«

»

dez 13 2011

O “Miguxismo” e a teoria da Escada

por Fábio Leite 

Bom, todo mundo aqui já sabe dos prejuízos em ser um “miguxo” para a mulher que desejamos, ou seja, ser visto apenas como um amigo, um companheiro com o qual ela conversa, desabafa, chora no ombro e não transa, e nada mais que isso. Não preciso me estender explicando os problemas de fazer amizade com mulheres que queremos namorar/ficar/transar, já que este post, de um certo “Homem Honrado”, explica bem a situação.

Fiz este artigo com a finalidade de ampliar a discussão sobre esse tema e mostrar para vocês sobre como as mulheres agem e o que elas pensam quando seus “miguxos” resolvem demonstrar qualquer atração sexualizada por elas.

Quero analisar o discurso de duas frases que as mulheres adoram usar nessas situações, porque mostram bem o que se passa na mente delas:

“fulano confunde as coisas”

“sou legal com fulano, mas não tô dando mole para ele”

“Fulano confunde as coisas”

Para que haja confusão entre as coisas, essas coisas precisam ser, antes de tudo, DIFERENTES entre si. Podem ser muito parecidas, mas tem que haver uma diferença essencial entre elas. Se uma mulher afirma que um homem amigo “confunde as coisas” ao querer namorá-la, é porque esse homem, um AMIGO, quer se tornar um AMANTE – AMIGO e AMANTE estão, portanto, CLARAMENTE divididos na cabeça da mulher, e são completamente diferentes um do outro. Já para nós, homens, não há confusão alguma: uma amiga pode se tornar perfeitamente uma amante, e vice-versa, sem qualquer prejuízo da relação. Aliás, nós, homens, acharíamos fantástico se aquela amiga meiga, divertida e gostosinha decidisse transar conosco e, depois disso, continuasse agindo normalmente, sem cobranças de compromisso.

Algo que esclarece bastante como a cabeça da mulher funciona ao dividir os homens entre “amigos” (ou miguxos, como queiram) e “amantes” é a Teoria da Escada, ou Ladder Theory, explicada neste endereço aqui (em inglês). Basicamente, ela defende que a mulher tem duas “escadas” mentais, suspensas sobre um abismo. Na primeira escada, ela coloca os amantes (ou seja, os homens com que ela deseja fazer sexo – machos destacados). Na segunda escada, ela coloca os miguxos (que suportarão a carga emocional dela sem receber jamais sexo e afeto sexualizado). Se um miguxo tenta “pular” para a escada dos amantes, a mulher, na maioria das vezes, imediatamente o derruba para o abismo, ou seja, nunca mais olha na cara dele e corta todos os contatos. É como se o “miguxo” tivesse morrido.

“Sou legal com fulano, mas não tô dando mole para ele”

Aqui, temos outra falsa dicotomia: “ser legal” e “dar mole”. Afinal, o que são essas duas coisas?

Para a mulher em geral, “ser legal” é ser receptiva à SIMPLES CONVERSA. “Dar mole” é ser receptiva a INVESTIDAS COM OBJETIVOS SEXUAIS. Em todas as duas ocasiões, ela se põe em um pedestal, como a parte valorizada da relação humana: se ela se abre à conversa com o homem sem ser arrogante ou sem ignorá-lo, vejam só, ela vê isso como se fosse um imenso favor, como se fosse uma situação especial em que, para ser legal, basta dar atenção e mais nada ao homem que a ouve esperançoso e pacientemente. Se ela aceita investidas (como tentativas de beijos, cantadas, passadas de mão e afins), ela está, segundo a visão feminina, fazendo um imenso esforço para sair da sua condição natural de “durona” e cedendo aos encantos do macho destacado. E, óbvio, para nós, homens, não há qualquer divisão nesse caso: você pode perfeitamente conversar com uma mulher sobre, digamos, assuntos de trabalho e universidade, e no entanto logo depois querer beijá-la, sem achar que está fazendo nada de diferente ou não-natural.

Obs: não deixem de ouvir o Jornal da Real, podcast que comenta notícias e eventos do cotidiano sob uma ótica realista e masculinista – http://canal.bufalo.info/multimidia-bufalesca/jornal-da-real/

4 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. santana

    Kkkkk o grande problema para elas é quando dão mole pra um cara e são sumariamente ignoradas…eu muitas vezes pratico esse esporte…sou negro tipo moreno jambo, olhos castanhos, concursado e com bom emprego e quando percebo encantamento…ignoro, finjo que não entendo as dicas…uso as mesmas artimanhas e rio depois das coitadas…elas ficam intrigadas.

  2. Virtus

    Em todas as duas ocasiões, ela se põe em um pedestal, como a parte valorizada da relação humana: se ela se abre à conversa com o homem sem ser arrogante ou sem ignorá-lo, vejam só, ela vê isso como se fosse um imenso favor, como se fosse uma situação especial em que, para ser legal, basta dar atenção e mais nada ao homem que a ouve esperançoso e pacientemente.

    Eu passei por uma situação bem interessante. Tive que viajar com uma colega certa vez e ela começou a contar para mim um monte de coisa sobre o passado promíscuo dela, acho que por uma tentativa de sadismo, ou porque é uma versão feminina do cafajeste masculino, querendo me conquistar.

    Comecei a ficar com nojo dela e até sugeri indiretamente que ela daria uma excelente atriz pornô (rs), mas expliquei ao mesmo tempo que qualquer homem dificilmente se casaria com uma atriz pornô, procurando demonstrar para ela que ela estava iludida.

    Mas não teve jeito: além de ela não entender bulufas nenhuma do que eu estava falando, aparentemente na cabeça dela eu a estava desejando e ela ficava constantemente me lembrando que estava namorando alguém.

    Até hoje estou abismado com o nível de arrogância, prepotência e infantilidade dessa mulher: pelo simples fato de eu conversar com ela, ela considerava que eu a estava assediando. É ridículo, mas é verdade. Ou seja, eu nem sequer estava a fim de algo mais íntimo com ela, mas aparentemente na cabeça dela não existe esta hipótese. Tive que por fim deixar claro para ela que nem amigos temos condição de ser (cá entre nós, por pura incapacidade e arrogância dela).

    Hoje percebo que isso é mais comum do que imaginamos. A maioria das mulheres encaram o fato de você simplesmente conversar com elas como um sinal da atratividade delas. E se elas estão nos dando alguma atenção, nos ouvindo, por exemplo, elas já consideram isso um “favor”!

  3. Leandro Silvestre

    Isso mostra como as UTILITARISTAS mulheres que são FRIAS E CALCULISTAS dividem os homens, em produtor, escravo emocional e provedor.

    REPRODUTOR – os PIORES homens, ou então pelo menos um cara muito bonito (e mesmo assim se for cara legal pode tomar no CU.

    ESCRAVO EMOCIONAL – É o amigo que só serve de psicólogo gratuito por ser bom demais e as vezes até muito FEMININO (não tiro a razão da mulher quando o cara é assim, afinal não queremos mulheres másculas), ou então é um cara legal que acha que sendo assim as vão conquistar.

    PROVEDOR – Homens que tem dinheiro, caras legais que elas rejeitavam.

    É mais ou menos isso ae.

    1. Wilson Santos

      Cara vei muito bacana este poste agora percebo que estou agindo errado mas agente também classifica elas

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: