e discordar sem ofensas! Ninguém é perfeito e buscamos evoluir sempre!!! Ponderar e refletir!

        Boa tarde a todos!

        1. Paula só tenho que que te pedir desculpa , pelo julgamento errado ,que tu eras mais uma border com discurso barato ,mas por sua resposta vejo que me enganei. uma borderlouca jamais responderia tão educadamente a uma provocação grosseira que te fiz. . Não tenho esse dirito ,reconheço mesmo que fosse border. Eu luto diariamente para resistir ás sequelas deixadas por minha ex esposa border.

          Fique com Deus

            • Paula em 01/11/2016 às 15:01

            Desculpas aceitas!
            Somos impulsivos as vezes e rechaçamos aquilo que discordamos.. Todos nós vivemos com mascaras sociais e esse anonimato da internet as vezes nós permite sermos verdadeiros.. e mesmo assim, temos o hábito de mentir e criar historias para nós proteger. Aos poucos fui aprendendo a não ter tanto medo da verdade e a assumir o que realmente sinto. Acho q assim fica mais facil lidar com as instabilidades dos outros.. Vc começa a analisar mais friamente o que de fato pode acontecer e fica mais fácil tomar decisões! Eu estou vivendo um dia de cada vez! Pensando no melhor, mas sempre preparada para o pior!!!

  5. Oi gente. Voltei 🙂
    Meu último comentário foi falando que eu havia terminado com o border, que ia me mudar para outra cidade, outro estado. E assim o fiz! Hoje estou morando bem longe de onde nasci, de onde conheci o border. Estou namorando outra pessoa há 4 meses. Estou incrivelmente feliz! Achei uma pessoa que é totalmente o contrário de tudo que sempre me fez mal. Finalmente!
    Não desistam! Vocês têm o poder da mudança em suas vidas! Eu consegui e vocês também podem! Deixei todo o sofrimento para trás e hoje estou vivendo tudo que sempre quis! Sem pressão, sem agressividade, sem raiva, sem medo, sem agonia, sem drama! Apenas carinho, alegria, bom humor, responsabilidade, maturidade, lealdade, cumplicidade! Estou nas nuvens!

    Beijos galera!!

    • noborderman em 12/18/2015 às 18:59
    • Responder

    Enfim após muitas correspondências pela internet, consultas a amigos, reflexões, consultas espiritualizadas, aconselhamentos, busca a profissionais renomados e amigos, etc, etc.

    O que posso chegar à conclusão neste final do corrente ano… É que infelizmente eu adoeci como já comentei uma frase de um psiquiatra: “Isso seria a AIDS da psiquiatria”.

    Também li no blog: “Seria como vc transar com uma pessoa HIV+ sem preservativo, vc vai gozar? Vai mas o risco é alto de se contaminar”.

    Analogias pejorativas? Esgoto Humano? Abusadores? Loucos(as)? Bordeloucas(os)?

    Definitivamente eu adoeci, não imaginava que nesse momento da minha vida eu passaria por tal situação. Mas me sinto como se eu tivesse que conviver com a ausência de uma pessoa querida ou ouso falar AMADA, mas que nunca me amou com intensidade similar, pois ela é desprovida dessa capacidade devido a sua psicopatologia.

    E esta ausência não é uma simples ausência como todos(as) já passaram em algum momento da vida e se arrependeram ou sentiram alívio ao terminarem algum ciclo, algum relacionamento.

    E estou me ausentando de uma pessoa com uma doença incurável, intratável e tudo que existe de atual para essa doença é meramente paliativo. Psicofarmacologicamente falando e no tocante a viver isto idem também.

    A não ser que o meu lado suicida prevaleça e eu queira em nome desse comportamento e estilo de vida doentia abdicar de toda a parcela de vida que ainda me resta, para ficar ao lado de uma pessoa com este grau de comprometimento.

    Hoje dia 18 de dezembro de 2015, estou definitivamente deletando toda e qualquer possibilidade, devaneios, resquícios ou qualquer coisa semelhante à ideia de reaproximação desse universo doentio que compõe a história de quem insiste em ficar próximo de uma pessoa acometida pelo Transtorno de Personalidade Borderline ou Limítrofe.

    Obrigado a todos e todas que compartilharam via internet dessa saga. Vamos manter contato. Acredito que o Poder Superior escute as nossas preces e esta energia é condensada e canalizada para o nosso bem, para a nossa CURA.

    Porque infelizmente o ser humano por quem nos apaixonamos não pode se safar da condição em que o mesmo se encontra, independentemente dele ter chegado a esta situação devido ao ambiente familiar, abusos das mais variadas formas, componentes genéticos ou qualquer coisa que o valha.

    Precisamos nos amar e nos cuidarmos.

    Fiquem bem, boas festas e um excelente novo ano para todos e todas.

    Sérgio (nobordeman)

      • Yasmim Santos em 12/30/2015 às 2:24
      • Responder

      Infelizmente, eu sou uma borderline… Tenho três síndromes diagnosticadas (“Transtorno Obssessivo Compulsivo”, “Transtorno de Dependência” e “Transtorno de Personalidade Limítrofe ou Borderline”). E transito entre as 3 síndromes, sendo predominantemente Borderline…
      Quando li a descrição num site sobre o TPB chorei uma noite inteira…
      Parecia que alguém me descrevia ali…
      Gostaria de dizer que há esperança em relação ao meu comportamento tóxico com os parceiros… Eu me equilibrei mais quando começei a fazer psicoterapia, rezar com frequência e ir a Igreja também (mas na realidade o que estou fazendo é aplicando os ensinamentos de Jesus Cristo em minha vida – não é a “Igreja” ou a “reza”, é a “filosofia de Jesus Cristo”. Assim pude controlar mais minhas emoções. Entender melhor o lado do outro. Pensar antes de agir… Respeitar a escolha do outro. Dar a outra face. Não alimentar minha ira. Meu ego. Minha arrogância.
      Mas, infelizmente, volto e recaio nos mesmos erros, vez ou outra. Parece mais forte que eu.. Eu sei que sou o meu maior problema.
      Enlouqueci a vida de alguns ex-namorados e do meu ex-marido (minha última “vítima”). E muitos deles disseram ter me deixado ainda me amando…
      Mas não aguentavam mais meu comportamento agressivo, obsessivo, rancoroso, raivoso, vitimizador, suicida, perseguidor, acusatório, frio, mau-humorado, instável… Confortado pelos momentos de sedução, presentes, carinhos, ajuda emocional, (sempre fazia com que se lembrassem porque os conquistei). Sou muito boa com as palavras e com a cama… Mas não gosto de críticas negativas. Prefiro quem sabe lidar com minha “infantilidade” com “reforço positivo” (como “adestrar um(a) borderline”, diria eu…Rsrsrs). Quando nos sentimos amados e admirados funcionamos melhor… As críticas negativas nos afundam no poço da ira, choro, vitimização, frustação e depressão.
      Em todos os términos de relacionamento eu queria puni-los por “não serem quem eu queria que eles fossem” (sempre tive esse lado vingativo aflorado).
      Antes, quando não me sentia satisfeita, os ignorava na convivência a dois (variando entre temperamento frio-morno… e quente só quando os julgava merecedores). Mas após o término eu virava uma louca perseguidora depressiva a raivosa… Na último término, com meu ex-marido, eu chorei por 30 dias seguidos… Ficamos por 4 anos juntos. Os 2 primeiros anos foram bem “felizes” e “intensos”. De muita cumplicidade e parceria. Tivemos nossas diferenças mas conseguimos resolver numa boa.
      Mas quando acabou fiz com que ele se sentisse o “pior dos homens” por te me deixado. Mas ele continuava cedendo as minhas investidas e começamos a ter o melhor sexo da nossa relação!!! Já são 15 meses nessa gangorra emocional pós-término. Um sexo até melhor do que os 3 primeiros meses de namoro…
      Mas eu sempre alimentava a esperança de voltar… Mas nunca melhorava meus rompantes de ira pós conquista. Pois queria voltar pra ontem e ele não. Eu me sentia usada sexualmente e o detonava… Eu o agredia verbalmente e já até o agredi fisicamente (por 3 vezes após o término). Inclusive na última agressão eu o enfrentei em frente ao seu trabalho. O expus ao
      ridículo na frente da empresa inteira. Dei um show… Com direito a gritos e xingamentos… Puxões e arranhões. Eu o envergonhei de verdade. Quando ele ameaçou me processar nesse dia, ameacei me suicidar (e era verdade, pois eu pensava muito nisso após o término).
      Mesmo depois de tudo isso (faz 15 meses que terminamos) ele ainda sucumbe as minhas investidas… Parece realmente dependente de mim emocionalmente e/ou sexualmente. Ele diz que se preocupa comigo e que tem medo que eu faça alguma besteira (suicídio).
      Ele ainda se preocupa comigo… Mesmo depois de tudo que eu fiz. Agressões verbais graves… Injúrias, calúnias e difamações. Danos materiais. Danos morais. Como ele aguentou isso? Ou como ele ainda sente falta? Como conseguiu me perdoar? Nem eu sei… Eu mesma não me aguento ou me perdoo por tanto destempero ou ira contra a pessoa que mais amei na minha vida… Eu perdi meu melhor amigo… Sempre digo que “Quando sou boa, sou boa. Mas quando sou ruim, sou ótima!”… Cheguei até a arranhar o carro dele por ter visto uma foto dele com outra pessoa na rede social. Enlouqueci. Liguei 100 vezes pro celular dele naquela noite. Compulsivamente. Ele já descobriu que fui eu, mas mesmo assim não aceitou que eu pagasse o conserto do carro… Quando terminamos queria que ele visse o quanto me devastou… Fazia questão de acusá-lo de me fazer ficar triste, de me abandonar, de me trair, de me “matar em vida”… Ligava chorando dia, noite e madrugada. Não conseguia ver a vida sem ele. Ainda não consigo… Sinto falta dele todo dia. Sonho com ele praticamente toda noite desde o término…
      Mas sei que o melhor a fazer para mantê-lo seguro é ficar longe dele. Sempre prometia melhorar quando estava numa relação a dois mas não adiantava.
      Meu ciclo era: conquistar com o meu melhor (sexo quente, comidinhas prediletas, massagens e cuidados, presentes materiais, carinho e atenção, sedução absoluta), depois de ganhar
      a batalha “emocional” da conquista eu começava a mostrar meu lado borderline. Como se tivesse os testando pra ver se eles seriam capazes de amar o “pior em mim”.
      Mas ninguém é obrigado a aguentar a carga emocional de ter que ser responsável pela felicidade do outro “sendo aquilo que o outro quer que você seja”, como um fantoche, e não você mesmo. Essa é minha conclusão. Não sei se sirvo pra relacionamentos. Talvez
      eu maltrate quem me demonstra sentir Amor (inconscientemente). Não posso ver a causa “ganha”… Gosto de achar sempre que preciso estar conquistando. Senão corro o risco de ficar autoritária e “reclamona”. E fria. E chata. Quando o meu mau tratamento crônico é rechaçado com o término (“Valeu, te amo mas não aguento mais essa loucura” – eles caem em si, que o relacionamento afundou, acabou).. eu simplesmente enlouqueço. Nâo sei lidar com a rejeição, o abandono.
      Estou trabalhando muito pra melhorar minha vida. Mas não é fácil quando você mesma é a sua maior inimiga.
      E discordo quando dizem que nós, os borderlines “não amamos”… Nós não “sabemos amar”, mas “sentimos amor” e “pensamos amar” o outro… Sei que é um Amor completamente distorcido, com a projeção de expectativas irreais em cima de um ser, bem menos imperfeito que nós, os borderlines. Meu ex-marido já me disse uma vez: “isso o que você sente por mim não é Amor, é posse, é obsessão. Eu sim te amei e te amo pois me preocupo com você e quero te ver bem. Sei que não damos mais certo mas só deixei de te amar 3 meses após o término. Mas você enlouqueceu.” Ele diz que até pensava em voltar mas eu não melhorava, ficava entre a “mulher maravilhosa” pela qual ele se apaixonou e “mulher raivosa” do qual ele queria distância. Eu sei que sou Passional (ou diria, imatura). Sofro muito por ser assim…
      Boa sorte a vocês co-dependentes. Eu admiro a coragem de exporem tão verdadeiramente suas histórias.
      Pensei muito nas minhas atitudes ao ler tudo isso e como essas atitudes afetam a vida do(s) cuidador(es)-eleito(s) ou do(s) co-dependente(s), desde então tenho me controlado bem mais (pois entendo o impacto que ser assim causa na vida de outros pessoas e na minha vida também). Não desistam de nós, bordelines, eu não desisti de ser uma pessoa melhor… Ou mesmo do Amor.

        • noborderman em 01/04/2016 às 18:53
        • Responder

        Olha não tô querendo te por no colo (no bom sentido) ou elogiar o seu desabafo. Mas muito raro border com todo esse grau de consciência???, Aliás alto grau daquele remédinho básico o SITOCOL que deveria ser tomado em doses cavalares.
        Olha se vc. leu os desabafos desse canal, muito provavelmente deve ter se deparado com a minha novela mexicana. E tudo que amarguei ao insistir nessa relação doentia.
        Devorei literaturas, me frustei, por ser profissional da área da saúde mental e perceber que não há como ajudar. Existem momentos de trégua. Não é à toa o título do livro “Pisando em ovos”. E tem um recorte desse livro que o marido ou ex-marido sei lá? Diz que ele havia decidido ficar com a esposa, independentemente do que ela viesse a fazer, jamais a abandonaria, foi então que ele percebeu que havia abandonado a si próprio.
        Yasmim Santos parabéns pela sua coragem e pelo relato. Mas qualquer um desse forum, notaria que absolutamente todos os seus citados relacionamentos, seguiram o mesmo roteiro.
        Border tem isso de ser o APAIXONANTE, conquista, nós os que sofremos como APAIXONADOS pensamos ter ganho na Mega da Virada. Mas depois ao nos aprofundarmos nesse tsunami, vemos que estamos colocando a nossa vida e a de inocentes em risco.
        Me perdoe, mas o que penso hoje é que está pau a pau com os psicopatas.
        A diferença que a manipulação border ocorre para vampirizar a energia positiva do objeto afetivo da vez.
        Se moldam, adequam-se à vida alheia. Psicanaliticamente falando, fica fácil de entender.
        Só usam predominantemente o hemisfério direito do SNC, não possuem SELF e identidade.
        Pressupostos genéticos apontam para anomalias de hipodesenvolvimento de áreas cerebrais.
        A adaptação ao meio sempre danosa, com histórias permeadas de abandono de figura parentais, maus tratos, abusos dos mais variados, etc…etc.
        Enfim…No meu caso foi um mix de tudo isso. Mas por exemplo eu conheci uma mulher pela qual me apaixonei e soube na época, conversando com o pai dela que era meu amigo, que a mesma havia sofrido violência sexual após um assalto. Ela era bem jovem na época, foram tomadas todas as medidas cabíveis, principalmente ao risco de contágio por HIV e/ou outras DST. Hoje ela está casada, tem filhos e toca a vida.
        Já no meu caso, a border não aceita tratamento, o problema sempre está no mundo exterior, ela que não teve sorte nos relacionamento nas palavras da mesma.
        Família disfuncional, mas presente, unida. Mas tudo muito extremado, com parentes alcoolistas, mãe depressiva, etc, etc.
        Infelizmente assumo na condição de ex-otário e ex-escravoceta que fui me envolver com esta mulher e para o meu azar cai no pecado de amá-la.

        “Pensei muito nas minhas atitudes ao ler tudo isso e como essas atitudes afetam a vida do(s) cuidador(es)-eleito(s) ou do(s) co-dependente(s), desde então tenho me controlado bem mais (pois entendo o impacto que ser assim causa na vida de outros pessoas e na minha vida também). Não desistam de nós, bordelines, eu não desisti de ser uma pessoa melhor… Ou mesmo do Amor.”

        Vou parar por aqui para não ficar um imenso texto. Recortei a frase que vc. encerra o teu desabafo propositalmente. Realmente vocês podem até amar? Só o fazem de maneira inadequada ou desprovida de conhecimento, realidade, sei lá.

        Mas é complicado vc ficar casando, se relacionando, terminando e voltando inúmeras vezes. E como diz o antigo ditado: “Perceber que para aumentar ainda mais a sua dor, que aquela pessoa era tudo aquilo que vc desconfiava e alguns até te alertaram” (s.i.c.).

        Vivemos num mundo hoje que essas mídias sociais são um verdadeiro sexy-dellivery.
        Tem promiscuidade real e virtual. Sempre acreditava que nos momentos em que eu jogava a toalha e terminava, a minha amada já estaria exercendo seus dotes de cama, como vc bem colocou no seu texto, mas com outro(a) ou outros(as) parceiros (as).

        Era doído e difícil para nós codependentes atingirmos o desligamento emocional. Mas o border, no caso da minha adorável border, como ela costumava dizer: “A fila dela não anda, voa!”.

        Sei também que casamento hoje é uma falência total. Mas como uma criatura dessas pensa em ser mãe? Em manter uma família?

        Não suportariam. Eu convivi doentiamente com a mãe do meu filho. Tinha dias que eu beirei a loucura e quase ia pra cima, por tanto tormento e coisas que essa mulher me fez passar.

        Mas ela não era border. Eu jamais imaginaria que me depararia com algo desta magnitude!!!

        A minha por ser muito jovem e bela. Quando tomava alguma medicação tomava de forma irregular. Tinha problema em tudo do fio de cabelo a unha do pé e de depressão à bulimia e ansiedade. Mas nunca admitiu minimamente os traços border. Antes que vc me pergunte se ela foi diagnostica por mim?

        De certa forma sim. Ao longo de 24 meses eu fui juntando peças de um enigmático quebra-cabeças. E bingo!!!!

        DSM V + CID10 + muita…mas muita literatura em português, alemão, francês e inglês.

        Absolutamente fechava com todos sinais e sintomas indicativos de um caso clássico de TPB.

        E hoje eu procurei ajuda médica, psicológica e frequento um grupo de codependentes.

        O texto do Paul Elam é de Janeiro de 2012…lá se vão 4 anos. E continua atual. Porque nada absolutamente nada mudará nesse campo.

        Confio no poder de mutação e de resiliência de todos os seres humanos. Mas com border o buraco é mais embaixo.

        Insistir e não desistir da pessoa, fatalmente me aniquilaria. Pra quê? Deixar uma pensão ou um legado para a minha doce amada (não é ironia). Correr o risco de 75% do ponto de vista genético de colocar mais um border no mundo.

        Tenho minimamente uma pessoa que depende do pai, mesmo sendo pai separado. A mãe do meu filho pode me rotular de qualquer coisa, menos de que não exerço a paternidade.
        Diferentemente de muitos homens eu brigo para ampliar o contato.

        Aí eu me permito viver essa montanha-russa com a pessoa amada e me lasco de verde-amarelo.

        É vela, velório e caixão. A border? Ah a border já tá ciclando novamente e como vc mesma disse exercendo o poder da conquista.

        A minha era e sempre será bem seletiva. Dos namorados que vi imagens eu sou o mais feinho kkkk. Até porque eu sou bem mais velho que ela.

        Mas ao mergulhar na literatura ficou claro o que me veio à mente logo na primeira noite: “essa garota busca um pai!”. É evidente que este incesto ela negaria veementemente.

        Mas nós não borders somos meros CUIDADORES, alisadores de costas e massagistas.

        A moeda de troca? Um sexo bom. E olha que após alguns relatos, desconfio se não seria teatro?

        Resumindo todo ser humano por si só já é demasiadamente complicado e difícil de se lidar no transcorrer de todas as mazelas diárias.

        Mas a pessoa com TPB não tem como lidar. Dói na carne admitir que terminamos ainda amando. Mas insistir é quebrar a cara literalmente.

        O nosso DESISTIR é terapêutico apenas para nós, para o border é a certidão sacramentada que não demos conta e que o problema estava em quem passou por inúmeros abusos, muitas vezes mendigando migalhas. Mas para o border é sempre o contrário, eles sim foram vitimizados.

        Bom Yasmim mais uma vez parabéns pelo seu desabafo. Eu já me deixei empolgar até com um novo tratamento, onde um cara falava numa página do FB que no caso dele havia surtido um baita efeito. Me fugiu o nome agora, só sei que é caro.

        Seria uma espécie de ECT (Eletroconvulsoterapia)…são ondas, descarga elétrica que agem em áreas do cérebro responsáveis pela impulsividade e demais distúrbios.

        Mas não acredito que a melhora seja duradoura. Dirigir embriagado poderia me levar à morte ou à cadeia. Assim como atropelar inocentes, danificar outros veículos ou bens, se eu invadisse uma casa com um caminhão por exemplo.

        O border é isso. Um veículo sem freio. Não sei o seu caso. Mas a grande maioria devido a esta busca do EU, a dolorosa convivência com o VAZIO EXISTENCIAL, fazem com que não permaneçam em empregos, não cursem uma universidade e o que já e de conhecimento de todos(as) sempre terão desgastantes problemas em suas relações interpessoais, de modo especial com as pessoas que mantenham relacionamentos mais íntimos e duradouros.

        Você não foi usada. Muito provavelmente ele ainda te amava ou até ainda te ama, se ele não encontrou outra pessoa. O problema era que ele estava com o pé atrás e tentou aproveitar o máximo dos momentos em que parecia reinar alguma serenidade, entrega, paixão.

        Sabe aquele outro velho ditado: “Gato escaldado tem medo de água fria”.

        O companheiro do border, quando saca o que está passando, fica sempre a espera de mais um surto, um barraco ou qualquer coisa que o valha.

        Triste…muito triste esse TPB.

        Fique bem! Não desista de você.

        1. Muito bom seu depoimnto,tenho que elogiar grande conhecedor do universo border!

      • Homem sem fronteiras (no border man?) em 04/01/2016 às 23:08
      • Responder

      “Hoje dia 18 de dezembro de 2015, estou definitivamente deletando toda e qualquer possibilidade, devaneios, resquícios ou qualquer coisa semelhante à ideia de reaproximação desse universo doentio”

      Bem, noborderman, por uma dessas estranhas coincidencias da vida, foi nesse dia exato em que me livrei da border na minha vida. Fomos nesse dia ate a corte e ali mesmo assinamos os papeis de divorcio, na presenca de minha advogada. E como havia um historico forte de violencia domestica (eu sendo a vitima, o que espero equilibre a balanca a favor dos homens), a partir dessa data a border que me aterrorizava ha 2 anos teve que se manter longe por forca e medo da lei. Pois nesse periodo tive que chamar a policia varias vezes, e ela foi primeiro internada contra a vontade, e numa outra levada para a cadeia.

      Fiz tudo para ajuda-la, apesar de nunca ser reconhecido. Por meses a levei a dois psicologos toda semana, e a psiquiatra tambem, num programa integrado de recuperacao para evitar as violencias fisicas. Ela estava ate motivada, ou na verdade intimidada, pois mais um episodio e voltaria para a cadeia por ao menos um ano. A pressao externa funcionou, mas dai ela comecou o abuso emocional, com as mentiras infinitas sobre assuntos importantes ou triviais, num esforco constante de me manipular os sentimentos e de exercer controle no relacionamneto. Tive que contratar detetive e advogado, e praticamente dedicar minha vida para lidar com a barragem de mentiras e discernir o que tinha fundamento ou nao.

      Ate que me convenci da verdade, que uma pessoa que me trate assim obviamente nao me ama. Quem ama nao tortura, nao o mantem acordado por dias na cama olhando para o teto, por causa de mentiras que atingem as esperancas mais profundas da alma.

      Confesso que nao foi, e nao esta sendo nada facil viver sem ela, pois eu a amava e ainda amo muito. Mas havia tentado de tudo, me consumi emocionalmente e fisicamente para melhorar a situacao e nao havia jeito mesmo. Eu a amo, mas simplesmente nao posso aceitar esse nivel de abuso e agressao na minha vida.

      E ela tem tantas qualidades que eu gosto… nao vou enumera-las aqui, pois sao muitas. E de ruim, nem tem os vicios “externos” ao relacionamemto, como drogas, bebidas, homens, comida, compras, etc. Pelo contrario, era uma otima dona de casa, mulher e madastra. O unico problema eram os abusos seriissimos contra mim, fossem eles morais, emocionais, ou fisicos. Infelizmente em dois anos ela me danificou permanentemente, com sequelas (fisicas, ao menos) que vao me acompanhar ate a morte.

      E percebo que vou querer ficar um bom tempo sozinho, para me recuperar emocionalmente. Estou em terapia, no comeco com dois psicologos toda semana, agora um somente.

      Ela tenta desesperadamente voltar para casa, para mim, ao ponto que tive que cortar todo contato para conseguir viver e respirar um pouco.

      Como se percebe da minha narrativa torturada, nao esta sendo facil desistir dela, do sonho de uma vida em comum. Mas preciso. Para o meu bem, e da minha prole, que estava exposta a esse ambiente.

      Agora estou em paz, mas nao feliz.

        • Homem sem fronteiras (no border man?) em 04/01/2016 às 23:35
        • Responder

        OFERECO UMA CONTRIBUICAO, que talvez ajude algum leitores em duvida acerca de suas vidas com um border. Certamente me ajudou muito.

        Reconhecamos primeiro que um diagnostico “border” nao se trata de um absoluto, do tipo tudo ou nada. Pelo contrario, alguns sao quaaaase normais, outros sao de internar e jogar a chave fora. E aqui esta como descobrir qual a situacao do “seu/sua” border.

        Se trata de uma avaliacao da gravidade do estado de um borderline, um teste rapido e facil criado e usado por um dos pequisadores de borderlines atuais mais reconhecidos nos EUA. Responda honestamente:

        1-Quao independente se mostra o borderline? Sera ele ou ela capaz de trabalhar, se manter, se sustentar por conta propria, sem ajuda de outros?

        2-Quao empatico se mostra o borderline? Tem ela ou ela a capacidade de modular e frear o seu comportamento agressivo, em resposta a respostas imediatas dos que a cercam? Sabe parar de ofender, e pede desculpa, ao perceber o dano que fez?

        Quanto mais enfatico o seu “NAO!” a essas duas perguntinhas, menos chance existe de voces terem qualquer convivio que se pareca normal. Pois mais acentuadas serao as tendencias border no seu parceiro ou parceira.

        Caso esse seja o seu caso, saia enquanto voce ainda tem forcas.

        Entenda e ACEITE que ha um dano severo e permanente no cerebro dela, e que voce nao tem como salva-la. Nem que ela implore a voce, pois voce simplesmente nao tem a capacidade de ajuda-la. Desista de tentar – a nao ser que voce, por acaso enorme, seja um deus milagroso, com capacidade sobrenatural de modificar a estrutura malformada do cerebro dela sem cirurgia. Mas se voce realmente acredita nisso, bem meu amigo, entao seu problema esta mais embaixo.

        Boa sorte de um modo ou de outro.

    • noborderman em 12/18/2015 às 14:01
    • Responder

    Adalberto tudo em paz?

    1. Olá boa tarde , feliz natal ,um ano novo com muita paz e alegria à todos, que o ano que vêm nos reabasteça ,ao menos em parte, do amor que empregamos às borders. Estou bem, mas espero que você Sérgio e todos que estão lendo isso estejam melhores que eu. É uma época complicada, onde a mídia e tudo ao redor nos mostra a beleza e as recompensas em se cuidar do outro, em fazer algo para o outro, mas isso para quem se entregou ou se entrega, lutou ou está lutando para ajudar uma companheira(o) border deveria ser resignificado nos seguintes termos: Dê um presente de natal para você mesmo, cuide de você mesmo, que esse amor interno que é capaz de amar até quem lhe agride e diz te odiar seja convertido em um amor próprio. A frase já comentada aqui do livro pare de pisar em ovos: ” eu estava determinado a não abandoná-la, não importa o que ela fizesse, um dia percebi que ao invés disso tinha abandonado a mim” se encaixa perfeitamente. A minha ex q é border ainda me procura, de vez em quando ela machuca aquele corpo de mente doentia que por mais de 6 anos tentei cuidar da melhor forma possível, até que me vi incapaz de cuidar dela por desenvolver uma depressão profunda e uma espécie de co-dependência. (detalhe, ela me procura e pede desculpa por tudo, por detalhes bobos, mas nem menciona as agressões verbais e físicas) Mesmo individado, penso em mudar de cidade, talvez faça isso ano que vêm. ( Para Sérgio e todos demais se quiserem se comunicar por e-mail: surgenovavida@gmail.com)

      Grande abraço à todos

        • noborderman em 01/05/2016 às 18:19
        • Responder

        Cara te enviei e-mais voltou alegando caixa cheia vc recebeu?

        1. Bom dia Sérgio, poxa que mancada a minha, meu e-mail correto é surgevidanova@gmail.com Nossa cada vez que entro nesse post percebo o quanto complexo é esse tipo de relação border e cuidador ou ex-cuidadores. E muito legal o trecho da poesia do seu chará , o amor às vezes parece coisa para profissionais não para amadores mesmo, visto que o amor, na minha opinião, é tão bom quanto a saúde psíquica de quem o sente. Grande abraço Sérgio, muita força , muito amor próprio e tudo de bom para você e para todos(as). Um dos meus mais sinceros e fortes desejos é de que cada vez mais a psicologia e a psiquiatria avancem nos seus métodos e em suas pesquisas para ajudar borders , cuidadores e quem ,como eu, já passou ,de maneira tão intensa, pela vida de uma pessoa com esse transtorno. Feliz 2016. Grande abraço

            • noborderman em 01/07/2016 às 13:45

            Valeu amigo! Pra ti também! Irei reenviar o e-mail com o artigo de 3 páginas. Abs

    • noborderman em 12/18/2015 às 13:58
    • Responder

    Ana Lu obrigado por tudo!

  6. Ola pessoal,
    Gostaria somente de relatar que apesar de não estar participando diretamente do fórum, estou sempre acompanhando e lendo os relatos de vocês, que são de suma importância para a superação ao dano causado por uma borderlouca(o).

    Ainda tenho que acompanhar todas atrocidades e atitudes ridículas da borderline devido a compartilharmos o mesmo ambiente profissional, não queiram passar por isso!!!!

    Dependo muito deste fórum e dos relatos pra me lembrar detalhadamente o quão sofrido é essa vida de cuidador e me manter forte para não cair nas armadilhas sádicas que sou exposto diariamente.

    Muito bom, espero que novas pessoas encontrem este forum e utilizem como base para sair da loucura….Continuem relatando!!!

    Obrigado a todos

      • noborderman em 12/18/2015 às 13:48
      • Responder

      Valeu Hiro fique bem. A minha novela mexicana já foi esmiuçada neste espaço de desabafo. Só quem vivencia esta loucura na própria pele é conhecedor do caos que passamos. São seres humanos sem a “pele” mental. Qualquer coisa é motivo para uma violenta erupção e a gente que é da paz até consegue ignorar, mas chega uma hora que por milímetros não cometemos algum ato insano, tamanha a situação de abuso que passamos ao lado desta psicopatologia. Mas graças a Deus eu diariamente tenho tentado manter a minha serenidade e sobriedade, porque temos que nos apegar aos relatos de quem foi casado, se relacionou, amou, se apaixonou e infelizmente descobriu com quem estava lidando. A minha atualmente está idealizando um playboy. Tenho pena de ambos, mas se esse se aproximou dela ou permitiu a aproximação é chegada a hora dele passar por isso. Eu sou página virada e fico feliz da sequela não ter respingado em inocentes e também não ter que passar por situação como a sua de conviver no mesmo ambiente profissional. Diariamente esperando uma pancada na nuca ou uma rasteira. É amigo coloque a sua situação nas mãos do poder superior, como você o compreender. Entregue para Deus a situação e a vida dela.
      Força e honra irmão. Boas festas!

  7. Oi pessoal as border loucas dão ibop 756 comentarios . É muita gente tendo azar e superando outros que não aparecem mais ou por vergonha de ter voltado ao vicio das(o)bordes ou se libertaram. Um Feliz Natal a todos .

      • noborderman em 12/18/2015 às 13:55
      • Responder

      Boas festas pra ti também amigo! Chegando perto dos 800 comentários. É incontável o número de borders brandos no nosso cotidiano. Se imaginarmos uma população de 200 mil mulheres, aproximadamente estaríamos diariamente cruzando nossos caminhos com cerca de 4000 borders. No açougue, na igreja, no trânsito…Esses transtornos mentais são fruto do caos que se encontra a nossa raça. Eu fui criado no açoite pelos meus pais, mas foi a forma que eles encontraram para me educar na época. Mas graças a Deus isto não me trouxe maiores problemas. Já os borders como disse uma amiga recentemente : “aprendi a não odiá-los devido a sua condição, antes pensava que era mau caratismo, mas não odiar não significa tolerar e suportar, o problema é incurável”.

    • noborderman em 12/15/2015 às 13:45
    • Responder

    Hoje repensando vejo que era exatamente como vc descreve. Ela às vezes soltava: “quer transar, mas tem que ser rapidinho”. Nós somos os apaixonados e eles(as) os apaixonantes. Meu Deus, recentemente eu li um comentário de um psiquiatra: “É a AIDS da psiquiatria”. Sigo inconformado como pude depois de velho cair numa rede dessas. E de quebra ainda correndo o risco de respingar em vítimas inocentes. Acho que devido a nossa índole e caráter, ficamos penalizados com a situação e buscamos entender ou oferecer ajuda. Mas como o Paulo Elam fala no artigo, nada do que tentarmos fazer irá mudar a situação. Muito triste! Um dia quem sabe eu descubra o porque de ter me envolvido com uma linda jovem, encantadora para todos que a vislumbram. Entretanto ao aprofundarmos na relação, logo de cara notamos que estaríamos diante de algo muito pesado e difícil de lidar. A pessoa que casar com um(a) border terá que ter ciência que sua vida acabou. Eu fico imaginando a situação, depois de tanta coisa ruim que ocorreu na minha história. O meu grau de desconfiança só aumentava, não podia ver a pessoa com o celular na mão. Me tornei intolerante, ciumento, manipulador, propus diversas vezes o término da relação, depois sentia inexplicavelmente uma falta da pessoa, e por mais que as coisas ruins estivessem ainda frescas na memória eu sucumbia e reatava. Como um confrade disse aqui num post: “pasmem eu voltava”. Até que um dia ela aceitou o meu pedido de término e até agora estou sem contato algum. Sei que isso se deu ao fato dela já ter um novo brinquedo em mãos. Mas fazer oque? A história se repete, o problema agora não está mais no meu colo. A nova vítima deve estar vivendo o momento da IDEALIZAÇÃO e da descoberta da melhor mulher do mundo, e ela ao mesmo tempo falando que havia desperdiçado a vida anteriormente e agora encontrou alguém a sua altura.
    Obrigado, obrigado, obrigado, obrigado, obrigado ao CANAL DO BÚFALO ao FÓRUM DO DÚFALO e a todos e todas pessoas que assim como eu testemunharam aqui o seu calvário com um(a) borderline. É a única ferramenta que me agarro para dar força e tirar o pensamento da ex-amada borderline. Só por hoje! 24hs de sobriedade.

    1. O cara e incrivel como as border tem reações parecida você escrevendo e eu me vendo que passei por isso quase que exatamente como se fosse a mesma pessoa que convivemos e o estrago e os questionamentos que faço também são semelhantes . como pode ser assim a mente humana ainda tem muitos misterios a ser estudado como o espiritual também.
      Fé em Deus Noborderman .s

        • PaiProfessor em 12/28/2015 às 9:31
        • Responder

        Olá Nicolai.
        Em seu comentário você diz que viveu uma experiência muito parecida com a do colega. Desculpe, a pergunta, mas você se refere sobre o sentimento de desconfiança ?
        Eu vivo problemas parecidos, mas não posso afirmar se a pessoa é borderline. Será que o fato da pessoa ter traços borderline, gera nas vítimas desconfiança ? Pois se nas crises , você é afrontado com situações de mal caratismo da outra parte, logo você pensa, se a pessoal foi tal vil que impede de ser infiel ? Pode ser que seja ciumes da minha parte, mas a desconfiança não é somente sobre infidelidade, mas em questões diversas.
        Outra coisa, o desgaste mental em discussões me deixa exausto, e as vezes me pego pensando será que o problema sou eu ? Mas não posso baixar a guarda senão serei tragado pela outra parte.
        É meu primeiro comentário aqui no blog, desculpe qualquer coisa.

  8. Confrades, escrevo este comentário com um misto de consternação e alívio.
    Vivi durante alguns meses da minha com uma namorada borderline e, como não poderia deixar de ser, fui submetido a constantes intempéries.
    E gostaria de deixar aqui um pouco da minha experiência pessoal para que todos aqueles envolvidos com uma espécime desse nefasto grupo da raça humana CAIA FORA imediatamente:

    1 – A garota, como já foi dito por alguns confrades, talvez será uma das melhores com quem você se relacionou. Em todos os sentidos. Estará disposta a realizar todos os seus desejos sexuais e as suas mais perversas taras. Fará tudo para te agradar. Mas não se engane, o objetivo da cobra é um só: conseguir te dominar completamente, turvando o seu entendimento sobre quem ela realmente é.

    2 – Elas têm um desejo sexual exagerado e geralmente apresentam comportamento bissexual.

    3 – Preste muita atenção nesta dica: se ela te relatar em mais de uma ocasião que esteve envolvida em qualquer tipo de evento extraordinário AFASTE-SE IMEDIATAMENTE. No meu caso, TUDO, simplesmente TUDO, acontecia com a moça. Todas as pessoas davam em cima dela (gente jovem e velha) em qualquer ocasião (desde um médico durante uma consulta, passando por um garçom de restaurante até um indivíduo qualquer que cruzou com ela na rua). Ela é sempre o centro das atenções e te conta esse tipo de coisa absurda para te fazer agir impensadamente e (na cabeçadoentia dela) valorizá-la.

    4 – Duvide bastante se ela te agradar mais que o normal, seja com presentes materiais, seja compartilhando todos seus programas e abdicando dos dela sem nem reclamar. Por trás disso, reside apenas a incontrolável necessidade de estar sob seus “cuidados” a todo instante. O mundo é você, e nem pense em abandoná-la (sob pena de ser mutilado emocional e às vezes fisicamente).

    5 – Não pense nem por um segundo que ela nutre sentimentos reais pela sua pessoa. Elas não sabem amar, porque são incapazes de ser sinceras e honestas. Tudo que fazem é movido pelo desejo de manipular a “presa”. É muito triste. Mas jamais perca isto de vista: se é triste para ela, possivelmente será pior para você, que, inadvertidamente, vai se ver envolvido numa teia de mentiras e armações que colocarão a sua segurança, reputação, finanças e paz de espírito em xeque. Não duvide, elas sentem até prazer em destruir a vida das pessoas.

    6 – A única defesa é a distância. Se for possível, e se o caso assumir proporções drásticas, mude-se de cidade.

    Fica aí um pouco do que infelizmente vivenciei, e que Deus nos proteja.

      • noborderman em 12/15/2015 às 14:26
      • Responder

      É caro Confrade Douglas, leia os livros do Nessahan Alita, dowload disponível no Fórum do Búfalo, isto caso vc. ainda não tenha lido.
      Bons livros que nos auxiliam na nossa sobrevivência. Vc. como eu além de ingressar numa relação que por si só já é complicado de se lidar atualmente, o que dizer da gente que cai de cabeça num fundo de piscina vazia que estoura os nossos miolos ao mínimo contato com a borderline. E aposto um picolé de limão que a sua ex, assim como a minha deve falar pelos quatro cantos do mundo que na verdade o maluco, sádico, cruel, perverso, desalmado, FDP somos NÓS. Nós que somos portadores do transtorno de personalidade bordeline atrelado ao transt. de pers. histriônico. É amigo sobrevivemos e regressamos do inferno. No meu caso eu ainda corri o risco de expor até a minha filha pequena a esta situação. Com certeza um dia descobriremos o motivo de termos passado por tudo isto. Oque me deixa doente é me pegar pensando na criatura. Mesmo sabendo que ela já está com um novo brinquedo (vítima) em mãos. Coitado deve estar na fase da IDEALIZAÇÃO de ambos os lados, achando que encontrou ouro?! Ouro de tolo.

      • noborderman em 12/18/2015 às 13:59
      • Responder

      Douglas tudo em paz?

    • Juliana borderlouca em 12/13/2015 às 8:53
    • Responder

    Sou border e NAO SOU UMA PESTE. Alias, sou mt mais humana que você que postou isso. Oq vc faz alem da vida fora tratar borderlines como pestes? Vc ajuda animais,
    Criancas carentes como eu? Acho q um monstro como vc descreveu os borderlines
    Só fazem o mal e nao o bem. E digo mais:
    Vc eh psiquiatra? Pois se for devia jogar teu diploma no lixo

      • Sergio A. em 12/15/2015 às 10:10
      • Responder

      Border tendo um ataque histérico….Aff !!!

        • noborderman em 12/15/2015 às 13:22
        • Responder

        Brincadeira…border histrionicando…

        1. Borderline Juliana em crise! Se descorda dos comentários não deveria se envolver neles! É muito descontrole por parte dessas pessoas borderdes. Vou orar por você Ju!

  9. Oi pessoal! voltei de viagem, fiquei pouco tempo fora ,mais ficar longe me fez muito bem, saber que posso ficar sozinha foi um teste e tanto, porque também sempre fui muito dependente dele. Ele ficou bem sem mim, continua o tratamento e tem melhorado, pelo menos a raiva está bem melhor, não tem implicado e o medo de abandono tb melhorou muito. Mas ainda tenho medo de se traída de novo, isso é horrível ! o coração aperta e me sinto angustiada.No final eles sempre ficam bem e nós que ficamos dependentes desse amor louco . Voltei a sair com as minhas amigas e está sendo ótimo, me afastei do tratamento dele, pois ele tem que ser responsável pela cura dele e isso me deixou bem melhor, pois me sentia a própria cuidadora e não é isso o que eu quero pra minha vida.

      • Noborderman em 12/09/2015 às 13:33
      • Responder

      Valeu Marina, mantenha o foco. Tem um trechinho do livro Pisando em ovos que retrata bem essa situação, não sei se já havia comentado contigo, se sim? Me perdoe por ser repetitivo:

      “Eu estava determinado a não abandoná-la, não importa o que ela fizesse. Um dia, eu percebi que ao invés disso, eu tinha abandonado a mim.”

      (fonte: trecho extraído do livro Stop Walking on Eggshells

  10. Bom dia pessoal, estou de férias, a primeira noite sozinha foi muito ruim, mas a segunda foi bem melhor, fiz novas amizades, fui muito bem acolhida. Está chegando a hora de voltar e não sei o que vou encontrar, difícil isso tudo, não sei se ele teve uma recaída,não sei se quando voltar ele me dirá que não sentiu a minha falta e portanto já pode viver sozinho. Bom , que eu tenha serenidade para suportar o que está por vir.

    1. Curta e aproveite bem as suas férias. Foco!!! Total! Lembre-se peça ajuda para manter a sua serenidade para aceitar as coisas que vc. não pode mudar, coragem para mudar as que pode e sabedoria para reconhecer a diferença. Fique bem. Todos desse espaço estão em pé de igualdade, alguns já bem resolvidos e “curados”. Outros como eu ainda sequelado até buscar ajuda e percebe-se numa codependência total.

      1. Oi Sérgio, aproveitei bem esses dias, espero que vc esteja bem! Na verdade amigo somos todos sequelados kkkkkkk, mas estamos na luta para melhorar a cada dia. Até o meu bom humor voltou, vamos todos ficar bem!

          • noborderman em 12/18/2015 às 14:00
          • Responder

          Marina tudo em paz?

  11. respondi ao vosso e-mail.

  12. Quando me olhei no espelho ontem, vi como estou acabada e magra, perdi 10 kilos e não quero mais continuar assim, estou tirando umas férias para cuidar de mim. Um conselho que dou para vcs que se relacionam com um border e não conseguem ainda se ver livres do sofrimento, tirem umas férias para colocar as idéias no lugar e para ficar um pouco em paz com pessoas divertidas. Quando voltar , passo por aqui para contar tudo. bjs e bom feriado pra vcs.

    1. Isso mesmo, boas férias se cuide. Que Deus lhe conceda a serenidade. Imagino o teu calvário, e como nos sentimos impotentes e realmente o somos. No meu caso até hoje não sei como eu sentia e às vezes sinto a falta de uma relação doentia destas. Parece que sou um dependente, logo preciso me afastar do prato de cocaína. E por mais linda que a pessoa seja por fora, o seu conteúdo interno é horrível. Só nós traz mal e ainda corremos o risco de atravancar toda a nossa existência. Enquanto eles seguem com uma vida teatralesca, a minha colocaria muita atriz global no chinelo e atriz pornô também.

  13. Boa tarde, queria deixar novamente meu depoimento da minha vida atual “pós relacionamento borderline”

    Só rememorando, passei 4 anos com uma garota border, sendo 1 namoro e 3 de um infernal casamento, com muitas agressões físicas (uma das quais tive q fazer cirurgia no olho para não perder a visão), e a violência psíquica e moral, com humilhações, chantagens e afastamento de parentes e amigos, afora o estado de loucura a que adentramos sem perceber…

    Este mês completa 1 ano que estou separado, e 6 meses que fiz o divórcio consensual (divórcio obtido sob pagamento de dinheiro à border, pois ela se negava a fazê-lo)

    Pois bem, após a minha separação fiquei uns 7 meses com medo de me relacionar com qualquer tipo de mulher, devido ao trauma sofrido, e, após 3 meses de consultas com um bom psicólogo, ele disse: Daniel, você tem q sair com uma mulher pra superar esse trauma… e sai! e foi a minha libertação! ela foi muito carinhosa, atenciosa.. e superei esse trauma inicial de me relacionar de novo…

    Agora, um ano após, me encontro namorando com uma linda garota, NORMAL, delicada, doce, jeito de menina.. CARA QUE DIFERENÇA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!1

    Olha, aos que estão atualmente com alguma borderline… digo a vocês com toda a categoria: Vocês estão perdendo um tempo precioso de suas vidas… abra a janela e REdescubra o outro lado da vida novamente.. cara É BOM D+++++

    Estou curado, antes ainda entrava constantemente nesse site pq “sentia” falta da minha ex… hoje entrei somente para contar que estou namorando uma LINDA, delicada, doce, meiga e NORMAL garota!!!! 😀 😀 😀

    Abraço pra vcs!

    1. Danilo/Daniel: Meu amigo desculpe pelo pensamento “invejoso” fico extremamente feliz de ter conhecimento do seu estágio atual. Realmente a gente fica nesse espaço e em outros procurando se desvencilhar de pensamentos ruminantes. Hoje me vejo como um co-dependente não border. Mas também encontrei um grupo e estou tentando me reerguer para que se por ventura no momento que ela se cansar dos avulsos e vir em busca do CUIDADOR eu estar com a minha serenidade em dia, poder aceitar que há coisas que jamais poderei mudar e que nesse momento reúno minha coragem apenas para mudar as coisas que eu posso e devo mudar e também adquira sabedoria para distinguir as diferenças. Forte Abraço, fique bem e boa sorte com sua garota. Sucesso, felicidades, hoje e sempre.

        • Adalberto Moura em 11/24/2015 às 23:01
        • Responder

        Também estou nesse barco Sérgio, me separei à pouco tempo e está sendo bem difícil mesmo com terapia e meditação. Tenho receio da ex vir me procurar. Grande abraço à todos , muita Força e muita Paz

        1. Seja bem vindo Adalberto, veja o fórum do búfalo e baixe os livros sugeridos do NESSAHAN ALITA o primeiro: O SOFRIMENTO AMOROSO DO HOMEM – VOLUME I de 250 páginas. Vc. está há quanto tempo sem contato nenhum com ela? Fique firme! Obrigado pelos votos de força e paz, estou só por hoje mantendo a minha serenidade. 19 dias sem contato algum de msg ou tel, contato íntimo já há longa data desativado.

            • Adalberto Moura em 11/27/2015 às 14:14

            Obrigado pelas dicas de leitura Sérgio e obrigado à todos que dividem aqui suas histórias…Estou completando 3 meses sem contato nenhum com a ex ( apesar das investidas dela)….. Realmente é como cortar um pedaço da própria carne, é difícil cortar esse cordão umbilical que me ligava à ex (esposaefilha) isso mesmo, era esposa e em vários momentos parecia uma criança de 7 anos muito mal educada e manhosa, convivendo com seu lado anjo e outro bem “endiabrado” com suas birras, intrigas e agressões. É muito fácil se sentir responsável por quem sofreu abuso na formação de seu psiquè emocional, é muito injusto pais que maltratam e abusam de crianças que eventualmente irão crescer com transtornos de personalidade, mas nós somos humanos e chega uma hora que temos que escolher, ou nos abandonamos de vez para tentar mudar o que já está impregnado na personalidade da pessoa ou tentamos recuperar nossa fé, auto-estima e nossa felicidade. Difícil nos recuperar de tantas agressões psicológicas, Já ouvi dela coisas como ” vc é troxa, eu te odeio, vc é broxa, vc não me dá carinho o suficiente, eu não quebrei tal coisa, quero me separar imediatamente, durma longe de mim, etc etc e pouco tempo (horas,dias ou até semanas) depois. Choros, pedidos de perdões, tentativas de suicídio, sexo animal rasgado de elogios, etc etc etc. É impossível suportar isso por muito tempo sem sentir os sintomas de um co-dependente e sem perceber acabei por me afastar de todos e a me comportar de maneira ridícula e parecido até com o comportamento dela.
            Mas felizmente em um dos momentos de crise dela, que durou muitos dias acabamos nos divorciando. E posso dizer que tive sorte, (apesar de muitas vezes me sentir como um samurai que perdeu seu senhor e não têm mais o porque lutar e viver, procurando meu novo lugar no mundo) é muito bom viver sem ameaças de morte ,tapa na cara marcas no rosto que somem com o tempo mas destroem a auto-estima.
            Meus aliados para sair de vez dessa MATRIX estão sendo: Os poucos familiares que ainda acreditam que não vou fazer a merda de voltar para a ex, este canal e vcs que escrevem onde vejo que não estou sozinho e nem louco, psicanálise até para evitar de cair nessa novamente, dedicação ao trabalho,e exercícios físicos. Desejo que todos fiquem bem e como diria Almir Sater:………………………………………….. Ando devagar porque já tive pressa e levo esse sorriso porque já chorei demais…… e Cada um de nós compõe a sua história Cada ser em si Carrega o dom de ser capaz …..E ser feliz

            Que Deus abençoe à todos

        2. Mantenha o foco, fiquei preocupado quando vc disse: “esposa/filha”. Depois compreendi que vc. se referia a mesma criatura.
          Sabe cara eu li muito a respeito, hoje estou trabalhando o reconhecimento da minha impotência para com essa pessoa. E creio que no momento certo alguém aparecerá na minha vida. E se não aparecer eu minimamente quero estar bem. Num dos inúmeros términos eu acabei me aproximando de outra pessoa e igualmente me dei mal. Só pode ser o poder superior em ação me dizendo para dar um tempo.
          Uma das coisas que vi na literatura, por isso fiquei preocupado se vc tivesse filho(s) com esta moça, é que herança genética é algo gritante. A minha vive numa família desestruturada. Entretanto o lado border ela deve ter herdado do pai já falecido, falo isto pelos relatos dos familiares, pois este pai ela sequer chegou a conhecê-lo (foi assassinado).
          Aí vc. me pergunta e daí? Oque tem a ver com a literatura? Se por acaso tivermos filhos com essas moças, adivinha????

          75% de probabilidade de herdarem o TPB desse familiar.

          Não estou inventando isto foi fonte de anos de estudos, o que vejo na realidade é que nem os profissionais da saúde mental estão preparados para lidar com isso, exceto raras exceções.
          E quando atendem o desgaste é enorme.

          Portanto somos sabedores de que a carne é fraca, mas a melhor atitude seria nos afastarmos, mesmo que isso nos provoque um flagelo emocional.

          Tenho uma filha de 10 anos de relação anterior, eu ouvia cada absurdo também do tipo: “ela vai crescer e ficar pior que eu”; “isso não é atitude de criança”. Reconheço que a minha filha é terrível, mas jamais imaginei ter alguém rivalizando com ela.

          Os borders querem 150% de atenção dos seus alisadores de costas, imagina que no final de semana que eu ficava com minha filha era uma guerra porque segundo ela a exclui-a para dar atenção à criança, “conheço cara que tem filha e não é assim”.

          Nos finais de semana que eu não estava com minha filha, ela encontrava outros motivos banais para barraquear.

          Nada estava bom. No início tentei uma viagem, ela nunca tinha viajado de avião, pensei que seria um passeio prazeroso. Oque aconteceu foi um verdadeiro filme de terror.

          Cuide-se bem meu amigo.

            • Ana Lú em 12/10/2015 às 15:24

            Sergio, eu tenho um filho com um border, posso te adiantar que o border é em parte genético e em parte ambiente, eu procuro deixar o ambiente tranquilo, a gente vive bem, e o meu filho é normal (bacana, amoroso, brincalhão), mas tem vezes que tem um genio dificil, mas mais no sentido de teimosia, que procuro ir minando, outra coisa que trabalho muito nele é empatia , pra desde pequeno minar uma possivel ausencia desse tipo de percepção. Graças a Deus vai tudo muito bem, mas viver a 1.000km de distancia faz realmente toda a diferença.

    2. Amigo Danilo vejo que pareces que está bem e voltou para contar a boa nova. espero um dia também poder voltar aqui para contar que ja estou curado e livre dessa obcessão mas estou quase lá . Sergio vc tem que ser forte não da para fraquejar mesmo que o corpo queira a mente e coração queiram como vc mesmo disse é muito sofrimento para pouco beneficio e ser corno é foda para a cabeça da maioria dos HOMES mesmo que ninguem saiba.

  14. “Eu estava determinado a não abandona-la, não importa o que ela fizesse. Um dia, eu percebi que ao invés disso, eu tinha abandonado a mim.”

    (fonte: trecho extraído do livro Stop Walking on Eggshells).

    O sujeito nota que havia abandonado a si próprio, abdicado da sua vida pela border. Meu Deus, que haja salvação para nós não borders. Deve ser muita carência emocional, co-dependência, ou um carma e um magnetismo daqueles pra atrair e insistir em permanecer ao lado de uma mulher com TPB. Por mais maravilhosas que sejam na vida íntima? Mas que loucura é essa?

  15. Há alguns borders q se revelam muito cedo na relação, logo nas primeiras horas e dias. Essa foi a minha sorte, vi de cara q algo estava errado. Se vc nao conhece esse transtorno vc investe na relacao. A partir de agora sempre fico de olho nestes sinais. Vou passar pra vcs aquilo que vivi logo nos 3 primeiros dias com uma border:

    1- São muito fáceis: bem provável que sua border seja a mulher mais fácil da sua vida até então. A maioria toma a iniciativa e se o envolvimento se dá por vingança contra outra pessoa, tudo fica mais fácil ainda. No meu caso o ex dela estava a dois metros de distancia da gente! Notei um cara me olhando feio, mas só descobri por conta própria meses depois.
    2- São muito precoces: depois do primeiro beijo falam em namoro sério, depois do quinto querem sexo, dois dias depois estão querendo morar junto. Mantive contato com ela a distancia por mais algum tempo e até vestido de noiva ela estava pesquisando na net.
    3- Baixa autoestima: aqui vc ouve de tudo, que são feias, burras, que não conquistam nada na vida, que as outras mulheres são mais bonitas etc. mesmo não sendo verdade. A minha era linda e falava 3 idiomas.
    4- São as vítimas: reclamam de amigos, família, do emprego, que o mundo é cruel, que nada dá certo para elas e tal. É comum elas falarem de seus ex sem mesmo vc perguntar. E claro, a culpa é sempre deles.

    Com mais tempo aparecem muito outros sinais, mas estes que citei são os iniciais. Ela só não apresentou as automutilações e a agressividade exagerada. Tive sorte de não conviver o bastante. Outra coisa que notei no início foi seu descontrole com as palavras e a impaciência por pequenas coisas. Ela não pensava 2x em dizer uma bobagem e nem se arrependia por isso. “Sou muito franca” dizia ela.
    Estávamos em outro país, e depois de um jantar onde ela fez declarações de amor por mim, fomos embora e como era noite e não conhecia a cidade direito acabei pegando a rua errada. Dei-me conta e voltamos coisa de 300 metros. Ela surtou,terminou o relacionamento por esse motivo e voltou pro seu país! Até hoje agradeço ao santo que me fez pegar o caminho errado, salvou a minha vida! Kkk.
    Abraço a todos.

    1. Sorte mesmo a tua. Os sinais citados são bons indicadores, apesar que nos dias atuais tem muita mulher com estas características e “não borders”. Na minha experiência eu ficava tentando encontrar a tal auto-mutilação e nada, a não ser que ela quando estava muito ansiosa tinha uma mania de arrancar a pele da sola dos pés, às vezes até sangrar.
      Agora meu amigo…quando me deparei com o primeiro ataque de fúria com aquela mulher vindo pra cima de mim, você fica sem reação. Oque pude fazer era segurar as mãos dela, tentar sair fora dos dentes, dos chutes, esperar que se acalme, que vomite todo o rosário de palavrões e etc. Se transfigurava totalmente. Aí todos perguntam como que um homem aceitaria tamanha situação? E não foi uma ou duas, passava um tempo e acontecia de novo, e foda-se se tem platéia, família e etc por perto. Triste de se aguentar…Hoje tento me segurar num poder superior e pedir ajuda para o mesmo resolver a situação por mim, para que eu não apresente recaída. Elas vampirizam mas só permanecem ligadas ao melhor CUIDADOR.

      1. Você fez muito bem em pular fora, não vale a pena Fencer. É horrível viver tendo de medir, pesar, calcular cada ato com medo de desencadear um ato de fúria demente, claro, agressividade não é monopólio border mas é doentio viver “em guarda” com alguém que você quer do seu lado mas cuja companhia faz da sua vida um inferno. Por ser homem e bem maior e mais forte do que a minha ex as porradas dela não me machucavam muito, no entanto as gritarias, cobranças retardadas, humilhações, bate bocas no meio da madruga (por razões das mais fúteis possíveis minha sobrinha de 5 anos tem mais inteligência emocional que ela) provocações etc isso confesso até hoje fica na minha mente, apesar de hoje em dia ao menos respirar e fazer coisas que eu gosto. Uma das coisas mais escrotas na minha opinião é o que eu chamo de “espelho infernal” ela tinha determinadas atitudes e.. espalhava por ai que eram minhas! Estou saindo, malhando, conhecendo outras moças (e tenha em mente TUDO que a sua border fez de bom será melhor com outra TUDO).

        1. Li o que o Sérgio escreveu sobre ficarem ligadas ao “cuidador”, me deu até um arrepio pessoal, foda que alem das palhaçadas e difamações pelas quais ela me fez passar pós minha fuga, agora a capeta está se aproximando de pessoas que me são caras. Pior que não sei se torço para ela encontrar logo um super-babaca para assumir a função, pois é desejar o mal para alguém que tem o instinto de cuidar, proteger uma pessoa querida (assim como eu) e que poderia ser aproveitado em função de uma mulher realmente merecedora.

            • sergio em 11/23/2015 às 17:26

            Caro Rafael, o artigo do Paul Elam deixa claro no final que se insistirmos? Nós deveríamos buscar o quanto antes ajuda para nós mesmos. É foda o desapego e desligamento emocional, sem dúvidas. Mas a sua resposta ao comentário do Fencer eu igualmente me vi nas tuas poucas linhas (s.i.c.). Busque ajuda, uma religião, siga com as suas atividades. E se prepare não sei o tempo que durou o seu namoro, ela pode sair com 100 comedores de marmitinhas de consumo como ela, mas se vc for o ganhador do melhor cuidador? Fodeu, cedo ou tarde ela irá te procurar.
            Como senti muita sinceridade no “arrepio pessoal” citado por você. Vou contar um trecho da minha saga que já até postei aqui há bastante tempo atrás, um dos tantos que passei. Mas esse com certeza foi marcante e por si só eu deveria ter saltado fora naquela ocasião.
            No último dia de abril do ano passado, a minha namorada havia pernoitado em casa para no dia seguinte eu acompanhá-la num exame de Tomografia com contraste, ao amanhecer tivemos mais um de tantos barracos e ela acabou indo sozinha para o hospital. Eu já fiz esse exame várias vezes na vida e sei que a possibilidade de um choque anafilático é bem baixo, mas a infeliz teve e ficou entubada na UTI por mais de 10 dias. Mesmo tendo brigado com a mesma eu fui todos os dias visitá-la, com exceção de um.
            No último dia que eu fui visitá-la, vc deve saber que visita em UTI tem que ser rápida, pra dar tempo dos parentes entrarem e também por conta do ambiente.
            Eu tinha ajudado a mesma até a usar a comadre, como sou e fui babaca. A infeliz durante uns 5 dias só se comunicava por escrito, devido estar com um tubo na boca. Nesse último dia que eu fui visitá-la um enfermeiro se aproximou e disse: “Fulana eu posso jogar todos esses papéis fora?”. Ela responde: “Ah fulano eu queria levar de recordação, minha prima aqui do lado guarda pra mim”. O enfermeiro: “Tudo bem então eu vou jogar fora apenas os que teriam o logo do hospital e nomes de pacientes”. Daqui a pouco o cara me volta com uma resma ainda considerável de papel e acondiciona exatamente onde estava anteriormente a pilha, próximo ao colo da mesma.
            Cara só pode ter sido o P.S. (Poder Superior) mandando eu abrir os olhos e deixar de ser babaca, não tinha como não ler???!!!!
            Uma pilha imensa de papéis, eu não era amigo do enfermeiro, o cara separa aleatoriamente e a folha que fica virada pra cima numa pilha com mais de 10cm de espessura com as frases dirigidas ao ex-namorado dela: “Família obrigado por terem trazido o “X”; “Gente esse é o “X” o homem da minha vida (provavelmente apresentando para a equipe da UTI), “é com o “X” que quero ter filhos, etc, etc…
            Ela percebeu que eu li, não tinha como…letras garrafais e viradas pra minha fuça. Me aproximei…a vontade era mandar pra PQP como as borders gostam de agir. Mas não, respirei, sabia que ali não era o ambiente e tampouco o momento pra tal conversa.
            Lembro-me que a FDP ainda me chamou e disse-me que gostava dos dois!!! Depois na alta que estaria sob efeito de sedativos, vai tomar no meu … né!!!!
            Saiu de alta, o ex que foi resgatá-la. A trouxe até a casa da fulana e aí a maluca não parava de me ligar e dizia com todas as letras: “Que queria que eu CUIDASSE dela”. Respondi para ela procurar pelo pai dos futuros filhos, o homem da vida dela e fosse feliz.
            FEz, fez, fez, e como diz um colega que posta aqui: “pasmem voltamos”. Esse foi só um pequeno recorte, se vc pesquisar nos meus scraps antigos, ele com certeza estará por lá.
            Hoje compreendo que o ex dela que suportou por mais de 7 anos, deveria ou até hoje a ama. Mas percebeu que após ter passado por tantas situações de abuso oque ele havia lucrado era tão somente chifres e dores de cabeça e fez a social de visitá-la na UTI e trazê-la na alta, talvez por conta de estar de folga ou sem trabalho no momento e depois saiu fora. É exatamente aí que entra o teu “arrepio pessoal”. Vampirizam e vão atrás do CUIDADOR.
            Somos meros alisadores de costas, massagistas e afins. Não amam ninguém de verdade. O ex dela era ciumento demais, controlava as roupas, agredia pessoas na rua que olhassem para ela. Eu era velho, controlador, promotor, cruel, sádico, santinho do pau oco. O problema jamais estará com elas (borders) e quando a máscara cair elas sempre terão um argumento na manga do tipo: “se fiz isso ou aquilo era porque não estávamos bem”, “não foi minha culpa”, etc. Elas vieram ao mundo pra serem servidas. Tanto eu quanto este ex duradouro éramos provedores, não importa se elas não são tão esbanjadoras de grana. A energia que elas sugam, do tipo te querer ao lado até na hora do banho, exigências absurdas e etc é o que importa pra elas. Nunca estão bem. Nunca amarão verdadeiramente ninguém. E se vc for a fundo e mergulhar na literatura. 75% dos casos possuem o componente genético. Pensando nisso vc vai e tem um filho(a) com uma border, sua FILHA principalmente correrá um risco de 75% de probabilidade de ser igualmente border. Que beleza!!!! Aí vc se ainda estiver vivo? Terá uma esposinha e uma filinha borders. Que coisa boa não? Se a gente já se sentia no inferno e agora então? Força Rafael, fique bem e se afaste. Tem vários post legais no fórum do búfalo também a respeito do mesmo assunto

      2. As vezes Sérgio, só as vezes graças a Deus, eu me pego fantasiando uma possível volta com nós dois vivendo juntos com a filha dela (a criança me valorizava) mas aí a lembrança da realidade desfere um direto no queixo do delírio e volto a agradecer por ter me libertado. Não sei se todas, mas a “minha” tinha o detestável (um deles) de ficar lembrando de todos os seus relacionamentos todos os dias, putz, acho que nenhum homem aguenta a não ser se for cafa e esteja comendo por comer aí tento faz. Como nem todo dia é dia santo acontecia de eu reclamar e até aloprar (sempre verbalmente nunca cheguei as vias de agressão física que nem ela) e aí EU era ciumento patológico rsssss

        Vou contar dois casinhos rápidos: Em determinado momento precisei ficar quase 3 dias afastado em razão de um curso do meu trabalho. Qual a reação de uma mulher normal que goste de ti (que goste nem chego a falar de amor, paixão nem nada que goste) e que passa uns dias sem contato com você? Querer curtir, aproveitar etc pois bem chego em casa no sábado varado de fome a mesma havia saído para almoçar com a filha, não tinha deixado nada para mim e muito menos trouxe rango da rua. Até aí ok…foda que ao me ver ela fez uma cara…ódio puro! Me ignorou o dia inteiro, negou meus abraços, ficou toda monossilábica (alternando com coices) etc e assim foi indo, no dia seguinte me chamou para uma conversinha num tom que era uma mistura de “mãe” com professora falando que eu havia chegado horrível, que passei o dia inteiro ignorando ela e a filha, que eu não era carinhoso, que eu precisava de terapia, que a nossa cama estava uma merda (isso era verdade ao invés de melhorar com a intimidade foi piorando pois ela passou a negar cada vez mais e eu fui ficando cada vez mais ansioso), que ela poderia me largar a qualquer momento…quase endoidei de verdade, falei que era melhor terminar então se era assim e tal que não precisava ficar comigo se ela não estava curtindo, mas aí Satan Girl mudou a sintonia e ficou toda gentil, me subornou com um sexozinho, tomamos sorvete a noite com a criança. No dia seguinte retorno ao inferno.

        A outra ocasião que quero compartilhar foi no início de namoro, ela arrumou uns convites para uma festa e me deu, chamei dois casais de amigos. A criatura passou a semana anterior me azucrinando falando que a festa estaria cheia de conhecidos dela, que não era para ter ciúmes, que ela iria dançar até o chão se desse na telha e eu quieto…no dia, que delícia confesso rsss tinha umas 5 mulheres para cada homem, não vi nenhum dos inúmeros queridinhos dela rss e ela não desgrudou de mim, e no final a cereja do bolo, do nada ela teve um rompante de loucura, disse que eu estava abraçando-a muito que eu estava muito tarado e saiu correndo em direção ao carro do meu cunhado! Ai dormiu na casa da minha irmã e o imbecil que voz escreve passou o dia seguinte inteiro fazendo o possível para agradar e paparicar a sua deusa particular e redimir o seu “erro”, perdão por escrever muito mas tem coisas que tenho certeza só aqui podem ser entendidas de verdade.

        1. Caro Rafael procure no Fórum do Búfalo por textos dos livros do NESSAHAN ALITA e baixe todos e leia com atenção.

          • noborderman em 12/18/2015 às 14:07
          • Responder

          Rafael tudo em paz?

            • Rafael em 01/07/2016 às 22:59

            Perdão noborderman fiquei um pouco afastado pois estava querendo esquecer mais rapidamente o meu “Vietnam” (misturado com o filme “O Exorcista”) particular, então procurei me afastar de tudo que me lembra-se desse episódio horrível da minha vida, só que vim me sentindo meio fraco por dentro com uma espécie de saudade estranha da garota, foda, podem me chamar de fraco, frouxo mas não sei por que até hoje penso nela mesmo a 4 meses separado (vejo de vez em quando mas não nos falamos) por sorte o meu período morando junto com ela foi tão humilhante, angustiante e escroto que só de lembrar já me controlo. Por sorte existe este espaço para ler casos tão semelhantes me arrependi de ter ficado sem ler. Acho que vou procurar ajuda especializada não posso (e nem pretendo) ajuda-la mas tenho essa obrigação para comigo mesmo. Abraços e obrigado pela generosidade de todos Sergio, noborderman etc em estar sempre na área.

      • noborderman em 12/18/2015 às 14:03
      • Responder

      Tudo em paz Fencer?

  16. Gostaria novamente de fazer um apelo, para que todos os co-dependentes não borders e todas as demais pessoas que costumam postar nesse canal, que sigam postando, informando a situação atual, dando dicas, relembrando maus bocados e etc. Esse espaço atualmente é ÚNICO. Não deixem de postar. Acho que estou ficando dependente desse blog, no dia que na caixa de e-mail percebo que não há novidades, ninguém postou nada, bate uma certa tristeza. Mas quando nos deparamos com a solidariedade e desabafos de outros integrantes, recém chegados ou de longa data, é muito bom ter notícias e ler as postagens. Abs a todos(as), bom final de semana.

    1. É verdade Sérgio, eu sinto o mesmo,sou uma co – dependente não borders, estou casada a 25 anos com um border em tratamento a 1 ano, mas so agora descobri que é promíscuo, ta difícil sair da cama depois de tudo o que eu descobri,ele me disse que quer mudar,que quer fazer diferente e que tem vergonha do passado, por isso foi procurar tratamento sozinho, descobriu que era border sozinho pesquisando e foi procurar ajuda, pois já estava na segunda traição séria, ou melhor dizendo, a procura de uma nova cuidadora. Não sei o que fez ele procurar tratamento, acho que estava criando coragem para largar tudo e se estivesse forte com o tratamento ele conseguiria, acho que ele deve ter pensado dessa forma, não sei realmente! descobri que ele teve dois relacionamentos longos e muitos passageiros. Estou tirando umas férias de uma semana para me cuidar e ficar um pouco longe de tudo isso, quero me divertir um pouco, conhecer pessoas normais sem chiliques e pensar no que vou fazer quando voltar. Ah depois de aproveitar 10 anos de pura sacanagem com todas essas mulheres, ele me disse que tb precisa viajar pra relaxar sozinho, mas não consegue investir na nossa relação, cara que coisa de louco! Estou muito cansada! e perdi a vontade de continuar.

      1. Marina oque eu posso te falar seria apenas que você busque a tua serenidade, aceite que infelizmente há coisas que não podemos mudar, reúna coragem suficiente para mudar as que você possa e tenha condições (sei que vc tem) e em seguida tenha sabedoria para distinguir a diferença. Fique bem, força, felicidades hoje e sempre.

    2. Sergio também gosto desse suporte que os relatos me dão. sergio amigo que vive essa situação que nem eu e vc conhece minha historia fui casado e tenho um filho de sete anos. Bem o Natal se aproxima e minha ex bordelouca , liga manda zap que vem ver o filho que abandonou a um ano e mandou fotos e está mais linda do que nunca , isso me abalou porque como disse o segio são atrizes e a minha ex é atriz de profição e também uma puta na cama se eu cai nas pernas dela de novo fudeu . Eu tenho medo de que a magua o lado da carne se sobreponha e apos o deleite coisas não muito sensatas voltem a minha cabeça e eu não quero fazer besteira pois tenho um filho lindo para criar e ela é a mãe da pessoa que mais amo e nunca quero que ele me fale que fiz alguma coisa com ela . alem de que graças aDeus tenho um bom suporte da minha Religião espirita. Ela faz papel de santa meiga mas é uma puta sem escrupulos e eu tenho é que entregar a Deus .

  17. “O transtorno borderline é a aids da psiquiatria”, compara o médico. “Não tem cura, mas com o tratamento pode-se diminuir o sofrimento dessas pessoas. Esta é ainda a única forma de ajudá-las a viver um pouco melhor.”

    Antes de virar caso psiquiátrico,o paciente borderline geralmente vira caso de polícia.

  18. Terminei com minha ex namorada há aproximados 7 meses mas como co-dependente não parei de pensar nela nesse tempo, ela me procurou, comecei a namorar uma menina super bacana, estamos tendo momentos maravilhoso, voltei a ser eu mesmo, sorridente, com amigos a minha volta, família feliz, tranquilidade e paz mas nesse meio tempo ainda pensava nela. Foi diminuindo bastante o tanto que penso na doida mas ainda pensava. Importante que estou feliz e tendo uma vida repleta de paz e tranquilidade com minha nova namorada que é amiga, parceira e fazemos viagens juntos maravilhosas, ou seja, interesses em comum!!!
    Porém, ontem eis que volto para meu escritório de uma reunião e adivinha quem me ligou no trabalho? minha ex, a doida!! ela está bloqueada em tudo no meu celular e por isso não consegue contato comigo. Fui para a Italia com minha atual namorada e a ex doida a procurou pelo face, falou um monte de asneira e por sorte a minha namorada é extremamente madura e não deu bola.
    Agora ela ligou no meu escritório, falou com meu sócio que eu tomei duas multas no carro dela em FEVEREIRO, sim pasmem em fevereiro e ela tem um amigo que consegue passar os pontos para minha CNH pois ela vai perder a carteira dela. Quase 9 meses depois? passar os pontos de multa? pelo amor de deus. Ela deveria estar com alguém (nesse meio tempo veio me contar que estava saindo com um delegado mas que saiu fora pois disse a ele que não conseguia me esquecer.
    O que quero dizer aqui com esse post é que ela deve estar me procurando apenas para me manipular de novo, me atrair porque não deve ter dado certo com alguém (para variar não due certo) e quer vir pra cima de novo, até porque ela sabe que estou com alguem.
    Ela ligou duas vezes e disse que está super feliz para meu sócio, que só quer falar comigo sobre as multas etc. Aposto que hoje ela ligará de novo mas eu simplesmente sumi do mapa, mesmo com o coração ainda um pouco apertado mas estou feliz hoje em dia e se penso nela, infelizmente me dá um mix de raiva, nervoso que não quero voltar a sentir.
    O pior é que ela é do tipo que não aceita a loucura dela e tenha pena do filho pequeno de 6 anos que é uma criança sensacional.

      • Sérgio Luís em 11/11/2015 às 13:13
      • Responder

      Parabéns MM mantenha o foco, não sei o que faz a gente se tornar um “escravoceta” dessa raça, pena do garoto, mas a vida é assim a gente sente mas se não cuidarmos de si, adoecemos e essa raça não tá nem aí. Eles não gostam de ninguém de verdade. Em algum momento ela te escolheu como “cuidador mor” e isso era o que bastava. É como disseram em alguns relatos por aqui não adianta meia hora de deleite pra depois o resto do dia, do mês e do ano virarem um inferno. Recebo até orientações de familiares da borderlouca para me manter afastado, porque sabem que eu não mereço e que a peça sempre será a vítima em todas as situações. Essa mulher despertou em mim o que eu tenho de pior, se eu insistir com certeza ela fará o possível para me acrescentar uma Maria da Penha no lombo e eu e minha filha não merecemos isto. Parabéns também pela postura da sua atual namorada, isso conforta. Eu fui tão azarado cara que numa das separações quando a borderlouca me execrou pela milionésima vez eu pensei ter encontrado uma pessoa para estabelecer um relacionamento saudável, mas me dei mal novamente. E atualmente creio que o melhor seja ficar um tempo sem ninguém. Sei que não nascemos para ficarmos sozinhos, mas quando atraímos esse tipo de energia para nós o melhor é se recolher um pouco. Forte Abraço e boa sorte. Sei que muitos aqui interpretarão o teu relato como de um cara que ainda arrasta uma asinha pela maluca, e isto provavelmente até tenha fundamento. Mas é também como a galera coloca aqui, não dá pra ficar co-dependente de um ser com esse tipo de transtorno e além do mais de uma pessoa que sequer reconhece o problema e busca minimamente uma terapia. Conversei com uma amiga psiquiatra e a mesma foi enfática e direta: “Quem tem grana faz terapia 4 vezes por semana e passa com psiquiatra quinzenalmente. Quando uma pessoa dependente do SUS conseguirá um tratamento nesse esquema? NUNCA. E não será a nossa sanidade momentânea, carinho, atenção, massagista sem hora pra terminar, cuidador mor e etc que acalmará a fera, concorda? Nessas horas eu começo e volto acreditar nos preceitos do espiritismo, deve ser carma mesmo. Em algum momento eu ou você devemos ter pisado na bola com estas pessoas e estamos acertando as contas. Ah e outra coisa que no DSM-V e outras fontes científicas apontam como evidência e no caso da minha bate direitinho, o tal do componente genético. O pai dela é falecido, mas pelos relatos dos familiares tudo indica que ela tenha herdado a linhagem paterna na personalidade da mesma. Agora pensa eu tenho um filho(a) com ela, adivinha? O risco é de 75% da criança também herdar o TPB.

      1. Sergio muito obrigado pelas palavras. Na verdade eu acho que o lance de arrastar uma asa ainda pode ter mesmo fundamento mas acho que somos mais “escravocetas” (adorei a palavra) do que qualquer coisa, alguma deficiência na gente que faz com que nos apoiemos nessas pessoas. Eu realmente perdi um bom tempo da minha vida só brigando, com medo de novas mudanças de humor repentinas, me tornei um estranho para minha familia que somos muitos próximos e amigos pelo fato de ter me tornado mais agressivo verbalmente, cara fechado, não via graça nas coisas etc.
        Eu dei sorte de encontrar uma pessoa agora com os mesmos princípios e valores do que eu mas eu sempre curti ficar sozinho então acho que vc pode aproveitar esse tempo sim para voltar a ser o que era, viver mais tranquilo e aos poucos aos coisas vão se encaixando. Eu ainda vou ao psiquiatra para entender tudo que aconteceu, para me entender e tem me feito um bem danado. Voltei a ser quem eu era, voltei a trabalhar com afinco (sou dono do meu próprio negócio então acabei não conseguindo levar tão a sério nesse tempo conturbado), minha família está extremamente feliz e próximos de novo porém quando ela me procurou essa semana eu senti que ela não vai deixar passar tão fácil!!! mas eu vou ceder e vou permanecer firme, não quero aquilo para minha vida de novo. Aquilo na verdade nao é vida, acaba com sua saúde.
        Boa sorte para vc tbm meu amigo!
        Força.
        Abs

        1. Ex-otário nunca mais, me tirava da casinha, quando explodia chegava a pensar meu Deus mais um pouco eu iria socar essa FDP, quando surtava que se dane onde, quando ou com quem esteja! Logo após uma briga homérica quando queria SEXO ou um chocolate eu tinha que sair correndo abanando o rabo. No dia que eu fazia o mesmo depois de uma nova briga me mandava colher os louros da minha escolha por ter me afastado e ofendido a donzela. TROUXA, TROUXA, TROUXA, TROUXA, 1 milhão de vezes TROUXA, CANSEI!!!!! Azar da próxima vítima que ela escolher, que seja feliz. Elas só vinculam aos “Trouxas” os cafajestes comedores de marmitinhas e de mulheres de consumo é só para o bel prazer e tchau.
          Boa sorte MM e que sigamos em frente. Obrigado pelo retorno às minhas palavras.

            • MM em 11/13/2015 às 11:13

            Isso mesmo Sergio…sem dúvida hoje nos lembrando ficamos com vergonhas de nós mesmo pelo que nos sujeitamos!! mas agora vida nova e vamos em frente, mesmo pensando muito ainda sigamos em frente porque a vida é uma só!!!
            abração forte.

        2. Xi amigo sem querer ao reler o teu post achei um ato falho da sua parte na antepenúltima linha: “…mas eu vou ceder…” FALTOU O “NÃÃÃÃOOOO”. Brincadeira eu já passei por cada uma e já li cada uma nesse canal. Bate na madeira e não ceda mesmo. A grande maioria daqui também, e me coloco no primeiro lugar da fila. Desabafa, diz que quer distância…mas como disse um amigo em recente post: “dói na carne porque apesar de tanta coisa ruim, pasmem temos que abandonar o border ainda amando a pessoa”. No momento eu tento me desvincilhar do pensamento de uma vez por todas, mas tá osso. Mas com certeza uma hora ou outra passa. Vacilar, correr atrás, sucumbir, cair numa eventual procura aí a casa cai.
          Pra eles é muito simples transferir, projetar…Dá uma sensação de que você que conduziu as coisas erroneamente e que a culpa de todo o fracasso está consigo.
          Quando na verdade eu até possa ter pisado na bola, mas até no dia que cometi coisas que não deveria ter cometido, não estou tentando justificar o meu erro ou tirar a minha parcela de culpa ou esconder o meu rabinho bem sujo. Mas até nesse momento eu começo a relembrar que eu havia sido execrado como ser humano e que a pessoa dizia que não me queria pintado de ouro na frente dela.

          Qualquer coisa: sergiopsicuniad@bol.com.br.

          Abs

            • MM em 11/13/2015 às 11:14

            Eu esqueci da palavra NÃO….com certeza NÃO vou ceder mais meu amigo! vivi isso por dois anos e não quero mais, voltei a respirar, a sorrir, a trabalhar direito, aos meu amigos e família….isso é vida!
            sigamos em frente com força que a vida é uma só!
            Abraços.

        3. “Não há medicamento psicotrópico e nem terapias cognitivas que funcionem em um borderline. Resumindo, eles tem uma condição intratável com o que temos atualmente. Eles não podem ser ajudados tanto quanto eles devem ser isolados para poder ajudar os outros”.

          LENDO E RELENDO PELA BILIONÉSSIMA QUINTA VEZ, NÃO SE ESQUEÇAM DISTO (frase acima) NUNCA!!!!!! A CEGUEIRA É TAMANHA QUE EM MUITAS VEZES REATAVA MESMO TENDO LIDO E RELIDO ESSE ARTIGO. A MINHA MAIOR FRUSTRAÇÃO PESSOAL É EXATAMENTE POR NÃO TER CONSEGUIDO AJUDAR, MINIMAMENTE A PESSOA A SE TOCAR DO PROBLEMA. TENTEI, BRIGUEI, EXTRAPOLEI, FUI AGREDIDO, VILIPENDIADO, MAS SEMPRE NO FINAL O AGREDIDO SE TORNAVA O AGRESSOR. CONFESSO QUE EM ALGUMAS OCASIÕES CHEGUEI A PENSAR QUE PERDERIA A CABEÇA. EM OUTRAS ME EXCEDI! AFINAL NINGUÉM É DE FERRO? TAMBÉM XINGUEI, JOGUEI COISAS PASSADAS E RECENTES NA CARA, DEMONSTRAVA DESCONFIANÇA E ETC…MAS JAMAIS SE COMPARA AO QUE PASSAMOS INSISTINDO EM FICAR PRÓXIMO DESSA PSICOPATOLOGIA. HOJE OLHO PARA MARCAS DE UNHAS CRAVADAS NOS BRAÇOS, QUE NÃO CONSIGO ME LEMBRAR DE NADA PARECIDO NEM NA TENRA INFÂNCIA, A NÃO SER UMA VEZ QUE UMA GATA (felino) CRAVOU AS UNHAS EM MEU PEITO AO TENTAR SE ACOMODAR PARA DORMIR.

          As terapias psicofarmacológicas até na literatura afirmam que a a´rea da psiquiatria dedicada a esse e outros transtornos da personalidade permanece como uma das mais movediças da nosologia e da terapêutica.

          E eu vou querer bancar o superman. Lutei anos para tentar me afastar do tabagismo, até recair nesse mal acabei por recair. Enfim…vamos nos cuidar.

    1. Vc fez muito bem em ter cortado contato com ela. Continue assim amigo! O que ela está fazendo com vc é um jogo de poder e se vc fraquejar vc perdeu.
      Ela vai inventar 1.000 desculpas pra ter a chance de conversar (e manipular) vc.

      1. Não tenho dúvida que é jogo de manipulação dela Fencer. Cai muito nisso mas não vou mais cair nessa não!
        obrigado pela força.
        Abs

      • noborderman em 12/18/2015 às 14:08
      • Responder

      MM tudo em paz?

    • Sérgio Luís em 11/10/2015 às 18:44
    • Responder

    Impressionante como a comunidade border se sente? Recentemente entrei em algumas e tentei ser imparcial mas citei algo do tipo como suportar tantos abusos. Elas se sentiram extremamente ofendidas e olha que não fui preconceituoso, realmente de uma vez por todas, atualmente este ESPAÇO AQUI é o único de quem realmente sentiu na pele o que é insistir em tentar conviver com uma pessoa acometida por este transtorno. Meu Deus muito triste, até hoje me pergunto o que faz a gente ter os caminhos cruzados com estas pessoas, não quero dizer que tenho nojo, pena ou quero que se lasquem. Pelo contrário por mais que você assuma que foi um TROUXA em insistir e sucumbir às investidas, você se torna o carrasco cruel e impiedoso, ontem mesmo li um post em facebook que se não foi dirigido a minha pessoa eu estou paranóide, a pessoa compartilhava um bom texto que dizia para ninguém aceitar os tais maus tratos sutis. Você sofre tudo que é tipo de abuso, daí explode, sai correndo, fica louco e ainda é o AGRESSOR IMPIEDOSO de alma pequena, sem coração, sem piedade. Desculpem amigos mas deve ser carma. É melhor manter a sanidade que insistir nessa piração. Você assume ser um co-dependente borderline e ainda assim é rotulado como um lixo impiedoso. Vai manipular a PQP. Parabéns para os administradores e toda a galera que em algum momento fez uso desse canal para buscar ajuda, expressar suas angústias. E o que eu mais encontrei aqui foram histórias muito semelhantes, alguns até riram da minha fala em um post porque pareciam estarem lendo a mesma história repetidas vezes, de modo especial no tocante aos rompantes de agressividade, oscilações repentinas de humor associadas a qualquer banalidade ou futilidade. Eu devo ter sido muito FDP em outras vidas, e estou pagando nesta. Teve um relato aqui também de um cara que teve a sorte de ter tido duas namoradas borders esse acho que só não surtou porque hoje o santo dele deve ser muito forte? A melhor coisa como cita o autor do texto é buscar ajuda pra tentar descobrir e quiçá nos ajudar a compreender o que fez a gente se deixar prender a uma relação caótica destas?

  19. sou casada a 25 anos com um borderline, mas está em tratamento há um ano, resolveu se tratar depois da segunda traição, pois não sabia se ia embora com a amante ou ficava comigo, depois que eu descobri e mandei embora, quis ficar e continuar com o tratamento,mas está em crise pois está sentindo falta do objeto amado. Não consigo descrever a dor que estou sentindo, não consigo compreender tudo isso, onde é a parte do homem de verdade em termos de sentimento e onde entra o ser doente? Na verdade deixando ele ficar para tentar outra vez eu adoeci, perdi 10 kilos e entrei em co dependencia dele, passei a ter medo que ele me abandonasse, na verdade passei a sentir o que ele sentia,medo de abandono. Muito louco isso tudo! Mudei o foco da minha terapia, estou mudando o olhar, estou olhando para mim agora, antes que adoeça gravemente! ainda estou criando coragem para ir embora, mas falta pouco agora.

      • Sérgio Luís em 11/10/2015 às 13:02
      • Responder

      Marina como vc conseguiu? 25 anos meu Deus??? Vc tá no caminho certo, cuide-se porque a co-dependência é séria, com um tempinho leia e releia os desabafos deste blog (Sergio Luis – os meus). Tem uma frase da Fernanda Rangel que sintetiza em poucas palavras a melhor maneira da gente se afastar dessa doença, e parar de investir nossa energia onde não vale a pena. São vampiros, a diferença para o psicopata é que eles vampirizam sentimento, são vinculados aos que elegem como sendo os melhores CUIDADORES(as). Só querem um alisador de costas e alguém para aplacar os momentos de vazio. Não gostam de ninguém de verdade. Torço e rezo muito pela minha, para que ela não se ferre mais ainda e tampouco arraste mais pessoas pro buraco. Te execra hoje, vc sai de perto se sentindo um lixo e são capazes de postar minutos depois que estão se sentindo EXTREMAMENTE FELIZES! Adicionam pessoas “padrões” no face. A minha só homem, eu entrava no perfil dos caras, os caras adicionavam recentemente homens e mulheres como amigos. A minha apenas homens.
      Cansei de ouvir que a mesma só estava comigo por total falta de opção melhor no mercado.
      Noutro dia eu era o cara perfeito no outro um reles escroto. Nunca estão bem, talvez por isso essa oscilação constante, desta feita estou tentando tratar a minha co-dependência, porque não é possível nos sujeitarmos a isto. É dolorido porque terminamos ainda amando a criatura. Mas não vale a pena, eles escolhem suas vítimas a dedo. Se pegarem alguém meio marmitinha ou Kafa? É sexo e tchau, eles vinculam a quem trata e cuida. Boa sorte Marina cuide-se e fique bem.

      1. Obrigada pela resposta Sérgio, Na verdade nem sempre foi tão ruim, o transtorno so se revelou mais forte a uns anos atras, ainda bem, pois pude criar meus filhos, um já casou e tem a sua familia e o outro está indo estudar fora, com isso não temos mais vínculo e isso torna as coisas um pouco mais fáceis, o difícil mesmo é a droga da co dependencia, mais ainda sou nova e acho que posso recomeçar a vida e talvez encontre alguém que me respeite e me ame de verdade.

        1. Oi Sérgio, lendo um de seus posts vc falou sobre tesão louco que elas ou eles nos fazem sentir, hoje estou chegando a conclusão que isso também é uma ilusão nossa,reparando bem eu acho que todo esse nosso sentimento também é pura carência e acabamos tendo uma visão distorcida dos nossos sentimentos e achando que eles ou elas são tudo isso, podem até ser,mas dura muito pouco e é tão vazio o depois da relação que, tudo que vivênciamos no ato se perde e se diluí feito água. Depois o que sobra? Nada,so esquecimento e solidão

            • Sérgio em 11/12/2015 às 15:14

            Com certeza Marina deve ser mesmo, num post do Danilo ele falava que a dele tinha anorgasmia. A minha era um calvário pra proporcionar prazer, “você não faz direito”, “Não sabe transar”, “tá com pressa”. Dias depois: “Nossa preciso me desligar desse sexo bom, pra não ficar apegado quando a gente terminar, não é por nada não mas o teu p…. foi o melhor que já peguei”. BORDERLOUCA!!!!!!!!!!!!! E sem falar que se sentia mal após o ato, falava de que era um sentimento de culpa no peito. Eu pensava meu Deus o tal do vazio no peito já é trash, agora mais culpa? Se dilui mesmo amiga, e não temos o poder de entrar na mente do outro, mas com certeza essa nossa pseudo-carência nos deixa destruídos e arrasados, enquanto creio eu que os borders toquem a fila a mil por hora. Mas são vampiros, só vão vincular a quem ganhar o bilhete de melhor CUIDADOR(A). FIQUE BEM.

            • sergio em 11/12/2015 às 17:49

            “O segredo de sair de vez de uma relação tóxica com um border é conseguir perceber que enquanto vc estiver com essa pessoa estará morrendo aos poucos, tendo a sua vida e tempo consumidos por alguém que possui um vazio existencial tão tão tão grande que precisa dessa sua energia. Energia essa que vc poderia usar construindo coisas boas, cuidando de si e daqueles que merecem. Já repararam quanto tempo perdemos em brigas e discussões sem finalidade com os borderlines? Tempo demais! Espero conseguir me prender a isso e ficar bem longe da minha ex borderline dessa vez. Espero ter força.” Autora: F.R. (neste blog).

      2. Vc comentou algo a respeito do facebook. Este pode ser um aliado na hora de buscar informacoes a respeito da suspeita se a pessoa é border ou nao.
        Geralmente eles se camuflam nas redes sociais, mas ás vezes deixam escapar algo. Sao super felizes e cheio de amigos, com fotos rodeados de pessoas. Esses “amigos” frequentemente sao pessoas nao tao próximas, que convivem ocasionalmente com eles. Minha ex tem vários amigos de outras cidades, estados e até países. Fotos com familiares sao raras. Há vários homens “orbitadores” flertando com ela. Sao caras com quem ela já teve relacionamento, geralmente de curto prazo e que nao sabem que ela é border. Muito vai e vém dos mesmos homens na página. Se bloqueiam e se adicionam dias depois. É reflexo da dinamica “puxa-empurra”.

        1. Resumindo: “Promiscuidade Virtual”, a minha acidentalmente me deu a senha do e-mail uma vez e oque eu encontrei ao abrir? Na verdade o acidente foi dela, apesar de ser ligeira, ela me pediu para abrir e imprimir algo. Eu ainda fiquei com o pé atrás, mas ela insistiu. Aí meu amigo dei de cara com http://www.adoteumcara.com.br (cheia de troca de msg picantes) + um outro site semelhante só que de mulheresXmulheres (esse ela não respondia às investidas). Facebook eu quase montei um dôssie, olha o que a doença faz. Eu não me conformava, tudo bem a pessoa vai e adiciona um homem da PQP, aí você vê que esse cara tem um biotipo que vc sabe que é do que ela admira, esse cara adicionado costuma adicionar homens e mulheres, tudo bem que a proporção seja maior para mulheres. E a borderlouca da qual você era o escravoceta? Só add HOMENS. Depois eu era intolerante, preconceituoso, sádico, cruel e etc.

            • Sérgio em 11/12/2015 às 15:28

            O mais difícil, sofrível pra nós escravocetas! Seria fazer o que a grande maioria das pessoas que se salvaram fizeram: SUMIR de tudo, redes sociais, se possível mudar de planeta. Parece que agora eu consegui irritar tanto a minha ex-borderlouca com a minha insensatez, crueldade, intolerância, sadismo, preconceitos, maus tratos sutis, ofensas morais, ufa que ela diz que CANSOU de mim. Mas o melhor é sumir, a pessoa não busca ajuda, os que buscam seguem problemáticos, baixa taxa de recuperação. E quando há recuperação isso se dá após longa data. Eu vou ver a pessoa melhorar em contrapartida estarei só o caco, destruído, ridicularizado, corno, ter magoado os familiares que se importavam comigo. Enfim tudo isso por conta de eu ter insistido num tormento destes. A família da minha ex na minha primeira aparição no portão deles, uma tia foi logo falando: “muitos caras bacanas subiram estas escadas mas ninguém aguentou”. Minha família acreditava que a família dela queria se livrar, pode até ser? Mas nunca a empurraram pra cima de mim. Numa noite ela conseguiu fazer um barraco na casa da família, começando o surto porque estava gritando contra o próprio celular, gritos e mais gritos, incomodando até a vizinhança, daí a maluca se dirigiu até a minha casa, justificativa: “não tinha outro lugar pra ir” (s.i.c.). Acolho, deixo falar, me preocupo, etc…Pra quê? Deus que me perdoe, devo ter sido muito perverso em outras vidas.

        2. Cara a minha esconde os rolês, e posta que ama a família. Mas a única poupada é uma irmã pequena, o resto ela achincalha e toca o terror.

  20. Eu fui vítima de um. Border por 3 anos. No início parecia que havia encontrado o Príncipe encantado… depois de uns meses comecei perceber comportamentos inadequados porém achei que fosse apenas um grande ciúme. Até que me. Soltou ja ter sido tratado como b orderline.eu desconhecia tal transtorno e não dei muita atenção. Criava planos e mais planos até que chegou ao que me fisgou… em ter filhos, ter uma família. Para mim uma. Pessoa que quer um. Filho com vc, maior demonstração de, no mínimo, carinho. Resisti no início, achei precipitado, contudo o poder de manipulação foi gigante que cedi. Pedi p procurar psiquiatra e ele foi e comecou tomar uns sete remedio por dia, p bipolar, ansiedade, etc… etc… Ao engravidar, o pão dele faleceu, entrou numa crise, mudou totalmente, enfim, me abandonou grávida de 6 semanas. Ele acabou com meu sonho de ter uma gravidez em. Paz, segura…
    Nisso caiu na vida, cocaína, álcool, mulheres. E com sete meses de gravidez veio pedindo perdão e quis se aproximar. Eu na. Minha condição acreditei. Não deu dois meses, mudou tudo de novo. Até eu ter meu filho sumiu, tua meu filho e se aproximou de novo, já enrolado com. Uma. Moça.. só sei que fui elevando e aguentando 2014 inteiro. No fina do ano, vivi nas trevas, juntamente com meu filho. Comportamento inadequados, chegando a baixar a calça e mostrar as partes íntimas na frente do meu filho, me desrespeitando moralmente. Que eu o traía, teria sites de. Prostituição, que descobriu que eu frequentava casas de suingue, comportamentos suicidas na frente so meu filho. Tomou vidro de rivotril na frente do meu filho, dormiu qse dois dias. E não sei explicar pq eu permanecia ali. Eu adoeci. Em fevereiro deste ano ele caiu no mundo de novo, cocaína, uísque, mulheres… eu entrei na justica pela pensão e visitas assistidas. Ao ser notificado em agosto… disse estar arrependido que entrou p igreja evangélica e que hoje seria um novo homem, regenerado, que Deus fez um milagre na vida dele. E ficou no meu pé, não cedi. Ao ler o outro processo das visitas, onde escrevi toda a história, criou uma repulsa um ódio de mim e p me humilhar disse que ficaria com uma. Mulher da igreja dele que essa sim eh pura e decente. E está com ela hoje, não tem um mês… com muitos planos e hiper feliz. E ainda me humilha. Colocando fotos da. Mulher escrevendo que essa sim eh decente. E ela toda apaixonada, um homem de Deus. Juro que fiquei em duvida sobre este “milagre ” feito dentro desta igreja que nem crise de abstinência ele teve e tem. hoje ele tem 35 anos e se diz um outro homem que Deus ja o perdoou por tudp que fez enquanto estava perdido. Que agora eh o melhor homem do mundo. Tipo eunfiqueo com o lixo agora ele eh o homem que toda mulher quer e essa de hije que merece eu não.. pq n presto.
    Estou na terapia até hoje, e tenho medo que meu filho venha sofrer com este demente.
    Ele me destruiu por dentro, destruiu muitos dos meus sonhos, acabou com minha essência. Seneu não fosse a mulher que sou, talvez estaria morta por depressão, por suicídio.. nem sei…
    Tenho medo de ele se aproximar novamente, pois ainda estou fraca, apesar que hoje ele esta felicíssimo com sua mais nov vida e conquista, e eh um homem de Deus… regenerado. Segundo ele.

    1. Oi , não vai demorar muito e ele entrará em crise e fará a mesma coisa com a atual mulher, ou vai trocar de mulher, se ele não está se tratando de nada irá adiantar e voltará a estaca zero. Essa suposta felicidade é falsa e passageira espere e verá.

      1. A mais pura e esperada realidade, milagres acontecem mas no universo borderline se descobrirem o santo padroeiro? Por favor publiquem para me tornar devoto.

        1. Gostei Sergio kkkkkkk, mandem o nome do Santo pra mim também.

    2. leia o que puder sobre a doença, eu li uma biblioteca, mas tem um livro maravilhoso chamado “Borderline: uma outra normalidade”, esse pra mim foi um divisor de águas, remete a varias teorias, fui lendo lendo…e lendo as teorias da psiquiatria psicanalise psicologia que o autor cita e posso te falar. Fique tranquila se o teu problema for aquela invejazinha boba de quem ta caindo no discurso da felicidade forçada da figura. Ele não é feliz, e não existe a menor possibilidade de vc ter perdido o homem da sua vida…o cara é doente e sempre será. Relaxa. Cuidado pra ele não tirar de vc a tua maternidade, olha pro teu filho, o pai não importa. O cara não tem cura, o lance é evitar e ir levando e aí vc vai sendo feliz, deliciosamente feliz (escondido é claro, pq o cara sim tem uma inveja de arrepiar). Até por saber que o cara não tem cura, essa certeza me fez bem mais tranquila por incrivel que pareça.,
      Não deixa ele te carregar pra loucura dele.

      1. oii, gostaria que alguma mulher q já namorou um border conversasse um pouco comigo, pois estou em dúvidas se meu ex é um, ou se é na verdade um psicopata!

        li q borders são mto sentimentais (eu tbm sou, mas consigo controlar minhas atitudes) e ñ entendo esses relatos de q eles usam e machucam as pessoas! isso ñ é atitude de uma pessoa sentimental! eu sempre me sacrifiquei pelos outros, e só estourei depois d mto abuso mesmo!

        pelo q li, qm faz isso seria um psicopata, q ñ tem emoção alguma! estou em dúvidas!!!

        eu sou bipolar, mas eu tenho um controle incrível, somente ñ sei superar as crises depressivas q me anulam e ele fez eu entrar em mais uma, pois me faz me sentir culpada! Se eu tiver certeza q ele é doente irei conseguir seguir em paz!

        alguma pode me deixar face, whats, e-mail? agradeço mto

      • noborderman em 12/18/2015 às 14:09
      • Responder

      Dgy077 tudo em paz contigo?

  21. SAIA FORA DESSAS PROBLEMATICAS POR MAIS QUE ELAS SAIBAM FAZER UM BOQUETE MELHOR QUE TRAVESTI… NÃO ADIANTA NADA MEIA HORA DE PRAZER PARA DEPOIS TER O DIA INTEIRO ATURANDO PROBLEMAS DA VADIA E DA FAMILIA DELA QUE FICA FELIZ EM TER VOCE COMO OTARIO ATURANDO ELA NO LUGAR DELES ISSO JÁ ACONTECEU COMIGO 2 VEZES POREM NÃO PERDI MUITO TEMPO NESSES CASOS ATÉ PQ AS NEGA NÃO ERAM LÁ ESSAS BELEZAS TODA PARA EU TER QUE FICAR ATURANDO POR MUITO TEMPO.

    1. A mais pura realidade, vai falar isso como você sintetizou aqui???? Você passa a ser o carrasco, cruel, sádico, intolerante, preconceituoso e etc.

  22. Interessante essa abordagem. Descreve uma mistura de psicopatia com elementos que compõem o espectro autista, transtorno bipolar, TOC and all. Anteriormente foram chamadas de “mulheres q amam demais” e tornaram-se “co-dependentes afetivas” (dos homens viciados em álcool ou drogas), TDHA, agora são teletransportadas para capa de boderlines perigosas cujas famílias percebem a existência de uma excentricidade no comportamento delas e, além de não tomarem providência alguma para ajudá-las ainda avisam aos homens que eles estão lidando com uma aberração… E agora os homens são as vítimas… Essas mulheres robot q vcs descrevem são mulheres q como todas as mulheres da atualidade, não suportam mais o machismo desenfreado e algumas mais corajosas tomam uma atitude agressiva antes que sejam mortas a facadas por maridos, namorados, amantes q deveriam protegê-las mas, ao contrário, argumentam passividade, desproteção, submissão e receosos, graças a lei Maria da Penha, buscam uma capa protetora , criam uma versão fêmea do macho opressor. Infelizmente a justiça é lenta e apavoradas com o perigo da submissão, essas “garotas más” cansaram de aguardar socorro humano e tomaram a iniciativa. Cara pálida, pega leve e procurem uma versão nova pra mulher que deixou de ser feminista e passou a ser libertária, e libertou-se da falta de coragem de encarar homens rudes e também da própria família manipuladora q quer q as filhas sejam escravas das mães anormais e de pais ausentes ou cruéis… Transtorno borderline é atípico, é uma tentativa de nomear um transtorno q envolve várias características psiconeurológicas abrangentes q podem levar pessoas ao suícidio. Esse transtorno denominado personalidade boderline ainda é desconhecido porém massacra pessoas q possuem sentimentos diferente dos psicopatas q não possuem. Pode ser comparado a um câncer social. Ainda é objeto de estudos clínicos, está a nível de teorias normativas e considero leviana essa discussão. Usem outro termo pra nomear s mulheres q são descritas aqui, ao meu ver, odiadas por vcs. Tratar de forma acusativa aqueles q sofrem uma anormalidade disfarçando sintomas é o mesmo q acusar de gulosos e preguiçosos aqueles q sofrem de obesidade crônica.

      • Sérgio Luís em 11/10/2015 às 18:57
      • Responder

      Pode ser Anne, mas me perdoe na minha insistência em ficar próximo da border eu só me dei mal, e nunca a agredi. Numa certa noite eu tive que pular em cima dela pra tirar uma faca de cozinha da mão da mesma, que berrava que iria se cortar propositalmente apenas para me prejudicar e acionar a referida lei citada por você. Porque sabia que com isso conseguiria de alguma forma me prejudicar no processo de guarda-compartilhada que pleiteio de longa data.
      Concordo contigo não dá pra rotular. Eu por exemplo tive quatro irmãs, venho de uma linhagem de família pobre mas batalhadora com uma baita matriarca mandona a frente, meu pai nunca exerceu qualquer ato que fosse para exigir submissão. Tenho uma filha. Falava impropérios quando mais jovem do tipo: “Mulher é tudo lenço, usou jogou fora”. Devo ter cuspido pra cima. Depois de velho fui “escolhido” por uma jovem linda com a metade da minha idade e oque era para ser apenas uma noite eu cai no erro de insistir e investir. “E me diz pra mim o que que ficou?” Como diria o poeta da canção! A minha ex não visualizava auto-mutilação, mas todos os critérios diagnósticos batiam, todos sem exceção. A minha maior frustração é que mesmo sendo profissional da área ela nunca aceitou ajuda, se irritava, dizia que eu a diagnosticava, etc, etc. Meu Deus…até expor minha filha a discussões ensandecidas eu acabei concordando indiretamente mas sim. Se ficava mudo era porque era um morto. Se questionava nada era plausível. Se explodia “falicamente” eu era o agressor impiedoso. Meus braços marcados eram meros detalhes. Cheguei a ouvir que eu que havia agredido a mesma???? O máximo que eu fazia era me defender de chutes e arranhões. Depois ouvia que bastaria eu ter abraçado e a elogiado a sua beleza? Meu Deus Anne! Eu gostaria que tudo isso fosse um sonho, mas infelizmente se tornou um pesadelo. Fiz de tudo e um pouco mais…mas hoje me sinto um perfeito trouxa, adoecido, destruído por dentro e por fora. E a pessoa minutos depois de um episódio de intensas acusações e uso de termos chulos posta: “Se sentindo extremamente FELIZ”.

    1. Anne, existem borders homens, e muitos. Aliás na minha opinião e de alguns juristas, o transtorno de personalidade borderline no homem se dilui nas estatisticas de violencia tão relacionada o sexo masculino, já na mulher acaba ficando gritante pq não é o comportamento esperado “para uma mulher”. Entende? Talvez por isso hajam tantos relatos sobre borders mulheres, mas pra mim realmente isso ocorre pelo motivo que coloquei. Tem um livro maravilhoso que não é mais editado, chama-se “Borderline uma outra normalidade”, se alguem se interessar tem à venda no mercado livre. O livro é de um professor da UFRJ, que ao contrario de outros livros que vejo as pessoas citando aqui, ele não faz um julgamento ou critica de forma amargurada, mas fala da dual porosidade do border, do encantamento infantil por ser um transtorno da matriz mãe-infante, do porque da ausencia de empatia ou culpa, e o livro tem muitas remissões a teorias psicanaliticas. Eu adorei o livro, transformou minha capacidade de lidar com o doente.
      Agora… o transtorno não é cunhado ou aceito por todas as correntes, para alguns o border seria somente um louco classico ou um perverso, pra mim não. Eu realmente consigo enumerar os sintomas e ver que todos os casos tem semelhanças impressionantes, e também não creio que o doente seja ou perverso ou psicotico ou neurotico, ele consegue conjugar tudo isso em momentos distintos, mas consegue, repetidamente.

  23. A agressividade, ao meu ver, é um dos pontos mais detestáveis na personalidade borderline… Eles agridem os outros física e moralmente por nada… vcs concordam?

    1. Danilo,
      Concordo que a agressividade seja um dos pontos mais detestáveis na personalidade bordeline. No entanto não posso deixar de enfatizar que a manipulação psicológica seja a mais cruel forma de nos atingir. Pois sempre ficamos iludidos, confusos, nos sentindo culpados e principalmente, destruídos. Isto sim é o maior perigo de se relacionar com uma border. Perdemos a dignidade, a felicidade além do senso crítico. Deixamos de ser nós mesmos, pois nem nossos amigos, nem nossa família nos reconhece pelas idiotices que fazemos sem perceber e deixamos de ser nós mesmos, para sermos pessoas adoecidas pelo convívio com uma pessoa border.

      Penso também no adoecimento psicológico de terceiro gráu, onde ao meu ver, outras pessoas que estão ao nosso lado sofrem com nosso sofrimento. Sendo assim mais claramente: Você convive com uma border, ela fode com sua vida e você, de quebra, machuca outras pessoas que não teem nada com isso. Dessa maneira podemos afirmar que o estrago que um border faz é imenso. Um border arrebenta com a própria vida, com a vida de quem tá perto e inclusive respinga em quem não tá.

      1. Isso mesmo Eduardo. Tenho uma filha pequena e não sei como me permiti expô-la a tamanha insanidade. Rivalizam por ciúmes até com crianças. Afinal são crianças mentalmente. E como você comentou, acabamos por nos adoecer com tudo isso e se você tentar contra-argumentar ou qualquer coisa que o valha seu discurso sempre soará como sendo incongruente e incoerente SEMPRE. Quando eu trabalhava numa enfermaria de dependentes químicos ouvi a seguinte expressão: De que o usuário mente e manipula tanto, que às vezes mentem até para si próprio. A borderlouca te fode de uma maneira e até com meus braços marcados já ouvi da maluca que eu que havia ido pra cima. Todas às vezes de intenso contato físico eu contava até 5599999999 pra não sentar o pau na maluca. Todas ás vezes se usei de força foi para contê-la e até não se machucar. E depois eu ouvia que eu havia me excedido e que os braços dela estavam marcados, etc, etc. Foda-se que eu tive que trabalhar por semanas de manga longa pra as cicatrizes melhorem um pouco. Imagina eu chegando no serviço com um arranhão desses no rosto? Tem um amigo que descreveu o calvário dele aqui, foi um dos mais completos e sinceros que eu pude ler, não que os demais não sejam por demais fidedignos? Mas o desse rapaz ele descreve todas as sutilezas e insanidades vivenciadas e usa a expressão “pasmem eu voltava a me relacionar”, esse cara quase ficou cego e tomou pelas costas um soco no olho. E depois a borderlouca tentou meter um louco?! Veja o trecho:
        “Nunca se arrependem do que fazem, levei o soco no olho (descrito acima) e nunca pediu desculpas, chegando ao ponto de manipular a realidade e dizer que não tinha dado soco nenhum, e você passa à acreditar que de fato ela não deu soco (tática chamada de Gaslighting, procurem ler sobre isso)”.

        Mentem e manipulam descaradamente, da lição aprendida a que mais me valeu foi constatar que são INCAPAZES de amar alguém de verdade.

    2. Uma das coisas que mais me deixavam louco eram as manipulacoes que acabam resultando em frustracoes. Acho que foi o Samurai que disse algo a respeito de que as borders sentem prazer em frustrar os outros.
      Certa vez a minha me convidou para visitá-la na sua cidade. Fiquei 1 semana pensando,pq ela já havia cancelado em cima da hora certa vez. Enquanto eu estava na dúvida, ela me infernizava com umas 10 mensagens por dia pedindo para eu ir. Quando decidi que iria e comprei as passagens sabe o que ela fez? Cancelou, dizendo que eu nao era o tipo dela e que se eu fosse, ela nao teria “um lugar para fugir de mim”. Essas foram as palavras dela.
      Uma semana depois ela apareceu como se nada tivesse acontecido.

      1. é verdade, eles são frustrados e querem distribuir, mas para gente não se frustrar basta não ter expectativa e para isso basta saber que a doença não tem cura, que eles sempre reagem da mesma forma e isso sempre será assim pq são incapazes de perceber qq coisa fora do ego.

          • noborderman em 12/15/2015 às 13:32
          • Responder

          acho que nos falamos recentemente por e-mail Ana Lú?

      2. Surpreendente, são realmente assim!

  24. Bom vi que aqui apenas pessoas que se relacionaram com boder comentam pois é eis que eu fui diagnosticada como boder quero dizer pra vcs o quanto sofro não e fácil ser assim e tudo que vcs falaram e verdade sim eu me endentifiquei com tudo até parecia que todos estavam a falar de mim me senti mau em ver que as pessoas pensam em se afastar em iguinorar mas eu na verdade sempre quiz ficar sozinha mas como todos sabem a carência nos faz ir em busca de colo de alguem que nos anpare sou casada e poxa depois de ler tudo que esse forum tem publicado me deu vontade de deixar meu marido ir mais nem que eu queira me separar dele ele não me deixaria eu conheci uma pessoa eu tive sorte ele sabe me Iginorar quanto é nessesario e aproveita muito os meus bons momentos acho que é por isso que o relacionamento já esta pra completar 4 anos eu sei que as pessoas como eu são manipuladoras pois eu mesma já avia percebido isso em mim pois sempre consegui oque eu queria usava de armas poderosas como sedução um bom papo uma boa conversa assim todos se ponhavam aos meus pés mais em fim em fim quero dizer pra quem quer se livrar de uma boder e tão simples é só acabar o relacionamento e evitar todos os tipos de contatos mesmo que ela volte atraz de VC iguinora ofenda ela fale algo q VC sabe que ela vai pira com VC com certeza ela ficara com tanta raiva que vai larga do seu le rapidinho isso aconteceu comigo eu encisti em voltar a falar com um ex mais como o nosso termino foi bem traumático pra ele rsrs quando tentei contato com ele me falou tanta merda que hoje odeio ele e eu mesma quero o maximo de distância pois se eu chegar de velo eu acho que alguma treta eu arrumaria para ele .

    1. Fiquei enojada quando li “eu encisti em voltar a falar com um ex mais como o nosso termino foi bem traumático pra ele rsrs”.
      Border realmente tem noção de sua crueldade e aí esta a prova.
      Que horror…..
      Vc precisa se tratar ir

      1. Cyn só agora me atentei para o “sarcasmo”, realmente encistir (insistir) em voltar pra um dos satélites CUIDADORES com final traumático, coitado por sorte se livrou. A border dá conselho para quem quiser se afastar que se afaste, no final relata a sonora patada que tomou ao assediar uma ex-vítima.

    2. Aline vc ja traio o seu marido ?

      1. Em paz não é propriamente o termo, mas é um refresco conseguir ficar longe de uma border. Assim podemos ter uma vida digna, sem passar por momentos de instabilidade emocional. Já tem 11 dias que ela não me procura felizmente, mas acredito que minhas “férias” não irão durar muito. Pois bem, para ser mais claro, nesta última vez que ela me procurou fez um pedido para “voltar” para ela, algo parecido como ir resgatá-la do mundo que se encontra. O fato foi que ela está casada com seu ex-marido há 3 meses que se diz infeliz. Foi exatamente isso que aconteceu: Voltou para o seu ex, uma semana após ter viajado para praia comigo. Isto é, uma perfeita demonstração da capacidade de uma border de manipular os sentimentos das pessoas. Em um fim de semana estava querendo voltar comigo, no outro, querendo voltar para outro ex. É assim mesmo que podemos assistir o filme que sempre reprise no horário nobre da vida de uma border. Sempre cíclico, sempre revisitando o passado, sempre infeliz e sempre cometendo os mesmos erros. É claro que ao termos o conhecimento dessa grave doença o melhor a fazer é estarmos preparados para não cairmos no conto de uma border, entendendo que este comportamento, além de ser sórdido, impiedoso é incompreensível para a cabeça de uma pessoa comum. Neste caso podemos crer que o discurso de uma border é verdadeiro na cabeça dela, por apenas alguns instantes, e logo depois muda, se transformando em algo completamente irreal. Sendo assim, nós vítímas de uma border, devemos, com absoluta certeza, reconhecer que jamais poderemos acreditar numa pessoa portadora desse transtorno de personalidade. Por tudo que leio a respeito do assunto, pelos relatos, tão fieis às mesmas histórias retratadas, não há dúvidas que a mente de uma pessoa assim, só nos adoece.

        1. Olha Eduardo, estou na mesma situacao que vc. Minha ex parou de encher o saco e imaginei que ela teria voltado para o ex, mas descobri q ela agora tem uma nova vítima. É o quinto “namorado” em um ano!
          Pode ter certeza que a nossa paz nao vai durar muito. Assim que elas enjoarem do cara, elas voltam. A minha sorte é que a minha ex está do outro lado do mundo agora.
          Aliás, uma vez alguém perguntou se dá para ser amigo de border. A resposta é: NAO! Eles nao conseguem ter amigos do sexo oposto. Nós somos apenas “pecas de reposicao”.

            • noborderman em 01/05/2016 às 18:07

            Somos meros objetos afetivos, descartáveis e vilipendiados. Pneu! Usou, gastou, trocou. Ás vezes num tempo mais curto do que nos box da fórmula 1. Súditos, pelegos, bobos da corte, alisadores de costas e afins.

        2. E tenho dito. Verdade só nos adoece, fodendo e apodrecendo nosso psicológico. Escravoceta jamais.

            • Ana Lú em 12/10/2015 às 15:44

            Eu acho impressionante como alguem consegue se escravizar por eles nesse aspecto, TODOS OS BORDERS SÃO PESSIMOS NO SEXO PORQUE NÃO PERCEBEM O PARCEIRO, sexo pra eles é alivio, como fazer xixi ou coco. Falta alma.

            • Ana Lú em 12/10/2015 às 16:30

            sexo com border é e será sempre fisiologico, eles não conseguem ser de outra forma, por isso investem tão pesado na conquista. Pq é uma necessidade fisiológica SEMPRE, e sem conquista eles não conseguem se aliviar, eles levam uma vida psicologicamente muito primitiva.
            Aquela transa carinhosa de verdade, que vc sente a alma do outro lado curtindo, sem resquicio de falsidade, ensaio…isso nunca acontece com eles. Eles não sabem o que é viver fora da manipulação, não fazem nem idéia do que seja uma relação honesta, sempre 24 hs por dia manipulam, é horrivel. Pra quem saca, depois da transa fica uma sensação de ausencia de algo e também a sensação muito louca que por mais que o sexo esteja acontecendo e ele dizendo ser maravilhoso, o parceiro intui que poderia ser ele ou qq outra pessoa, uma sensação inexoravel de descarte, é como se vc não existisse na TRANSA.
            Sexo com border é sempre horrivel, não adianta insistir e achar que da pra mudar pq a incapacidade é dele. E vc só existe pra que ele tenha algum reflexo dele em vc, já que eles não possuem self e buscam buscam e buscam sem nunca encontrar. É uma doença foda.

          • noborderman em 12/18/2015 às 13:57
          • Responder

          Eduardo tudo em paz? Ela manteve distanciamento? Ficou com o ex?

Carregar mais

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: