«

»

dez 04 2011

A praga da masculinidade moderna

por Paul Elam

Uma massa de jovens atuais estão amarrados num impasse na estrada da realização de sua masculinidade. Eles estão atolados na confusão de uma geração perdida para as forças traiçoeiras que eles nem sequer sabem direito o que é. Eles estão lutando para sobreviver; impossibilitados de alimentar suas almas num mundo que os considera cada vez mais desnecessários e inconvenientes.

Eles vieram ao mundo numa era de impotência forçada, com sua masculinidade nascente sendo destroçada antes deles terem a chance de moldar seu caráter e seus destinos. Sofrem com a perda de coisas que nunca terão, de coisas que não existem e que eles nunca saberão o que são. Eles são, literalmente, uma geração perdida de feridos errantes, inteiramente perdidos no campo de batalha de uma guerra que eles nem sabem que estão participando.

Deste jeito, o caminho que eles seguem não é o caminho da masculinidade, mas simplesmente um recuo do mundo promíscuo que importunam suas vidas. E isto não dá a eles uma base sólida, mas sim um caminho de uma cultura decadente de superficialidade e de auto indulgência; um mundo de opções sem obrigações; auto gratificação sem ter a consciência da responsabilidade ou disciplina. Esta é a marcha final do macho ocidental, destinado a ter um triste fim por causa de uma atrofia intelectual, psicológica e moral.

Esta existência narcisista e sem um propósito maior é uma escapatória forçada de uma vida engolfada em vergonha; da masculinidade sendo reduzida a uma piada evolutiva aos olhos de uma cultura que os despreza, e com os mais velhos negando o que está acontecendo. Com cada vez mais a sociedade apagando o seu papel e o abandono por parte de seus pais, o novo jovem degenerado está totalmente indefeso contra esta queda terminal à insignificância.

Está acontecendo ao nosso redor. É só entender os eventos atuais para ver que o mundo masculino está sendo drenado; desaparecendo das fundações estáveis da educação e do emprego. Eles são alvo da desinformação sobre o crime e a violência doméstica, e sobre seus desvios sexuais contra mulheres e crianças. Isto não é mais divagações de ideólogos malucos. A demagogia agora emana diretamente do governo, apoiados pelos homens da capa preta e principalmente por homens armados. O aparato judicial foi refeito, não para praticar a justiça, mas para prender homens na menor das oportunidades, mesmo se para isso for necessário encorajar falsas acusações. E agora não é mais apenas a ridicularização do homem. É sobre a total subjulgação masculina. E ela não está sendo executada apenas por feministas e mulheres, mas também por homens.

Muitos de nós acreditam que a solução seria voltar ao passado, quando pensávamos que os homens eram os mestres absolutos; onde eles possuiam a força e o poder para repelir esta tragédia cada vez mais crescente e a derrubá-la. Podemos estar errados. Nós não podemos voltar ao passado. Aliás, nem deveríamos retornar a ele. Pode se dizer que o passado é um dos responsáveis por termos chegado a este ponto. E esta é uma verdade que temos que encarar, não importando a tendência de tentar encontrar outro culpado para isso e satisfazer nossas frustrações com a conveniência de se ter um inimigo facilmente indentificável.

Como sempre, nosso maior inimigo sempre estará no espelho. A única coisa que poderá nos salvar é ter consciência disso e agir de acordo.

No mundo incerto e muitas vezes estranho do movimento masculinista, tentamos dar uma outra alternativa a esta chaga social; tentar criar um paraíso, pelo menos mental, para os refugiados desta cruel guerra entre gêneros. É uma missão que fazemos de uma forma nem tão correta, mas a damos prosseguimento, tentando chegar a alguma solução. Nós lutamos, eu penso, como no filme Matrix, como homens que tomaram a pílula vermelha e começam a enxergar a realidade, tentando formular uma resposta apropriada, e assim tentando levar alguma sanidade e equilíbrio de volta à consciência coletiva; tentando fazer com que isso passe pelo controle dos arquitetos da misandria institucional, sejam eles homens ou mulheres. Mas mesmo exercendo pressão, não temos uma firme compreensão contra o que realmente estamos lutando.

Nós não apuramos, ou nem tentamos fazer uma análise, sobre o impacto que o papel da masculinidade tradicional tem neste problema. Infelizmente, muitas vezes assumimos um papel vitimista, clamando que não temos culpa do que acontece conosco. De vez em quando, muitos de nós reagem energicamente contra a misandria, mas ignoram examinar com a mesma disposição como a conduta masculina pode ter contribuído para isso. Consequentemente, todos os esforços feitos nesta análise falharam. Fizemos alguns progressos, que provavelmente farão com que o movimento evolua bastante, mas não sem antes termos algo além da hostilidade que temos contra nossos inimigos declarados.

Nossa resposta mais simples seria checar o que está acontecendo e tentar seguir nosso caminho, mas afirmo que isto não é uma solução definitiva, mas sim um recuo estratégico; uma chance de reagrupar e pensar numa nova estratégia. Lembre-se que estes jovens perdidos nestas encruzilhadas da vida também checaram as coisas por si mesmos. E eles não gostaram do que viram.

E isto nos forçará, cedo ou tarde, a tomar uma pílula amarga. E encarar uma realidade que alguns acharão terrível.

As feministas estão certas. A masculinidade é, relacionada com a realidade atual, corrupta, opressiva e com elementos destrutivos que precisam ser alterados.

E eu falo literalmente mesmo. E não estou brincando.

Na verdade, o que prova os meus argumentos é a monstruosa degenaração que estamos assistindo, mais do que qualquer coisa, é resultado de uma masculinidade antiquada e muito equivocada.

É claro, assim que cavamos mais que um milímetro neste assunto nos será aberto uma trajetória filosófica totalmente diferente do que a mentalidade doentia das feministas pregam.

Para guiar nosso caminho, veremos duas coisas que as feministas não enxergam. Primeiro, estudaremos este assunto sem a agenda política movida por uma vingança imbecil que as feministas tem ou um mandato que nos faz dominar a outra metade da população. E segundo, tendo como objetivo sincero o benefício de todos, não de apenas um grupinho.

O único lugar sensível para começar é tentar entender melhor a masculinidade por si mesmo, algo que não pode ser feito num simples artigo, mas que pode nos dar uma idéia melhor do que acontece do que estudar 40 anos de estudos sobre mulheres e diferenças de gênero. Dependemos das contribuições combinadas da história, mitologia, política e o mais importante, da sociobiologia humana. Porque no fim nós somos mais uma espécie de animais que a existência depende do desenvolvimento de estratégias reprodutivas, onde a mais básica delas é que os machos mais agressivos são selecionados para ter a disposição as melhores fêmeas para se reproduzirem.Estas estratégias surgem de um ambiente em que a necessidade de produzir descendentes com alta probabilidade de sobrevivência é prioridade. Na necessidade de sobrevivência, esta estratégia, e não o patriarcalismo opressor, é que moldou a hierarquia masculina, o que daqui para frente chamaremos simplesmente de masculinidade.

Algumas verdades inconvenientes – A hierarquia dos homens

Mesmo com os diversos exemplos de tipos masculinos da nossa história e da mitologia, na verdade os homens podem ser divididos em 4 classes básicas. Os 3 mais comuns são os machos alfa, beta e omega. Deixarei o quarto tipo para depois.

Dois exemplos de "machos alfa".

Machos alfas são uma pequena parcela de nossa população. São homens altamente dominantes que geralmente habitam o topo de nossa pirâmide social. São homens que são geralmente caracterizados por sua habilidade de forçar outros homens a respeitá-lo, geralmente isto é confundido com liderança, e de obter e manter o poder, o que o leva a ter a preferência na escolha das melhores fêmeas. Não há evidências que sugerem que esta descrição foi diferente em algum momento da nossa história, e não há como negar que os machos alfa geralmente obtém as melhores fêmeas.

Mas tudo na vida tem seu preço. Os alfas tendem a ser controladores obsessivos, que abusam dos outros e são megalomaníacos. Se você pegar qualquer déspota na história da humanidade, que matou incontáveis pessoas de sua própria nação para poder manter o poder em suas mãos ou apenas por ser um sadista, você esta olhando para um macho alfa. Com os alfas, você pode jogar qualquer código de honra pela janela. Estas códigos nada mais são que ferramentas que eles usam para forçar betas e ômegas a aceitarem melhor o controle do alfa. Deixando o romantismo de lado, o código do alfa é conquistar e controlar, ambos objetos de desejo seu e dos homens que o alfa usa para conquistá-los. Falando categoricamente, eles podem ser considerados a pior espécie de macho existente. Mas eles é que fazem as coisas acontecerem, se você não se importar com a liberdade e as vidas que podem ser perdidas no processo.

Estas características são também as mesmas que as feministas usam para definir a masculinidade como um todo, pintando todos os homens como seres opressores, o que é uma tremenda burrice. Como elas conseguiram impor essa mentira, elas também pegaram alguns casos excepcionais e atribuiram estes casos como se fossem do comportamento masculino em geral, como por exemplo: ser espancadores, pedófilos, estupradores, etc.

Um bom exemplo de "machos beta" são os comissários do povo soviéticos. Eram o braço forte do ditador da vez, tendo o seu próprio poder e esfera de influência, mas de uma maneira que não podiam desafiar a autoridade do "camarada ditador".

Historicamente, os que desafiam o poderio dos alfas geralmente são outros alfas e as vezes algum macho beta, que formam o próximo nível da estrutura do poder masculino. Os betas servem como os “policiais” dos alfas, o braço forte usado para manter o controle da grande população. Eles também fazem o papel de “pseudo alfas”, tendo o seu próprio poderio, mas sempre ao controle do alfa que os dominam e controlam, o que inclui também a preferência das melhores fêmeas. Como os caras que acompanham bandas de rock, de vez em quando a fortuna acaba caindo em suas mãos, e também em suas camas.

Lá no fundo, e sendo a maioria dos homens, temos o macho ômega. São apenas peões de xadrez, sob o controle direto de algum alfa, ou de um beta mais poderoso. Este é o homem comum, e o mais exposto aos perigos da vida.

Uma boa maneira de entender o que estou tentando explicar é analisar a hierarquia militar. Afinal, são os soldados rasos (os ômegas) que tem o maior número de casualidades, enquanto os oficiais (betas), com destaque aos generais (os alfas), que ficam com a maior parte da glória da vitória, derramando pouco ou nenhum sangue no processo.

Machos ômega. Meros peões de xadrez e completamente descartáveis. Você provavelmente é um desses agora...

O governo funciona na mesma maneira. Simplificando, o alfas fazem as leis e os betas as impõem sobre a grande massa de ômegas que compõem a população.

Ou o governo costumava funcionar desta forma, mas na verdade não é mais assim.

A grande liquidação política que mudou o mundo

Os machos alfa no governo não estão a fim de colidir com feministas para não perder uma quantidade considerável de votos. E além disso, eles tem suas esposas, muitas delas apoiadoras do feminismo, o que reduz tudo a um imperativo biológico. Machos alfa não estão a fim de perder seu poder de barganha sexual. Como notaram que poderiam perder este poder de barganha, eles acabaram cedendo a posição de comando à agenda feminista e tornaram seus meros cães de guarda. Você não terá exemplos melhores que Barack Obama ou Joe Biden – ou até mesmo George Bush – para confirmar isto. Estes alfas viraram os capangas musculosos para o “Don” Feminista (NT: para quem não sabe, o Don é o chefe de uma organização mafiosa), mantendo o seus privilégios através da imposição de imperativos ideológicos às pobres massas que estão abaixo deles. Eles se tornaram os policiais que jogam homens comuns na cadeia por que a mulher fez uma simples acusação infundada. Eles se tornaram os juízes que condenam homens em cortes corruptas; políticos que aprovam leis cada vez mais misândricas; donos de corporações farmaceuticas que tentam impor remédios como a Ritalina que drenam a força e a vitalidade de nossos garotos, que os façam ficar mais maleáveis para serem aproveitados para os propósitos femininos assim que seus pais forem expulsos de casa.

Não é irônico? O suposto líder incontestável da hierarquia masculina foi desmascarado pelo feminismo e na verdade se demonstrou um belo escravo sexual. Esta série de eventos é também uma lição do poder real, onde quando o assunto é a seleção sexual a mulher tem todo o poder de escolha e decisão.

Mas uma ironia ainda maior foi revelada. Mulheres, que sempre reclamaram que foram excluídas do poder, e ainda hoje reclamam sobre isso, descobriram há mais de 40 anos atrás que tudo o que elas tinham que fazer para ter o poder absoluto era simplesmente assumir um controle maior nos relacionamentos sexuais, e foi o que elas fizeram. E estes homens supostamente “poderosos” se tornam meros garçons atendendo os pedidos dos clientes na presença dessas mulheres. (NT: uma boa frase que o Doutrinador falou e que resume bem esta situação é:  “Se o homem é viciado em sexo, mulher vira traficante.“)

Nem eu mesmo gosto muito desta conclusão. De fato, como um homem que se esforça incessantemente para romper velhos paradigmas, eu fico até envergonhado com isso.

Nada aprendido, nada conquistado

Entretanto, o que aconteceu aqui é que as mulheres, usando seu poder biológico bruto disfarçado de feminismo, tomou o status de alfa dominante em nossa cultura, e o resultado está descambando rapidamente para uma era de opressão e injustiça mais terrível que qualquer outra. Está na natureza da mulher conseguir melhores condições de vida através da utilização do trabalho e do status “descartável” do homem sem o mínimo freio moral ou remorso, e é assim que a nossa sociedade alcançou esta situação digna de uma estória Orwelliana.

Derrotar estar monstruosidade requer a tarefa praticamente insana de batalhar (figurativamente) contra os machos betas “policiais” mascarados como machos alfas dominantes, não para trocar o comando, mas com uma ideologia que se prenda como infinitos tentáculos pela consciência de toda a população, e que emana lá do coração da psicologia evolucionária humana.

E o primeiro passo para isso deve ser definir os elementos da masculinidade que permitirão que isto acontecerá.

Este é o novo chefe, igual ao chefe antigo

Eles dizem que não há nada de novo sob o sol. A História valida esta afirmação. Podemos ver muito bem que o movimento feminino não é realmente uma nova era para as mulheres. Se for ver de perto, nada mais é que homens e mulheres praticando suas estratégias biológicas de uma maneira altamente sofisticada. Tão sofisticada que está começando a fazer que grande parte dos homens se tonrnem descartáveis. Tão inúteis, na verdade, que já estão pensando em maneiras de se livrarem deles.

Era previsível isto acontecer assim que o controle masculino sobre o meio ambiente fizessem as coisas por aí seguras o suficiente para que as mulheres começassem a adquirir poder e recursos fora do seu papel tradicional de mantenedora do lar. É por isto que o feminismo só encontra lugar em paises industrializados onde a lei é levada a sério. E é por isso que você vê a lei propriamente dita sendo manipulada para cada vez mais se distanciar do conceito de justiça (o que é necessário num mundo masculino) e se movendo cada vez mais para criar mais e mais mecanismos que dão proteção e recursos para as mulheres (o que sempre foi o desejo de ambos os sexos).

Não é por causa do desejo de igualdade ou pelo amor de valores igualitários que fizeram as feministas tomarem o governo, mas somente a cega biologia humana, o que não diferencia muito do que era feito pelos hominídeos na África a milhares de anos atrás. E o sucesso arrebatador dos homens em controlar o meio ambiente e criar uma tecnologia avançada está começando a nos fazer “desnecessários”.

Simplesmente, os homens cavaram a sua própria cova.

Como observado antes, começamos a desaparecer dos postos de trabalho e das universidades, e o governo está adotando medidas para acelerar este processo. Não precisa ser um teórico da conspiração para ver que isto pode levar ao fim da raça humana, ou pelo menos dos homens. Em termos práticos, há mais homens do que o necessário. Aqueles que irem sobrando terão seu status cada vez mais reduzidos e serão alvo de controle ainda mais draconianos.

Mas é claro, há um fator que poderá virar este jogo. É o instinto de sobrevivência, o único instinto mais forte que o sexual, e ele já está começando a dar sinais de vida. Um destes sinais é o movimento masculino; movimento pelo direito dos homens, “homens seguindo seu prórpio caminho” (MGTOW) (NT: isto em termos americanos. Em termos brasileiros, podemos citar o “Movimento da Real” e o nascente movimento masculinista brasileiro). Nós somos as evidência que os homens podem transceder o instinto biologico puro; a prova que pode haver algo novo sob o sol. E estamos crescendo rápido (NT: não só lá, mas aqui no Brasil já há sinais de reação) porque cada vez mais mais e mais homens estão começando a perceber que a misandria nada mais é que uma arma carregada apontada para nossa cabeça e para a cabeça de nossos filhos.

Ao contrário do feminismo, que não passa de uma ação destrutiva do papel sexual tradicional das mulheres, o masculinismo é o outro polo oposto. É a primeira vez na história que tal coisa acontece. (NT: mesmo Nessahan Alita não se intitulando masculinista, é interessante notar que um dos pontos principais da sua obra é ‘transceder o macho alfa”, “não se deixar controlar por nosso lado animal”, etc, etc.)

E é precisamente esta luta que temos que travar! Não é só contra as mulheres ou contra as feministas, mas com os aspectos da masculinidade que estão nos levando a destruição porque eles estão ultrapassados, arcaicos e com prazo de validade vencido. Que o cavalheirismo que ainda resta nada mais é que veneno na nossa água. E temos que tratar as velhas definições de masculinidade da mesma forma. No passado existia um código de honra que servia para os alfas controlarem melhor os outros homens, mas no mundo moderno até as pedras sabem que estes códigos servem agora ao poder feminino. E atualmente o cavalheirismo tem outros nomes, como as leis de proteção contra violência doméstica que só beneficiam as mulheres, as leis draconianas de pensão alimentícia, as varas da família que sempre dão preferência da guarda dos filhos às mães, não importando se as mães não tem condição de cuidar deles, leis de divórcios insanas, a midia que tem um forte viés anti masculino, ou, resumindo tudo isso: misandria.

O quarto tipo de homem – o macho zeta

Como dito anteriormente, o movimento masculinista é único e praticamente sem precedentes na história humana. E isto nos trás outras coisas interessantes. Uma delas é o guerreiro “socio-sexual”, e eu me referirei a ele agora como o macho zeta. Este nome continua fiel a classificação dos homens, que utiliza as letras do alfabeto grego, mas há mais significado neste rótulo. Eu a peguei da estrela Zeta Persei. Eu gosto da metáfora da navegação estelar e como ela é aplicável ao contexto da nossa geração perdida. Mas também fiquei intrigado em ver que Persei é uma variação de Perseu, o primeiro dos heróis mitológicos gregos. Perseu é conhecido pelo seu talento em derrotar monstros arcaicos, como a Medusa, que era uma mulher comum possuidora de uma grande beleza, e ela era apaixonada por sua própria aparência e por seu poder de atrair homens até que ela foi transformada em um montro horrível pela deusa Atena, que depois utilizou a cabeça cortada da Medusa como uma arma presa ao seu escudo.

Em 1940, num artigo escrito por Sigmund Freud publicado postumamente, chamado “A cabeça da Medusa” (Das Medusenhaupt) onde ele postulou que a Medusa representa a castração na mente de uma criança, relacionada ao descobrimento e a posterior negação da sexualidade maternal.

Mais interessante ainda, é que em 1978 as feministas adotaram (ver Women: A Journal of Liberation) e reinterpretaram a imagem da Medusa como sendo representativa da fúria feminina, e serviu como um símbolo da solidariedade feminista.

Então Perseu, variação do nome Zeta Persei, é o matador da vergonha (controle) edipiana e do arquétipo da fúria descontrolada das feministas.

O macho zeta.

Esta nova classe de homem é inédita porque é um homem que até hoje nunca foi necessário, e na verdade nunca esteve por aqui. Ele está emergindo, ainda precisa de refinamento e está lutando para aprender a caminhar, mas está se desenvolvendo cada vez mais rápido graças ao ambiente fértil e seguro provido, acima de tudo, por outros machos zetas que estão surgindo pela internet. Ele não tem alinhamento com as velhas tradições do passado, e de fato está decidido a contruir um novo caminho. Ele não abaixa a cabeça ou é intimidado para se silenciar, ou persuadido pela sedução. Ele não se encaixa na hierarquia clássica, e pode muito bem ignorá-la em nome da sua causa. Quando alguém fala para ele agir como “um homem de verdade”, ele simplesmente sorri e diz “Não, obrigado.”

Ele não deseja o poder, mas a justiça. E ele tem uma característica primordial praticamente inexistente nos outros ao seu redor.

Ele se importa com esses jovens perdidos que foram sacaneados sem nem terem saídos direito do ninho. E ele vai se esforçar para se tornar um exemplo, a prova viva que há outras opções a serem seguidas além daquelas que os levem para a auto destruição.

fonte: http://www.avoiceformen.com/2010/07/01/the-plague-of-modern-masculinity/

10 comentários

1 menção

Pular para o formulário de comentário

  1. Diego

    Cara desde o princípio a história bíblica mostra a fraqueza da mulher pelo poder e a do homem pela mulher o fruto do Éden simboliza os três desejo do homem em Genesis fala que o fruto era bom pra se comer, desejável aos olhos (bonito) e bom para dar entendimento ser como Deus.
    E Eva caiu no último desejo “poder” depois Eva pelo seu poder de sedução fez com o que o homem caísse também.

  2. Observador

    Engraçado! Cadê os “comentários” femininos e ou feministas para esse artigo?

  3. tonho

    Falar pra você que achei esse artigo quando estava pesquisando obsessivamente sobre se o “tamanho é documento”. Sim, obsessivamente. Fui pego de jeito., Não tem munição melhor que uma mulher pode usar do que apelar pra nossa virilidade. Estou completamente á mercê de uma idiota que me fez desacreditar tanto em mim mesmo, que até sair dessa relação fica difícil, afinal, se ela estiver certa, o que sobra pra mim lá fora? Ela conseguiu me convencer que eu não sou suficiente. E para isso ela não tacou nada na cara diretamente. Primeiro deixou escapar uma asneira na cama, depois fez uma comparação “despretensiosa” com o ex e depois começou a negar fogo. Daí ciúmes patológico de minha parte e a justificativa dela de que sou eu, claro, quem está detonando o relacionamento. “Não é seu pau, é seu comportamento”, ela diz, fazendo questão de NÃO parecer convincente. De plantar a dúvida.

    Juro que estou apavorado. Obcecado com a idéia de que serei trocado. Obcecado com a idéia de que por mais servil que eu seja, não serei suficiente. Puta merda. Se me resta alguma dignidade, tá na hora de cavar pra cima e sair da cova, ou morrer tentando.

    Cara, tudo bem, alguém pode dizer “que isso tem a ver com o artigo?” eu digo que tem tudo a ver. Porque a mulherada aprendeu a detonar nossa virilidade nos comparando uns com os outros. Tem tática feminina de guerra melhor do que iludir o oponente de que o inimigo é outro oponente?

    As mulheres estão nos colocando uns contra os outros. E está cheio de imbecil adorando isso. E eu estou preocupado comigo, de verdade. Minha depressão vem a níveis alarmantes. Está virando delírio. A gente sempre quer saber de que material realmente é feito. E eu estou tendo a pior resposta possível sobre isso a meu respeito.

    1. Ediclê

      Cara, lamentável sua situação! Não estranhe a data deste post. Estou conhecendo o site neste momento e estou devorando os textos e os comentários.

      Eu vivi, quero dizer, vivo com uma verdadeira “terrorista”. Me infernizou a vida inteira! (nosso relacionamento se iniciou na adolescência e hoje estamos próximos dos 40).

      Chegamos a nos separar. Mas após muitos anos sendo jogado constantemente para baixo, estava num processo de depressão e auto-destruição grave. Não tive forças para encontrar meu caminho num novo relacionamento. Acabei vivendo outros não muito saudáveis também, e por fim, reatamos.

      Na minha experiência de solidão, consegui recuperar um pouco de auto-confiança e orgulho. Achei que não estava mais indefeso e não me submeteria mais à opressão de outras épocas. Ledo engano… O recomeço foi duro, tivemos que lidar com o ciúmes de fantasmas deixados por uma vida de solteiro. Conseguimos prosseguir, conquistamos uma vida de mais conforto material juntos, mas nossa vida emocional e sexual não seguiu o mesmo caminho.

      Ainda assombrado por um estado de depressão que perdurou por muitos anos, eu tive que, por recomendação médica, continuar com a medicação, que por sua vez causa queda na libido. Confesso que após me relacionar com outras mulheres, também perdi um pouco do interesse pela minha.

      Ela até foi compreensiva durante um tempo, mas numa DR a mulher não exita em usar qualquer arma que tiver à disposição, não importa o quão moralmente baixa seja essa atitude. É aí que me compadeço com a sua situação. Uma companheira de verdade não faria tal atrocidade.

      Todo terrorismo emocional voltou! ameaças de traição, humilhações, ameaças de separação, comparações com ex, etc… Tentei usar várias táticas: silêncio, contra-ataque, provocações, etc. Mas só funcionou quando eu enchi o saco e falei que se ela me considerava tão miserável, que fosse embora!

      Na última separação eu saí de casa e só levei minhas roupas, pensando que era minha obrigação deixar mais para ela. Desta vez eu ressaltei que não sairia da casa que também é minha. Como que por um milagre, nos meses seguintes ela se acalmou.

      Atualmente passamos por momento de paz e espero que não seja apenas um momento.

      Senti vontade de compartilhar um pouco da minha história e também te encorajar a seguir a tua procurando algo melhor.

      Abraço!

  4. Gabriel Ricardo

    rs Só achei a colocação quanto ao alfa muito pretensiosa. O Alfa não é necessariamente um “chefão matador”. Ele se assemelha ao Zeta tendo como principal diferença sua necessidade de liderança.

    1. Barãozin

      Os grandes ditadores não me pareciam homens assim tão “magnânimos”…

    2. Genilson Araujo

      EXCELENTE TEXTO

  5. Diego Oliveira

    O “macho-alfa” atual transcendeu a necessidade de se encarnar numa pessoa: ele hoje é o Estado, o Grande Irmão que zela por ti – caso você seja mulher, ou renuncie sua masculinidade.

    O artigo acima tem bastantes pontos de contato com este:

    http://www.midiasemmascara.org/artigos/cultura/14049-espirito-de-epoca.html

    “Espírito de época, por Jeffrey Nyquist

    Meus colegas libertários podem perguntar porque nascimentos fora do casamento estão relacionados com a destruição do capitalismo. A resposta é simples. O Estado de bem-estar social alimentou essa catástrofe social da orfandade paterna.”

  6. Fulano de Tal

    Provavelmente um dos melhores artigos daqui, por vários motivos. Sem mais.

  7. rudi

    Muito bom! A liberdade está na consciência das nossas escolhas. Poucas vezes agimos de maneira sóbria, fazemos nossas escolhas por ação dos nossos extintos, e depois de um tempo vemos que só foi feito M***. Um homem justo beneficia ao próximo e a ele mesmo. Viva o Macho Zeta!

  1. O Macho-Zeta | Coca Mentolada

    […] conceito de macho-zeta foi cunhado, até onde eu saiba, pelo psicoterapeuta americano Paul Elam. Ele alega que é um acontecimento inédito na história humana, pois o perfil do macho-zeta […]

Deixe uma resposta

Switch to mobile version
%d blogueiros gostam disto: