«

»

dez 08 2011

O feminismo é uma jogada comunista

por Paul Elam 

O problema principal do feminismo é algo que eu chamo de “Marxismo Consumista”. É um termo que parece ser paradoxal, mas é a descrição perfeita dos rumos que nossa sociedade está tomando. Nossa evolução cultural está avançando para o caminho de uma população emburrecida pelo Estado, que agora se transformou numa mega corporação. E ele dá as regras baseado num sistema de governança feminista. Deixe me explicar desde o começo:

O Feminismo é uma estratégia marxista designada para minar a família e todas as outras instituições tradicionais, assim fazendo que a toda a relação individual entre os cidadãos sejam controladas totalmente pelo Estado. Para poder conseguir fazer isso, a propriedade privada, a única prova tangível de liberdade individual, se torna algo do passado. Este é o resumo da Nova Ordem Mundial. E se você está ligado no que está acontecendo, perceberá que isto já acontece há tempos.

Destruindo o casamento, criando um verdadeiro muro entre homens e mulheres,  separando pais de filhos, dissolvendo a autoridade dos pais, assim dissolvendo a família em si, as barreiras para o Estado controlar tudo são removidas. Pense em qualquer mal infligido pelo Feminismo na sociedade, e pense nestes males nos termos de uma agenda criada para se implantar um controle autocrático de toda a população. Você verá que eles são praticamente iguais; um serve o outro de todas as formas.

Ao passo de impor isto, primeiramente tem que se vilificar a masculinidade, e depois criminaliza-la. Nós chamamos isso de “Guerra entre os sexos”, mas nós confundimos isso como algo por uma luta pelo poder, ou até mesmo pela igualdade, entre homens e mulheres. Já que você sabe que o feminismo não tem nada a ver com igualdade, vamos ver o que realmente ele é.

Pense nas leis contra violência doméstica nos EUA (NT: no Brasil, o exemplo mais próximo é a lei Maria da Penha) que só reconhece nos homens os responsáveis pela violência doméstica. Considere que a lei que está surgindo sobre o “agressor primário” são feitas para que somente os homens sejam presos numa disputa doméstica. Pense como aqui nos EUA as ordens de prisão são dadas rotineiramente sem evidências ou corrobação e como o poder acusatório das mulheres está virando uma epidemia que está destruindo vidas de homens inocentes. (NT: Ver o recente caso Strauss Kahn)

Você pensa que tudo isso é justo porque feministas estão apenas fazendo as coisas ao seu modo?

Se você acha que tudo isso é só bobagem, peço para que leia e reflita sobre este trecho do livro “A revolta de Atlas”, de Ayn Rand:

“Você acha mesmo que queremos que estas leis sejam respeitadas?” diz Dr. Ferris. “Queremos é que elas sejam desrespeitadas. Você deve ter em mente que você não está lidando com um bando de escoteiros. Nós queremos o poder. Não há como mandar em homens inocentes. O único poder que qualquer governo tem é o poder para destruir criminosos. Bem, se não tem criminosos o suficiente, alguém o criará. Alguém irá regulamentar tantas coisas que podem ser crime que será impossível para os homens viverem sem quebrarem alguma lei. Quem é que vai querer uma nação de cidadãos ordeiros? Para que isto serviria para alguém? Mas é só fazer leis tão sutis que não podem ser contestadas ou interpretadas objetivamente – e você irá criar uma nação de criminosos – e assim você irá lucrar com a culpa. Agora este é o sistema, Mr. Reardon, este é o jogo, e quando você entendê-lo, será muito fácil de lidar com isso.”

Estas palavras, publicadas no ano do meu nascimento, acabaram por descrever bem o mundo em que vivemos. Acredite em mim, jamais usaria um trecho de um romance como referência se eu não tivesse absoluta certeza que você pode confirmar tal situação somente ao observar o mundo ao seu redor.

Destruindo o poder masculino – o guardião histórico da família – e nossas liberdades individuais, o Estado terá o domínio total e sem oposição.

Então, se você ainda tem alguma dúvida sobre as raízes marxistas do feminismo, e a intenção de criar ressentimento entre os sexos para poder destruir a família tradicional, dê uma olhada neste poster soviético datado de 1932, logo abaixo. Os soviéticos sabiam, que nem o nosso governo atual, que para ter o domínio completo da população você tem que minar a família e fazer com que o governo tome o lugar do marido e do pai.

"8 de março é o dia de rebelião da mulher trabalhadora contra a escravidão da cozinha" e "Pelo fim da opressão e do serviço inútil doméstico!"

Porque se você retira de um homem seu status social, sua dignidade e sua autoridade familiar, a única coisa que ele irá se dedicar é só ao seu pagamento, alguns benefícios e a um nacionalismo bocó. Ele nunca desafiará o governo que o controla, não importando o quão opressor e tirânico ele seja, já que não há mais nada de valor para ele proteger. E os homens, apesar da loucura generalizada do nosso tempo, são programados para não reclamar de nada e nem lutarem por si como um grupo.

É claro, muitas pessoas, entre eles muitos masculinistas, não percebem que o feminismo não é apenas uma agenda anti masculina que opera sob o manto da igualdade entre sexos. E mesmo uma imagem, valendo 1000 palavras, não irá te contar a história toda.

Eu sugiro que comece a estudar mais sobre a história, e um bom começo para isso é ler a série de ensaios escritos por Carey Roberts, e ler todos os links para ver até onde eles podem chegar. É uma toca de coelho que vai bem fundo.

No Ocidente não enxergamos a real natureza desta massiva mudança social promovida pelo consumismo desenfreado e fútil, peloo politicamente correto e pela erosão intencional de nosso sistema educacional. Desde pequenas as crianças são afastadas de pensarem livremente e são pressionadas a engolirem a pedagogia feminista-marxista. E isto é feito para se criar um sistema de ensino superior que é voltado primariamente para a doutrinação. E não é coincidência que a doutrinação domina as modernas universidades ocidentais é também uma amostra da dominância da ideologia feminista. Um graduado de hoje, especialmente o da área de humanas, sai da universidade convencido que os homens são inerentemente maus e que as mulheres são oprimidas coitadinhas, não importando se a realidade mostre o contrário.

Toda a voz que se levanta contra isso é rapidamente silenciada. Maquiando e colocando um vestido no marxismo, os engenheiros sociais que implantam esta agenda se aproveitam do cavalheirismo e outros aspectos da masculinidade tradicional para se protegerem. Algo intrigante. Eles usam as pessoas que eles atacam como escudo para as pessoas que estão o atacando. Falando francamente, isto é uma puta esperteza.

E ao mesmo tempo, do outro lado do espectro social, eles manobram entre si para ganhar mais proteção através de impor uma imagem de maluco misógino a todos que se opões a eles.

Sim, é muito esperto.

Mas o nosso objetivo não é lutar contra isto. E a razão disto é simples.

É tarde demais.

A guera de sexos acabou e o marxismo venceu. Não importa em que parte do mundo você viva, você não achará um lugar livre desta influência pestilenta. Eles tomaram tudo, não importa que discurso político eles usem, com esta nova agenda. A legislação que vale, aquela que bota os homens como reféns das mulheres e por fim coloca ambos como meras peças do Estado, serão suportados pelo poder que prevalece, não importa onde.

Isto não é culpa das mulheres, mas acho que você é mais daqueles que não concordam com isso. Elas foram enganadas também, e antes de tudo acabar e já ser tarde para reagir, todas elas também acabarão escravizadas pela mesma agenda que as prometeu liberdade e independência. Elas estarão trabalhando em empregos que pagam pouco, subizidiadas marginalmente pelos impostos recolhidos dos homens. O novo marido delas será o Estado, que as manterá um pouco acima da linha da pobreza e lhes dirá que isto é a tão sonhada “liberdade”. Na verdade, isto já está acontecendo. (NT: é oportuno lembrar do livro de George Orwell, A revolução dos Bichos, onde os porcos tomam o poder prometendo menos trabalho e mais comida, e no fim acaba acontecendo justamente o contrário…)

Mas os igualmente pobres – e agora marginalizados – homens estarão impedidos e provavelmente sem a mínima vontade de ajudá-las a sair deste buraco.

A única coisa que permanece no homem é seu instinto de sobrevivência. São os homens que serão as mulas de carga desta nova ordem mundial. E a resposta não é ir a guerra contra o Marxismo, pois isto apenas resultaria na morte de quem enfrentá-los. Minha resposta é bem simples: abandonem toda a noção de compromisso para com elas e parem de vê-las como se fossem coitadinhas.

A triste realidade é que as mulheres estão sendo usadas como armas pelo governo para dominar a vida dos homens; para roubar seus ganhos e suas propriedades; para forçá-los a entregarem seus ganhos e viverem com o suficiente para a subsistência, e até mesmo matá-los ou prendê-los caso eles não aceitem isto.

E a única resposta apropriada, para os poucos bravos que tem coragem para isso, é o desenvolvimento de uma sub cultura desorganizada de homens que se foquem na sua sobrevivência, e na medida do possível, que consigam ser bem sucedidos em meio a este sistema corrupto. E dividindo este conhecimento com outros homens.

Para isto é necessário que os homens mudem radicalmente sua visão acerca das mulheres.

Provavelmente serão poucos os que conseguirão isso, já que a maioria dos homens não conseguem fugir de sua programação sexual básica. Mas mesmo assim 0,25% de 1 bilhão é um número respeitável.

Não importa o tamanho da comunidade de homens que seguem estes ideais, é importantíssimo que eles façam uso da internet. É o único meio de contato que muitos de nós podemos ter um com os outros.

E este é o propósito do A Voice For Men (NT: e obviamente, nós do Canal do Búfalo compartilhamos tal visão). Este site existe para educar os homens que o único movimento que importa é aquele que os faz ficar longe do controle feminino, e por conseguinte, do Estado. Os artigos e vídeos aqui refletem isto muito bem. Temosartigos sobre a masculinidade Zeta, que exploram os métodos que revertem o tradicional fluxo de controle que minam a capacidade masculina. Também daremos dicas de como evitar o consumismo desenfreado; e como viver uma vida o mais longe possível do domínio corporativista . E do jeito que as coisas estão, com cada vez menos homens fora do mercado de trabalho, o anti consumismo se torna sinônimo de sobrevivência.

Será dada ênfase a ser evitar se casar, ter compromissos e ser escravo do consumismo, mas o caminho mais rápido para alcaçar isto é ter uma postura anti corporativista e militar pelo protecionismo pró masculino.

(…)

Aqui será uma biblioteca de informações e de opiniões que encoragem os homens a adotarem uma nova forma de masculinidade, a masculinidade Zeta, que reduz sua vulnerabilidade a este sistema execrável que temos, promove a independência da mulher e aponta um caminho pra uma vida livre; que se abstem do tradicional caminho de utilitarismo e servidão.

Então deixamos claro desde o início. Esta é uma terra sagrada, e eu falo literalmente. Opiniões contrárias são bem vindas dos homens que seguem os ideais deste site. Mulheres também são bem vindas, desde que concordem com as idéias.

Mas, feministas e cavaleiros brancos serão chutados sem cerimônia. Aqui não é lugar para vocês. (NT: Isto vale para este blog também. Voltem para os seus bueiros e não emporcalhem aqui, manginas e feministas!)

Obs: Os negritos são meus

fonte: http://www.avoiceformen.com/2010/07/03/welcome-a-voice-for-men-has-a-new-face/

3 comentários

  1. Lucas Rolans

    Concordo que o marxismo tenha fornecido a mola propulsora para os movimentos sociais feministas. Mas o doutrina social que, de fato, concebeu a independência material e financeira da mulher nos tempos mais recentes foi o capitalismo. Há, na história, alguma ditadora posta no poder de um país pelo comunismo? Não é à toa que elas tem uma paixão por dinheiro.

  2. Marcelo

    o melhor texto de todos.É fato que o feminismo é só mais uma cartada daqueles que querem a NOM,um governo totalitario e opressor.

    parabéns pelo blog.

  3. rafael

    A nova versão do blog ficou muito boa, e eu gostei desse texto.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: