«

»

dez 03 2011

Era Jesus um mangina?

por Paul Elam

Primeiro, gostaria de dizer que sou ateu. Mas não daquele tipo de ateu militante chato que dedica religiosamente a sua vida a condenar tudo o que seja cristão.

Mesmo sendo ateu, sou fã da história de Jesus Cristo como descrito na Bíblia, e mesmo enxergando ali imprecisões históricas, eu considero uma leitura rica em sabedoria, humanidade e inspiração.

O Jesus da Bíblia é o tipo de homem que eu gostaria de ser, mas eu sei que eu não conseguiria chegar nem perto deste objetivo.

Dito isto, vejo que muitas organizações religiosas cristãs seguem um caminho totalmente desconectado com os ensinamentos de Jesus, o que influencia negativamente muitos fiéis.

Um dos maiores exemplos disso são aqueles religiosos dogmáticos que frequentam a igreja atual. Se esses palhaços são seguidores de Jesus, então o filho de Deus deve ter sido o maior mangina que exisitiu.

A mentalidade e as crenças que estas igrejas apresentam aos seus fiéis refletem um novo paradigma bíblico: “Porque Deus ama tanto o mundo ele deu seu filho para nós para que todo aquele que adora a Mulher não pereça, mas que tenha a eterna aprovação delas, e que assim seja um homem de verdade.”

E isto é sério. A igreja, sempre aquela que foi demonizada por ser a maior fonte da misoginia e do patriarcalismo, atualmente prega totalmente o oposto. Agora ela é mais como um campo de treinamento para os humildes servos da Divina Vagina.

Acima de todas as outras entidades sociais, homens religiosos estão geralmente no topo dos que seguem algo sem nem saber o que estão fazendo. E mesmo que no passado esta atitude pode ter sido algo até louvável, infelizmente este tempo já se foi. Alguém deveria avisá-los disso e também ensina-los algum bom senso.

Vejamos, por exemplo, um pequeno site chamado Top-christians.com.

Na sessão “Bom Marido”, eles nos passam o aviso padrão: proteja sua esposa, esteja preparado a morrer por ela. Mas, na igreja moderna e iluminada de hoje, há muito mais para se aprender. Eles ensinam que os homens devem “se submeter” as suas esposas. Sim, se submeter. Tá lá nas escrituras, eles nos garantem. Mas é claro, isto não termina aqui.

No site, a versão moderna da Nossa Senhora da Vagina Implacável nos dá muitos mais conselhos, direto do pulpito do Dr. Phil.

O que vem a seguir é o texto completo da sessão “Como passar o tempo juntos”. A coisa fala por si só:

“Quando passar o tempo junto com sua esposa, não fale sobre trabalho!

Ou golfe.

Ou carros.

Ou qualquer coisa que te interesse.

Se você realmente deseja colocar sua esposa em primeiro lugar, então você terá que falar coisas que interessem a ela!

Como o que? Não sabe o que interessa a ela?

Ah, exatamente onde quero chegar!

Você está tão concentrado no que você quer que você nem sabe o que sua mulher quer. Que vergonha!

Mas agora é hora de começar a mudar as coisas.

E não fique nervoso se ela começar a suspeitar desse seu interesse repentino. Mesmo se ela suspeitar que isso é para disfarçar algum erro seu (como estar dormindo com a melhor amiga dela).

Se você começar a agir de uma maneira totalmente diferente do que você estava acostumado a agir, é claro que ela ficará desconfiada.

Comece por dizer a ela que deseja mudar e que agora ela estará em primeiro lugar.

Pergunte a ela o que a faz feliz, “porque eu quero começar a fazer estas coisas”.

Depois do cheoque inicial (e provavelmente dela duvidar disso) ela ficará maravilhada quando ela ver que você está falando sério.

Ela verá que você realmente deseja ser um bom marido para ela, e ela te amará por isso.

Só continue com isso. Saia da sua zona de conforto e e comece a ter uma vida plena com a esposa que Deus lhe deu.

Eu garanto que será uma jornada terrível!”

Só para informar, até os negritos são deles. Não mudei nada aí.

Parece que quem escreveu isto olhou para a cruz e não viu ali o Filho de Deus, mas sim o filho de Oprah, e obedientemente injetou uma dose satânica de vergonha para todos os tolos o suficiente que escutaram isso.

Acha que isto é um ponto de vista isolado de uma só comunidade cristã? Dificilmente.

As igrejas seguiram o mesmo caminho que os governos, instituições educacionais e a mídia seguiram dutante os últimos 50 anos.Em outras palavras, a igreja virou uma versão “água com açucar” e feminizada de si mesma. Ao fazerem isso, eles enviaram uma mensagem clara sobre as suas opiniões sobre a vida ea morte de Jesus Cristo.

Eles cagam e andam pra ele e provavelmente nunca ligaram para ele de verdade mesmo.

O que quer que Cristo signifique para estes traidores vendidos não tem a substânica de um trabalho de pesquisa sobre as diferenças salariais entre homens e mulheres de um grupo feminista militante. Sua fé foi vendida ao politicamente correto, à cultura pop e ao fundamentalismo feminista há tempos.

Você está se perguntando o que tudo isso tem a ver com o Jesus bíblico. E eu digo, absolutamente nada.

Jesus mandando fanfarrões "pedirem pra sair".

O Jesus que li na Bíblia não aturaria essa palhaçada por um minuto sequer. Quando os vendilhões tomaram o Templo Sagrado, eu li que ele foi lá chutar o traseiro pilantra deles e os botar pra correr.

O Jesus que eu li na Bíblia desafiou cada corrupto poderoso e hipócrita do seu tempo para poder falar a verdade.

O Jesus que eu li na Bíblia morreu por isso, sem pestanejar.

Mas este é só o Jesus da Bíblia. Na verdade, ele nunca foi o Jesus que a maioria dos cristãos acreditaram. Poxa, ele passou os últimos 3 anos da vida dele falando que nem seus próprios apóstolos entendiam direito o que ele falava. E na verdade, os cristãos estão emulando os apóstolos, não Jesus, desde sempre.

Se isso não é verdade, então me mostrem uma organização cristã ocidental que está falando alguma coisa sobre como os homens estão sendo cada vez mais castrados em suas próprias vidas, isso sem falar em suas próprias famílias.

Mostre-me uma que se levanta contra isto e dizendo aos seus fiéis que estas porcarias ditas por organizações como a Top Christians e tantas outras não passa de lixo.

Só uma. Estou aqui esperando.

E assim, talvez, seja só Jesus Cristo.

Não importa se Jesus realmente existiu e foi o Filho de Deus na Terra, ou se ele seja somente uma bela e instrutiva metáfora para ensinar a humanidade, Ele definitivamente não foi um mangina.

Notas:

[1] Mangina: Traduzindo do inglês é a junção das palavras man = homem e gina que vem de vagina. Ou seja: homem-vagina. O homem-vagina é o homem que sempre coloca a mulher num pedestal e a valoriza acima de tudo, geralmente visando fins sexuais. Como são desesperados por mulher, colocam em detrimento até a família e/ou amigos por causa delas.

Fonte: http://www.avoiceformen.com/2011/04/16/was-jesus-a-mangina/

15 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. CLEZIO

    espera ai… tambem não vamos exagerar …só pq o maluco trata uma mulher como um ser humano evitando que ela seja apedrejada até a morte e tal não quer dizer que ele seja um mangina eu já apartei briga de casais pq eu vi que o cara já tinha vencido a luta e tava usando de excesso de força para evitar que a infeliz morresse e o outro infeliz se sujasse por besteira de matar alguem só por joguetes femininos ou qualquer coisa que seja… no meu ponto de vista o mangina é o cara que tá cego por uma mulher e age em favor disso e não da figura do ser humano em geral

    1. CLEZIO

      concordo com sua parte final desse texto “Ele definitivamente não foi um mangina.”

  2. Gil Mendes

    Um dos poucos padres que publicamente tem se manifestado contra o feminismo e ideologia de gênero. Escrevam no google: “padre paulo ricardo” + feminismo
    e abaixo alguns links:
    https://www.youtube.com/watch?v=e8y-wtgULQE
    https://padrepauloricardo.org/blog/defensores-do-aborto-saudam-satanas-durante-audiencia-no-texas-estados-unidos
    https://padrepauloricardo.org/episodios/feminismo-o-maior-inimigo-das-mulheres

  3. Pompeu Teles

    Você exagerou demais, pelo menos no Brasil as igrejas de crença Cristã, católica e protestante não vão neste caminho que você citou em relação homem e mulher, primeiro que a religião católica não interfere na vida dos seus fiéis (diferente das protestantes), na igreja católica o que se vê é o padre passando os ensinamentos e segue quem quer, claro que quando o sujeito é pego em flagrante pecado é excumulgado.

    Nas igrejas protestante tradicionais ainda não chegaram a este nivel feminista que você pintou, o que se ouve e se vê é que pregam ainda a superioridade do homem no relacionamento macho e femêa, acho que você pegou alguma tendência internacional e aplicou aqui, e errou feio. Cite uma denominação religiosa que trabalhe com esta idéia de homem subserviente à mulher….cite uma: a universal não é, as assembleias não são, as maranatas e congfregação cristã do Brasil menos, as batistas também não, as do malafaia e cia menos…de qual você esta falando?

    De uma ou outra igrejinha sem renome ou ministério sério, só pode! Você não pode pegar aquela igrejinha desconhecida de São Paulo que fez o swing gospel e julgar todas as igrejas por uma única que nem faz parte de ministério algum e é mais uma paródia do que uma instituição. Cara, antes de escrever determinados artigos, pelo menos faça uma pesquisa de campo, não faça este tipo de artigo sem pé nem cabeça, ou esplique que esta trabalhando com uma tendência de algum país. senão daqui a pouco o blog perde a crédibilidade e fica igual os gayzistas e feministas, cheios de falácias!!!

    1. noborderman

      Sem querer bancar o advogado de defesa, mas o Paul Elam é um excelente pesquisador meu caro. Entretanto publicaram de uma forma tácita aqui no blog. Leia outro artigo do mesmo. Sugiro transtorno borderline (aqui mesmo no canal do búfalo). É que o cara é americano e para a nossa realidade destoou mesmo.

  4. Di

    Com Deus nãao se brinca. Espero que reconheçam essa verdade a tempo.

  5. Felipe

    Até onde sei, a bíblia não fala que Jesus se relacionou amorosamente com mulheres, se foi realmente isso, ele era desiludido com isso? por que?: não era um mangina, e tinha caído na real, rs…

    (ironic mode).

  6. Fulano de Tal

    Ateus, céticos, agnósticos, religiosos de qualquer religião ocidental ou oriental, antiga ou moderna…

    Independente disso acho que todos temos que concordar que se não mantermos as coisas sob controle, o “feminazismo” vai se sobressair e aí todos nós homens vamos ter problemas. E toda a humanidade também, por tabela.

    Dessa vez, só dessa vez, peço por favor e humildemente para que esqueçam suas diferenças por um só instante e se concentrem em se informar e, se possível, combater (pode ser ensinados seus filhos a serem pessoas honradas, ou então salvando seus amigos mais aptos da Matrix, e por aí vai…) todo esse movimento e ideologia que só me parecem trazer cada vez mais desigualdade injusta de gêneros para o nosso mundo.

    Paz à todos.

  7. emanuel junior

    se vc ler atentamente o que postei abaixo vai entender de forma clara que jesus foi morto por feminazis e seus marginas isso é a verdadeira história dê atenção por favor

    1. INTERESSADO

      Meu amigo, que Deus te abençoe. Apenas recentemente li a respeito da prostituta do Apocalipse ser a Jerusalém que estava com um cálice nas mãos bêbada com o sangue dos profetas e dos mártires. conforme o Evangelho de Mateus capítulo 23. A Jerusalém que o próprio Cristo julgou, condenou e deu a sentença ali mesmo antes de ser morto por aqueles que Ele estava condenando (risos). Por eu ser católico sempre achei que a tal meretriz que se assentava sobre muitas águas era a cidade de Roma que tem sete colinas como descrito no Apocalipse. Mas agora eu fui saber que Jerusalém também tem. E era sobre Jerusalém que pesavam todos aqueles crimes desde o sangue de Abel até o de Zacarias filho de Baraquias (havia dois profetas de nome Zacarias no Antigo Testamento. Além de Zacarias pai de João Batista. Uma coisa que observei é a extrema coragem de Nosso Senhor em dizer exatamente de qual profeta ele estava falando. Como se estivesse chamando os fariseus para a briga. “Estás falando daquele Zacarias mestre?” E Ele: “Não Não, do outro!!” E isso no meio da multidão enfurecida que já não o suportava mais. Assim como Ele mesmo já não mais os suportava. Aí, para o meu desgosto com a minha religião esses padres tão sujos quanto os fariseus daquela época começam essa história de: ” O que é que é isso? Deus não castiga. Jesus é amor” Ui, ui, ui!!! “Jesus sangrou por nós até a última gota.” “”Vai lá e faça o mesmo”” Hipócritas que gostam de amarrar fardos pesados e jogar nas costas dos outros para que os outros carreguem enquanto eles mesmos não o querem mover nem com um dedo. Possuem a chave da ciência porém eles mesmos não entram no Céu e não deixam ninguém entrar. Falam de Pedro pra cá Pedro pra lá. É o trono de Pedro é a barca de Pedro. São as chaves do Céu dado pelo próprio Cristo a Pedro. E se esquecem não só dos outros apóstolos mas acima de tudo deles mesmos. Não é a toa que o próprio Pedro devolve a Cristo a mesma autoridade que recebeu Dele. E ainda lembra que a Dele é maior de maneira mansa e humilde. E ainda em 1 Pedro capítulo 4 versículos 17 até o 19 ele diz que Deus começará seu julgamento pele Igreja e qual será a sorte destes sacerdotes destes bispos que se auto vangloriam de sua autoridade. Por que a que mais foi dado mais será pedido. E a quem mais se confiou mais se exigirá isto foi o próprio Cristo que disse em Lucas 12 versículos de 42 a 48. Se o justo se salva com dificuldade, qual será então a sorte do ímpio? Aí os padres vão lá e nos lembram apenas do último versículo de 1 Pedro, 4 que nos manda esperar com paciência e praticando boas obras de todo coração. Pois bem, seja assim. Pratiquemos e esperemos para assistirmos de camarote a queda desses falsos pastores. Por que basta que olhemos brevemente para vermos e contemplarmos a recompensa do ímpio. (Salmo 91). É muito falso amor hoje no mundo. É a falsa piedade visando o lucro.( 1 Timóteo capítulo 6 ) Falam dos protestantes e de todos mas se esquecem deles mesmos.

  8. emanuel junior

    E bom é ressaltar que os três trabalham em sintonia, pois a idolatria conduz a prostituição que conduz ao suborno, pois na maior parte das vezes as mulheres usam seu corpo para alcançar o poder, e o homem utiliza de poder para a volúpia.
    “Cada um, porém, é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência; então a concupiscência, havendo concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte.” (TG 1:14-15)
    E por que necessariamente nesta ordem?
    “Porque primeiro foi formado Adão, depois Eva.
    E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão.” (1Tm 2:13-14)
    Assim mefistófeles tentaria a mulher abrindo espaço para asmodeus tentar o homem. (mas ambos são tentados pelos dois.)
    E esta foi a estratégia de satanás, jogar o homem contra a mulher. Por isso a questão da ginecocracia x patriarcado que culminou na violência atual.
    Raul seixas era um convicto satanista, certa vez o vi em um vídeo dizendo que o diabo iria destruir o protestantismo norte americano. Em muitas de suas letras a apologia satânica se mostra explicitamente; e em particular uma me chamou bastante a atenção. Ela diz assim: “_eu prefiro ser essa metamorfose ambulante”. Ao escutar essa musica cheguei a conclusão de que as entidades da antiguidade são as mesmas de hoje, que eles apenas metamorfoseiam-se e/ou substituem suas nomenclaturas para assim ludibriar os seres humanos. Os “deuses” (demônios.) da antiguidade são os mesmo de hoje, só mudaram de nome e aparência, mas são os mesmos.
    adrameleque, anameleque, asima, astarote, baal, camos, dagom, diana (ou ártemis), medeba, merodaque, milcom, moloque, nebo, nergal, neustã, nibaz, nisroque, quemos, raínha dos Céus (ishtar/rainha deusa), sucote-benote, tartaque, zer-Banite…
    Tomemos como exemplo isto:
    No Egito eram ísis, hórus, anúbis… Que foram helenizados com nomes como zeus, hera, dionísio… Que foram romanizados como júpiter, Juno, baco… (cada um com uma finalidade especifica; da guerra, da beleza, do vinho…)… E hoje de igual forma a um “santo ou padroeiro para tudo”. “Assim diz o Senhor, Rei de Israel, seu Redentor, o Senhor dos exércitos: Eu sou o primeiro, e eu sou o último, e fora de mim não há Deus.” (Is 44:6)
    Tomemos como parâmetro asmodeus (para continuar falando sobre ginecocracia x patriarcado.), a letra inicial de seu nome é parte integrante do acrônimo baal. Esta palavra em hebraico é cognata de outra em acádio, bel, com o mesmo significado. É o demônio regente do sexo e da Luxúria. Também influi nas brigas entre casais. No livro deuterocanonico de Tobias é citado como o assassino dos noivos de Sara. Porém asmodeus já foi conhecido (entre inúmeros nomes.) por háthor no Egito, baal para os hebreus, freya para os nórdicos, dionísio na Grécia, baco em Roma, já foi simbolizado por incubus e sucubus na idade média, pombagira na umbanda. (que por dizerem-se várias, Maria Padilha, sete saias, rainha, menina de praia… pode-se afirmar que são na verdade um panteão demoníaco ao comando de asmodeus.); que apenas muda seu nome durante o passar dos tempos, adaptando-se as eras para interagir e ludibriar a raça humana.
    Como vimos no livro anterior, a guerra entre as dualidades e sua disputa pelo poder deriva de fatores sexuais/econômicos. E é desta forma que o adversário de nossas almas consegue atingir seu objetivo de matar, roubar e destruir. (atingindo o alicerce social; a família.)…E esse foi o legado da geração pregressa, a geração “paz e amor”.
    Se alguém pensa este ser um fenômeno exclusivo da atualidade, engana-se completamente.
    De tempos em tempos o povo de Deus passa por um período de total contaminação das coisas do mundo. (principalmente prostituições e adultério.). E suas conseqüências são catastróficas. (como as que estão se iniciando agora em todo o globo.). “Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos em vários lugares. Mas todas essas coisas são o principio das dores”. (Mt 24:7-8)
    O que pretendo dizer é que um pequeno grupo se infiltra no meio das pessoas de bem e quando se vê o mal está instalado no meio de toda sociedade. “Um pouco de fermento leveda toda a massa.” (Gl 5:9)
    baal é citado muito antes de Elias, mais comecemos por ele (Elias.)para entendermos a ira de Deus sobre a sociedade.
    O profeta Elias surge em um tempo de terrível apostasia do povo de Deus sob o jugo de Jezabel. Jezabel foi esposa de Acabe, rei de Israel. Era uma mulher idólatra, adoradora de baal. (o mesmo “bel” ou “asmodeus” ou “pombagira”.). O nome Jezabel significa “impura, sem obrigação para com ninguém, com justiça própria, insubmissa”, (ela era adúltera.). Acabe endossa a idolatria e a imoralidade do culto a baal. Por ordem de Jezabel, a adoração a este deus pagão é instituída e profetas de baal são levantados na nação de Israel, o que resultou na perseguição e morte de muitos profetas de Deus e uma perseguição implacável a Elias. (Acabe líder do povo escolhido, acusou Elias de perturbar a nação.). Este espírito maligno trouxe sobre a nação de Israel a idolatria, a prostituição e a insubmissão a Deus. Como resultado houve seca e miséria na terra. Mas os profetas de baal foram mortos em parte por Deus, em parte pelo povo e em parte por Elias. “E Elias lhes disse: Lançai mão dos profetas de baal, que nenhum deles escape. E lançaram mão deles; e Elias os fez descer ao ribeiro de Quisom, e ali os matou”. (Rs 18:40)
    E o povo escolhido de Deus pagou as devidas penalidades por fugir as regras do altíssimo, e por perseguir Elias, cujo nome significa “o Senhor é poderoso”.
    E assim o povo de Deus se corrompeu em outro período mais adiante. (pouco mais de 300 anos.). Isaias profetizou no período mais crucial da história de Judá e Israel. Ambos os reinos do Norte e do Sul haviam experimentado cerca de meio século de poder e prosperidade crescentes. Israel, governado por Jeroboão e outros seis reis de menor importância, tinha sucumbido ao culto pagão; Judá, sob Uzias, Jotão e Ezequias, manteve uma conformidade exterior à ortodoxia, mas, gradualmente, caiu num sério declínio moral e espiritual (Is 3.8-26). Lugares secretos de culto pagãos eram tolerados; o rico oprimia o pobre; as mulheres negligenciavam suas famílias na busca do prazer carnal; muitos dos sacerdotes e profetas tornaram-se bêbados que queriam agradar os homens (Is 5.7-12,18-23; Is 22.12-14). Embora estivesse para vir mais um avivamento a Judá sob o rei Josias (640-609 aC), estava claro para Isaías que a aliança registrada por Moisés em (Dt 30.11-20) havia sido tão inteiramente violada, que o cativeiro e o julgamento eram inevitáveis para Judá, assim como o era para Israel.
    Isaías entrou em seu ministério aproximadamente na época da fundação de Roma e dos primeiros Jogos Olímpicos dos gregos. As forças européias ainda não estavam preparadas para grandes conquistas, mas diversas potências asiáticas estavam olhando para além de suas fronteiras. A Assíria, particularmente, estava inclinada a conquistas ao sul e ao oeste. O profeta, que era um estudioso dos assuntos mundiais, podia ver que o conflito era iminente. A Assíria conquistou Samaria em 721 aC.
    Na verdade não sabemos como Isaías terminou a sua vida. Há apenas lendas. Um livro apócrifo do século I d.C., (Vidas dos Profetas.), escrito por um anônimo judeu da Palestina, diz que o filho e sucessor de Ezequias, Manassés, um dos piores reis de Judá, totalmente alinhado à política assíria, mandou serrar Isaías ao meio, provavelmente porque falava demais… O nome “Isaias” significa “O SENHOR é salvação”.
    Jeremias foi um grande profeta, sendo muito semelhante a Isaías. (Isso ocorreu aproximadamente sessenta anos depois do fim do ministério de Isaías.). Foi durante o declínio final da nação de Judá e o primeiro ano de sua escravidão na Babilônia que Jeremias profetizou e lastimou por ela. Jeremias estava dividido entre a sua lealdade a Deus e o amor (platônico.) a seu povo. Encheu-se de compaixão quando o viu sofrendo. Sabia, porém que o julgamento de Deus contra o povo era justo. Ele relatava as mesmas coisas que Isaias. Idolatria, prostituição e opressão da aristocracia judaica sobre os pobres. (Jr 23:10-11). Enquanto os judeus o odiavam por ter dito a verdade sobre a razão de sua escravidão, os Gentios o odiavam por profetizar a libertação futura de Israel e Judá, e a sua derrota. Sua compaixão foi respondida com perseguição e seu grande amor com prisão. Apenas Deus amou e compreendeu esse profeta solitário, mas fiel. Sua recompensa deverá estar na gloria, pois, apesar de o mundo não entender ou não se importar, Deus nunca deixa seus trabalhadores fiéis sem recompensa. O significado do nome é incerto. Há duas possibilidades. Yirmeyâhû quer dizer “Iahweh (=Jeová.) exalta”, “Iahweh é sublime” ou “Iahweh abre (=faz nascer)”. Este nome era bastante comum nos tempos bíblicos. São conhecidos pelo menos sete personagens, mais ou menos importantes, com este nome.
    Em seguida vêm as advertências de Ezequiel (sobre os mesmos motivos dos profetas anteriores.). A mensagem de Ezequiel foi endereçada ao resto dos pervertidos de Judá exilados na Babilônia. A responsabilidade moral do indivíduo é um tema de primeira importância em sua mensagem. A responsabilidade coletiva não mais resguarda o indivíduo. Cada um deve aceitar uma responsabilidade pessoal pela desgraça da nação. Cada um é responsável pelo seu pecado individual (Ez 18.24). Foi o peso do pecado acumulado de cada indivíduo que contribui para o rompimento do concerto de Deus com Israel, e cada qual leva uma porção da culpa pelo julgamento que resultou no exílio. Ao contrario de seus antecessores (que foram torturados e mortos pelo povo corrompido de Deus.) a ele adequadamente pertence o título de “carismático”. Não há relato sobre a morte de Ezequiel. (cujo nome significa “Deus fortalece”).
    Através destes três últimos profetas aqui citados, podemos advertir sobre a justiça divina, pois neste ínterim Israel passou de uma sociedade independente, a condição de vassalos de assírios, egípcios, babilônios (sendo que na babilônia foram exilados por setenta anos.) e posteriormente dos persas. Sem contar que se matavam uns aos outros com freqüência e o caos social era visível. Há alguma diferença da sociedade atual? (a única diferença é que se fosse hoje diriam que a culpa é da televisão.)
    E uma coisa bastante interessante é a constante adoração de “baal” o demônio regente do sexo e da Luxúria. (semelhante a “baco” das bacantes como vimos no livro anterior.). Com uma oposição ferrenha a esses cultos, a comunidade “baalin” para continuar com sua conduta, mudou o culto na tentativa de fazer pensar que abandonaram a “baal”; a partir daí podemos ver outra entidade ser mencionada no livro de Jeremias: a “rainha dos céus.” (Jr 7:18)
    “ishtar” a deusa babilônica era qualificada nos textos acadianos com os epítetos “rainha dos céus”. Como vimos os demônios se disfarçam para melhor se adaptar as situações diversas. Sugere-se que essa deusa deva ser identificada como a deusa sumeriana da fertilidade “inana” cognata de “asterote” dos filisteus (gregos de Creta.). Como foi acentuado o combate aos cultos de “baal” e a “ishtar” foi elaborado outro subterfúgio: o culto a “tamuz”. “Depois me levou à entrada da porta da casa do Senhor, que olha para o norte; e eis que estavam ali mulheres assentadas chorando por tamuz.” (Ez 8:14). “tamuz” era um deus dos sumérios, conhecido na Grécia como “Adônis”, diz a lenda que era um jovem de grande beleza que nasceu das relações incestuosas que o rei Cíniras de Chipre manteve com a sua filha Mirra. “Adônis” passou a despertar o amor de “perséfone” e “afrodite”. A deusa grega “afrodite”, do amor e da beleza sensual, apaixonou-se por ele. No entanto, o deus “ares”, da guerra, amante de “afrodite”, ao saber da traição da deusa, decide atacar “adônis” enviando um javali para matá-lo. O animal desferiu um golpe fatal na anca de “adônis”. O jovem morto desceu então ao submundo, onde governava ao lado de “hades” e a esposa dele (que para muitos “hades” significaria o próprio inferno. O termo “hades” é o equivalente grego da palavra hebraica “she’óhl”, usualmente transliterada para o português por “seol”, e aplica-se à sepultura comum da humanidade. “pois não deixarás a minha alma no hades, nem permitirás que o teu Santo veja a corrupção;” atos 2:27), e a deusa “perséfone” – a rainha do submundo, que também apaixonou-se por ele. “tamuz” também tinha como companheira “asterote”, a rainha do céu – “Ishtar” para os acádios. Personagem do panteão fenício e na tradição bíblico-hebraica conhecida como deusa dos Sidônios (I Reis 11:2). Era a mais importante deusa dos fenícios. Filha de “baal” e irmã de “camos”, deusa da lua, da fertilidade, da sexualidade e da guerra, adorada principalmente em Sidom, Tiro e Biblos.
    “asterote” ou “ishtar” a rainha dos céus, segundo a mitologia era filha de “baal”, Irmã gêmea de “camoesh” (camos), esposa de “tamuz” o mesmo “adônis”, o deus promiscuo amante de “hades” . Os seus rituais eram múltiplos, passando por ofertas corporais de teor sexual, libações, e também a adoração das suas imagens ou ídolos. O seu principal culto ocorria no equinócio da primavera, e era época de grandes celebrações à fertilidade e sexualidade. O sexualismo e erotismo ligados ao seu culto faziam dela uma deusa muito adorada entre os povos da período, exatamente pelo seu teor. Talvez seja este o motivo que levou o rei Salomão a adorar esta deusa (1 Reis 11:5), contrariando o seu Deus.
    Guiados pelos instintos sexuais muitos homens como Salomão abandonaram a Deus. “Então, responderam a Jeremias todos os homens que sabiam que suas mulheres queimavam incenso a outros deuses e todas as mulheres que se achavam ali em pé, grande multidão, como também todo o povo que habitava na terra do Egito, em Patros, dizendo: Quanto à palavra que nos anunciaste em nome do SENHOR, não te obedeceremos a ti;… Quando queimávamos incenso à Rainha dos Céus e lhe oferecíamos libações, acaso, lhe fizemos bolos que a retratavam e lhe oferecemos libações, sem nossos maridos?” (Jr 44:15-16-19).
    A adoração da “rainha dos céus” chegou a ser praticada até o quarto século EC (era cristã.). Por volta de 375 EC, Epifânio declarou o seguinte em seu tratado Panarion: “Algumas mulheres decoram uma espécie de carro ou um banco de quatro cantos e, depois de estirarem sobre ele uma toalha de linho, num certo dia festivo do ano, colocam em frente dele um pão durante alguns dias e o oferecem em nome de Maria. Então, todas as mulheres partilham deste pão.” Epifânio relacionou tais práticas com a adoração da “rainha dos céus” apresentada em Jeremias, e cita Jeremias 7:18 e 44:25. (depois mudou de nome)
    A maioria do povo de Deus no período dos profetas maiores foi massacrada por invasores, ou entre eles mesmos, e os remanescentes foram parar na babilônia por 70 anos como um castigo de Deus. Assim o Senhor os deu mais uma chance libertando-os.
    “Assim disse Jeová: De acordo com o cumprimento de setenta anos em Babilônia, voltarei minha atenção para vós, e vou confirmar para convosco a minha boa palavra por trazer-vos de volta a este lugar.” (Jr 29:10)
    Depois da volta a Jerusalém o povo hebreu passou um período, apático e aparentemente um pouco mais voltado a Deus, creio que devido à lembrança do que passou em cativeiro; os ensinamentos escatológicos de Zacarias eram prova contundente de que era necessário lembrar-se do que havia ocorrido na babilônia. O Cativeiro na Babilônia e o regresso do povo judeu à terra de Judá foram entendidos como um dos grandes atos centrais no drama da relação entre o Deus de Israel e o seu povo “arrependido”. Mas isso duraria pouco tempo!
    A cultura grega havia se difundido pelo mundo a muitos séculos, Mas o período helenístico (apogeu.) da história grega começa com a morte de Alexandre magno em 323 a.C. (rei macedônio.) e termina com a anexação da península e ilhas gregas por Roma em 146 a.C., Roma desde sua fundação (21 de abril de 753 a.C.) sofreu forte influencia helênica.
    Os costumes hedonistas e cultos a “baal” entre o povo judeu como os que vimos anteriormente não cessaram; (Os 2:1-8); e Deus os entregou na mão dos romanos.
    Ao entrar triunfante em Jerusalém, em 63 a.C., o general Pompeu teve o atrevimento de penetrar no Templo, iniciando um período de profanação que acentuou ainda mais a perda de independência da nação judaica. Ao misturar-se com essas culturas o povo judeu apenas exacerbou esses hábitos levando-os mais uma vez a condição de subserviência e caos social. (e este foi o período da ocupação mais violenta que Israel viu desde a babilônia.).
    João batista vinha pregando o arrependimento da nação e falando sobre adultério; (como os profetas anteriores ele foi odiado por muitos dos seus, e está no Evangelho contada a morte de João Batista.); o adultério cometia Herodes (edomita judeu romano.) que se apaixonou por Herodiades, esposa de Felipe, irmão de Herodes. E João Batista criticava o rei, “porque João lhe dizia: Não te é lícito possuí-la.” (Matheus 14:4). Herodes não gostou. (o dominante é o reflexo daqueles que o mantêm no poder.). Teve o ímpeto de eliminar o profeta, mas temia o povo. Entretanto, para satisfazer compromisso assumido em público, com a filha de Herodiades (Salomé.), de que lhe daria o que ela pedisse, fez rolar a cabeça de Batista a pedido da moça, por insinuação da sua maldosa mãe (que não queria que fosse alardeada sua prostituição. Então usou a garota para seduzir Herodes.). E dessa forma vemos que por ter condenado o rei por prática de adultério, perdeu a vida o mais santo dos homens, nascido de mulher, antes de Cristo.
    O cristianismo estendeu muito o conceito de adultério segundo a tradição mosaica. Não era adultério somente o comércio com a mulher do próximo, mas o simples desejo de possuí-la. (Mt 5.28). Cristo manteve como adultério o que antes assim já era tido e foi mais além. “Todo aquele que repudia sua mulher e casa com outra, comete adultério; e quem casa com a que foi repudiada pelo marido, também comete adultério.” (Lc 16:18) “E, se a mulher deixar a seu marido e casar com outro, adultera.” (Mc 10.12).
    Da mesma forma com que João o próprio Jesus era odiado pela maioria judaica, que a maioria “democraticamente” (a maioria impôs seu querer.) preferiu a libertação do “badboy” Barrabás, (notório ladrão e assassino na verdade.). Então o povo pelas suas más escolhas mais uma vez sofreu as devidas penalidades.
    Com a derrota da Grande Revolta Judaica contra o domínio romano, em 70, Jerusalém foi tomada pelas forças do comandante romano Tito. Outra vez, as muralhas e o templo de Jeová (que o rei Herodes ampliara e embelezara, tornando-o portentoso.) foram destruídos, e o resto da cidade voltou a ficar em ruínas. E sua população massacrada.
    Depois disso muitos judeus se dispersaram mundo afora causando a fragmentação da comunidade enfraquecendo-a.
    Posso afirmar que com o que está sendo dito até agora serei muito criticado, mas pelo que será dito adiante serei odiado, pois tocar neste tipo de assunto é motivo de ódio e perseguição, da mesma forma com que todos os outros que tocaram em assunto tão delicado como depravação ou idolatria foram. Pois envolvem pessoas de poder, líderes, e toda a comunidade (inclusive o povo de Deus.), pois é a maioria.
    trecho do meu livro

  9. Interessado

    Eu já tinha escrito isso no meu primeiro comentário quando entrei no blog mas vou escrever de novo. No primeiro texto que eu li aqui, toda essa merda de cultura moderna, de repente me fez sentido. E eu juntei tudo na mesma hora e postei que todos esses sangue-sugas bebem do mesmo pote. Da mesma fonte. Do sangue de gente reta de verdade de coração e caráter. E não estou querendo me gabar não. Mas identifiquei esses tipos todos de uma vez: Comunistas, falsos religiosos, socialistas, anti-racistas, anti-homo-fóbicos, e as tão acaloradas feministas. E o pior, essa semente me foi implantada ainda na escola. Um Colégio católico de freiras. E adivinha quem era a professora de religião que mais nos incutia essa droga toda? Resposta: A freira mais serelepe de todas. Fora os professores de História, O.S.P.B. Moral e Cívica, todos juntos em prol de nos ensinar a “verdadeira cidadania”. Hoje a própria Igreja Católica sempre tão rígida em sua doutrina se desfez como um castelo de areia. E para os que são católicos, evangélicos e até mesmo ateus e que postam aqui. Que têm Fé ou não lembrem do Milagre de Fátima. O que Nossa Senhora disse aos pastores: Primeiramente sobre o comunismo e a Rússia. Pesquisem a respeito e verão quem foram Marx, Engels, e os presidentes Russos que os seguiram. Depois Nossa Senhora fala sobre a segunda guerra, Hitler e todos os males que já estão no mundo. E para os que não acreditam nas aparições dela por questões dogmáticas considerem que Cristo virá dos céus apenas no fim dos tempos como escrito na própria Bíblia. Agora vejam por si mesmos, contem na Bíblia quantas vezes Maria se pôs em alguma posição de destaque perante algum apóstolo ou a quem quer que seja. Mesmo depois da ressurreição e ascensão de Jesus aos céus. Resposta: Nenhuma. Leiam Provérbios, o capítulo 31 todo. Mas especialmente os versículos 28 e 29. “Seus filhos a proclamam bem aventurada e seu marido a elogia. Muitas mulheres têm vigor mas tu a todas é superior” Eu li isso uma vez em num mural de uma Igreja Evangélica no dia das mães. Quem é saudada dessa maneira pelo anjo? Repararem como se trata de uma profecia que se cumpriu com a vinda de Jesus. A Igreja Católica a chama em uma maneira simbólica de esposa do Espírito Santo. Não há nada de errado em amar Maria e orar a ela, sejamos evangélicos ou católicos mas saibamos: Ela não está por trás do feminismo, comunismo ou qualquer “ismo” que seja. A não ser o Cristianismo.

  10. Richard White

    Bem, sou gnóstico-cristão (o que já me faz inimigo fidagal do ateísmo) e digo que você está certo.
    Jesus olhou para Maria Madalena (prostituta arrependida de verdade, é lindo ler a cena em que ela lava os pés de Cristo com suas lágrimas e os enxuga com seus cabelos) como mulher e foi tentado a desistir de sua missão para ficar a seu lado (os carolas com certeza imaginam um jesus castrado que não sentia atração sexual). Mas ele tinha uma missão e a cumpriu mesmo sacrificando sua vida.
    Hoje em dia a seita da igreja católica parece querer substituir o Pai do Pai Nosso pelo pai/mãe o que demonstra o quanto lhes falta testosterona.

  11. elias

    cara, eu sou evangélico e venho notando que realmente há feministas querendo mudar o padrão que Jesus inseriu (esposas, submetei-vos a vossos maridos).
    no entanto tenho que admitir, Jesus não aturaria essa palhaçada, e vc mesmo sendo ateu parece ser bem informado. valeu!

  12. EU CREIO

    Eu não sou ateu, Eu Creio em JESUS CRISTO, posso diser que sirvo a CRISTO em uma Igreja séria, que teme a palavra de DEUS e a aplica em seu dia a dia, somos conservadores e isso irrita muito os liberais que mundanizaram a igreja, tornando-a mais ou menos isso aí que foi postado, mas asseguro-lhes que a verdadeira Igreja não é isso. Aqui JESUS é o soberano e não a “virgem maria”. E se vocês lerem as escrituras ( o que eu recomendo) verão o que lá diz: “Maridos amai as vossas esposas, e vos esposas sede submissaa aos vossos maridos”, Agora eu pergunto: O que há de errado com isso? Eu amo minha esposa e ela é submissa á mim e formamos um bom casal Cristão. Em momento algum a Biblia endossa ou fomenta que Homens sejam submissos ás mulheres, e sim o contrário, e olha que eu já li toda a Biblia. Concluindo, nem todas as igrejas são iguais ainda existe algumas que levam á sério a palavra de DEUS, mas infelizmente a maioria não, e fazem o que JESUS já havia predito há mais de dois mil anos: ” E farão comércio de vós”.
    Abração a todos e qualquer duvida postem respostas a esse comentário, que chegara uma notificação ao meu e-mail.

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: