«

»

dez 02 2011

O que é misandria?

por Antimisandry.com

A misandria é o ódio contra os homens enquanto gênero sexual, o oposto da misoginia, que é o ódio contra as mulheres; ou a misantropia, que é o ódio pela humanidade em geral. Misandria vem do grego misos (do grego, “ódio”) e andros (palavra grega para “homem”). Aqueles que tem crenças misândricas podem ser de ambos os sexos. Assim, a anti misandria trabalha para remover este ódio da cultura popular.

Pode me dar alguns exemplos de misandria? Sim. Observe as visões sobre os homens que foram propagadas pela segunda onda feminista, por exemplo. Valerie Solanas, a feminista radical que atirou em Andy Wahrol em 1968, dá um excelente exemplo de como é a misandria em seu Manifesto SCUM. Caso não saiba o que significa SCUM, ela é um acrônimo para “Society for Cutting Up Men”, traduzindo: “Sociedade para eliminação dos homens”. É praticamente uma apologia ao genocídio masculino, um abate sistemático dos homens. Literalmente, Solanas expressou seu desejo de “instituir uma automação completa da destruição do gênero masculino”.

Nossa, isto é horrível! O que posso fazer quanto a isso? A primeira coisa é parar de considerar o ódio contra os homens como uma coisa “aceitável”. Antigamente, o respeito era uma via de mão dupla. Atualmente é mais uma via de mão única onde os homens são obrigados a ser respeitosos com mulheres (mesmo com aquelas que não merecem e nem tentam ser dignas de respeito) enquanto o desrespeito sistemático para com os homens é considerado normal, tolerado, perpetuado e até mesmo ensinado como comportamento correto. Você pode fazer a diferença apenas por não seguir este costume.

Você disse que a misandria é ensinada?! Certo! Da próxima vez que você assistir a TV, preste atenção a quantas vezes que é citado coisas como “namorado estúpido”, “marido abusivo” ou “pai pedófilo”. Agora mude para um canal infantil e veja quantos desenhos representam os homens como “pais desajeitados” ou “irmãos mais velhos valentões”. Mas é claro, nestes mesmos programas, praticamente todas as mulheres serão mostradas como pessoas espertas, sexys, audaciosas e poderosas, capazes de manter ao mesmo tempo uma boa carreira, filhos, marido e um círculo social – nunca se esquecendo que ela é uma cozinheira maravilhosa e sempre se lembrará do aniversário de todo mundo. Agora, se essa propaganda subliminar é espalhada ininterruptamente através dos meios de comunicação, o que você acha que nossas crianças irão pensar depois de ver por horas e horas durante todos os dias que os homens são estúpidos, arrogantes e… inúteis?

Então, isto é culpa do feminismo ou da mídia? Dos dois, mas nenhum deles seriam capazes de doutrinar a juventude sem o suporte do… governo!

Ah sim, o governo. Conte-me como eles fazem isto? Bem, através do suporte incondicional à implantação de leis e programas feministas e que tem um viés misândrico.

Como? Pense na “Lei de Violência contra as Mulheres” (no caso do Brasil, a lei Maria da Penha) – não nota nada errado? Percebe como violência contra homens ou crianças não são mencionadas? A “Lei de Violência contra a Mulher”, uma lei terrivelmente sexista feita pelo Senador Biden (que se sabe que foi abusado por sua irmã mais velha quando ele era criança). Ela pressupõe que somente as mulheres podem ser vítimas de violência e acabam atrapalhando o pedido de proteção de homens que são abusados por suas parceiras – mesmo com mais de 30 anos de pesquisas e com mais de 130 estudos científicos demonstrando que a violência praticada entre um parceiro contra o outro é praticamente igual nos dois gêneros. Sempre se é provado que “homens e mulheres são igualmente violentos contra o outro”. Mas mesmo assim, quando feministas demandam tratamento preferencial ou direitos “adicionais”, o governo sempre cede, como um bom garoto.

Fonte: http://antimisandry.com/articles/what-misandry-4.html

8 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Jorge

    A misandria é a regra hoje em dia. Preste atenção em duas mulheres conversando e invariavelmente elas estarão falando mal dos homens. Os infinitos privilégios concedidos pela Lei äs mulheres (aposentadoria precoce, delegacias especiais, Lei M. da penha, campanhas de saúde só pra elas, e agora escancarou a misandria com a lei do feminicídio: matar uma mulher é mais grave do que matar um homem! ) Reparem tb nos filmes: em todos os homens estao apanhando, levando tiro, sangrando, e sofrendo todo tipo de insultos ou humilhaçoes! Agora procure algum filme em que apareça uma mulher sendo maltratada: são raríssimos.

  2. carlos

    O governo faz essas coisas para atrair o voto das mulheres(consequentemente viram um tipo de gado eleitoral),é só colocar alguma ladainha de vantagem para a mulher que elas estão dentro e votam no indivíduo(a),ou apenas se o candidato for mulher já as atrai,um fato que penso ter sido descoberto pelos corruptos na última eleição.Ou seja:uma jogada eleitoral.Mas ninguém vê isso,todo os acusam de machista por apenas pensar um pouco.
    Claro que não é todas as mulheres que são assim tão facilmente manipuladas.
    Quanto ao texto cara,ficou muito bom mas infelizmente é um ou outro homem que pensa nessas coisas,há alguns que são tão marionetes do feminismo,por uma aprovação pelas mulheres,que esses iriam é rir se vissem isso aqui.
    Seria melhor tentar organizar um movimento ou algo do tipo.Porque se for só para a gente ficar engolindo calado as hipocrisias do governo e da mídia uma hora o bicho vai pegar.
    kkk

  3. Luiz Guilherme Prats

    Ufa, pensei que era só eu que clamava no deserto!
    Sim, a muita misandria hoje em dia. Junte-a com o politicamente correto, aquela noção esdrúxula que pressupõe que a Humanidade sempre foi dividida entre opressores e oprimidos, e que os últimos sempre estão certos e precisam ser protegidos, e termos o contexto para que a violência contra o homem, o não-negro, o não-pobre e outros mais seja sempre justificável.
    As mulheres ditas bem-sucedidas são os seres mais misândricas que existem.
    Agora tente processar uma neste contexto politicamente correto…

    Agora o interessante é que, onde lhes convém, as mulheres ainda querem ser tratadas com diferença (privilégio). Se aposentam mais cedo (mais vivem mais). Recebem atenção de uma série de programas governamentais, e os homens nenhum!

    Outro dia, em um curso de atualização de servidores públicos de carreiras do executivo federal, um conhecido meu tocou neste último ponto ( o da necessidade de programas específicos para os homens). Recebeu a incompreensão de duas mulheres na sala que só faltaram pular em seu pescoço.

  4. Carina

    Ah, é o feminismo que perpetua a visão do irmão mais velho valentão, do homem incapaz de fazer tarefas domésticas simples (por independência mesmo), é o feminismo que obriga os homens a se alistarem no exército, por serem o “sexo forte”. Nada disso é culpa do machismo. Ah, entendi… ¬¬

    1. Barãozin

      Pode até não ser o criador disto. Mas ele tira extrema vantegem disto tudo e jamais iria querer q tais males sumissem. Aliás, elas só reforçam tal imagem.

      Uma coisa q eu acho engraçado. Falam q o machismo desvaloriza a mulher e valoriza o homem. Mas tais esteriótipos valorizam a mulher e desvalorizam o homem. E vc fala q o responsável de tais esteriótipos é o machismo. Então me conte: o machismo valoriza ou desvaloriza o homem? Ou é algo mágico e sensacional q faz os dois ao mesmo tempo?

      Esse duplipensar feminino é de doer…

    2. Jefferson Ricardini.

      E mais, o feminismo sempre se diz lutar pela igualdade, sempre falam “o feminismo não tem nada a ver com superioridade das mulheres, é só sobre igualdade ao sexos”, mas estranhamente eu nunca vi um grupo feminista lutando por alguma dessas causas.
      Sempre vejo o feminismo combatendo o misogenia e a objetificação feminina, mas nunca vi esse mesmo feminismo lutando contra a misandria e a descartabilidade masculina. E tem mais, todo e qualquer grupo de homens q se organizem para tratar desses assuntos, lutar pela dignidade e direitos dos homens como genero, serão na hora acusados de machistas, misosgenos e haveram passeatas feministas contra esses grupos.

    3. Ricardo

      O feminismo reforça a misandria, sim. A rigor, a misandria é provocada pela cultura ginocêntrica, isto é, a cultura centrada na ideia da descartabilidade do homem: a sociedade espera que o homem se sacrifique pela mulher, e que a violência contra o homem seja normalizada, e que o homem tenha de sofrer e custear a vida das mulheres sem reclamar. O feminismo reforça essa ideia, e traz um elemento novo: agora a mulher não precisa sequer se engajar em relações interpessoais com o homem para ter essa proteção garantida. Além da condição da mulher ser protegida, e a do homem descaratda, não há sequer o conforto do status social que antes era a recompensa para subornar os homens a adotar a ideologia ginocêntrica e misandrica.

      Toda essa narrativa pode parecer abusrda para quem adotou previamente so dogmas do patriarcado e do machismo estrutural. Mas devo avisar que essa é uma narrativa com o mesmo status epistemológico e metodológico que qualquer narrativa feminista, mas que tem algumas vantagens: leva em conta a perspectiva masculina tanto quanto a feminina na construção dos paradigmas de gênero históricos, coisa que o feminismo ignorava – convenientemente. Os novos paradigmas nas teorias de gênero deslocam o foco e tiram a centralidade das pautas femininas, e uma vez que vêm acompanhadas de inteligentes narrativas, questionamentos metodológicos, diálogos interessantes, não é atoa que é odiado e temido pelos movimentos feministas que, hoje, já se industrializaram e vivem corporativamente – com medo de perder os benefícios e terem de negociar seus dogmas.

  5. a

    Eu achei interessante esse post.
    Estava procurando porque as mulheres pagam menos nas baladas, algo extremamente misandrico.
    A maioria dos comentários que achei não levava em conta que a necessidade de sair das mulheres não impediria que elas pagassem a mesma coisa que os homens.
    Afinal elas continuariam com vontade de sair ou iriam preferir ficar em casa???

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: